Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

INOCÊNCIA XXI

A minha vida ficou bastante incerta com a repentina demissão da fábrica. Por vezes penso no quanto um empregador pode ser sacana, deixando-nos acreditar até a ultima hora que estamos agradando: “A empresa entrou em crise. Temos que demitir”. Quais foram os critérios para demissão, se outros tantos permaneceram? A minha sorte era que a minha ex-mulher também trabalhava e, com um excelente salário, não exigira nenhuma pensão. Eu sá tinha que sobreviver e apesar de acreditar no ditado de que “Pedra que tanto rola, não cria limo jamais”, resolvi aventurar-me por outras paragens.



A minha velha moto já rodara muita quilometragem, além da prevista para a revisão.Assim tive que investir parte das minhas economias, deixando-a inteira e com um “side car” para levar bagagem adicional, ferramentas, peças de reposição e pneu sobressalente. Planejei a aventura minuciosamente, levando em conta as minhas chances em diferentes lugares.



O nosso país tem muitas paisagens bonitas e acredito que seria o melhor lugar do mundo para se viver, não fosse pela instabilidade do mercado de trabalho. Eu via matas, morros e o som do vento uivando pelas reentrâncias do meu capacete. Ao longe um gavião fazia um mergulho sobre a presa. Mais além um pequeno avião de pulverizações sobrevoava uma grande lavoura.



Apás passar por uma cidade pequena, entrei em uma estrada vicinal, que pelo mapa fazia a ligação entre duas vias asfaltadas e encurtava o trajeto em quase sessenta quilômetros. Poucos quilômetros depois, o tempo se armou repentinamente para chuva. O céu tornou-se escuro, raios explodiam para todos os lados e um forte vendaval açoitava a vegetação em volta. Eu lera em algum lugar que era uma péssima idéia procurar abrigo sob as árvores, com o tempo naquelas condições.



Eu já estava ensopado, quando finalmente encontrei uma casa à beira da estrada. Abri a cancela da cerca de arame farpado, entrei com a moto em um galpão tosco ao lado da casa, onde um “Fusca” velho já se encontrava estacionado. Abriu-se uma janela da casa e um homem com voz cordial me convidou para entrar.



Tratava-se de uma família de pequenos agricultores. O pai, com aparentes quarenta anos, a mãe pela casa dos trinta e cinco e uma filha que se encontrava enferma. Foram bastante solícitos, emprestando-me roupas limpas e secas, enquanto as minhas secavam. Estavam preocupados com a enfermidade da filha. Foi com simplicidade e desprovidos de maldade que eles me levaram até o quarto para ver a moça. A Eliane.



Ela era muito bonitinha, cabelos castanhos escuros até aos ombros, olhos também castanhos, rostinho com muita personalidade. A parte do tronco por fora da colcha branca, mostrava o contorno de seios pequenos, porém bem feitos. Vestia-se com o que parecia ser uma camisola branca de algodão. A cama era encimada por um quadro de Santa, que me pareceu ser a Santa Rita de Cássia.



Ela estava pálida e o corpo tremia de leve.“Olá moça... gostando de ficar na cama?” Ela sorriu meio desconcertada com a invasão.



“O que ela tem?” O pai disse que ela ferira o pé direito em uma farpa de bambu, na véspera, que o ferimento estava infeccionando e que ele a levaria ao posto de saúde da cidade vizinha tão logo pudesse.



Fiquei imaginando o “O tão logo pudesse”: Sem gasolina para o “Fusca”; vizinho mais práximo, bem distante. Provavelmente estavam pensando no que fazer, rezando para que a filha melhorasse.



“Vocês mediram a temperatura dela?” Eles não mediram, pois o termômetro estava emprestado com a cunhada. Mas achavam que ela estava quente. Lembrei-me de que trazia um “kit” de Saúde na moto. Houve uma ocasião em que eu ficara intimidado com as palestras dos médicos e enfermeiras nas reuniões do SESMT da fábrica, então resolvi cercar-me de cuidados por conta prápria.



Ela estava com mais de quarenta graus de febre. “Vocês vão precisar dar um banho nela”

Ajudei a amparar o corpo dela até ao banheiro, para entregar para mãe. Senti as suas carnes macias de encontro ao meu. Tive o início de uma ereção. “Pervertido!!!...nem uma moça doente? Falou o meu lado são.”Eu não tenho nada com isto...Não sou médico...Sou operador de máquinas. Falou o meu lado doente”.



Sabendo do perigo da prescrição por leigos, levei em conta as circunstâncias e ofereci para Eliane um conhecido comprimido antitérmico que encontrei no “Kit”. Como a chuva continuasse, apesar de mais branda, a família ofereceu-me pernoite. Agradecido, coloquei-me à disposição para conduzir a enferma no dia seguinte até ao posto de saúde, no “side car”.



Não havia mais camas na casa, mas um antigo e confortável sofá-cama de solteiro foi armado para mim ao lado da cama da Eliane, o único lugar possível além do quarto do casal. Elevei mais o encosto do sofá e pude ver o corpo da Eliane na penumbra formada pela luz que vinha da pequena sala. Ela estava agora ressonando tranquila. Levei a mão até à sua testa dela, que continuava quente, mas com certeza não tão quente quanto antes.



Ela virou-se de costas para mim e a colcha deslizou para frente de seu corpo, deixando à mostra uma bela bundinha, vestida com calcinha de cor indefinida. O seu pé direito estava protegido com a atadura que eu dera. Aquela visão me provocou uma rápida ereção. A bem da verdade, o meu pinto não tem mais que quatorze centímetros, mas estava duro feito ferro. Levei a minha mão para as proximidades da sua bunda e esperei para que algum movimento do corpo dela a encostasse-se em mim.



Ela movimentou-se e a bunda encostou-se na minha mão. Pude sentir o calor dela. Dei um tempo e movimentei lentamente os dedos como se alisando a curvinha da bunda, mais práxima da buceta. Ela afastou-se de repente, elevou a cabeça, olhando para trás e eu deixei a mão no mesmo lugar, fingindo dormir. Ela não se recompôs, deixando a bundinha à mostra e pouco depois pude sentir a sua bundinha se aproximando da minha mão, até que se encostasse à mesma posição de antes. Alisei de novo a linha da curvinha de novo e ela, ao contrário de se afastar, encostou mais a bunda na minha mão.



Elevei a mão e encostei as costas do dedo médio, no meio dos lábios da bucetinha, sobre a calcinha. Ela forçou o corpo de encontro ao do meu dedo e eu percorri com ele toda a extensão da sua racha, subindo e descendo. Sua respiração ficou ofegante Afastei os fundilhos da calcinha e introduzi o dedo na rachinha dela. Ela soltou um gemidinho baixo de fêmea. Levantei-me com cuidado, pois a casa tinha como teto apenas uma esteira de bambu. Passei pelo outro lado da cama e puxei o corpo dela, carinhosamente, de encontro ao meu. Beijei o seu rosto e a sua boca, invadindo-a com a língua e ela correspondeu prontamente, tremendo a sua língua na minha. Levei a minha mão para a sua bucetinha e a senti melando nas pontas dos meus dedos. Tirei a calcinha dela e ela abriu bem as coxas. Caí de língua, chupando todo o melado da bucinha. Enfiei um dedo e senti que ele atravessou o hímem sem rompê-lo e imprimi um movimento de vai e vem, dando linguadas no grelo. Ela se contorcia e se continha para não gemer alto. O corpo dela tremeu, esticou e a minha mão e língua ficaram inundadas com o meladinho do gozo. Achei que já arriscara o suficiente e fui para o sofá-cama. Demorei a pegar no sono, pois o meu pau continuava duro, babando e eu não tinha nem como bater uma punheta.



Levantei-me, sentindo aroma de café coado. Fui até à moto e esvaziei o “side car”, trazendo toda a minha bagagem para casa. Tomei café com a família. Eliane já havia trocado de roupa para ir ao médico. Vestia-se com simplicidade: calça jeans, blusa estampada de malha de algodão e um tênis no pé esquerdo. Em local mais iluminado ela era muito mais bonita do que eu pudera perceber. Junto com o pai, a levei até à moto, onde ela se acomodou com dificuldade. “Que Deus lhe ajude, pois a nossa filha Ele já ajudou colocando você no nosso caminho”. Senti uma ponta de remorso.



Era um retorno de quase quinze quilômetros até à pequena cidade por onde passei por último. O tempo se abrira em uma bela manhã. Eliane sorria, enquanto o vento revolvia os seus cabelos. Olhei nos olhos dela e ela me devolveu um olhar profundo, quase desviando a minha atenção do caminho. Chegamos até ao posto de saúde e o médico prescreveu os medicamentos e os cuidados com os curativos. Enquanto aguardava o atendimento, verifiquei no mapa que havia um Motel a dois quilômetros depois do entroncamento da estrada de terra de acesso à casa de Eliane.





Levei Elaine no colo para o quarto do motel. Com os braços no meu pescoço ela procurou os meus lábios com os seus. Coloquei um plástico no seu curativo e fomos tomar uma bela ducha quente. Com uma grande toalha felpuda enxuguei o seu corpo e cabelos. O seu corpo era pequeno, porém muito bem feito: Os seios eram pequenos com os mamilos rígidos, apontando para o alto; as coxas bem torneadas eram encimadas por uma bundinha redonda e apetitosa; a bucetinha era um cortezinho na vertical, com um pequeno tufo de cabelos no púbis. Deitei-me sobre ela, beijei-lhe longamente a boca, lambi os seus mamilos, bolinando os seus seios. Dobrei e abri as suas pernas expondo a bucetinha, que teimava em deixar os grandes lábios colados. Eu os afastei com a minha língua e, tal como de véspera, eu a fiz gozar forte na ponta dos meus dedos e da língua. Tremendo ainda ela procurou o meu pau, senti que ela nunca havia chupado um, mas instintivamente ele o colocou na boca e passou a chupá-lo. Um pouco sem jeito de início.



Deitei-me de novo sobre ela e encaixei a cabeça do pau na sua buceta, até sentir a resistência do hímem. Sem forçar fui alisando os seus seios e beijando a sua boca, mas também fui colocando uma pequena pressão para o fundo. Ela gemia de prazer. Senti o momento em que o hímem cedeu e o meu pau desceu para o fundo gostoso. Ela soltou um alto gemido e eu fui acelerando os movimentos de vai e vem. Ela gozou mais uma vez, revirou os olhos e soltou saliva pelo canto da boca. Pensei que ela estivesse passando mal, mas era foda boa mesmo.



“Você se ajuntaria comigo Eliane?”.



“Não posso. Tenho sá dezesseis anos”.



“Bobagem. Isto é implicância de gente que não se preocupa em nada em lhe ajudar e você pode se emancipar. Tenho certeza de que o seu pai libera”.



Voltamos para o sítio do pai da Eliane. Naquela tarde arrumei as minhas coisas na moto e preparei-me para seguir o meu rumo. Na despedida a Eliane me abraçou, não contendo o choro.



“Tadinha... ela tomou feição... O pai dela faz gosto”.



“Você é minha Eliane. Vou cuidar de você”.



Resolvi continuar a viagem pelo asfalto. O avião de pulverização que eu vira ao longe passou em vôo rasante pela estrada. Uma placa na margem anunciava:



Precisa-se de operador de colheitadeira.









Nota do autor:

Este conto foi inspirado na obra literária Inocência

(Visconde de Taunay)





VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos comendo minha sobrinha gostosaComi minha priminha contos eroticoscontos eroticos iniciada pelo pai da minha amigacontos porno casadas o negrinho safadoincesto real mãe gostosa da coxa grossa e quadril largocontos eróticos abusada virgemcontos eróticos esfregaçãocontos eróticos de prima e irmãcontos anal no acampamento"anelzinho aberto" gay contovendinhacontosexitei um traficanti ele me comeucontos eroticos chupei meu cunhado embaixo da mesa perto da minha familiaexibir vídeo de Chaves comendo Chiquinha empurrando o pau na b******** delacontos eróticos aninhoscontos eróticos meu erroContos eróticos teens incesto pai ver o filhinho dormindo de pinto duro e chupacontos eroticos arrombando a gordaContos de sexo a amiga da minha mãeCONTOSPORNO sapecarelato vi bem de perto quando ele atolou o pau no cu da minha esposaconto eróticos mendigo batendo punheta na rua da minha casaConto erotico esposa com dogcontos eroticos arrombando a gordaContos eroticos velha com 110cm de bundacontos comendo mulher do amigo meia noitefinalmente contou quando chupar pau do ex delaso gotosonna sexos eputariaContos eroticos pai come a filha como castigocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentevalesca chupando e o namorado olhandoContos eroticos quero ver essas tetasEscravo de minhas cruéis donas (conto )enteada novinha conto eroticocontos eroticos gay recem casadocomia meu cu quando era pequeno e hoje come tambem minha esposa casa dos contoscontos heroticos peitõestomates conto heteromuita pica e plug no rabinho contoseróticoscotos erotocos piscina casadaconto erótico o que rola em cine Porno do Brasilamigos sexo troca troca contosmeu cu aberto e ardido de picacontos eróticos com novinha casada com cara do pau giganteGozou dentro contos eroticosContos eroticos a minha mae da bunda giganteporno zoo insesto e dominacao en contos eroticosconto erotico o sogroMinha irma tarada contomulhe vais boguete em bebudoContos eroticoshospitalcontos erotico o assalto meu marido participouconto gay crackConto de gang bang no posto de gasolinaMuleques aprendedo a bate puheita na ruaWww.garotinhasafada.comcontos eróticos curiosidade novinhacontos eroticos gay meu vizinho negro de dezesseis anos me enrabou quando eu tinha oito anos18oras.pornminha priminha titio contos eróticosContos eroticos quero ver essas tetascontos erroticos de incestos filha amante do paicontos eroticos arrombando a gordaminha tia querida bota roupas curtas e eu fico com tesão doido pra comer ela mais tenho vergonha o q façoComtos casadas fodidas pelos amigos do filhoconto erotico teen sendo enrabadaeu vou te arregaçar inteira me perdoa amor, desculpacontos erotico mimha filha e minha netaconto erotico comeu e surrouconto eroticos pasto e adolecetescontos eroticos papai 40 amigas i eu arruma"que buracao" gay contocontoseroticosabusadasconto erotico minha fica semi nua eu novinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentemullher careca fetiche