Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AMOR NA PRAIA

Histária acontecida no final dos anos setenta, quando eu tinha dezenove anos e quando podíamos desfrutar de deliciosas praias desertas no fim de semana... Naquele dia delicioso, fui para a praia com três mulheres maravilhosas: Fernanda, minha ex-coleguinha, então com vinte anos de idade, com quem eu transava desde os meus tempos de colégio, Mônica, minha priminha mais velha gostosa, que tinha na época vinte e dois anos e Simone, minha nova colega de faculdade, de dezoito aninhos, que eu tinha recentemente conquistado...



Fernanda... Experimentando aquele novo motel com minha namoradinha, na véspera daquela praia, transamos o dia inteiro, namorávamos na cama... Fernanda, querida... Meu pau naquela buceta gostosa... “Eu queria que essa tarde não terminasse...”, sussurrei à minha gata, depois de transarmos deliciosamente na cama, olhar apaixonado dela, trocávamos beijos... “Você tinha razão sobre eu gostar do motel novo...”, reconheceu Fernanda, deliciada na cama, beijou meus lábios... “Ah, minha buceta...”, jeitinho excitado da fêmea...



Fernanda, querida... Descansando de tanto meter naquela sua buceta gostosa, olhar apaixonado da fêmea, nua na cama, ouvindo meu lero com Simone ao telefone, eu falava com minha nova coleguinha sobre o motel novo, combinávamos praia para o dia seguinte, marca de biquini da Fernanda, pentelhos daquela buceta maravilhosa, piscou-me... “Filho da puta...”, sussurrou Fernanda beliscando meu rosto...



“Deixa eu ir lá ver aquela banheira...”, disse Fernanda se levantando, depois da nossa conversa com Simone ao telefone... Fernanda... Contemplando, na cama, a bundinha dela, que balançava tentadoramente enquanto ela ia aprontar nosso banho, visão daquela bucetinha... Fernanda... Não demorou para que ela aparecesse junto à entrada do banheiro, visão daquele corpo delicioso, marca de biquini, pentelhos da buceta dela... “Aposto que a banheira ‘tá pronta...”, adivinhei piscando para a gata, olhos apaixonados dela, confirmou com a cabeça, sorrindo...



Fernanda... Junto com ela na banheira, banho a dois delicioso com a minha gata, esfregávamos um ao outro entre beijos no meio daquela espuma... Fernanda... “Aposto que o seu pau já ficou duro de novo...”, adivinhou ela, encontrando debaixo da espuma minha peça armada, dedos suaves carinhososos da fêmea deslizando em minha trolha... “Como é que você sabe?”, perguntei tocando o seu queixinho lindo, olhos dela brilhando de felicidade enquanto acariciava minha pica... “Conheço essa pica há muito tempo...” respondeu ela... “Então você sabe o que ela gosta...”, brinquei, beijando os lábios da minha fêmea... Fernanda... Buceta excitada dela, calor naquela xoxota... Fernanda... Não demorou para que eu comesse mais uma vez aquela xereca., transamos naquela água deliciosa, num papai-mamãe maravilhoso, esporrei na sua vagina aconchegante, enquanto ela gozava alucinadaÂ… “Ah, minha bucetaÂ…!”, gritinho excitado da fêmeaÂ…



“Ah, minha buceta...”, suspiros de felicidade da Fernanda, depois de transarmos deliciosamente naquela banheira, cabeça dela em meu ombro, meus dedos na bucetinha dela, conversávamos entre beijos sobre eu comer a Mônica no dia seguinte... “Aliás, por falar nela, ela não vai roubar você daquele jeito, amanhã, quando a gente chegar na praia...”, quis saber logo minha fêmea, beijamo-nos... “Que é que eu posso fazer se a minha prima tem aquele apetite todo?”, respondi para a Fernanda, beijamo-nos... “Esse apetite é de família...”, debochou Fernanda, risadinha sacana dela... “Ela tem o maior orgulho de você...”, contava Fernanda, olhar apaixonado dela... “Naquele dia, na praia, ela me contou do orgulho que ela tem de você...”, contava Fernanda... “Ela sabe que eu faço o orgulho da família...”, respondi para Fernanda, tocando seu queixinho, beijei-a carinhosamente, risinho gostoso dela... “Faz a fama da família...”, respondeu Fernanda, jeitinho sacana dela, deslizei meus dedos deliciosamente bem devagar naquela coxa grossa adorável, beijei carinhosamente seu rosto, olhar apaixonado da minha fêmea, rostinho lindo daquela mulher maravilhosa... Fernanda...



“Ainda mais que eu sou tão grata à sua prima...”, disse Fernanda... “Agradeço a ela até hoje por ter me incentivado a experimentar seu pau...”, contou Fernanda, me acariciando... “A minha família é de bom gosto...”, brinquei com Fernanda, meus dedos deslizando bem devagar na sua coxa grossa deliciosa... Fernanda...



Fernanda... Saindo do banho, enxugando meu ferro enorme, realçando seu tamanho, risinho sacana da minha fêmea, olhos apaixonados dela fixos na minha pica, jogou-me um beijo apaixonado... Fernanda... Sentada no bidê, deliciando-se com aquele chuveirinho quente, que acariciava tão excitantemente a sua vagina adorável... “Tão deliciosa essa banheira...”, comentou minha fêmea... “Adorei sua escolha...”, completou ela brincando com seu mamilo, sentindo aquele jato de água penetrá-la irresistivelmente... “Falei pra você que você não ia se arrepender da minha opção...”, respondi enquanto me aproximava, oferecendo a ela meu pau ereto, lábios carinhosos daquela fêmea começando a passear pela minha glande. Fernanda... “Vou chupar esse pau inteiro amanhã”, disse a gata, apalpando minha rola, que pulsava entre os beijos carinhosos dela... “Ah, não... morri de inveja da sua prima na praia, naquele dia em que ela chupou seu pau...”, confessou Fernanda... “Você merece ele inteirinho... do jeito que você quiser, querida”, respondi, enquanto ela passava meu caralho, que pulsava alucinado, em seu rosto... “Quero ele inteirinho na minha boca... na minha buceta...”, pedia Fernanda, enquanto meu pau deliciado fazia extremo esforço para não ejacular descontrolado no seu rostinho lindo... Fernanda...



Fernanda... voltando para o quarto, depois daquele banho delicioso, deitou-se na cama, abrindo as pernas, visão daquela buceta gostosa entre as suas coxas grossas... “Ah, minha buceta...”, gemeu ela mais uma vez acariciando-se excitada... Fernanda... coloquei-me suavemente do seu lado, na cama, beijei carinhosamente aquela vulva excitada, gemidinho dela... Fernanda... acariciei docemente seus seios, barriga, coxas, corpo dela ondulava de prazer... “Mete, seu filho da puta...”, ordenou ela... Fernanda... rolamos na cama gostosamente, ela cavalgava meu pau... Fernanda... “Ah, minha buceta...”, gemeu ela mais uma vez, cavalgando minha pica... Fernanda...



Fernanda... Levantando-se da cama, depois de gozar com meu pau enterrado na sua vagina deliciosa, olhar apaixonado dela... “Gozei, seu sacana... !”, beliscou fortemente meu rosto... “Valeu a pena você ter escolhido o motel...”, concluiu minha fêmea deliciosa, beijo de língua em meus lábios... “Sempre aconselhei você a confiar em mim...”, lembrei à minha gatinha, que me olhava com um sorrisinho apaixonado, jeitinho sacana da fêmea, rostinho lindo dela... Fernanda...



Minhas flores... No carro, no dia seguinte, dirigindo para nossa praia com elas... Minhas flores... Simone, Mônica, Fernanda... Eu tinha prometido minha pica grossa àquelas três fêmeas gostosas... Minhas flores... Simone, no banco da frente, apalpando gulosamente meu pau, olhar sacana dela, piscou-me... Simone... “Esse pau é meu...”, dedos carinhosos da fêmea na minha pica quase me faziam perder a direção... Simone... “Eu adoror dar ele pÂ’ra você...”, respondi, extasiado, acariciando seus cabelos, meu pau desfrutando das carícias deliciosas dela... “Gostou do motel novo, Fernanda?”, perguntou minha priminha, que conversava com Fernanda no banco de trás... “Adorei...”, respondeu minha femeazinha apaixonada... “Sabia que você ia gostar daquela banheira...”, confirmou Mônica.... “Quero ver isso funcionando hoje...”, brincou Simone, enquanto seus dedos deliciosos acariciavam meu cacete... Simone... meu pau pulando para fora do calção, louco pela sua buceta! “Eu vou mostrar pra você”, respondi deslizando meus dedos pelos lindos cabelos longos da minha princesinha...



Minhas flores... Braços da Mônica em meu pescoço, enquanto descíamos para a água, bati naquela bundinha dando-lhe uma merecida palmada, daquelas que ela tanto apreciava, gemidinho gostoso da fêmea acariciando meu rosto, seios grandes fartos, redondos, sedutores, que eu tanto adorava chupar, da minha prima gostosa, sob o sutiã daquele biquini azul, beijei extasiado os lábios dela... Minhas flores... olhar apaixonado da Fernanda, Simone me piscando apaixonada... “Lobo...”, beijo gostoso da Mônica em meu rosto... “Esse homem é um lobo...”, completou minha prima, com aquele olhar apaixonado... “E eu sou a Chapeuzinho...”, concluiu Simone, olhar sacana, sedutor, dela, ajeitando o cabelo...



Simone... “Deixa eu ir ficando... ficando mais à vontade...”, piscou-me aquela piranha, livrando-se da sua saída de praia... “Saudade de ter ver asssim...”, disse para minha fêmea, contemplando aquele corpo irresistível, curvas dela escapando daquele ínfimo biquini vermelho sedutor... “Assim é que eu te conheço”, disse tocando o queixinho da gata, olhar apaixonado dela, tirando o sutiã... “Deixa eu ver esse cacete...”, sussurrou meu petisco, dedos carinhosos da gata desamarrando meu calção... “Com todo prazer...”, respondi para minha fêmea, minha pica grossa pulsando para fora, jeitinho sacana dela apalpando meu pau... Simone... Dedos carinhosos dela enlouquecendo meu pau excitado... Simone... Nossas línguas num delicioso beijo, meu pau entre seus dedos suaves, minha mão acariciando aquela bundinha gostosa sob o seu biquini... “Já sei que a tarde foi boa ontem, hein?”, perguntou ela, com olhar apaixonado, sobre minha aventura na véspera no motel com Fernanda, braços dela em meu pescoço... “Eu vou contar tudo pra você...”, respondi à minha gata entre beijos... “Preciso ter uma conversinha com o senhor...”, disse ela, segurando fortemente meu pau, beliscão carinhoso já tradicional dela em meu rosto... “Quer que eu peça desculpas por ser sedutor?”, brinquei com minha fêmea deliciosa, beijamo-nos.... “Não te aguento...”, disse minha gata, sorrindo apaixonada... Simone... Conversávamos sobre eu comer a Fernanda...



Tirando aquela calcinha vermelha do biquini, marca de sol dela, pentelhos da sua buceta gostosa, piscou-me... “Conheço esse corpo...”, brinquei com minha deusa... “Gosta... gosta do que vê, né, seu bandido?”, perguntou ela em tom apaixonado, rostinho sacana dela, beijamo-nos... Simone... Abraçamo-nos apaixonadamente, já nus, namorávamos entre beijos... “Eu vou comer essa xereca gostosa...”, sussurrei no ouvidinho da minha boneca nua, meus dedos acariciando a sua buceta encharcada... “Vem me pegar!”, risinho da gata, beliscando meu rosto, antes de correr para a água, piscou-me... Simone... Visão daquela bundinha gostosa (que eu ainda iria comer no fim da tarde) enquanto ela corria para as ondas, marca de biquini naquele traseiro... Simone, querida... Atrás dela, em direção à água, não demorou para que eu a alcançasse, gritinho dela enquanto eu a agarrava na água, prendi-a pela cintura, gemidinho gostoso dela, sendo possuída por trás... Simone... Acariciei aquela buceta, brinquei com seus mamilos, meu pau pulsando naquela desejável bundinha, minha língua lambendo seu ouvidinho... “...e também vou comer essa sua bundinha.”, completei no ouvidinho dela, minha língua passeando naquela orelha... Simone... virando-se para mim, nos demos as mãos carinhosamente, olhar apaixonado dela, beijamo- nos... “Ai, amor, não te aguento...”, sussurrava aquela princesa, voz suave dela...



“Amor...”, gemidinho gostoso da Simone, abraçamo-nos deliciosamente na água, beijamo-nos com paixão... Simone... Visão daquele corpo delicioso na água, namorávamos gostosamente, continuávamos aquele papo do telefone da véspera, terminávamos de botar os assuntos em dia, pernas da gata abrindo e fechando sob as águas, bucetinha gostosa dela, coxa grossa, sob as ondas, daquela piranha... Simone... Jeitinho sacana da princesinha, conversando com os olhos fixos no meu pau, riso gostoso daquela fêmea, olhar apaixonado dela ajeitando o cabelo... “Você também já foi muito objeto das minhas conversas com aquelas duas...”, contava eu à Simone... “Fernanda e Mônica”, expliquei para Simone... “Eu apostei com elas na época que eu ia te comer...”, toquei o queixinho da minha fêmea maravilhosa, beijei-a carinhosamente... “E comeu, seu puto...”, respondeu ela com aquele olhar apaixonado, beliscando meu rosto... “Seu cafageste...”, completou a fêmea, segurando deliciosamente meu pau pela base, enquanto os dedos carinhosos da sua outra mão deslizavam sem nenhuma pressa por toda a extensão da minha pica, língua da fêmea lambendo meus lábios, beijou-me... Simone... “Você ‘tá irresistível, sua fêmea...”, comentei, pensando naquelas lições que a minha prima deveria ter dado a ela sobre como estimular meu pau... “Não te aguento, seu cafageste...”, concluiu ela, beijando apaixonadamente meus lábios... Simone...



Ah, Simone... “Sua gata gostosa!”. Meu pescoço em seus braços, pernas macias dela na minha cintura... “P´ra quê esse pau tão grande?”, perguntou minha Chapeuzinho, lábios dela tocando os meus, enquanto meu pau começava a sentir o calor daquela xereca... “Simone...” Beijei-a longamente, sem conseguir dar a ela a resposta ábvia, meu pau entrando e saindo em sua vagina deliciosa... “Minha Chapeuzinho...”, gozamos alucinadamente, esporrei naquela buceta... “Simone!”. Simone, meu petisco... gozamos... “Simone... meu petisco...” Gozamos... “Ai, não te aguento...”, sussurrou ela em meu ouvido... “Simone, querida...”, gozamos alucinadamente... Simone...



Simone, minha flor... Namorávamos na água, depois de eu meter naquela xereca gostosa, mergulhávamos, abraçávamo-nos, conversávamos entre beijos... Simone, minha gata... Simone... Olhar sacana, apaixonado, daquela princesa, braços dela em meu pescoço, delícia de namorar com ela na água... Meu petisco... Simone...



Simone... Saindo da água, depois de longo tempo, ela beliscava meu rosto, nossos lábios se encontrando em deliciosos beijos de estalo, enlacei aquela cintura e acariciei sua adorável bundinha., conversávamos.. Simone... Abraço gostoso, risadinha carinhosa, namorávamos.. Simone, meu petisco! Simone! Te adoro...



Simone, querida (beijamo-nos)... “Querida...” (beijamo-nos)... Voltando da água com ela, minha mão naquela deliciosa bundinha, braços carinhosos dela em meu pescoço, cabeça dela em meu ombro, meus dedos alcançando aquela buceta gostosa, brinquei com seu clitáris... “Assim, você acaba com o meu gato”, disse Fernanda nua à nossa frente, falando com Simone, dedos dela procurando minha pica... Fernanda... visão daquele corpo delicioso, buceta gostosa, marca de biquini dela, meu pau crescendo entre seus dedos suaves, trocamos um beijo... “Esse homem é que acaba comigo”, respondeu Simone, beijando meu rosto, meus dedos não se separavam daquela buceta gostosa... Simone e Fernanda... Conversando com as minhas fêmeas na beira da água, jeitinho sacana da Simone prestando atenção no meu lero, meus dedos bolinavam sua xereca, olhos apaixonados da Fernanda fixos no meu pau excitado entre seus dedos carinhosos. “Olha lá a siririca da outra”, comentou Simone observando Mônica, que não parava de se masturbar, nua na toalha, acariciando os seios e xoxota... “Sua prima nem consegue mais conversar, tá louca pelo teu pau”, contou Fernanda, que estivera com Mônica na toalha. “Eu vou dar um jeito nisso...”, respondi para Fernanda, ela beijou apaixonadamente meus lábios... “Espero você lá em cima”, disse Simone beijando carinhosamente meu rosto... “Sabe que você é muito gostosa?”, bati naquela adorável bundinha, ela me piscou... Conversando ainda com Fernanda, antes de subir para a toalha, namorávamos... “Pica doce! Sabe que você é um pica doce ?”, disse a gata, apalpando meu cacete, acariciou meu rosto. “Você ficou de experimentar para ver se é doce”, beijei-a. “Apaga o fogo aí da sua prima...”, disse ela sobre a siririca da Mônica... “Aquilo que a gente conversou no motel ontem...”, falei tocando o queixinho lindo da Fernanda, sorriso apaixonado dela, beijamo-nos... “Pica doce...”, repetiu minha fêmea, piscou-me com um sorriso apaixonado dirigindo-se para a água, olhos fixos no meu ferro, jogou um beijo para o meu pau...



Minhas flores ... Voltando para a toalha, Simone sentada com a mão no joelho, depois de ter levado meu pau na sua xereca deliciosa, visão daquela coxa grossa da minha princesinha, olhar apaixonado dela, piscou-me... “Que siririca, hein, mulher?”, disse Simone para minha priminha mais velha... “Tem que bater, minha filha!”, respondeu Mônica, sem tirar os dedos da buceta, para nossa amiguinha caçula....” Mônica... deitada na toalha, de perna aberta, marca de biquini da minha priminha gostosa, dedos dela brincando com sua bucetinha, olhos fechados, extasiada, acariciando seus mamilos sedutores... Expressão deliciada daquela fêmea, ela batia uma siririca gostosa... Mônica... Minha priminha irresistível... “Precisando aí de alguma coisa?”, perguntei à gata, sentando-me ao lado dela, na toalha, beijei carinhosamente seus lábios. “Huuuuunnnn! Vem cá com a sua priminha, vem... meu gostosão...” Mônica... gemidinhos apaixonados daquela fêmea, louca por um cacete. (beijamo-nos...) Mônica... Minha língua em seu pescoço, beijei apaixonadamente seu ombro, comecei a descer pelo seu corpo suave, respiração ofegante da fêmea... “Huuunn, me chupa...”, sussurrou ela... “Sabe que eu tenho...” (brinquei com seus seios) “... muito tesão...” (beijei sua barriga) “nessa minha prima gostosa?” (lambi seu umbiguinho, risinho gostoso dela). Mônica... Acariciando aquelas deliciosas coxas meladas, não demorou para que eu ter minha língua passeando por aquela buceta adorável... “Ai, mete, por favor, mete... Querido...”, Mônica indo às nuvens com minha língua em sua xereca, respiração ofegante da minha prima, me oferecendo aquela vagina adorável...



Mônica... Chamando-me com o dedo, olhar sacana dela, pernas abertas, não resisti e enfiei vagarosamente minha linguiça em sua vagina encharcada, beijamo-nos deliciosamente de língua... Mônica, querida... Num instante eu já tinha meu pau completamente enterrado na deliciosa vagina aconchegante da minha prima irrresistível... Mônica... A sás na toalha com a minha priminha, buceta gostosa dela apertando meu pau, braços dela em meu pescoço, conversávamos apaixonadamente entre beijos, namorávamos gostosamente, nossas línguas duelavam... “Transaram muito lá na água?”, perguntou ela, interessada... “Essas minhas fêmeas não me dão descanso...”, respondi, entre beijos apaixonados nos lábios da minha prima... “Ela não aguenta mesmo... ela tinha mesmo que ser a primeira a transar com você hoje...”, observou Mônica... “Ela ‘tava era com saudade de uma boa transa...”, expliquei para minha priminha, beijamo-nos... “Esse pau é meu...”, brincou Mônica... “... esse primo é meu...”, completou ela beijando meus lábios... “Meu pau é dela... e de vocês todas também...”, respondi para minha priminha, meu pau excitado deslizando naquela vagina deliciosa... Mônica... Conversávamos sobre eu comer a Simone...



Mônica... Namorando deliciosamente na toalha com aquela fêmea gostosa, meu pau escorregando em sua vagina aconchegante, enquanto ela mexia os quadris, risinho apaixonado da minha prima no meu ouvido, nossos lábios estalando entre beijos apaixonados, meus dedos não paravam de acariciar deliciosamente os mamilos excitados daqueles seios redondos sedutores... “Eu me orgulho de você, seu cafageste... seu comedor...”, disse a fêmea com olhar apaixonado, enquanto beliscava meu rosto, beijamo-nos... Mônica... “Querido...”, gemeu minha priminha gostosa apaixonada, beijamo-nos... “Mete bem gostoso na buceta da sua prima...”, implorou ela, excitada, sentindo o vaivém da minha pica, beijamo-nos... “Bem no seu ponto G...”, prometi, ofegante, para minha priminha deliciosa, beijamo-nos... “Eu quero gozar com o pau do meu primo enterrado na minha buceta...”, confessou ela, ofegante, beijamo-nos... “Qualquer coisa que eu puder ajudar...”, brinquei, beijamo-nos... Mônica... Respiração ofegante da minha prima, abraçando firmemente meu pescoço, gemidinhos gostosos dela, num instante ela já gozava intensamente com meu pau entrando e saindo na sua buceta deliciosa, esporrei incontrolado naquela vagina apertada, gritinhos histéricos daquela fêmea... Mônica... minha prima deliciosa...



Ah, Mônica... Deitado junto àquela femea sedutora, depois de gozar na sua xereca gostosa, conversávamos entre beijos... Mônica... “Sua prima gostosa... sua fêmea...”, sussurrei no seu ouvido, gemidinho gostoso da minha prima... “Ai, ‘tá quente...”, contou minha fêmea adorável, enquanto meus dedos já alcançavam aquela sua racha deliciosa, marca de biquini daquela fêmea irresistível, pentelhos da buceta dela... “Seu macho... seu pica doce...”, respondeu minha prima, meus dedos na buceta dela, risinho gostoso da fêmea, conversávamos deliciosamente, namorávamos entre beijos... Mônica... Meus dedos acariciando aquela buceta, olhar apaixonado dela, conversávamos entre risos, beijávamo-nos... “Comedor…”, respondia ela, entusiasmada, beliscando meu rostoÂ… “Meu primo comedor…”, olhar orgulhoso delaÂ… Mônica... Brincando com seu clitáris, cabeça dela deitada em meu ombro, risinho gostoso da fêmea, gemidinho dela no meu ouvido... Mônica... “Qual é a graça, hein?”, perguntou Simone que se aproximava, voltando da água, visão daquela sua coxa grossa deliciosa, pentelhos da buceta adorável dela, marca de biquini da fêmeaÂ… “Que é que ‘cês tanto riem, aí?”, olhar sacana da Simone, risinho entusiasmado da gata, piscou-me. “Também quero saber..”, jeitinho sacana daquela piranha. “Deita aqui que eu te conto tudo...”, pisquei para a minha boneca... “Me conta”, pediu meu petisco, com voz suave, sentando ao meu lado na toalha, penteando o cabelo, olhar apaixonado delaÂ…



Minhas flores... Conversando deliciosamente entre elas, meus dedos naquela bucetinha adorável da Mônica, risinho gostoso, apaixonado, da minha prima, brinquei com seu clitáris... Simone ao meu lado, na toalha, escutando meu lero com Mônica, olhar apaixonado da fêmeazinha, mexendo aquelas pernas, ajeitando o cabelo, risinho sacana dela... Simone... visão da sua deliciosa coxa grossa, ela beliscou meu rosto... “Não te aguento...”, sussurrou ela no meu ouvido, apertou meu nariz, beijou meus lábios... . “Seu cachorrão! Seu filho da puta!”, gritou minha fêmea, descontrolada, olhos apaixonados dela... “Filho da puta, mesmo...”, completou Fernanda, que voltava da água, em pé na nossa frente, pentelhos daquela buceta adorável, corpo delicioso, coxa grossa daquela gata, marca de biquini, sorriso apaixonado dela... “Pau lindo...”, sussurrou Fernanda, jogando-me um beijo, enquanto ajeitava o cabelo, piscou-me... “Pau dele não é lindo?”, perguntou minha gata, com olhar apaixonado... “Pau dele é muito bonito...”, respondeu Simone para Fernanda, carícia deliciosa dela em meu rosto, beijo carinhoso da minha princesinha, olhar apaixonado, orgulhoso da minha prima... “Seu comedor...”, sussurrou minha prima em meu ouvido, beliscando meu rosto... “Eu posso dar ele inteirinho p´ra você...”, respondi piscando para Fernanda, alisando meu ferro, que voltava a endurecer, realçando seu tamanho, já louco por aquela buceta... Fernanda, querida... “Deixa eu dar um mergulho...”, disse Mônica levantando-se para ir à água, beijou carinhosamente meu rosto... “Sua gata maravilhosa!”, respondi enquanto ela me piscava com um sorriso sacana, bunda sensual, deliciosa, da minha prima balançando à minha frente, sedutora, marca de biquini, bati naquele traseiro irresistível, palmadinha que ela tanto adora, riso sacana da fêmea... “Eu hoje ainda não desfrutei desse pau gostoso...”, reclamou Fernanda, enquanto Mônica se levantava. “Olha, minha filha...”, respondeu minha prima deliciosa tocando a ponta da orelha, jeitinho apaixonado dela ajeitando o cabelo, antes de descer para a água, visão da sua bucetinha adorável, Fernanda me jogando um beijo, meu pau pulsando na toalha, louco por outra xereca... “Falei que você merece ele inteiro…”, respondi para minha fêmea... “Também quero me divertir...”, completou Fernanda, com aquela brincadeira clássica entre nás, acariciando a sua prápria buceta, olhos fixos no seu corpo delicioso, pentelhos da buceta dela, pisquei-lheÂ… “Ah, minha buceta…”, vi a gata sussurrando, enquanto ela ajeitava o cabelo, olhar sacana dela, já se preparando para desfrutar outra vez do meu caralhoÂ…



“E aí, gostosão?”, perguntou Fernanda, coxa grossa dela em cima do meu pau, enquanto ela já se sentava junto à toalha... “ ‘Tá pronto pÂ’ra outra?”, olhar apaixonado dela... “Quando você quiser, minha princesa...”, meu pau já suplicando por sua buceta adorável... Fernanda... Chegando junto a mim na toalha, beliscando meu rosto, beijou meus lábios... “Ou você acha que eu vou ficar sem o seu pau hoje?”, perguntou a gata com olhar sacana... Fernanda... Deitando-se sobre mim na toalha, namorávamos apaixonadamente, beijos entusiasmados dela em meus lábios... Fernanda... “Adoro brincar de papai-mamãe...”, sussurrei no seu ouvido, enquanto rolávamos na toalha, risinho apaixonado dela... Fernanda... Já por cima dela, toquei seu queixinho, ela me devorava com os olhos, beijamo-nos com paixão... Fernanda! Descendo pelo seu corpo até encontrar sua racha deliciosa, pernas dela completamente abertas, chupei a buceta sedutora que ela me oferecia, excitada, minha língua acariciando seu clitárisÂ… “Ah, minha buceta…”, suspirava Fernanda, respiração ofegante da fêmea, gemidos incontidos dela... “Minha buceta…” Fernanda... Deitando ao lado dela, trocávamos carícias, seus dedos carinhosos apertando meu pau... “Enfia tudo, gostosão...”, suplicava ela... “Enfia tudo na minha buceta...” Fernanda... Acariciando a buceta encharcada da gata, ela ofegava de prazer... Fernanda... Não resisti e comecei a escorregar meu pau deliciosamente na sua vagina molhada, enquanto ela delirava... “Ai, minha buceta...”, sussurrava a fêmea, excitada, no meu ouvido, meu pau entrando e saindo na buceta dela... Fernanda... Beijei apaixonadamente seus lábios, meu pau pulsando em sua xereca, braços dela em meu pescoço... “Sua gata gostosa”, sussurrei no seu ouvido... Fernanda... Entra e sai delicioso na vagina apertada dela, movimento irresistível daqueles quadris, esforço do meu pau para não ejacular... “Ai, não seguro mais...”, disse ela sem resistir mais tempo.... “... minha buceta... não seguro mais ...”, avisou minha fêmea enlouquecida... “Aaaahh, minha buceta !!!” Fernanda... gozando intensamente, gritando de prazer, desfrutando do meu pau enterrado na sua buceta deliciosa... Fernanda... Aproveitei e esporrei imediatamente na sua gostosa vagina, beijamo-nos com paixão, língua dela procurando desesperadamente a minha, abraço apertado da fêmea... Fernanda...



Fernanda, minha amada... Deitei para o lado, depois de gozar com meu pau enterrado na sua buceta, conversávamos na toalha, cabeça dela em meu ombro, beijos apaixonados da fêmea no meu peito, eu acariciava seus cabelos, gemidinhos de paixão da gata, risinhos apaixonados dela... “Ai, ‘tô acabada...”, sussurrou a fêmea... “...acho que eu gozei mais do que naquela banheira ontem...”, confessou ela beijando meu peito... “Sabia que você ia gostar daquela banheira...”, respondi tocando seu queixinho... “Como é que você sabia?”, intrigou-se a fêmea... “Instinto...”, respondi beijando seus lábios, risinho apaixonado dela...



Fernanda, querida... Abraçado com ela, meu pau se recuperando da sua xereca, namorávamos deliciosamente, olhar apaixonado da fêmea, beijamo-nos... Fernanda, minha flor... Beijamo-nos... “Seu filho da puta!”, beijamo-nos, “Você sempre me faz gozar primeiro...”, beijamo-nos... “Com um homem desses...”, ouvi uma voz familiar ao meu lado... Simone, querida... Deitada ao meu lado, de costas para mim, louca pÂ’ra levar um pau na buceta, marca de biquini naquela bundinha deliciosa, que eu ainda iria comer no final da tarde, visão sedutora daquela buceta linda que ansiava pelo meu pau... Simone... Aproximei-me dela por trás, beijei carinhosamente seu ombro, risinho apaixonado da fêmea.... Simone... “Minha boneca!”, sussurrei no seu ouvido, gemidinho gostoso dela... Simone... meu pau já começava a subir, roçando naquela mais que desejável bundinha gostosa... Simone, minha flor... “Gostoso... tesão...”, sussurrou ela, virando de frente para mim e segurando firmemente meu pau, brincando de me masturbar... Simone... “Já sou forte candidata a fazer esse pau gozar...”, sussurrou a princesa com seu jeitinho sacana, dedos suaves da fêmea estimulando a minha glande... “Vai tentando que você consegue...”, respondi no ouvidinho dela, meus dedos deslizando sem nenhuma pressa na sua deliciosa coxa grossa macia... “Gostosa!”, gemi, beijando carinhosamente aquele rostinho doce, pele macia daquela princesa... Simone... Logo eu já morria de vontade de enfiar mais uma vez na sua apetitosa xereca... “Amor...”, sussurrava ela no meu ouvido, enquanto eu massageava seu monte de vênus... Simone, querida... Descendo meus lábios pelo seu corpo, pele macia dela, até alcançar a sua buceta... Simone... Pernas meladas dela totalmente abertas, seios gostosos daquela piranha completamente duros, marca de biquini em seus mamilos, respiração ofegante dela me empurrando aquela vulva excitada... Simone... Enfiando meu dedo na sua buceta encharcada, brinquei com o clitáris daquela boneca... “Isso, assim... assim, seu filho da puta...”, mão dela agarrando a minha com toda força, ensinando-me a masturbá-la... “Seu filho da puta...”, sussurrava Simone, minha língua acariciando a sua saborosa vagina, chupando seus grandes lábios, lambendo em volta do seu grelo adorável... “Enfia, meu gato... meu lindo... meu macho...” Simone, meu tesouro... Enterrando meu pau vagarosamente naquela deliciosa buceta, enquanto ela ofegava... Simone... Beijamo-nos apaixonadamente, meu pau deslizando em sua aconchegante vagina, língua excitada dela em minha boca... Simone, querida... “Me fode...”, gemia ela de olhos fechadosÂ… Simone... Gozamos deliciosamente juntos, esporrei na sua buceta adorável, gritinhos de tesão dela...



Simone, minha flor... Deitado na toalha ao lado daquele meu petisco, meu pau se recuperando daquela xereca deliciosa, olhar apaixonado dela, conversávamos entre beijos, combinávamos motel... “Garanto que você não vai se arrepender de me levar naquele motel novo...”, afirmou minha fêmea, beliscando carinhosamente meu rosto... “Vou me arrepender se a gente não passar lá...”, disse, beijando suavemente aquele rostinho adorável, meus dedos percorrendo bem devagar a maciez excitante daquela coxa grossa maravilhosa... Claro que eu já estava planejando comer mais tarde a bundinha irresistível daquele meu petisco... Simone... querida...



Minhas flores... Adormeci na toalha entre elas, meu pau cansado depois de foder minhas três fêmeas. Minhas flores... Acordei mais tarde, entre aquelas gatas, conversando com Mônica, olhar apaixonado, orgulhoso, da fêmea, beijando meus lábios, Fernanda deitada em meu peito, meus dedos deslizando pelos seus cabelos, beijo carinhoso daquela fêmea em meu rosto... “Esse homem quase me enlouquece lá naquele motel novo”, contava Fernanda, olhar apaixonado, orgulhoso da minha fêmea... “Fernanda, aquele motel novo é bom, não é?”, perguntou minha prima, entusiasmada... “Aquela banheira deliciosa, olha...”, disse minha prima, tocando levemente a ponta da orelha... “Esse homem sabe como eu gosto de gozar naquela banheira...”, lembrou Mônica, passando a mão no meu rosto, beijo carinhoso dela... “Gostosão... lindo”, sussurrou Simone, em pé, na minha frente, ajeitando o cabelo, visão daquele delicioso corpo bronzeado, marca de biquini da minha sereia irrresistível, olhar apaixonado da minha fêmea... Simone... piscou-me apaixonadamente enquanto descia em direção à água, visão daquela bundinha apetitosa da minha boneca, balançando sedutora à minha frente...



Minhas flores... “Ele já tá louco por buceta...”, disse Fernanda, beijando carinhosamente meu peito... “Sá que a minha já tá na fila...”, respondeu Mônica, beliscando meu rosto... Meninas... Namorando na toalha entre elas, olhar apaixonado, sacana, da Fernanda ouvindo meu lero, Mônica beijava meus lábios, risinho gostoso da fêmea.. Mônica... “Que tal se a gente fosse pÂ’ra água?”, piscou-me aquela priminha safada, quadris excitados dela... Mônica... Levantando-se da toalha, segurando minha mão, abraçamo-nos apaixonadamente, beijamo-nos com entusiasmo... Mônica, minha prima... “Devorando o primo hoje, hein?”, disse Fernanda com olhar apaixonado, piscou-me... “Quem manda eu ter primo gostoso”, respondeu minha priminha sacana, mão suave dela apoiando deliciosamente minhas bolas... “Minhas amigas que morram de inveja de mim...”, continuou Mônica, beliscão carinhoso dela no meu nariz... Mônica... “Vamos ver se isso ainda funciona...”, desafiou a fêmea, dedos suaves dela deslizando sem nenhuma pressa por toda a minha vara ereta que pulsava excitada entre aquelas carícias... “Ele gosta de fazer funcionar...”, respondeu Fernanda, sentada na toalha, mão no joelho, sorriso sacana dela, piscou-me.... “Nás é que não resistimos a esse pau...”, explicou Mônica, beijando meu rosto... “Isso é psicolágico...”, brinquei tocando seu queixinho e beijando-a. “Filho da puta...”, ouvi Fernanda dizer baixinho. “Olha o que você me prometeu no motel...”, pisquei para a Fernanda. “Pode deixar...”, respondeu a gata, me jogando um beijo apaixonado, eu não ia deixar que ela saísse daquela praia sem chupar meu pau...



Mônica, querida... Descemos abraçados para a água, braços dela em meu pescoço, enquanto eu acariciava sua deliciosa bundinha sedutora, marca de biquini naquele traseiro, enfiei uma palmada bem gostosa naquela bunda tentadora... “Ai, ai, que homem violento...”, reclamou minha priminha, risinho adorável dela... “Não maltrata assim sua prima...”, pediu a fêmea com olhar apaixonado, dedos dela não paravam de acariciar minha pica, beijamo-nos apaixonadamente, conversávamos entre risos, namorávamos... Mônica... “Deixa um pouco pÂ’ra mim,”, pediu Simone, que voltava da água, corpo sedutor, marca de biquini daquela piranha, riso gostoso, olhar sacana da femezinha, piscou-me, apaixonada... “Você vai ter o que merece...”, pisquei para aquela boneca, de olho naquele maravilhoso traseiro irresistível... “Deixo, mas agora ele é meu...”, respondeu Mônica, me abraçando fortemente, esfregando seus maimilos excitados no meu peito, jeitinho apaixonado dela... “Esse pau é meu, esse primo é meu...”, repetiu Mônica, com olhar apaixonado....



Ah, Mônica... Namorando deliciosamente na água, sorriso apaixonado da minha prima, abracei-a com ternura, beijávamo-nos com paixão, meu pau já voltava a pulsar entre seus dedos... “Pau gostoso da priminha...”, sussurrou ela, com a cabeça em meu peito, beijou meu ombro... “Cabe inteirinho na xoxota da minha prima...”, respondi, beijando seus lábios. Mônica, minha flor... Saindo da água, de mãos dadas, abraçavámo-nos gostosamente... “Que foi que você fez com a menina aí na água?”, olhar apaixonado dela, roubou-me um beijo... “Eu vou mostrar pÂ’ra você”, toquei seu queixinho e deitei-a na areia... Mônica... Deitados junto à água, minha mão acariciando sua pele macia, conversávamos gostosamente, ríamos juntos... “Sua fêmea gostosa!”, sussurrei no ouvido dela, beijando seu ombro, seu pescoço, seu rosto, risinho adorável dela, marca de biquini em seus mamilos, brinquei com seus seios fartos... Mônica... Sorriso apaixonado da minha prima, minha mão acariciando a sua buceta, ela segurava firmemente meu pau, morríamos de tesão... “Deixa eu sentar nessa vara...”, pediu ela no meu ouvido, acariciando meu rosto, enquanto já se preparava para cavalgar minha trolha, beijou-me... “Isso... senta no colinho do primo, senta...”. Mônica... Não demorou para que ela se sentasse deliciosamente no meu pau, buceta gostosa dela engolindo meu cacete... Mônica... “Sua putinha...”. Brinquei deliciosamente com os seios gostosos da minha prima, enquanto meu cacete pulsava em sua buceta, cavalgada irresistível dela... “Bate na bundinha da sua prima, vai...”, implorou Mônica, que não iria dispensar uma boa palmada... “Sua puta gostosa...”, murmurei, dando-lhe uma bela palmada na bunda, enquanto ela rebolava gostosamente em cima do meu pau, eu já segurava ansiosamente meu esperma... Mônica,... “Vou te castigar, sua priminha levada...”, minha palmada naquela bunda, olhos fechados da minha prima cavalgando meu pau, gemidos incontidos dela, meus dedos nos seus mamilos enquanto ela ajeitava o cabelo, sobe e desce delicioso daquela buceta gostosa no meu caralho, ofegávamos de prazer... Mônica... “Ai vou gozar...”, avisou minha prima...“Eu vou gozar, seu filho da puta... seu cretino...”, gritou ela antes de ir às nuvens, cavalgando meu pau... Mônica... Mônica... Esporrei deliciosamente naquela buceta, gritinhos daquela fêmea sedutora enquanto gozava...



Mônica, querida... Sentados na beira da água, depois de gozarmos deliciosamente, as ondas batendo em nossos corpos... Sabia que ela ia me roubar um longo e apaixonado beijo... “Seu pauzudo...”, sussurrou ela, com olhar apaixonado, beijei seus lábios... “Eu enlouqueço com esse pau...”, disse a fêmea, olhar deliciado, enquanto eu a acariciava, mãos dela em meu rosto, conversávamos entre beijos, namorávamos... Mônica... Espriguiçando-se depois, na areia, dedos do pé dela acariciando meu pau, olhar apaixonado dela, jogou-me um beijo, pisquei-lhe... Mônica... Rosto extasiado na direção do sol, olhos fechados, sorriso de prazer da minha prima, depois de gozar com meu cacete... Não demorou para que Fernanda se aproximasse, vindo para a água, corpo delicioso dela, marca de biquini, pentelhos daquela buceta, sorriso apaixonado, jogou-me um beijo... “Mônica, que satisfação, hein?”, perguntou Fernanda, com sua risada sacana... “Ó, minha filha”, respondeu minha prima, mostrando com as mãos o tamanho do meu pau. “Cabe inteirinho na sua xereca...”, pisquei para aquela fêmea... “Deixa eu agarrar esse gatoÂ’Â’, disse a minha deusa, já sentando ao meu lado na beira da água... “E também cabe inteirinho entre os seus lábios macios...”, sussurei para ela, lembrando da promessa da véspera no motel... “Seu garanhão, seu comedor...”, sussurrou ela, beijando avidamente meus lábios...



Meninas... Mônica espriguiçada na areia, perna sobre a minha coxa, gemidinho ocasional da minha prima deliciosa, deixando-se banhar ao sol, olhos fechados, ar de satisfação dela, Fernanda sentada junto a mim na beira da água, namorávamos deliciosamente, nossas línguas se desejando, meus dedos na sua coxa grossa, ela acariciava meu pau, entusiasmada... beijamo-nos... Fernanda... olhos fechados da minha deusa, nossas línguas se acariciavam, trocávamos palavras de amor apaixonadas... Minhas flores... Logo, Simone já se aproximava, em direção à água, marca de biquini, buceta adorável, pentelhos lindos, bundinha gostosa que eu ainda iria comer no fim da tarde, olhar sacana da fêmea, piscamos um para o outro... “Sentando na rola, hein?”, brincou Simone, tocando carinhosamente minha prima, que, extasiada,. de olhos fechados, havia acabado de gozar com minha pica…“Lá de cima dava pra ouvir sua buceta...”, brincou Simone... “Mônica tá quase desmaiando”, observou Fernanda, risinho sacana delaÂ… “Vai desmaiar aí…”, completou Simone, “… gozandoÂ… gozando com o pau do primo…”, olhar sacana da Simone. “Meu primo tem pau…”, argumentou Mônica, deliciada,, me jogando um beijo... Minhas flores...



Fernanda... Língua dela no meu pescoço, rosto, nuca, meu pau já crescia entre seus dedos ... “Já pensou essa sua língua percorrendo meu pau?”, sugeri a ela, entre beijos... “Seus lábios deslizando nele...”, completei... Fernanda, minha amada... “Já pÂ’ra cima...”, disse ela, apertando meu nariz... “Sua gostosa...”, respondi batendo na sua bundinha, enquanto subíamos para a toalha, risinho sacana dela, agarrou firmemente meu pau... “Agora esse homem é meu...”, disse a gata, me abraçando, arrancou-me um beijo... Fernanda... Deitei-me na toalha, para desfrutar daquelas carícias, abaixou-se, beijando-me avidamente... “Gostosão... te estupro... te como... te engulo...” Fernanda... Lábios carinhosos da fêmea percorrendo meu corpo, dedos suaves dela brincando com minha pica... Não demorou para ela aproximar seus lábios macios do meu pau ereto, beijo delicioso em minha glande... Fernanda, minha amada... “Chupa logo, sua fêmea...”, sussurrei excitado, meu pau pulsando naquele rosto macio... Ah, Fernanda... Oferecendo aquela buceta gostosa aos meus beijos, língua dela se enrolando o mais que podia na minha pica... Fernanda... Engolindo meu pau com fome, enfiando minha vara gulosamente na sua boca ansiosa de pica... “Chupa ele inteiro...”, incentivava eu, deliciado... “cumpre a sua promessa... Fernanda...”. Mergulhei, gratificado, naquela buceta, retribuindo as carícias da fêmea, lambendo os grandes lábios da sua vagina adorável... “Ah, minha buceta... minha bucetaÂ… Ahhhnnnn... vou cumprir muito mais que a minha promessa... gostosão...”, gemia ela, sentindo minha língua em seu clitáris, enquanto provava minha glande... Ah, Fernanda... O esperma já começava a ferver dentro do meu pau e eu apressava as carícias na sua vulva deliciosa... “Ah, Fernanda...”, suspirei com os movimentos ritmados daquela fêmea, lábios dela me tocando uma irresistível punheta, minha língua deslizava na sua buceta encharcada... “Goza comigo...”, sussurrou ela com voz doce, dedos suaves deslizando pelo meu saco, beijou minha glande... Ah, Fernanda... Morrendo de tesão na toalha, meu pau em ponto de bala não ia aguentar mais as carícias dela... Fernanda... Não demorou para que eu gemesse loucamente de prazer, sentindo o esperma jorrar dentro da sua boca, contração do canal da sua vagina, implorando pela minha língua... “Ah, Fernanda... meu pau... pode ficar pra você...” Fernanda... “Ah, minha buceta... minha buceta...” Fernanda... “Pode ficar pra você, Fernanda...”. Fernanda... Língua carinhosa dela varrendo todo o esperma na minha glande... “Pau gostoso... pau doce...”, gemeu ela, lambendo tudo satisfeita, beijou minha glande... “Ah, minha buceta...” FernandaÂ… Virando-se para o lado, depois de gozar com minha língua naquela xereca gostosa... “Lambeu tudo?”, perguntei à fêmea, enquanto acariciava aquele clitáris gostoso... “Adorei...”, respondeu a princesa, beijando a base do meu cacete... “Isso é que é promessa cumprida...”, disse a ela, depositando um carinhoso beijo naquela bucetinha... Fernanda... “Ah, minha buceta...”, sussurrou ela...



Fernanda... conversávamos, depois, na toalha, meu pau se recuperava da sua chupada... “Menina, olha...”, disse Fernanda, mostrando com as mãos o tamanho do meu pau para Mônica, que voltava para a toalha, para pegar a escova de cabelo... “Daqui, minha filha...”, completou minha prima, tocando levemente a orelha, olhar sacana dela... “A pica dele é muito doce...”, respondeu Fernanda, levando as mãos levemente à buceta... “Doce mesmo”, confirmou Mônica, fitando-me com aqueles olhos apaixonados... “Eu sei porque eu também já chupei aqui na praia...”, completou ela, me piscando, lembrando-me daquele delicioso dia... “Aliás, eu também sei de uma coisa...”, sorriu-me a safada em tom de segredo... “Uma coisa que você tá de olho...”, piscou-me a fêmea sacana... “Como é que você sabe que eu tô de olho...”, perguntei... “Te conheço.. conhecimentos de família.”, arrematou ela, com um sorriso sacana no rosto... Ela sabia, é claro, que eu queria, mais do que tudo, comer a bundinha da Simone... “Se você quiser, tá lá embaixo”, completou minha priminha se dirigindo para a água, marquinha de biquini naquela bundinha, jogou-me um beijo... “Vai lá, garanhão...”, incentivou Fernanda, me piscando, enquanto eu já me levantava, de pau ereto, doido para enfiar numa certa bundinha... Simone, minha fada... Descendo excitado para a água, olhos fixos na bundinha gostosa daquela boneca, marca de biquini dela, aquele cuzinho tentador não ia escapar da minha pica grossa....“Agora é que eu vou pegar essa menina”, disse surpreendendo Simone por trás, gritinho assustado da fêmea, lambi o ouvidinho dela, beijei seu rostinho... “Me dá essa bundinha!”, disse no ouvidinho dela, possuido-a por trás, olhar sacana da fêmea me examinando... Simone... “Uma certa bundinha que eu quero comer...”, sussurrei entre beijos apaixonados na sua nuca... “E se eu comesse uma certa bundinha.?”, perguntei apaixonadamente, deslizando meus dedos pela sua buceta e pelos seus seios, enchendo-a de tesão... “Eu como essa bundinha...”, beijei apaixonadamente seus lábios... “PÂ’ra que esse pau tão grande?”, provocou minha Chapeuzinho... Â“É exatamente p´ra isso...”, expliquei beijando seus ombros... “Vamos para a toalha...”, piscou-me a gatinha, apaixonada...



Simone, querida... De mãos dadas até a toalha, deitou-se de bruços para receber meu mastro... “Pega aí, querido, o creme... o creme na minha bolsa...”, pediu a gata, com voz doce, eu ia deixá-la toda pronta para levar por trás... Simone, minha flor... Passei carinhosamente o creme naquele cuzinho apertado, enchi de creme aquela bundinha... “Enfia tudo...”, gemeu ela, já morta de tesão, enquanto eu me preparava para enterrar meu pau bem devagarinho naquela bunda gostosa lambuzada de creme... Simone... Empurrando meu pau bem devagar naquela entradinha adorável, senti minha glande invadir aquele buraquinho... Simone... “Enfia tudo, amor...”, suplicava ela... Mas eu sabia que teria que penetrar bem suavemente naquela bundinha gostosa... Ah, Simone... Senti deliciosamente meu pau deslizar por aquele rabinho, até perceber, de repente, que estava com o cacete quase todo enterrado na bundinha deliciosa daquela boneca.... Simone... Sentindo aquela piranha rebolar deliciosamente com meu pau enterrado em sua bunda... “Isso.. mexe... mexe, sua puta... mexe... sua puta!” Ah, Simone... Cuzinho gostoso dela me propiciando uma irresistível punheta, enquanto ela rebolava... Simone... Eu começava a precisar me controlar para não chegar ao orgasmo, com aquela bunda deliciosa da Simone apertando gostosamente meu pau... Simone... Bunda gostosa dela mexendo, apertando meu pau... Bunda dela apertando meu pau... mexendo... apertando meu pau... Simone... Sua puta... “Goza no meu rabinho...”, gemeu ela, segundos antes de eu começar a ejacular naquela bunda maravilhosa, irresistível... “Ah, Simone, meu petisco... minha flor...”, meu pau esporrando alucinado naquela bundinha, inundei de esperma aquela cuzinho apertado... Simone... Beijei carinhosamente aquele pescocinho adorável, cabelos negros longos perfumados daquela princesa, meu pau já terminava de deixar seu sêmen naquele cuzinho... “Eu tinha que comer de qualquer jeito essa sua bundinha...”, soprei no ouvidinho dela... “Humm, amor, amor...”, gemia ela ainda excitada... Simone...



Minhas flores... Conversando na toalha com elas, meu pau cansado depois de foder minhas três fêmeas. Minhas flores... Ficamos naquela praia, ainda até mais tarde, eu com aquelas gatas, namorando gostoso com elas, desfrutando daquelas carícias... Minhas flores... “Huuummm... quero ver outras mulheres que amem esse homem tanto...”, sorriu-me Fernanda, sob o olhar apaixonado da Simone, dedos suaves dela no meu rosto, beijou-me... “Não existem”, completou Mônica, sorriso apaixonado da minha prima, piscou-me... Minhas flores... Que delícia desfrutar desse amor que vocês me davam ! ! !

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


visinhalesbicacontos desde pequena meu pai mandava eu xupa paucontos dona florinda chaves pau durocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos arrombando a gordaSiririca contosx vidio comtos eroticos flaguei mamãe eMulher deixado melar tudo encima da buceta peludaContos eroticos homens estuprano gravidas"cabelo na perereca"contos eroticos traindo marido no futebolcontos eróticos peguei minha cunhada no banheiroru cdzinhasadomasoquismo relatos comidavivairmar brasileira goza tremi pau irmazinhoconto erotico comendo sogra no velorioConto erodico gay usando ropa de mulher contos eróticos de filhos t***** de pelas calcinha da sua mãefodidas no bar contominha mae morreu no parto e meu pai mim criou contoscontos eroticos de virgemconto eróticos dei pra meu pai depois de casadaPega minha xerequinha tio contos eroticoscontos eróticos gay meu primo cumeu meu cu no sofaConto eu peguei meu genro me brechando no banhocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosvidio porno corno mulher da em cima do jsrdineiro e empregada ver e participapau de jegue arrombando minha filhinha contoshistoria porno gay, paguei boquete no amigo carloscontos eróticos chupando os peitos da minha sogra e f****** elacolo do velho. contocontos eroticos com cu ragadosvídeo de homem moreno escuro dando o cu maguinho da bundona com o nome de Pedrocontos eroticos envangelica marido e pai roubaram o chefea minha cunhada casada e saia justa contos com fotoscasada dando o cu no bairro de na casa do ferantefilhinha do amigo meu de treze aninhos louca pra ve a picafui pra casa da minha tia ela cuidou de mim conto eroticoContos zoofilia d mulheres q ficaram grudadas com cachorros do nó grandemae fode com filho contos erticosconto irmã peladinha dentro de casahomem colocou sua picA ENORME NA XOTA DA CABRITA ENFIO TUDOwww.contos+filho+pega+mãe+calvacando+na+rola+pai.com.brquebrei o cabaço da minha irmã ela chorou muito porno cariocacontos eroticos mais exitantes mais fufidoscontos eroticos arrombando a gordaconto eroticos entre primoso velho tarado me comeu contoEsposa puta pagou a conta contoscontos gay afeminadoso filho da puta dormiu e me gastaram toda pornô contosContos porno dei cu p me sogro por chantagemConto erotico no sitio casa de dois comodosQuando ensinei a minha priminha a pegar no meu Pau contofilho delicia contoeu e meu marido aceitamos carona de uns estranhos e acabei sendo fodida contosChaves com tesão de Chiquinhacomi minha sogra e cunhada velha gorda feia contos eróticosContos eroticos minha esposa e um meninomostrei a buceta toda babada pro papai brincarporndoido ruivas cabelos enroladoscontos e vidios de patroas tranxessual fudendo empregadasquero ver travesti transando no abdômeno maravilhoso mundo das bucetas tesudas gostozissimas ufa que delirioContos eróticos na cozinhacontos de surubas inesperadas com esposaConto erotico pintor comeu filha de sua patroaContos eroticos cofrinho esconde escondeconto erotico pra igreja sem calcinhamuher contando istoria erotica na camalambendo a calcinha da esposa safada contoscontos er¨®ticos cu da estudante novinha de Fortalezaa cunhada casada de saia nova contoscontos eróticos perdi minha virgindade com um pau grande e grossochupando a buceta da minha vo dormindo conto