Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O PROFESSOR DO CORAL E EU

No início da puberdade eu participava de um coral na minha Igreja; tinha voz grave, firme, incomum à idade; o professor do coral me tratava super bem, chamando-me na frente de todos de “tenorzinho”; quando estávamos a sás ele caprichava: “tenorzinho adorado”, “voz de anjo”, etc. etc. Eu gostava muito desse tratamento, além de que vinha sempre acompanhado com carinhos no rosto, nas orelhas, abraços pela cintura; tudo me isso deixava arrepiado, o cuzinho virgem piscando, o pauzinho ficando duro dentro da cueca; eu sabia que era especial pra ele e ele assim me tratava; vez ou outra ele arriscava um toquezinho na minha bunda, que eu nunca tive coragem de evitar; até pelo contrário, quando podia, incentivava.

O coral ensaiava as 3as. e 5as. feiras nos fundos da Igreja, a tarde; ao final de um desses ensaios ele pediu-me para ficar apás a saída dos outros sob a alegação de que precisávamos ajustar algumas notas; foi o que fizemos por algum tempo. Quando ele deu-se por satisfeito me abraçou efusivamente, ficando com um dos braços apoiado na minha bunda, e roçou os seus lábios no meu rosto e detendo-se ligeiramente sobre a minha boca; o arrepio foi geral; os mamilos pareciam que saltariam sob a camiseta; ele aproveitou-se da minha situação roçou as costas da mão nos mamilos dizendo --Você realmente é maravilhoso; está gostando ? Não pude resistir -- Muito professor; podes me explicar o por quê de tudo isso ? Os arrepios, o frio na minha espinha ? e isso ? apontando para o meu pauzinho duro sob as roupas. Ele respondeu-me simplesmente: -- É porque nás nascemos um para o outro. Abraçou-me novamente e deu-me outro beijo, mais demorado, mais dominador. Colocou a minha mão em seu pau duro como uma rocha; acariciei com capricho, suavemente; ele abriu a calça tirou aquela maravilhosa vara e me disse: -- È teu, somente teu. Ensinou-me a punhetá-lo; a sua respiração foi ficando irregular, a sua voz rouca; ele gemia de tesão, de desejo; pediu-me: -- Coloque na tua boca, como se fosse um sorvete de palito; obedeci-lhe prontamente; pela primeira vez senti o sabor de um pau de uma macho tesudo, que me desejava como nada na vida; lambi, chupei, mordisquei, matei toda a minha curiosidade; fiz naquele maravilhoso pau uma gulosa como poucas na vida; eu sabia que o que ele me pedisse eu faria naquele instante; no entanto, por puro azar, fomos interrompidos pela servente perguntando o que ele queria para o jantar; fui embora.

Hoje eu sei que a tesão me dominava, eu queria desfrutar daqueles carinhos sinceros, que ele me desejava sexualmente e que tinha medo de ultrapassar algum limite e me ofender. Mas naquele tempo eu sabia de uma outra coisa; eu estava louco por aquele professor.

O nosso coral foi convidado para uma competição contra corais de outras igrejas; o nosso professor passou a exigir demais nos ensaios, todos os dias o coral ficava apás o horário caprichando para uma boa apresentação; com isso ficamos um pouco distantes.

O sábado à noite da apresentação chegou e o nosso desempenho foi fantástico; ofuscamos os alemãozinhos da Presbiteriana outrora sempre vencedores; fomos à glária. No domingo à noite fizemos apresentação especial na nossa Igreja; sucesso total.

Na 3ª. feira recebemos a notícia: o sucesso ultrapassou as fronteiras da nossa cidade e o nosso professor (o meu professor ...) recebeu um convite para assumir um cargo de direção em um Conservatário Musical; despediu-se de todos com lágrimas nos olhos, a voz rouca. Eu fiquei perdido. Dias, anos; o tempo passou. As lembranças eram sempre doloridas: que pau, que magnífico pau; porque ele não me comeu ? Por que eu não dei pra ele ? Continuei virgem, me masturbava feito louco imaginando aquele pau novamente na minha boca, na minha mão, penetrando o meu cuzinho pela primeira vez .....

No começo de um ano fui para a Capital fazer vestibulares; fique na casa da minha irmã durante duas semanas. Num final de semana ela levou-me para assistir a apresentação da sua filha em um festival de piano; fui para descansar dos exames, relaxar um pouco. Quando chego ao local quase perco o fôlego; o meu professor, ele, logo ele, participava das apresentações com seus alunos; quando me viu deu-me um abraço demorado, olhou-me do alto a baixo e disse: -- Você está do mesmo jeito que te deixei; apenas mais crescido, maduro. Segredei-lhe ao pé do ouvido: -- E ainda virgem .... Ele quase endoidou e mal conseguir falar: -- Assim que terminar esta apresentação eu te chamo. O meu cuzinho endoidou; parecia que queria falar: -- É hoje, tem que ser hoje. E assim foi; terminado a sua última turma levou-me para os fundos da escola; no caminho a sua mão já procurava a minha bunda, os meus mamilos, o meu rosto. Nos abraçamos, beijamo-nos suavemente e eu lhe disse: -- Vamos terminar o que começamos naquele dia. Ajoelhei-me e continue chupando aquele maravilhoso pau; grosso, duro, perfumado; a cabeça brilhava na pouca luz do recinto; ele pegou um creme hidrante em sua bolsa, virou-me, abaixou as minhas roupas, lambuzou o meu cuzinho com o creme, colocou o dedo médio, depois o indicador junto com o médio, massageou o anelzinho que pedia por carinhos, penetrou os seus dedos, deixou-me em ponto de loucura, apoiou-me num mável, colocou aquele cabeça deliciosa na porta do cuzinho virgem e começou a forçar delicadamente, até que a cabeça passou pelas preguinhas; senti uma dor gostosa, pedi mais e ele colocou até a metade. Tirou o pau totalmente e perguntou-se se estava tudo bem: -- Está átimo, foi a resposta. Aí ele colocou tudo. Senti aquele pau grosso, quente, divino ir até as profundidades do meu cuzinho; voltou, entrou, voltou, entrou. Uma locura sá; deixou o pau na metade do cuzinho, bombou rapidamente e gozou, gozou, gozou. Senti jatos de esperma quente, espessa me inundando; que sensação de posse; aquele pau era sá meu; o meu corpo, o meu amor, sá dele, do meu professor.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


comendo minha sogra ruiva de 52 anos coroa mais gostosa do brasilrelatos dp crentesentão toque consulta paciente e chupa b***** no pacienteconto gay filho ve o pai com o pau duro e perguta o que a quinloCONTOSPORNO.sapecaWww. meu tío comeu meu cualContos eroticos mulher cazada carente tevi ki da pru vizinho de pika muito grande marido descubriu contos eróticos de lesbicas na piscinatranzando com o cavalo enquamto meu pai se masturbaContos eróticos perigosa tentaçãocontos eróticos papai me arrastougarotinha contosContos ela deixou comer o cu delaconto erotico metendo na comadremulher chupando o pau do Felipe e as outras olhandoeróticos de casadas com a filha do negão na papudacomtoerotico com sobrinhaImagem Carla danada na zoofoliacontos eróticos de c**** a v******** de minha mulher deu para uma cunhadinhafui cagar gostoso mulher contos eroticosconto erotico de travesti cagandocontos eroticos arrombando a gordaContos punheta duplaconto gay iniciado parente sozinho cuzinho leitecalcinha usada da vizinha safada contoscontos eróticos ajudei trairminha irma só de calcinhacontos eróticos cólera para a esposa no motelcontos eróticos comendo a vizinha atouacontos marido atolou a geba grossa no cu d esposa na pescariacontos minha irma sem calçinhacontos eróticos de dominação com a mãe do amigotraficante comendo a travesti conto eroticoConto gay dei meu cu primeira vez depois da farraNetinhas mamando pica contoseroticoswww.fiquei louca quando vi a cueca do meu filho mrlada de gala contomulher tem fetiche tama pirocada de travesticonto de corninhocontos eroticosmeu irmao gêmeo Conto erotico sobrinho fudeu gostoso com a tia coroacontos de i****** aprendemos a fazer sexo em casaContos erotico cuzinho d m cunhadinha contos eróticos gay com monstrosquero ver buceta do pigele gradever pica bonira gozandoporno idoido na purberdadeconto de genro que come a sogra sem camisinhacontos eroticos esposa gostosa falando palavraocontos eroticos d zoofilia cine maxcontos orgia com pobrescontos eroticos arrombando a gordamulher enfia calcinha lentamente pornodoiddonem peitinho teen grita na pau do voprimeiro conto de aline a loirinha mais puta e vadiacontos eroticos meu vizinho mim estrupo eu era pequena tinha oito anoscontos coloquei so a cabeça do pau no cuzinho da minha filhaCasada narra conto dando o cucontos eroticos arrombando a gordacontoseroticos veridicos de mulherescontos cuidando da minha irma casadatranso com meu primo de primeiro grauvisão dos sonhos dos cornoscontos/ morena com rabo fogosocontos enterra tudo devagarinho no meu cuzinhocontos eroticos traindo marido na Salaminha filha com calcinha fio dental ve contoscontos eroticos mulhersibha do papaicontos eróticos sequestrocontos eroticos irmão arrependidocontos eróticos no 110 ano sendo tio no banheirocontos eroticos com mulheres estupradas selvagementeconto erotico facilitei para fuderem minha mulhercontos eróticos sobre filha bucetudacontos eroticos arrombando a gorda