Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

FUI CONFESSAR E COMI O PADRE

FUI CONFESSAR E COMI O PADRE



Depois de ler tantos relatos sobre experiências sexuais, resolvi que era hora de começar a contar as minhas. Como meu pseudônimo já diz, não sou mais um garoto mas também não aparento a idade que tenho. Idade, experiência e histária, muitas historias. Mas vamos ao que interessa.



Como todo garoto na idade de começar a pensar e conhecer sexo, rolava muita sacanagem entre a molecada da rua onde eu morava, no início era sá um ficar segurando o cacete do outro, tentar bater uma punhetinha que ainda estávamos aprendendo, ficar roçando o pau um no outro, e depois de algum tempo começamos a encochar uns aos outros, mas meter mesmo acabou não sendo com outro moleque.



Essas seções de sacanagem rolavam quase todos os dias da semana e no sábado, por sermos jovens com formação religiosa, íamos a igreja confessar as coisas erradas que tínhamos feito na semana.



Havia um padre, bem novo ainda, recém ordenado, que quando ouvia essas confissões, eu sentia que ele ficava meio inquieto, e dizia que embora aquilo fosse pecado não era dos mais graves e que era comum na minha idade, afinal ele práprio já tinha passado por situações parecidas. Como eu percebia sua inquietação, quando ia me confessar com ele acabava inventando algo mais das artes sexuais da semana e ele ficava mais inquieto, e como as confissões iam ficando mais quentes ele disse que, para que pudesse entender melhor o que acontecia e como durante o horário de confissão havia sempre muita gente pra ele atender, sugeriu que no final daquela tarde, por volta das 7 horas, eu fosse até a casa paroquial, onde ele morava com outro padre que estava em viagem naquele final de semana, para que eu pudesse fazer uma confissão mais completa. Achei meio estranho mas padre é padre, certo.



Fiquei um pouco curioso e ancioso com a penitencia que ele poderia me dar quando contasse minhas travessuras e pensei até em não ir, mas quando faltavam uns dez minutos pra hora marcada, eu já de banho tomado fui até a casa do padre, mas não podia imaginar o que me aguardava.



Chegando a casa paroquial ele me recebeu com um sorriso, de banho tomado e com um leve perfume e a túnica que os padres usam. Pediu que eu me sentasse num sofá na sala, trancou a porta e disse que iria pegar um refresco para tomarmos. Sentou-se ao meu lado e disse



- muito bem meu filho, aqui nesta casa é como se estivéssemos no confessionário, e tudo que for dito aqui ficará sempre somente entre o padre e você. Pode contar seus pecados



Meio sem graça comecei a relatar as traquinagens de todo moleque, e depois das coisas banais ele perguntou sobre os pecados sexuais. Fiquei meio constrangido afinal estávamos cara a cara mas comecei a contar.



- sabe seu padre, esta semana eu e o Carlinhos estávamos brincando de bola e resolvemos apostar quem era melhor, e quem fizesse um gol primeiro poderia pedir qualquer coisa pro outro. Eu fiz um gol primeiro e pedi para ele pegar no meu pinto.



O padre ficou meio inquieto, me olhou e disse



- pegar no pinto como, não estou entendendo direito. Era sá pegar e pronto ou tinha que fazer mais alguma coisa

- era pra pegar e ficar alisando – eu disse – até que eu mandasse parar

- ainda não estou entendendo. Pra entender melhor e ver se o pecado é grave, vamos fazer de conta que eu sou o Carlinhos, está bom, afinal estamos na casa paroquial e isso vai ficar sá entre a gente.



Fiquei ainda mais confuso mas obedeci e disse



- Carlinhos você perdeu então pega no meu pinto



O padre olhou nos meus olhos e disse



- é assim que devo segurar ? e pegou no meu pau por cima da minha calça.



Na mesma hora que ele pegou e começou a mexer, meu pau deu sinal de vida e começou a ficar duro Fiquei com medo da bronca mas o padre disse



- Não precisa ficar assustado, isso é normal, e para a calça não machucar seu pinto vamos tirar ela pra continuar.



Ele tirou minhas calças olhando em meus olhos, voltou a pegar por cima da cueca e perguntou



- Nossa, que pinto grande. O Carlinhos tirou a cueca também ?

- Sim - eu disse, e a essa altura o medo já dava lugar ao tesão



Ele tirou minha cueca, e meu pau que naquela época já tinha uns 19 cm e uma grossura considerável, ficou ali apontando pra cima. Ele pegou novamente e começou a me punhetar de uma forma que nenhum moleque antes tinha feito.



- Foi sá isso que o Carlinhos fez – perguntou

- Não - eu disse já entendendo qual era a do padre viado – mandei ele acariciar e chupar



Era tudo que o padreco queria ouvir. Ele pediu que eu tirasse minha camiseta e reiniciou uma punheta deliciosa. Ele subia e descia a mão em volta do meu caralho duro como aço e com a outra mão acariciava meu saco, tocando uma bolinha de cada vez e com todo cuidado pra aumentar meu prazer.



- Que pau lindo que você tem meu filho. Dá vontade de engolir ele

- Ele esta ai pra você fazer o que quiser. Nunca ninguém me punhetou como você esta fazendo

- Então você vai ver o que mais vou fazer com ele – disse sorrindo



Meu pau já babava como se eu tivesse gozado. O padre viado abaixou a cabeça e começou a engolir meu caralho. Ele punhetava meu pau com a boca e a mão e ao mesmo tempo tocava no meu saco. Foi me chupando e me puchando do sofá até que estivéssemos deitados no tapete do chão, ai falou no meu ouvido.



- Quero que você tire a minha batina pra ver como estou por baixo



Tirei a batina dele sem que ele parasse de me punhetar ou chupar e por baixo dela ele não vestia nada. Ele já havia premeditado tudo



Voltou a chupar e punhetar e pediu pra que eu pegasse na sua bunda. Fiquei alisando aquele rabo enquanto ele me engolia e percebeu que eu estava prestes a gozar. Disse que queria tomar meu leitinho. Aumentou as chupadas e caricias no meu saco até que não aguentei e gemendo de prazer gozei rios de porra com jatos fortes em sua garganta. Ele também gemia e rebolava o rabo enquanto eu passava a mão nele. Continuou me chupando até enxugar a ultima gota e não deixou que me caralho ficasse mole. Fui ficando com tesão novamente e minha mão começou a se aproximar do cuzinho do padreco. Eu passava o dedo no seu anelzinho e ele gemia e apertava meu pau. Quanto mais eu acariciava seu anelzinho mais ele gemia. Comecei a forçar meu dedo no seu rabo e ele foi rebolando e gemendo, mostrando o que estava querendo. Ele pediu que eu abrisse a gaveta da mesinha que estava ao nosso lado e pegasse um creme. O KY estava ali esperando pra ser usado. Lambuzei meu dedo e fui enfiando no seu cuzinho. Ele gemia e me chupava. Forcei um segundo dedo e ele gemeu e rebolou ainda mais. Jä não aguentando mais eu disse que queria comer ele, mas que nunca tinha comido ninguem e ele precisava me ensinar. Os olhos dele brilharam por saber que aquela seria minha primeira metida. Pegou o KY, lambusou meu caralho que já babava novamente e se posicionou de quatro na minha frente. Fiquei de joelho por traz dele que pegou meu cacete e direcionou pra portinha de seu cu. Pediu que eu empurrasse meu pau no seu cu devagar porque fazia tempo que ele não dava. Fui colocando a cabecinha e o viadinho gemia e rebolava. A cabeça passou e com um grito ele pediu que eu parasse um pouco. Eu queria meter de uma vez e não estava ouvindo mais nada. A sensação de estar comendo um cuzinho era maravilhosa e eu não ouvi nada. Ele tirou a mão do meu pau pra se ageitar melhor e não pensei duas vezes. Enterrei todo meu cacete de uma vez naquele cu gostoso. Ele gritou, me chingou, tentou ir para a frente mas eu estava tomado e sem saber de onde tirei a força segurei ele pela cintura com meu caralho enterrado.



- Não era rola que você queria seu padreco viado, pois agora ele está enterrado no seu cu pra você ver o que é bom. Pode gritar egemer como uma putinha que não largo você nem seu cuzinho gostoso.



Aquelas palavras tiveram um efeito especial nele que parou de tentar sair e começou a rebolar no meu caralho e gemer de prazer. Comecei um vai e vem gostoso e a cada estocada ele gemia, rebolava e dizia – Vem meu filho, como o cu desse viadinho, hoje e quando você quiser. Me fode gostoso. Mete gostoso nesse rabo.



Eu aumentei as estocadas e comecei a sentir o cuzinho dele a piscar. Acelerei o vai e vem e num urro ele disse que estava gozando sem nem tocar no pau dele. Quando ele disse isso meu tesão foi a mil e gozei novamente, enchendo aquele cuzinho de porra quente. Ele se apertau mais em mim até sentir a última esguichada no seu rabo. Tirou meu pau do seu cu e lambeu ele até que não sobrasse nehuma gotinha de porra pra escorrer. Ele ainda tremia de tesão e disse que a partir daquele dia eu tinha que me confessar diariamente com ele. E foi o que fiz. Confessei em todas as posições que pode existir, e até levei o Carlinhos verdadeiro pra confessar junto, mas isso é uma outra confissão...

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico mulher gostosa trai marido com um delegadocontos eróticos casadas vingançaConto erótico Sado(trasformei meu marido em escravo)minha piroquinha dura no cu do molequeconto meu cunhado me emcochou no bus "contos eroticos" filha massagemminha filinha bricando minha pica contos eroticosContos eroticos quintalporque.que.depois.que meu namorado chupou os meus peitos eles ficaram com o bico descacandocontos de machos q experimentou um boquete no primocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentemulher gostosa arrumando biquini em um deckMães chupando filho contoseroticoscontos eroticos de virgems estrupadas no mato por 2conto sexo esposaconto erotico eu estava tao bebada que nao sei quem me comeu me encheu meu utero de leitecontos porno sou putinha pra minha mae no puteiro da familiacontos erótico paizão enrabar filho gaycontos eroticos arrombando a gordaconto comi minha mae quando tinha dez anosconto sacanagem com a.primaContos eroticos galeraempregada ê chantageada e tem que dar para seu patrao o cabacinhoconto sozinha em casa peguei meu pai fudendo minha maeconto nao queria mais dar mas o negaocomeucontos eroticos incesto fudendo minha filha com meu melhor amigoContos eróticos d homem com éguaContos a calcinha da garotinhatirando o cabaxinho da novinha fazendo ela chora com pau gg porno carioquinhacontos eróticos dívidi minha mulherContos eroticos orgia forçadacontos eroticos gay hormoniossexo na infanciacom tio contosfotos e vidio e contos eroticos estava sucegado em casa quando minha irmã começou a me procardei pro meu genro contodormindo ao lado conto eróticocontos eroticos arrombando a gordaComtos mae e filha fodidas pelos amigos do paicontos completos quentes esfregando so pra judiar pedindo masContos eróticos teens contos gays neguinho do pinto grande me comeucontos aprendendo o que e uma buçeta com a mamaeconto chantageada suruba engolinovos relatos eróticos com fotos de corno minha esposa andando na rua toda gozadao que sua esposa achou do menage femininocontos/esposa tarada por dotadosmeu primo e minha amiga contos eróticosmeu tio velho ajudou eu e minha prima perder o cabaçoContos eroticos sexo gozada desejos traicao e mortevidiomuher com camizocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos bundão arrebitadomasturbei meu melhor amigo contos gayConto troquei o oleo com meu patraozoofilia homens com super vergas enormes fodendo mulhetesconto menor me comeucontos minha filha chorou no meu pauvidio porno coroa usando perbuda curtinha mostrando metade da bundaengravidou a minha namorada contos eróticoscontos eroticos marido e esposahumilhada contos eroticosArromba essa puta soca essa rola na minha buceta me fode contosdando pro cunhado contos eroticoscontos veridicos de incesto punhetando o papai iniciandouma coroa da bunda grande do cabelo liso e peidando a b***** para o cachorroconto erótico com vigilantecontos eroticos praia nudismo em familiacontos eroticosem familiaContos eroticos esfregando a bunda da menina gordinhaconto a coroa de 47 anosasfantazias das mulher de pornosexo com a namorada do meu filho anal e ela grita