Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

JULIANA E DANIELA, MINHAS DONAS

Um dia estava saindo do apartamento de uma dominadora, depois duma sessão, e na porta do elevador coincidimos com uma loirinha muito bonita. O elevador chegou logo, entramos, e enquanto estávamos descendo ela olhou para mim e perguntou "Estavas com a Juliana?" (o nome da dominadora), eu respondi que sim, e ela me deu um cartão, "Tu es muito bonitinho, eu ia adorar fazer uma sessão contigo". Nesse momento o elevador chegou no térreo, e ela deu tchau e foi embora. Olhei o cartão, tinha o desenho dum chicote, uma frase "Daniela, Shemale Mistress", e um celular. Eu adorava ser a puta nas sessões de dominação, mas nunca tive interesse em homem, e joguei fora o cartão. Nos dias que seguiram lembrava dela (era tão bonita e nem parecia homem), e me arrependi de não ter guardado o cartão. Fiz outras sessões com a Juliana, e na chegada e na saída demorava na porta do prédio, para ver se a encontrava. Perguntei um dia para a Juliana, mas ela torceu o rosto, e preferi não perguntar mais, ela podia ser muito cruel quando se zangava. Já tinha perdido a esperança de encontra-la quando uma tarde num shopping a vi entrando numa loja. Aguardei que saísse e me aproximei "Oi, lembras de mim ?", "Lembro, o amigo da Juliana", e sorriu. "Perdi teu cartão", menti, "mas não esqueci de ti, gostaria de uma sessão". "Perdeste ?, aqui tens outro, me liga mais tarde gatinho, que agora estou com pressa", me deu um beijo de leve na boca e foi embora. Mais tarde nesse dia liguei para ela, e combinei para me encontrar com ela num motel, "Quando chegar lá me liga avisando o numero do apartamento". Ela chegou ao motel uns quinze minutos depois do que eu liguei, e logo que entrou me deu um beijo de língua e pegou na minha bunda. Eu fiquei meio tenso, ela notou e perguntou "Nunca estiveste com uma boneca?, relaxa, eu sou melhor que a Juliana". Mandou tirar a roupa, deitar na cama com a bunda para cima e as pernas abertas, e foi no banheiro se preparar. O banheiro estava nas minhas costas, e eu não a vi quando saiu, escutei seus passos e sua mão mexeu com a minha bunda. "A Juliana te faz depilar ?", "Sim", respondi, recebi um tapa na bunda, "É sim Senhora, a Juliana não te ensinou a ser respeitoso ?", "Sim Senhora, desculpe Senhora". Acariciou as marcas da chibata da Juliana, "Tua bundinha fica muito gostosa assim marcada, bem putinha". Mandou me ajoelhar no chão, e ai vi como estava vestida. Usava um espartilho cor de rosa forte com detalhes pretos, seios nus, meias arrastão rosa e preto, sandálias salto agulha, e uma chibata na mão. Muito bonita e feminina, bem ordinária (fazia de propásito), com um bom pau no meio das pernas. Ficou em pé na minha frente "Olha bem esse pau, ele agora é teu dono", e mandou adorar os pés dela. Beijei, lambi, acariciei os pés, as sandálias, os dedos, o salto, ela tinha pezinhos de princesa, e com a chibata me incentivava para eu fazer direitinho. "Chega, pega meu pau na boca", eu hesitei por um segundo, mas meu tesão era grande demais, e coloquei o cacete já quase duro na minha boca. Eu estava bem acostumado aos paus de borracha, mas este era diferente, mais quentinho e de sabor mais gostoso. Era também muito grosso, e quando termino de enrijecer encheu minha boca, "Cuidado com os dentes, este não é de borracha, se machucas ele vás te arrepender". "Vamos, chupa ele com sofreguidão, passa a língua no cabeçote, beija ele", e segurava minha cabeça com as mãos e me fodia pela boca. Meu pau também já estava duro, ela olhou e dize "Pelo jeito o gatinho está gostando, eu sabia", e realmente, essa combinação de mulher com cacete estava me deixando doido de tesão. Ela fodeu a minha boca mais um tempo, e depois mandou deitar no chão, sentou no meu rosto e falou "Quero sentir essa língua no meu cuzinho, com força". Enquanto eu chupava, ela acariciava meu pau, e pensei que ia gozar, mas ela pegou um cordão e atou na base do pau e do saco, "Assim vás a ficar duro, mas sem gozar até eu mandar". "Agora eu quero teu rabinho, fica em pé, abre bem as pernas e segura a coluna da cama". Ela ajeitou minha posição, mandou arrebitar bem o bumbum, e atou minhas mãos na coluna. Começou a alisar e bolinar minha bunda, acariciou meu cuzinho, lubrificou, enfiou um dedo, "Bem redonda e durinha, cuzinho fechadinho, vás me dar muito prazer, gatinho". Agora estava encostando seus quadris em mim, beliscando meus mamilos, esfregando seu pau na minha bunda, passando ele no meu rego, dando tapas nas minhas nádegas. O tesão era demais, eu arrebitava minha bunda ao encontro do pau dela, ela riu "Queres que eu arrombe teu rabinho ?", "Sim Senhora, quero todo seu cacete dentro de mim, por favor Senhora". "Assim que eu gosto, bem oferecida, mas antes eu quero marcar essa bunda, fica quietinha". Obedeci, ela se afastou, e desceu a chibata três vezes, logo acima do meu reguinho, no meio das nádegas, e bem no inicio das coxas, eu berrei de dor. "Doeu muito, gatinho ?", eu falei que sim, "Ótimo, é assim que eu gosto, agora vou te comer", pegou meus quadris com as duas mãos, encostou o pau no meu anus e foi logo empurrando. Eu também empurrava contra o pau, queria mesmo ser arrombado pela loirinha, e estava sentido essa dor gostosa de ter as pregas alisadas por um bom cacete. Logo o pau estava todo dentro de mim, "A putinha engoliu tudo com muita vontade, estava com fome de cacete ?", um tapa na minha bunda, "Agora quero o gatinho rebolando e gemendo", e eu mexia a bunda e pedia mais. Ela ia fundo, tirava quase tudo, e voltava a enfiar, ia e vinha a vontade dentro do meu cu, e eu adorando ser possuído pela minha Rainha transex. "Vamos mudar de posição", dize, e desatou minhas mãos, "Franguinho assado, na borda da cama", e eu deitei, pernas bem abertas no ar e a minha bunda escancarada. Enfiou sem cerimônia, e socava rápido e com força, os bagos dela batiam no meu rego. "Geme gostoso no meu cacete, mostra como tu esta gostando, cadela". "De quatro agora, bem submisso e oferecido", e lá estava eu, cabeça bem baixa e a bunda bem para acima, "Sim Senhora, por favor Senhora, enfia tudo, arromba meu rabo, judia da sua cadelinha". Logo ela estava cutucando bem no fundo do meu cu, beliscando meus mamilos, batendo na minha bunda, me machucando gostoso. Ela me comia enlouquecida, falava que meu cu agora era dela para ela fazer o que quiser, que eu era sua namoradinha, eu delirava de prazer sendo a puta da minha loirinha gostosa, e queria o pau dela todinho dentro de mim, me fazendo sentir essa mistura de prazer e de dor que me levava ao paraíso. Eu rebolava adoidado e pedia para ela não parar mais, mas cacete de verdade não é como os de borracha, e depois de um tempo ela queria gozar. Tirou do meu cu, me colocou de joelhos, tirou a camisinha e enfiou até minha garganta, "Chupa que eu quero encher tua boca de porra", eu comecei a mamar o pau, e logo ela explodiu na minha boca. Ela segurava minha cabeça, "Engole tudo sua vadia", eu olhava para cima e via a loirinha com um sorriso debochado. Engoli e senti seu pau murchar na minha boca, ela se abaixo e me beijou, enfiou a língua na minha boca, e saboreou o que ainda ficava do seu leite. "Adorei te comer, gatinho, gostaste de ser a minha putinha ?", "Sim Senhora, adorei, quero ser sempre a sua cadela", "Que bom, a tua bundinha ainda vai me dar muito prazer", e mandou tocar uma punheta e gozar enquanto ela me beijava e me bolinava. Quando eu gozei ela me fez limpar a porra com a língua, deu um tapa na minha bunda e dize que ia tomar banho, e que queria uma cerveja bem gelada depois do chuveiro. Liguei para a recepção e pedi uma cerveja, que chegou logo. Meu cu ardia, minha boca tinha o gosto da minha porra misturado com o dela, e eu tinha adorado ser a noivinha de minha loirinha com cacete. Quando ela saiu do banheiro experimentou a cerveja, falou que não estava bem fria, e levei duas chibatadas para aprender a obedecer direito. Ela vestiu, mandou escrever o numero do meu celular num dos seus cartões, e foi embora, "Quando quiser te comer de novo ligo para ti". Tomei banho e fui embora, com as marcas da chibata queimando minha bunda, e o rabo ainda largo do cacete da Daniela. Dois dias depois eu tinha uma sessão com a Juliana, e não quis faltar, embora achasse que ela não ia gostar nem um pouco de ver as marcas na minha bunda. Mesmo que nossa relação era profissional, ela tinha ciúmes das outras dominadoras, e não gostava de me ver com marcas que não fossem as dela. De fato, eu gosto de ser submisso, mas não de apanhar, com as outras dominadoras eu beijava os pés, lambia e chupava cus e xoxotas, dava (adoidado) a bunda, bebia seu chazinho e tudo nessa linha, mas sá à Juliana eu deixava me chicotear (e o que mais ela quisesse), porque ela é muito sexy e carismática, uma coroa poderosa que me submete aos seus caprichos. Agora a Daniela também tinha me subjugado, e eu não sabia como ia fazer com duas dominadoras para valer. Quando cheguei no apartamento da Juliana ela mandou eu passar ao cômodo onde fazíamos as sessões e me preparar, enquanto ela terminava de falar no telefone. É costumeiro ela mandar me preparar, ficar numa posição que ela escolhe e me deixar aguardando, faz parte do ritual de dominação, ela decide que e quando. Na sala de dominação tem uma mesinha onde a Juliana coloca o que eu tenho que usar na sessão. Desta vez tinha uma calcinha vermelha, pregadores de mamilo com uma correntinha pendurada, algemas, uma barra de sujeição para as pernas e um gancho. Tirei a roupa, coloquei a calcinha bem enfiada no meu rego e prendi os pregadores nos meus mamilos. Pendurei o gancho numa corrente no teto, acomodei a barra de sujeição numa espécie de banquinho, longo e estreito, de uns dez centímetros de altura embaixo do gancho, e coloquei as algemas num dos meus pulsos. Assim preparado subi no banquinho e amarrei meus tornozelos nas pontas da barra com umas correias de couro sujeitas nela, minhas pernas ficaram bem abertas, a barra era muito longa. Cuidando para não perder o equilíbrio fechei as algemas no outro pulso e me esticando bem cheguei até o gancho e passei nele a corrente das algemas. Já estava quase pronto, me pendurei do gancho e chutei o banquinho, meus pés agora apenas tocavam o chão, e eu estava suspendido do teto, com as pernas completamente abertas, e totalmente indefeso, bem como a Juliana gosta de mim. Com as pontas dos dedos dos pés fui girando até ficar de costas para a porta, ela gosta que eu aguarde por ela com a bunda oferecida. Ela sempre gosta de me deixar esperando bastante, ainda mais se eu estou desconfortável, mas dessa vez entrou logo. Com minha bunda bem a mostra ela logo viu as chibatadas da Daniela, e começou a bolinar as marcas, enquanto falava "A cadela andou dando por aí", "Sim Senhora, desculpe Senhora", "Desculpa coisa nenhuma sua vagabunda, eu vou te fazer pagar". Ela beliscava as marcas da Daniela, me fazendo gemer de dor, e com uma das mãos pegou meu saco e apertou "Ela é bonita ?", "Não Senhora", "Gostaste de dar para ela", "Não Senhora". Ela apertou mais ainda, "Fala a verdade, sua galinha, tu gostou de dar para ela", "Não Senhora, eu juro". Ela deu uma risada e a voz da Daniela falou, "Olha sá, para mim pareceu que a putinha estava adorando", e as duas deram uma risada. Eu vi que tudo tinha sido uma armação, e fiquei aguardando. A Daniela foi pra minha frente, puxou os pregadores, e falou "Oi gatinho, lembras como rebolavas no meu cacete ?", "Sim Senhora", "Mal agradecido, agora tu falas que não gostaste", ela riu, e eu fiquei calado, sem saber que falar. A Juliana e ela ficaram me bolinando, me beliscando, rindo de mim y me judiando, me fazendo gemer de dor. Se concentraram na minha bunda, levei umas chibatadas de leve, e a Daniela falou "Essa bundinha dele é muito gostosa", e a Juliana respondeu "É uma benção de deus, durinha, arrebitada, e sempre apertadinha, e olha que a vadia anda sempre dando por ai". "Fique com tesão de comer a essa bundinha", falou a Daniela, e ficou por trás de mim, e encostou o seu cacete no meu rego. "Enfia nele, que eu vou te mostrar um jeitinho pra ter mais prazer ainda" dize a Juliana, e a Daniela passo cuspe no meu cu, e mandou ver, enquanto a Juliana amassava meus mamilos e mexia com os pregadores. De repente pisou na barra amarrada nos meus tornozelos, me puxando para baixo, e a Daniela deu um gritinho "Oba, ele apertou meu cacete, foi muito gostoso, faz de novo", e a Juliana voltou a pisar a barra. "Eu sabia que tu ias adorar, quando a gente pisa, os músculos dele se contraem e o cuzinho pisca no teu cacete". A Daniela continuo a me comer, enquanto falava com a Juliana, e a cada tanto pisava na barra, eu estava adorando. Durante o resto da tarde elas continuaram brincando com a minha bunda, me fazendo sua puta, me usando de todo jeito para lês dar prazer. Depois fiquei sabendo que a Daniela era sobrinha da Juliana, e que quando Daniela era adolescente a Juliana a tinha iniciado como escrava. Com o tempo a Daniela tinha virado travesti e dominadora, e agora elas gostavam de partilhar putinhas, quando uma delas achava uma que parecia prometedora, ligava para a outra, e faziam o joguinho. Agora eu sirvo às duas, as vezes juntas, as vezes individual, elas me ligam e ordenam o que querem de mim. Eu adoro as minhas rainhas, e sou completamente submisso às vontades delas, elas me recompensam me usando de todo quanto é jeito. Como homenagem a elas, decidi fazer uma tatuagem. Embaixo do meu prédio tem uma loja de tatuagens, onde eu ja fiz algumas. A dona é uma mulata cheinha e muito serelepe, a Angela, ela me atendeu, me deu o book para escolher a tatuagem, e foi atender outro freguês. Olhei de ponta a ponta, mas não achei nada que gostasse, a Angela então perguntou que tipo de tatuagem estava procurando. Eu hesitei, mas acabei contando das minhas duas rainhas e da homenagem que queria fazer para elas. Ela deu uma risadinha cheia de sacanagem, e falou "Eu nunca comi a bunda dum homem, acho que ia gostar muito". Pensou um pouquinho, e me ofereceu desenhar uma tatuagem para mim, se eu dava para ela. Gostei da idéia, falei que topava, que eu tinha todos os apetrechos, e perguntei para quando poderia ter um desenho pronto. "Hoje a noite", (era cedo pela manha), e combinamos que ela passaria pelo meu apartamento depois de fechar a loja, e eu ja teria tudo pronto para iniciar ela comendo bundas. Essa tarde, quando cheguei em casa, preparei meus consolos, meus dvd de femdom, e coloquei umas cervejinhas a gelar. Ela chegou como combinado, perguntei pelo desenho, e ela me mostrou. Era bem simples, um desenho estilizado de duas mulheres, uma com uma chibata na mão e a outra com cacete, e no meio delas um cara de joelhos, olhando para baixo e duas correias do seu pescoço para as mãos das dominas. Acima das mulheres, "Juliana" e "Daniela"; a tatuagem era para ficar logo acima da minha bundinha. Falei para ela que tinha gostado muito, e ela reclamou sua recompensa, abri uma cervejinha e coloquei um dvd. Ela começou a olhar sem falar, como aprendendo uma lição. Logo que viu um cara de calcinha perguntou se eu tinha uma (eu tenho), e mandou eu colocar e ficar sá de calcinha. Foi se empolgando como filme, e começou a me bolinar, mexer na minha bunda e me comeu muito gostoso. Ao inicio tive que ensinar um pouco, mas ela logo pegou o jeito, e deu pra ver que ela nasceu pra isso. Depois dumas duas horas, e tendo arrombado minha bundinha para valer, ela foi embora; dize que eu era uma putinha gostosa, que sábado pela tarde fosse na loja para fazer a tatuagem, de calcinha, e pegou emprestado uns filmes e um plugue anal. No sábado fui na loja, e ela mandou ficar sá de calcinha, em varias posições, para ver como iria ficar a tatuagem. Quando escolheu a posição certa para a tatuagem fiquei deitado na maca de tatuagem. Senti o dedo dela lubrificando meu cuzinho, e enfiou o plugue, com uma risadinha, e começou a trabalhar. Quando terminou dize para ir para casa sem tirar o plugue (ela tem jeito mesmo para dominar). Dei uns dias para a tatuagem cicatrizar direitinho, e combinei com as minhas duas rainhas, falei que tinha uma coisa para elas, e marcamos uma sessão no apartamento da Juliana. Quando elas viram a tatuagem adoraram, ficaram cheias de tesão, e judiaram de mim a tarde toda, fui chicoteado, arrombado (a Daniela tomou Viagra !!), chupei pés, cus e xoxotas, recebi toda a cerveja que elas beberam, enfim, uma delicia mesmo. Elas ficaram falando sobre mais tatuagens para mim, piercings (acho que logo vou ganhar brincos nos meus mamilos), a Daniela ate falava que ia me fazer tingir o cabelo, que ela queria uma putinha loira. Quando cansaram disso, lembraram de perguntar quem tinha feito a tatuagem, e eu contei a estária com a Angela. Riram de mim, falaram que sou uma vadiazinha mesmo, e ficamos de convidar a Angela para uma sessão conosco. Eu sei que ela vai adorar, e eu também, depois eu conto.



[email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


CONTOS EROTICOS REAIS EM VITORIA ESistorias de mulheres fudeno com dogycontos arrombei mãecontos eroticos bv e virgindadeconto de sexo com rabuda asquerosocontos erotucos comi umad meninas que morava na fazendaconto punhetinha gostosaesposa exibicionista praia contosMeu irmaozinho caçula me te penetroucontos eroticos arrobei o cu da casada q conhecei na netcontos eróticos comendo avócache:tCqBSJiMNvAJ:okinawa-ufa.ru/conto-categoria-mais-lidos_6_13_orgias.html contos eróticos de mãe e filho, mãe com shortinho atolado no seu bundaocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos reais de esposas fodendo com marido eo sobrinho deleconto gay sendo estuprado com muita violência e tem muito sanguecontoseroticos/maeiniciandofilhaContos eróticos me violentou  tamanho do pau dele, grande, uma delicia.  mulheres com biquinis bem atolado na bumda fotoscontos eroticos arrombando a gordavizinho novo contos gaycontos eroticos com subrinhasconto eritico de eloisaeu e minha filha no baile funk contos eroticosconto fetiche apanhando da namoradacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteTravesti fode duas coroas safadas na idade de 55 anoscache:oIMLEWITCAIJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=99 ai devagar porra caralho sua pica e muito grossaContos eroticos de pai e filhinha pesadosViolentei a deficiente contos eroticosconto erotico muito sexo com agalera esposa puta com10 negros marido cornoconto erotico broxei outro comeucontos eroticos com meninas novinhasrelato erotico cheirei a calcinha gozadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos gang bang com desconhecidoscontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos garotinha dormindo no colo do padrinho de pijaminhacontos coroa gordacontos de uma safada minha rosquinha começou a. se abrir e sentir aquela jeba no meu intestinovideo de ninfeta branqui.ha magra no sexo anal de quatroeu e meu avô contos gayconto erótico fode cm clientes no camaroteconto erotico transei com uma velha deficiente especialcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto eroticos entre primoshistorias excitantes esposa adora chupar buceta da outra pro marido verconto real casada moro na casa do fundoacontos erotico ruiva cheia de sardas perdendo a virgindade depois do casamentocomendo e falando sacanageme gozando contosconto eróticos dei pra meu pai depois de casadacontos eróticos escravo de minha irmãvídeos pornô Santa Rita taxistaos melhores contos de gang bangGozei na buceta da minha prima e ela engravidou historiasna festa funk hetero pauzudo conto gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecunhado encochando contoscontos eróticos leite incestoviadinho e o andarilho velho negro contos eroticosmoças peladas passando margarina no corpo inteiro ate no cucontos de coroa com novinhocontos meu vizinho taradocontos tio no carronamoradinha virgem do amigo contos eroticoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentetravestiszoofiliafotosconto erotico meu sogro de 60 anosconto. a sugadora de. porracache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html contos eróticos de amigos com mts mamadascontos gay chupei o pau do borracheiroNamorando a vizinha mais velha contoscontos eroticos no escurocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos de comer cadelatransei com uma garotinha de 11aninhosconto sexo dp na mendiga