Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

"AMOR, FIQUEI MENSTRUADA" (DE PORRA)

Eu e meus vexames. Estava de férias com meu marido na Alemanha, hospedada há dias num hotel de alto nível, num grupo de 4 casais viajando juntos, todos amigos, filhos haviam ficado Brasil. Eram umas 8 da noite quando chegamos das compras, deixamos as coisas no quarto e descemos para tomar uns drinks no bar do hotel. Havia pouca gente lá. Ocupamos uma mesa grande, sentamos todos. Mas a bebida estava demorando e fui no balcão reclamar. O rapaz que me atendeu muito educadamente era gay. Eu atraio. Logo fizemos amizade. Eu conversava um pouco na mesa e depois vinha para o balcão continuar o papo em inglês com ele.



Os drinks se sucediam e eu já trocava com ele confidências anais. Avaliamos os homens à nossa volta e rimos muito. De repente veio um sujeito lá de dentro que parecia um elefante de grande e falou grosso com ele por estar há tanto tempo conversando comigo desligado do serviço. Ele acatou tudo de cabeça baixa e quando o cara saiu ele sorriu e fez para mim um sinal juntando uma mão na outra de que aquele cara tinha um pau muito grosso. Dei um tempo na mesa e voltei ao balcão para confirmar se tinha entendido direito. Perguntei na cara dura com olhar de interessada como é que ele sabia. Ele me deu um sorriso safado e me disse para desistir porque o cara também era gay, que ele já tinha visto e pegado no pau do cara mas não teve coragem de experimentar. Eu disse nossaaa! mas eu preciso ver isso. Ele disse que duvidava que eu conseguisse.



Voltei para a mesa perturbada, a calcinha molhada imaginando o cacete do cara, eu me abrindo para ele, ele entre minhas coxas. Aahhh! Eu tinha que tentar. O pessoal animado e intrigado com a intimidade que eu estava com o garçon. Mais uns drinks e voltei ao balcão. Quando o cara apareceu de novo para chamar a atenção dele, dei uma boa olhada, que homem gigante. Tem uns que parecem touros, outros elefantes, aquele era um. Ele olhou para meus peitos, eu notei. Ele podia gostar de transar com homens, mas com aquela olhada que ele deu seria capaz de ficar de pau duro para numa mulher, não tive dúvida.



Pelas 19 da noite o bar dava sinal de que ia fechar. Resolveram todos subir para os apartamentos. Pedi ao garçon no balcão que guardasse minha bolsa num lugar bem escondido e subi com todos. Tomei um banho, me lavei toda e me perfumei como se fosse para meu marido. Quando estava para deitar lembrei de minha bolsa. Disse que tinha esquecido no bar e ia lá pegar antes que fechasse. Me aprontei toda de novo, afinal não ia andar pelo hotel de camisola. Botei um outro vestido, curto e justo, bem decotado, a menor calcinha que encontrei e desci. As portas de vidro que davam para o bar estavam fechadas mas o chefão tava lá. Não vi o garçon, ele estava sá. Abri ainda mais o decote do vestido e botei mais coxa de fora. Meu coração disparou enquanto ele caminhava para abrir a porta e saber o que eu queria. Eu disse que havia deixado a bolsa no balcão com o garçon e esqueci de pegar antes de subir. Senti o olhar dele nos meus peitos, ele abriu mais a porta para eu passar e a fechou atrás de mim. Senti que olhava minha bunda e eu rebolei para ele enquanto caminhava para o balcao.



Com as luzes do bar quase todas apagadas ele procurava uma bolsa grande e eu havia deixado uma bolsa minúscula. Entrei pelo corredor apertado do balcão para ajudá-lo a encontrar. O vestido já tinha subido, os peitos quase de fora, eu me abaixava para olhar um lugar e outro e o deixava procurando a calcinha desaparecida em minha bunda (rs rs). A temperatura no corredor detrás do balcão subiu. Já estava tão na cara que eu queria sexo que uma hora ele criou coragem, chegou por trás, colocou a mão em minha cintura e me perguntou direto em inglês se eu o queria, respondi que sim.



Ele me levou para um quartinho, havia um armário, uma cama e uma mesa. Fechou a porta e me agarrou em pé. Como era forte aquele homem. Ele parecia gordo e era, mas na verdade ele era forte. Ele disse que não tinha muito tempo. Eu respondi que também não, que meu marido me esperava acordado no apartamento. Ele sorriu ao ouvir isso, me deitou na cama e se ajoelhou no chão. A primeira coisa que fez foi chupar meus peitos. Ele ficou louco com eles. Abriu meu decote e meus peitos saltaram, ele lambia e mordia de leve os bicos duros, chupava bem. Chupar daquele jeito é covardia, me deixa maluca. Ele juntava meus peitos e passava uma língua enorme entre eles. Eu já me abria toda quando ele começou a enfiar aquela língua em minha boca e seus dedos grossos em minha letícia, eu ainda de calcinha.



Alisei por sobre a calça o pau dele e não acreditei. Pedi que me mostrasse. Alto como ele era, eu sentada numa cama baixa, na penumbra, quando ele ficou nu e se virou para mim, não sabia se ficava mais impressionada com o tamanho ou com a grossura. Eu batia punheta admirada com as duas mãos chupando a cabeça para deixá-lo duro. Sabia que aquele pau não caberia inteiro em mim nem por milagre, mas queria sentí-lo me abrindo até o fundo, ou experimentava aquele cacete ou ficava doente. Mas eu chupava e chupava e o pau dele crescia, engordava mas ainda tava mais para barro que para tijolo.



Tirei uma perna da calcinha e fiquei de quatro na cama. Como também sou alta, empinei bem a bunda e deixei minha fofa babando para ele na altura protinha para a penetração. Ele encostava, tentava, resvalava de tão grosso, eu imaginava aquele pau entrando e me arrepiava de excitação. Com o dedo no grelo, quando a cabeçona passou eu não aguentei e gozei. O pau do cara se alargou e endureceu sentindo meu gozo, a buceta pulsando. Ele então deslizou para dentro de mim mais pau do que eu podia esperar. Não gritar foi impossível. Ele não foi violento, nem foi realmente dor, foi o susto.



Era pau demais. Eu não conseguia relaxar na posição de medo e pedi que ele sentasse na cadeira. Com uma perna para cada lado vim sentando, segurava com as duas mãos aquele pau de cavalo e forcei minha buceta contra ele até sentí-lo bater no fundo. Nunca esquecerei a visão daquele pau entrando, a medida do quanto aguentei de primeira. Quando eu me senti completamente entupida de pica, ainda tinha mais de uma mão do lado de fora. Era difícil rebolar espetada por um cacete daquela grossura. Rebolar na boquinha da garrafa é fácil, com uma garrafa inteira enfiada não. Era como se tivesse uma garrafa enfiada em mim. Mas eu rebolei gostoso. Quanto mais rebolava mais me acostumava à situação daquele poste me empalando. As pernas tremiam com o esforço, mas eu me soltava, alisava meu corpo, gemia, apertava meus peitos. Ele segurava o pau na base e me dava total liberdade de movimento, assistia suspirando minha buceta subir e descer engolindo, torcendo, mastigando e babando o pauzão. Meu grelo estava enorme pedindo dedo, ofereci os peitos ao grandalhão para chupar. Enquanto chupava meus peitos e eu massageava meu grelo sem perder o rebolado, o sacana abriu minha bunda, meteu um dedo que parecia um pau em meu cu e passou a foder de baixo para cima minha buceta. Aquela sensação de que o pau dele ia me sair pela boca, ainda travada pelo cu, lambida nos peitos, eu não aguentei e comecei a gozar e parecia um gozo sem fim. Com as pernas escancaradas e rebolando como uma louca, esqueci que estava num hotel na Alemanha e nem quis saber se aquele cara era turco, grego ou jamaicano, gemi como se estivesse em casa. Eu saí de cima dele, minha buceta pulsava, o pau dele brilhava.



O tempo corria mas eu não aceitava sair dali depois de tanto prazer sem que ele tivesse gozado. Fui de pernas bambas cambaleando até a mesa que ficava no canto do quarto. Mesmo pequena parecia suportar. Sentei na mesa, me recostei na parede, me exibi tirando finalmente minha calcinha, escancarei as pernas para ele e pedi que gozasse dentro de mim. Olha, sinceridade, continuar de pernas abertas vendo um cara com um pau daquela grossura e com aquele tamanho se aproximar para meter em você exige coragem. A buceta já alargada por ele mesmo ofereceu pouca resistência, mas é impossível não se espantar com a penetração dele. Por mais cuidadoso e gentil, pesado como é e com um pau tão grande, quando se move para meter vem longe por dentro da mulher. Mas eu queria que ele gozasse. Me entreguei a Deus e pensei comigo mesma que morrer de pica poderia ser uma morte gloriosa. Sem qualquer condição de controlar os movimentos dele nem de controlar meus gritos, suspiros e gemidos, me arregacei toda e assisti por intermináveis minutos aquele pau de pouco em pouco entrar até o talo em mim. Quando as bolas dele bateram em minha bunda, eu não acreditei, eu tinha aguentado ele inteiro. Meu corpo parecia um instrumento de cordas, ele tirava sons de mim deslizando sua haste enorme em minha buceta. Senti minhas entranhas revolvidas, via o caminho que o pau fazia dentro de mim por fora olhando minha barriga, ouvia o barulho do vai e vem crescente em minha buceta, eu cada vez mais escancarada, completamente fodida pela viagem interminável daquele pau em meu corpo. Eu fico molhada sá de lembrar. Aquilo foi me dando uma tontura, um desespero, eu não sabia se corria, se gritava, na dúvida eu gemia. Mal botei o dedo no grelo comecei a gozar. Nunca havia gozado com a buceta tão cheia. Enquanto gozava, tentava fechar as pernas e mastigar ainda mais o pau dele. Mas com braços potentes ele as escancarou completamente e foi cravando aquele pau até me tirar o fôlego, começava a ejacular no mais fundo de mim aos urros. Perdi a conta dos jorros que senti, muito sêmen, aquele cara era um cavalo. O gozo dele prolongou o meu, sentir uma tal quantidade de sêmen quente por dentro naquele momento. Ficamos ali pulsando um para o outro por um bom tempo, sem desengatar, eu com o pau dele inteiro ainda duro dentro de mim.



De repente batem na porta. Batem com força. Ele correu para a porta, eu tonta do jeito que estava me coloquei de pé, mal botei minha calcinha na mão e a porta se abriu. Era uma supervisora ou algo assim. Lançou para ele um olhar fulminante ao me ver ainda ajeitando o vestido com um dos mamilos aparecendo. Não disse uma palavra apenas nos olhava. Ajeitei o decote para cobrir o mamilo, baixei um pouco mais o vestido e saí caminhando com as pernas bambas meio abertas. Mas não perdi a pose, ao passar apertei a mão dele e o agradeci sinceramente pelos serviços. Senti uma quantidade impressionante de esperma descendo pelas coxas, eu com a calcinha na mão porque não deu tempo de vestir. Cumprimentei-a na saída, mas ela não me respondeu. Depois de alguns passos ouvi ela me xingar de puta em inglês. Olhei para trás olho no olho de mulher para mulher e continuei a andar. Mesmo dolorida rebolei bastante para ela perceber o quanto eu estava satisfeita com a porra grossa brilhando nas pernas. Que vexame! E quanta porra descia daquele cara, ele devia avisar antes. E não dava nem para disfarçar como xixi, era muito grossa, muito branca, um mingau de porra.



Eu estava longe do meu apartamento, teria que andar ainda muito e a sensação era que minha buceta tinha bebido um copo cheio daquele mingau. Por que um cara tem que despejar tanta porra? Eu não sabia o que fazer, ainda havia gente transitando nos corredores pra lá e para cá. Procurei um banheiro mas estavam todos além dos elevadores. Preferi o elevador, sêmen espesso no roçar de minhas coxas já espumava, precisava de uma porta, queria o mais rápido possível me limpar, ainda que fosse com a calcinha, vesti-la e ver se parava.



Mas depois da sorte de gozar tanto num pau daquele, eu merecia algum azar. Mal comecei a me limpar o elevador parou e quem entra? Ângela, amiga de excursão. Tinha descido para comprar um remédio para dor de cabeça e me flagrou ali de calcinha na mão, limpando as coxas de um esperma que tava na cara não devia ser de meu marido. Retive na mão minha calcinha ensopada, o cheiro de sexo impregnando o elevador, nás duas naquela situação de impasse, então aconteceu o supremo azar. Acho que relaxei ou tensionei, sei lá, o ar retido em minha xana vazou como um peido e com ele desceu um fio grosso de sêmen, parte desceu pela perna, parte se depositou caprichosamente no carpete escuro. Nás duas esperamos incrédulas aquela mancha branca desaparecer no carpete, torcendo para que ela nunca tivesse existido. Desceu então um fio ainda mais volumoso por minhas coxas e gotas caiam de meu joelho para o carpete. Eu não tinha onde botar a cara, até porque aquela quantidade dava a impressão de que não podia ter vindo de um homem sá. Quando senti a possibilidade de uma terceira erupçao ainda maior, pedi licença e vesti a calcinha na frente dela. Foi um erro. Quando ergui uma das pernas, desceu então uma carga de esperma que não encontrou perna alguma e deu para ouvir batendo no carpete do silencioso elevador. Foi constrangedor demais. Fiquei tonta, de pernas bambas caí vestindo a calcinha. Meu Deus, que vexame! E a porra não parava de sair de mim. Comecei a chorar e finalmente ela pareceu ter pena de mim.



Quando cheguei no quarto meu marido ainda estava acordado, cheio de desejos e todo carinho. Disse que ia fazer xixi e fiquei lá no vaso esperando descer o resto. Mas era muita porra, que era aquilo, parecia um cavalo. Quando vi que meu marido levantou e vinha para o banheiro, me adiantei, peguei um absorvente e disse para ele "amor, fiquei menstruada", perguntei se ele não queria comer meu cu, disse que eu tava com muita vontade de dar. Não queria que meu marido sentisse o pau boiando em minha buceta inundada de tanta porra do outro. Gozei de todo jeito com o dedo no grelo dando o cu para ele e pensando em quando veria de novo o pau daquele turco.



No dia seguinte todas sabiam, dava para ver pelos olhares. Sá os maridos não sabiam. O comportamento de todas havia mudado. Mas elas eram minhas amigas. Perdida como estava, eu não queria perder as amigas e ainda queria de novo gozar naquele pau e tentei uma última cartada. Convenci todas de que eu não havia cedido por pouco, que eu tinha meus motivos. Falei dos dotes do turco e elas não acreditaram. Prometi provar (rsrs). Havia um closet amplo no quarto, ficava todo escuro. Combinei com elas e todas recusamos a saída na tarde, quando começava o expediente de meu garanhão. Os maridos saíram sás. Elas ficaram no closet, as três. Ele veio assim que chamei. Nos abraçamos, nos beijamos, fiquei nua e o deixei nu. Chupei exibindo o pau gigantesco para elas. Parecia ainda maior, mais largo e mais duro. Lindo de ver, bom de pegar, difícil de usar (rsrs). Tinha certeza que todas estavam molhadas e doidas para experimentar um pau daquele. Ele repetiu que não tinha muito tempo. Eu completei que também não e pedi que ele metesse para gozar e gozasse em minha boca. Ele sorriu e disse que podia ser muito. Eu respondi que esperava que sim. Começamos do mesmo jeito, eu montada no pau dele, ele sentado e eu acostumando minha buceta àquela tromba. Fiquei de costas para elas de modo que elas pudessem ver o tamanho da pica dele e quanta pele ela arrastava para dentro e para fora enquanto eu rebolava subindo e descendo. Disse a ele que não ia segurar muito e quando eu gozasse ele devia gozar também. Ele concordou, abriu minha bunda, meteumais uma vez o dedo enorme em meu cu e fodeu novamente de baixo para cima até me fazer gemer e gozar descontrolada. Era um macho incrível.



Mal terminei de gozar ele saiu de mim e me deixou vazia. Eu sabia o que ele queria, eu também queria. Fiquei bem perto da porta do closet de joelhos, elas tinham uma perfeita visão do pau dele brilhando, enorme, grosso como um braço, eu punhetando com as duas mãos e a cabeçona entrando e saindo de minha boca. Eu sabia que vinha porra grossa, mas sentir é outra coisa. Era impossível engolir, não dava tempo. Vazava para todo lado, foi um banho. Ele me encheu a boca no primeiro jato, o segundo já foi na cara, eu fechei os olhos, engoli o que pude e deixei jorrar, não parava, meu pescoço, meus peitos lavados de porra. Felizmente não caiu no olho. Abri os olhos e ainda desciam gotas do pau dele. Lambi todo agradecida e deixei limpinho, exibindo-o sem que ele suspeitasse para as outras. Sentia o sêmen já frio escorrer pelo meu corpo e me arrepiava. O celular dele tocou. O tempo acabou e ele teve que sair.



Quando elas ouviram a porta bater, correram de dentro do closet e acenderam a luz. Era difícil acreditar na quantidade de porra que saía daquele cara, sá vendo, eu estava lavada. Elas admiradas de minha coragem queriam saber como eu consegui aguentar. Eu mostrei minha letícia a elas para verem como estava larga. Elas ficaram bobas e perguntaram "e agora", preocupadas. Eu contei o tempo de dois banhos para ela estar fechadinha de novo. "E se seu marido quiser", ora digo que tô viciada em dar o cu. Rimos todas.



Sá que meu marido não quis naquele dia nem no outro. Então passei dois dias e comecei a me encontrar com o turco todo dia. Bastava eu conseguir uma brecha. Minhas amigas passaram a me ajudar. Em uma semana fodemos quase todos os dias e nos últimos eu já conseguia beber a porra dele todinha. Eu estava secando o turco. Nás viajaríamos no fim de semana. Como sou safada mesmo, convidei todas para assistirem de novo, eu queria levar aquele pau no cu e faria na frente delas.



Com elas no closet, ele no quarto, no começo do expediente, todo cheiroso, fiquei de quatro para ele na cama e depois de muito lamber e enfiar dedos em meu cu ele meteu. Acho que não ficou nenhuma prega. O pior é que com um pau daquele entrando fica difícil para uma brasileira pensar em dizer "take it out". Eu dizia tira, tira e ele não entendia. Como cu parece não ter fim, aguentei aquele pau todo sentindo as bolas batendo até ele gozar. Ele saiu do quarto e eu ainda estava estendida na cama com o cu arregaçado e a porra escorrendo.



Todas ficaram admiradas de minha coragem e me ajudaram nos dias seguintes na viagem em que eu sentava de lado porque andava muito dolorida. Infelizmente meu marido reacordou para o sexo nesses dias. Ao invés de viciada em dar o cu, acabei convencendo-o de que estava viciada em chupar e engolir porra. Foi a solução. Elas me perguntaram como eu estava fazendo. Eu respondi "bebendo, colegas, bebendo, é o jeito". Ficamos mais amigas que nunca. Hoje quando nos encontramos elas sempre perguntam se eu continuo bebendo. Eu respondo sempre que lágico, eu bebo sim e estou vivendo... (rsrs)

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


virei puto dos segurancas sadomasoquismo conto gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos erotico eu minha esposa gostosa e meu sobrinhoalgus dono de escravos estrupavão escravascontos com minha prima novinhaconto sexo loira e o chefe do cornoguri gozando na lajexcontos de familia minha familia w evangelica mas fpmos na praia de nutismocomparando paus contoscontos eroticos massagem papaicontos eroticos arrombando a gordasurra de chinelo contosconto ertico eu dormir e um cara pazudo rsgou o cuzinho vigen da minha esposa a força cem ela quereconto de sexo me arrombaram na frente do meu maridocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentebeliche conto heteroSiririca contosContos euroticos amiguimha novinha da minha filha.cu gulosotravesti novinha de 15 aninhos contos eroticosrainha que gostava de analprofessor e aluna contosContos eroticos obriguei minha mae a engolir minha porraconto erotico namoradinhos de infanciacontoseroticosmacontos eróticos o gringo roludoAbusei da minha mae obesa bebada contoconvencimeu marido a ser cornocontos eroticos violação anal a força gayamiga da avo conto eroticoler historia de sexo entre cunhada e subrinhas com tiocachorros rendidos gozando pornocontos eróticos no meu aniversario da sograpaguei minhas conta com a buceta levei vara sem do contos eroticosconto dei minha bucetinha muito novinhacontos eroticos de Araguaina Tocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos meu primo gordinho foi dormir comigo e comi o cuzinho deleOi meu nome ê marta tenho uma amiga travesti e ela micomeucontos minha mae a putona do bairroporno doido mamadas terminando na bocsvelha gorda submissa contos eroticosContos eróticos Gay de comi o amigo do meu filhoContos eroticos comi um cuzinho no sequestrofui desvirginada pelo meu namoradocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteporno izidinha fodenocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteminha filha mamando no meu pau contos eróticosconto gay me chamou para comer um veadocontos eróticos esposa gostosa de motorista de carretacontos eróticos encaixada viado da bunda grande no ônibusmeu marido me amarrou e deixou quatro negros me estupraram. contos eróticosLóira safada narra conto metendo na coberturalora baixinha de fildental cpm a buceta rasspadinhaCadê acabou comendo cunhado cadê aquela vezmeu amigo me deu a sua esposa contosfalei pro meu amigo que queria ver ele fodendo a minha esposacontos eróticos no meu aniversario da sogracontos eroticos seioshistoria erotica de tio taradaocontos sodomizada por dinheiroContos ela deixou comer o cu delao cu da morena saio sague de tanto fura porno doidoconto mãezinha fode com filhinho treze anosfui violentada por um travesti que deixou minha buceta toda meladacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos vizinha loira meninamulher escanxa no cachorro e goza gostosoconto erotico eu gozei dentroursao tio roludo conto gayhistoria comendo eguaparaiso dos corninhos