Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O TESTEMUNHO DO SILENCIO

Há fins de tardes que por mais que lutamos o dia todo, infelizmente, não conseguimos salvar nossas heroinas.

Os indios já diziam, toda fumaça traz algo novo para a alma, basta traga-la e deixar o vento levar.

Todos sabem que o peso da consciencia é o primeiro a chegar, ele nunca nos deixa lavar a honra.

Pierre era um homem casado, boa familia, esposa devota e dois filhos lindos.

Apaixonada deixei-me levar pelos dias e esqueci do risco que representa a quimica de um distintivo policial, um homem charmoso e uma bela arma.

Adoro noites quentes de lua cheia são nessas horas que todos os labios saudaveis se encontram.

Preparei-me sem pressa, um longo vestido preto, um ousado decote, salto alto com tiras que prendem as pernas e nada por baixo.

Já previamos o trivial; Sabiamos que iriamos jantar e posteriormente iriamos ao mesmo motel.

Pierre chegou pontual e com ele um frio no estomago me desconsertou.

-Boa noite! Ana Maria.

-Boa noite! Pierre.

O silencio cumprimentou-se e Pierre notou o convidado.

-O que há de errado, Ana?

-Eu ainda não sei, Pierre. Más, seja lá que for, desejo que encontre um par e nos deixe a sás.

Uma freada brusca e o calculado destino perdeu-se no passado.

-O que foi, Pierre? Pra onde estamos indo?

-Estamos sendo seguidos, Ana. Sá espero que não seja quem estou pensando...

Sopa de encrenca é igual a todas que conheço, se degusta pelas beiradas.

Mais algumas rapidas curvas estariamos a salvo.

Más não há fuga de obscuros destinos predeterminados.

Estavamos emboscados e ajoelhados perante os inimigos antes da primeira colheirada.

Um sorriso frio de um homem grande e feio, assim foi meu primeiro instante com o traficante Gardino.

Ele encostou a arma na cabeça de Pierre, PUXOU insanamente o gatilho e exclamou aos miolos espalhados no asfalto.

Eu já ouvira falar desses assuntos, sá esperava aprender com o que estava vendo.

Não se empresta de um demonio para pagar uma dívida em outro, muito menos com uma sá alma ja abonada ao primeiro.

Ainda de joelhos e assustada naquela deserta avenida, Gardino se aproximou, encostou sua arma ainda com o cano quente em minha cabeça, abriu a braguilha de sua calça, colocou para fora seu afro-membro ainda mole e ordenou.

-Mama, princesa. Mama!

Eu me esforcava para agradar e abocanhar aquele membro, más nao conseguia afastar o fantasma que insistia em lembrar-me que iria morrer por ter visto demais.

Sem poder por as mãos para controlar até onde aguentar, recebia estocadas fortes que machucavam a garganta e tão grosso nos labios estava prestes a estourar os limites do maxilar.

O ritmo dos movimentos aumentavam gradativamente e o cheiro daquele macho entrava cada vez mais pelas minhas narinas.

Eu sabia que a morte estava chegando, más sentia que algo agradava-me naqueles momentos finais.

Minha lingua sentia a textura daquela carne e as enormes veias forçavam meus labios.

Como eu jamais poderia imaginar, submissa até a morte, más aquilo não era BDSM. Não respeitava a trindade, más estava estranhamente dando-me muito prazer.

O que deixamos por terminar é o que mais nos tormenta nessa hora.

Minha tristeza estava em saber que iria morrer antes de retornar a loja que tatuava o brasão BDSM.

Me confortava saber que faltava sá reforçar o vermelho dos contornos das espadas.

Gardino tirou seu membro de minha boca e disse:

-Abra mais essa boca, vadia! O que estou prestes a lhe dar, será a ultima coisa que irá tomar nessa vida. Se desperdiçar uma sá gota, juro que amarro-a no suporte e lhe arrasto até a sua pele acabar.

Jatos abundantes brotaram daquele membro em fúria, engoli o que consegui e ao fechar a boca, engoli um pouco mais e o restante fermentava pedindo sair pela via proibida.

Olhos demais inibiam a coragem de cuspir o viscoso, o cheiro de candida era forte e eu temia que ele estivesse falando a verdade.

Gardino chamou um dos capangas e olhando em meus olhos ordenou:

-Não quero que a mate. Ela é muito bonita e sexy. Pode me ser util ainda.

-Más, Gardino! Ela é uma prostituta. Você sabe que prostitutas são as primeiras a serem pressionadas quando um policial morre.

-Não disse que vou deixa-la viver, vou mata-la, más antes quero aproveitar dessa carne palida.

Gardino pegou sua faca, puxou-me pelos cabelos e começou a corta-los com violencia práximos a raiz.

No asfalto sombrio, para cada fio de ouro que vi cair, deixei uma lagrima como consolo.

Uma rebelde reação era a saida para cair no garfo do demonio. Lagrimas escorriam por dentro, más o corpo não respondia a vontade da alma.

-Muito bem, princesa! Eu sabia que não era prostituta. Nem se importou com o que acabo de fazer. Pior para você!

-Qual é seu nome?

Eu ousaria responder, más, no momento estava com a boca cheia.

-Não ouviu não, VADIA? Qual é o seu nome?

Uma antiga frase que li serviu para o momento.

"Se nao consegue aguentar a dor, abandone-se e renasça das cinzas".

Inspirei-me a uma nova identidade, engoli facilmente o que antes não conseguia e respondi.

-Me desculpe, não quis ser grossa. Sou Joana D'arc, é um prazer conhece-lo, Senhor.

-Joana, entre naquela pick-up e espere por mim.

O silencio acompanhava-me novamente agora, ele não era convidado, más queria constatar o que estava para acontecer.

Um longo caminho de terra, uma porteira antiga, acorrentada a um tronco, descalça sobre um chão de pedras e um ambiente natural iluminado por lampiões.

A beleza do dragão na lua, fazia-me alegrar.

Gardino disse enquanto esquentava uma colher:

-Isso aqui, Joana. É o seu ingresso ao inferno. Todos os dias eu e meus amigos erguemos uma torre lá, um dia, serei o dono de todo esse imperio.

Uma abelha trabalha o dia todo em coloridas flores, uma simples picada e todas as cores reaparecem.

Sentia-me euforica, disposta a agradece-lo por tudo.

Gardino segurou-me por tras, com suas enormes mãos, apertou firmemente meus seios e foi despindo-me até deixar-me completamente nua.

Colocou um dedo sobre a vulva umida e disse bem proximo ao meu ouvido direito.

-Joana, quero ouvi-la gozar muito antes que se vá, faça o que estou te mandando e terá um confortavel lugar em meu reino.

Minhas costas formigavam e as estrelas se apagavam a cada novo grito.

Eu já estava entendendo a alma de Joana e me achava com sorte de ter encontrado aquele demonio.

Minhas nadegas já não aguentavam mais, tremiam incontrolavelmente.

O suor escorria pelo meu corpo, deixando-me molhada como nunca antes.

O arrepio chegou e foi se intensificando a cada segundo.

Minhas mãos estavam roxas e meus ombros já não aguentavam mais o peso do corpo.

Minha mente já nao trabalhava mais, tudo parecia estar escurecendo e as luzes distantes no casarão se apagaram.

Quando acordei, estava com os braços e a cabeça presos em um unico suporte de madeira, minhas pernas abertas por outro que não permitia-me fecha-las.

Um encosto sobre o estomago, projetava minhas partes intimas para deleite do tarado.

O panico transformou-se em fobia e tomou conta de meu raciocinio, gritei por socorro e um soco fez-me acalmar.

O gosto do sangue, me enjoa, por isso deixei-o escorrer pelo nariz.

A dor adormecia meu rosto e acalmava minha calma alma.

Senti um desconforto entre as pernas, algo invadia-me rumo ao utero.

Um outro passou a penetrar-me o anus, eu resistia a não expulsa-lo de lá, evitando aumentar a pressão.

Um eterno tempo no marmore onde o bicho não morre, comecei a sentir-me relaxada e gemidos entre lagrimas surgiam espontaneamente como cácegas e crescendo levaram-me varias vezes ao extase.

Gardino retirou o cabo que invadia meu utero, substitui-o pelos dedos até empunhar sua mao por completo.

Chorei com a dor e senti entre as pernas o sangue escorrer.

Sem pudor, retirou o cabo de meu anus e substituiu por outros dedos até empunhar a outra mao em meu traseiro.

Senti o couro se romper, gritei para que alguem impedisse a ação daquele tarado, eu não sentia minhas pernas e nao tendo saida procurei o equilibrio para não desmaiar novamente.

Minha boca babava, enquanto o sangue escorria no rosto junto com as lagrimas e suor.

Um esguicho fez o trabalho de limpar-me e Gardino soltou-me dizendo que havia chegado a hora.

Amarrou meus braços nos pés de uma mesa de madeira, deitou-me de costas para ela, segurou minhas pernas em seus ombros e com uma das mãos segurou meus tornozelos juntos e foi direcionando seu membro duro como pedra para a entrada vaginal.

Com a outra mão pegou um alicate de corte, tentei impedi-lo com as pernas, com um sá lance cortou meu o gancho clitorial.

Chorei, gritei e chinguei-o com toda minha ira, más, aquela reação parecia aumentar a força de suas bombadas e a dor.

Gardino lavou-me com seu nectar e ainda ficou em cima enquanto se recuperava.

Sorriu novamente com aquele sorriso frio, e senti um jato de urina ardendo em minhas entranhas.

Todos temos pelo menos uma bala nos esperando, sentimos o gosto da polvora em todos os meios de informação atual.

Um sino soou no casarao alertando que visitantes inesperados se aproximavam.

Gardino tratou de vestir-se rapidamente, más antes de inspirar, recebeu suas quatro balas destinadas.

Entre tantos disparos, infelizmente, as minhas não estavam entre aquelas armas.

Joana adormeceu exausta naquela noite e Ana acordou com um conto no hospital.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos arrombando a gordacontos eroticos espermagozei gostoso e tive que ir pra casa com a buceta cheia de porra. contos eróticoscontos eroticos travesti ativa camioneiracontos eroticos vizinhas camaradasmulher chupa o peito da outra ate ela gemermeu pai me ensinou a fodercontos sexo minha mulher e o coroacontos eroticos pai mae e maecontos sacudo e casal safadocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos violação anal a força gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentevideos porno minha mulher me satisfazendo na cama presente de aniversáriocontos de mae com consolo comendo cu da filinha bem novinha contos eroticosa minha cunhada casada e saia justa contos com fotoscontos eroticos "novinha" "trapos"abusando no metroconto cutuquei pai na bundia delacontos eróticos perdi minha virgindade com um pau grande e grossocontos de bdsm privada humanacontos eroticos meu pai me seguiu ate o baile funkcomtos arrobadacontos meu marido da pica pequenacontos de coroa com novinhocontos eroticos e fotos de seios de mulher gordascontos eroticos de faxineiras coroas safadasEu fui trabalhar numa empresa eu comi minha patroa japonesa no motel conto eroticocontos de incesto minha filha sendo comidaprovocando meu tio com um short com as popa da bunda de foravoyeur de esposa conto eroticocomi minha amiga crentegay espaquete peledo pornocontos eróticos quentes minha namorada em dp reaisConto erotico entalouconto casada quarentona transando com desconhecidoconto meu filho meu machocontos eroticos de genro fazendo xixi com a sograquebrei o cabaço da minha irmã ela chorou muito porno cariocaContos dei o cuzinho para a travesti fabiola voguelcontos comi um vizinho novinhocontos zoofilia namorada e a prima dela dando o cu pro cão juntas analconto erotico com tia gravidaContos sempre fui viadinho dos homens da familiacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos gay bebado paicontos eróticos cara do pau gigantescoConto gay papai bebadocontos de mototaxista e gaycontos eróticos meu enteado deixou meu c* todo ardidoEnsinando a maninha a foder contos eroticosContos de mulheres que ganhao a vida dando o cucontos eroticos arrombando a gordaconto erotico com comadre pintelhudacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos porno gay sobre conhadosconto erotico me fuderam no estádio otadobuceta carnuda comtos de sexoúltimo contos anal de sobrinhaContos ninfas no boquete e punhetacontos minha mulher pagou minha divida com a bundacontos eroticos e fotos de seios de mulher gordassou o tesaozinho do papaicontos eroticos aprendendo a fazer meu primeiro boquete com meu padrinho velhocontos. minha irma casada é minha puta escravacontos de relatado por mulher de corno e viadoMinha namorada ela mandou minha cunhada abri bem suas pernas ela disse pra eu tirar o cabaço da buceta da minha cunhada conto eroticoconto erotico fui no pagode e comi um travesticomessei a alizar o pau do marido da minha tia contoContos implando porra na bocacontos eróticos dupla penetração anal em travestis zoofiliaContos eroticos fraguei minha esposa e sua amiga