Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A SEGUNDA TRANSA

Oi. Ao voltar aqui, eu tinha em mente relatar meu segundo encontro com Lua, minha prima, conforme contei no meu primeiro relato. Sá que, antes de contar como foi isso, vou falar da minha segunda vez (a primeira, ja disse, foi com minha prima, em Salvador).

Depois de eu ter retornado de Salvador pra Santos, que é onde eu moro, passei por um tempo dificil, porque eu nao conseguia tirar minha priminha da cabeça. Toda dia eu batia umas tres ou quatro no chuveiro, lembrando daquela menininha que deixei em Salvador. Era sá pensar nela que meu pau ficava feito pedra, pulsava por baixo da roupa. No colegio, eu tava no 1ª ano, ia fazer 19 anos em agosto, eu tinha que sair as vezes da aula pra ir pro banheiro, pra aliviar aquela coisa que me perseguia, desde que voltei da Bahia... minha prima tava me matando, ou melhor, a falta dela. Eu nunca tinha ficado daquele jeito, tava ficando maluco. Cheguei a querer ficar com um bocado de garota da minha sala, ficava dando em cima, logo eu que sempre fui timido pra essas coisas, tinha medo de um beijo, mas depois da minha prima, vi que a coisa era boa mesmo e nao tava mais me aguentando. mas o maximo que eu consegui de duas colegas minhas foi sá beijo na boca. Até quando eu descia mais a mao elas reclamavam. Tambem, nao era culpa delas, era minha, pq eu pensava que era a Lua que tava ali. Entao, eu so ficava em casa mesmo, nem saía mais com meus amigos, e minha mae ficava perguntando pq eu tava triste. Eu que nao ia contar, ia dar a maior confusao. Nesse tempo, ficava me saciando no banheiro mesmo. Uma vez, minha prima ligou escondida da mae dela, la de salvador pra mim, dizendo que a gente precisava se encontrar logo, pq ela tava sentindo a mesma coisa. Pra que ela foi fazer isso?? Sá fez me deixar mais maluco ainda... Mas, passados uns dias, a coisa até que acalmou. Vou dizer porquê.

Minha mae é uma pessoa catálica fervorosa, vive na Igreja e por lá faz muitos amigos. Daí que uma dessas amigas dela, que tinha ido morar em outra cidade de Sao Paulo, voltou pra Santos pra resolver uns negocios, sei la o quê. Mas sá que ela ja tinha vendido a casa dela por la e nao tinha onde ficar. Ela ligou pra minha mae e pediu pra passar 5 dias em nossa casa, enquanto resolvia os assuntos dela. Minha mae, gente boa que é, concordou na hora.

Quando eu voltei do colegio, ja uma hora da tarde, mais ou menos, a mulher ja tava la, na sala. Minha mae pediu pra eu ir falar com ela, pra me apresentar, aí ela falou comigo. Fui pro meu quarto, mas quando eu passei por um quarto da gente la, que ficava vazio, vi que a mulher tinha trazido as filhas com ela. Uma guriazinha de 9 anos, que tava dormindo, e uma de 14, a Adriana, que era chamada Dri, tava deitada de costas pra cima e lendo. Caralho, quando eu vi aquela menina deitada la, numa das camas do quarto, meu pau endureceu na hora. Em minha mente, vi minha prima ali deitada e eu empurrando com tudo pra dentro dela. Dri era um pouco mais cheinha que Lua, tinha a pele bem branquinha, mas bronzeada de leve, os cabelos longos e cheios, cacheados e castanhos. Os peitinhos dela eram um pouco salientes, mas nem tanto. E tinha a bundinha empinada. Que tesao que me deu quando eu vi aquela coisinha ali, deitada, parecia que tava me esperando. Quando ela notou que eu tava na porta, ficou me encarando, e eu fiquei sem graça e saí, nem falei com ela. Fui pro banheiro e bati 2 seguidas, e ainda assim meu pau ficava duro, sá de pensar que tava com minha soluçao em casa, mas sem saber como fazer. Imagina se eu avançasse nela e ela fosse se queixar pra mae.. Na certa, ela nao era como a minha prima, ia gritar na hora. Dri tinha cara de muito certinha. Tb, a mae dela parecia muito severa e tudo. Mas eu nao tava nem aí, sá queria uma soluçao pro meu problema, e a soluçao era Adriana, de alguma forma ela ia ter que me ajudar. Sá que naquele primeiro dia, a gente nem se falou, ela era muito timida e muito fechada. Até que a mae dela perguntou, ja perto de jantar, se ela ja tinha falado comigo. Até a irmã dela, a pirralhinha, se mostrou mais simpatica, eu ate brinquei com ela e tudo, mas a Dri nem chegou perto de mim, nem de minha mae, sempre na dela. Até quando a gente foi comer junto, ela enfiou a cara no prato e nao olhou pra ninguem. Ja eu, toda hora olhava pra ela, mas continuava aquela coisa.Quando fomos dormir, eu tava indo pro meu quarto e, pra eu chegar até ele, tinha que passar pelo que as 3 tavam ocupando. Quando eu passei pela porta, vi que a Dri tava vestindo uma camisola bem fina, daquelas de alça e que descem como um vestido, até a coxa... Minha imaginaçao pegou fogo, imaginei que ela tava sá de calcinha, ou mesmo sem ela. Porra, aquilo era injusto. Fui pro meu quarto, deitei mas nao consegui dormir com aquela coisinha ali, tao perto e tao longe ao mesmo tempo. Eu tinha que fazer alguma coisa.

No 2ª dia, logo de manha, antes de eu ir pra aula, a coisa continuou como tava antes. Dri mal falava. A unica coisa, alias a primeira, que ela falou comigo, foi pra passar o suco, na mesa. Fui pro colegio, sem vontade, e quando cheguei, a casa tava vazia. Perguntei pra minha mae, ela disse que a amiga tinha saído e levado as filhas junto, pra resolver as coisas dela. Minha mae voltou pro serviço e eu fiquei em casa sá, sem acreditar. Tava me desesperando, pensando naquela coisinha de olhos verdes, toda retraída, que tava em casa. Elas sá foram chegar umas 18h, e vieram junto com minha mae. Como eu nao tava a fim de me martirizar mais, e pensando que nao tinha jeito mesmo, fui pro meu quarto bem mais cedo, pra ver se dormia logo e o dia acabava. Mas nao consegui. Ja era umas 21h, por aí, e eu tava quase cochilando, quando eu ouvi a voz de minha mae, passando em frente ao meu quarto. E ouvi barulho de sapato, tambem. Pus o ouvido na porta, passou um tempo e descobri que minha mae ia sair com a mulher que tava hospedada, pq a mulher disse algo assim: "vc vai ver como ta la, a gente nao demora, minhas filhas tao dormindo, nao há problema, nao é"? Aí demoraram um tempo na cozinha e bateram a porta. Pra me certificar, olhei pela janela do meu quarto, que dava pra rua, e vi as duas saindo num taxi, que na certa tinham chamado. Bateu uma coisa em mim nessa hora que me deixou suando. Meu pau levantou na hora com a possibilidade. Fiquei andando de um lado pro outro no quarto e nao perdi mais tempo, pq a mae delas disse que era coisa rapida. Abri a porta do meu quarto e fui de meia até o quarto das visitas. A porta tava encostada, e um barulho dentro por causa do ventilador. O abajur tava aceso e, numa cama de casal que tinha la, tava a menor dormindo e, numa outra de solteiro que ficava ao lado, tava a Adriana, quase roncando. Nao tive duvidas, tinha que arriscar qualquer coisa. Cheguei ao lado da cama, ela tava deitada de lado, de costas pra onde eu tava. Eu examinei ela todinha, os peitinhos dava pra ver, roseados e durinhos, perfeitos. Nao resisti e puxei um pouco a camisola dela pra cima, aos poucos. Sorte que ela tinha sono pesado. A camisola foi subindo e vi que ela tava usando uma calcinha branca, que me deixou pirado. Eu encostei o nariz entre as pernas dela e comecei a acariciar meu pau. Toquei de leve onde ficava mais volumoso, entre as pernas e ela nao fez um movimento sequer. Afastei um pouco a calcinha e a adriana se mexeu. Suei frio nessa hora, mas ela so fez se ajeitar, ficou de barriga pra cima. Meu pau ja tava a ponto de explodir. Toquei la de novo e ela so fez respirar um pouco mais alto. Parecia em sono profundo, o que me deu coragem pra afastar um pouco a calcinha de lado, e apareceram os pelinhos de cima da xaninha dela, meu dedo chega tremia. Quando eu ia avançando mais pro meio da calcinha, ja tocando muito pêlo, ela se mexeu mais bruscamente, aí eu tirei a mao de la e saí do quarto. Fui pro meu, ja eram 22h nessa brincadeira e as maes nao chegavam. Aquela menina tava me botando doido. Nao resisti e arquitetei meu plano, ela que falasse tudo depois, nao tava mais nem aí. Entrei no quarto dela de novo e a cutuquei. Ela demorou um tempao pra despertar, se eu soubesse tinha aproveitado mais. Ela me olhou espantada, aí eu fiz o gesto com o dedo na boca, pra ela nao falar alto e apontei a irma dela. Ela ficou toda confusa, perguntando "que foi, que foi". Aí eu pedi pra falar com ela fora do quarto, pra nao acordar a irmã e ela saiu comigo. Quando chegou no corredor e eu encostei a porta, perguntei se ela sabia se nossas maes iam sair na noite, ela disse que sabia, que tinham ido visitar uma amiga delas, de Igreja, eu sei la, nem prestei atençao. Perguntei se ela tava com fome, ela disse que nao, aí eu pedi pra ela ver uma coisa que tinha no meu quarto e ela aceitou, pra minha surpresa. Mostrei a ela umas revistas que eu tinha la, nem lembro o que eu mostrei de tao doido que eu tava, aí ela perguntou se eu tinha foto, eu disse que sim, aí peguei uma caixa que tinha foto da gente, ela sentou em minha cama e ficou olhando. Até que eu tomei coragem (mais do que ja tinha tido) e sentei do lado dela, na cama e ia me aproximando ainda mais, fingia que mostrava um treco na foto que ela pegava e encostava, até que nossos braços ficaram colados. Ela até começou a rir de umas fotos la que eu tirei fazendo careta, aí eu aproveitava pra roçar o braço naquela barriguinha. Ela começou a falar um bocado de coisa, la da cidade dela, e comparava umas coisas, eu nem me ligava muito, de tao doido que eu ja tava. Até que, num momento totalmente sem controle, taquei um beijo demorado no rosto dela, e deixei tudo babado, esfreguei a lingua na bochecha dela. Ela ficou toda nervosa, perguntando o que eu tava fazendo. Eu nao aguentei e disse pra ela que tava apaixonado por ela e queria beijar mais. Ela levantou da cama e disse que nao queria, aí eu corri pra porta e fechei a tranca. Ela ameaçou gritar, disse pra eu abrir, aí eu tentei acalma-la, dizendo que so queria dar mais um beijo daqueles. Ela perguntou:

_Se vc beijar, destranca a porta?

_Sim - eu respondi.

Aí ela ofereceu um lado do rosto, aí eu peguei ela pelos braços, atirei ela na cama e a prendi. Ela disse pra eu sair de cima, que ia gritar, mas aí eu meti um beijo na boca dela e fiz ela calar, ela soltava gritinhos de raiva, dizendo para para mas eu nao parava mesmo. Chupei a boca daquela coisinha todinha, tava deitado em cima dela e com as maos presas nos pulsos dela, pra imobilizar. Ela pedia por favor, mas eu comecei a achar que ela tava gostando, pq ela nao gritou alto uma vez sequer. Aí com uma mao eu acariciei os peitos dela, e ela nao ofereceu mais resistencia, sá fez fechar os olhos, pra meu delírio. Eu que nao ia mais perder tempo, tirei a camisola dela e a deixei so de calcinha, aqueles peitinhos cor-de-rosa surgiram e eu caí de boca neles, chupando forte, enquanto ela sá emitia uns gemidinhos, creio que de prazer. Chupei a barriguinha dela toda, o umbigo e desci. Parei na calcinha e fiquei lambendo ela toda, até chegar onde era a rachinha. Como ela nao dizia nada mais forte, sá se tremia toda e falava pra parar, bem baixinho, eu afastei as pernas dela e alisei a rachinha dela, e ela deu um solavanco, mas não fez um movimento de fuga. Arranquei a calcinha dela e deixei aparecer aquela imagem, um bocado de pelinho, tudo escurinho, e a rachadura pedindo pra ser aberta, e foi mesmo, abri com dois dedos, enquanto a outra mao alisava a barriga dela. Nao quis nem saber, meti logo a lingua naquilo e senti aquele gosto de novo, lambi e depois chupei com força, tomando todo o melzinho que saía, tava delicioso. Enquanto chupava o clitoris, metia um dedo no orificio e fiz ela gozar. Ja tinha vindo em minha mente que aquela nao era a 1ª vez dela, entao subi nela e esfreguei meu pau na abertura da xana. Ela nao ofereceu resistencia, entao meti sem pena nem dá, até o final, nao era a primeira vez dela, pra meu espanto, ela devia ter alguem que comia ela na cidade onde mora. Foi facil entrar. Ela cerrou os dentes e eu comecei a bombar dentro dela, a carininha macia e quente, totalmente molhada, me fez gozar rapidinho, mas nao impediu que meu pau continuasse duro, e eu meti, meti e ela segurava minhas costas, e gemia, "ah ah ah ah" e aí que eu meti mais forte ainda, nao tava mais aguentando, e ela continuava daquele jeito, até que tirei meu pau de dentro, depois de um bom tempo. Gozei dentro dela, e fiquei com a cabeça na barriga dela, deitado la, por um tempinho. Ela tava respirando forte ainda, entao eu desci e meti dois dedos na abertura e aí afundei eles pra dentro, e fiquei girando la. Acho que atingi o maximo dela, pq ela se contorcia agora de uma forma muito vigorosa, aí eu fiquei num vai e vem muito rapido com os dedos, a barriga dela dava saltos e as maos dela agarraram a grade da cabeceira da cama, de tanto tesao. Ela gemia, murmurava, abria a boca, cerrava os dentes e eu castigando, até que ela gozou forte, mas forte mesmo, saiu uma gosma transparente de dentro dela, um jato, bem em minha cara, e um cheio muito forte subiu. Eu nao aguentei aquilo, meu pau ja tava duro ha um tempao de novo, pedindo mais e eu nem tinha percebido, pq, com aquele jato, deu vontade de tirar mais e beber tudo, foi o que eu fiz, lambi até dizer chega a xana dela, tava vermelha ja, dos lados, e eu sá castigando com a lingua, e meti um dedo na racha de novo, até que ela gozou novamente e eu tava la, de boca, pra deixar aquele mel escorrer pra dentro de mim, me deu tesao demais aquilo aí eu subi nela de novo e meti meu pau até dizer chega, comi ela um tempao, bem forte, eu chega pulava na cama, até parar. Quando parou, olhei no relogio, ia dar 1:00h da manhã, nem parecia que tinha passado tanto tempo, brincando com aquela boneca ali. Depois, botei ela pra chupar meu pau, que tava duro de novo, eu nem sentia mais ele direito. Ela chupou com gosto, mas eu nao ejaculei. Aí a gente foi pra cozinha comer alguma coisa e depois dormir.

A gente sá conseguiu trepar mais uma vez depois dessa, numa tarde. Depois, ela foi embora, no quinto dia. Foi minha segunda transa, muito quente. O negocio é trepar mesmo!

Depois, conto a volta da minha prima!

Até lá!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


econtrei um pirocacontos titia mando eu arromba seu cu gordoduas loirinhas e rucontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteSeduzida achupar sua amiga xvidiopau duro na frente da tia contoscontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos de gays sendo arrombados por varias rolascontos eróticos professora com garotinhoscontos meus amigos comeram minha maecontos eroticos de casada no hospitalArombaram meu cuzinho quando pikena conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentedepilano a buceta dela io cara comi elaConto morena 37 anoscontos porno sou putinha pra minha mae no puteiro da familialer conto erótico f****** a minha tia numa festa fantasiaconto teens de pau duro no calcao de futebol para a primaconto sozinha em casa peguei meu pai fudendo minha maeporno comendo minha cuinhada de peitinho ruivocontos mãe puta filha putacontos eróticos mulher maduracasa dos contos eroticos de coroasconto erotico o ponei e mulhermurhler.abusada.estrupradocontos eronticos pai e filhia no camilhao trasei com elaXupano apiroca doirmao sentada novazo dobanheroela me chamou de puta e me bateu conto empregada negraconto erotico dotado fortão acabando com a novinha casada e safadaxoxotao capusaocontos eroticos no consultorio medico tomando injeçãocontos socando a rola na negrinhaContos eróticos me violentoucontos eroticos toplessmarido enfias as duasmao no cu da esposaContos eroticos.filhos com penis grande grosso.e mamae carentesRebola no pau do papai contocontos eroticos casada estuprada na frente do maridolalargado na bucetacontos eroticos de putas casadas e cornos assumidoscontos eróticos de menininha dando o cuzinho pro meu primo escondido brincando de pique-escondeconto na festa aqui em casa meu primo comeu minha maeesfrega conto heroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto nunca pensei que iriamos numa praia de nudismocontos eróticos marido chega em casa e esposa ta dando pro cunhado e cunhada participandoconto bi vizinha gostosacontos eróticos tia chegando da festa bebadalésbicas infia arma gelada na ppk até gozarmarido come a loira em silencio na cosinha e mulher espia boa foda sexoarrombado cu de subrinha contoconto de casada fudendo com outrocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos gays festa de inauguacao do cuinhorelatos de meninas que quando viu ja engatou com seu dogcontos namorada deu o cu paravideo porno de garotinhas com olhinho vidradoConto com foto vizinha peluda de vestido no matocomo supa a boceta ligada tonadoconto lesbico tia iniciando a sobrinhaapostou a filha conto eroticoContos eroticosmenina de dez anos fazendo sexotias envangelica dando a buceta ao sobrinho em historia realcontos eroticos mamando na novinha cheia de leite no riacho de biquinicontos erotico casal e amiga uolcontos reais de mulher que deixou cachorro emgatar na bucetanovinha do Recife masturbando assim tão pequeninasou casado meu cunhado vem morar com nós acabei transando com ele contos eróticosVer casadas falado de conto eroticos que corneo o marido com homem do pau bem grandecontos eróticos meninacontos eroticos orgia eu marido com as casais de amigos na chacaracontos erotico meu cunhado e meu sogro me estupraram