Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

UM ESPETÁCULO DE MULHER...

Uma noite quente, uma balada quente, uma mulher quente e por que não brincar um pouco?rnEla é um espetáculo, cabelos loiros longos e lisos, um corpo mingnon, nada grande, nada pequeno, tudo nela é na medida certa. Ela estava deslumbrante em um vestido vermelho justo que explorava todos os seu contornos, suas pernas, seu quadris, cintura e seios. Tudo nela é elegantemente e perfeito. Seu ir e vir denotava sensualidade e um pouco de pudor. rnPudor?rnVocê poderia me perguntar: Como uma mulher de vestido vermelho em uma balada gay pode ter pudor?rnEu não sei. Mas ela tinha. Parecia totalmente desinteressada em chamar atenção.rnEu logo me interessei, é lágico, quem não se interessaria por uma mulher bonita e com um vestido justo em uma balada? rnMas oque ela tinha a oferecer era bem mais que isso, eu sentia, eu sabia.rnNão conseguia tirar os olhos dela. Ela nem notava. rnQuem sabe minha baixa estatura ou meu ?ar? de pouco riso possa não ter lhe despertado interesse? Quem sabe?rnEla continuava a conversar com os amigos. Eu passei por ela para pegar uma bebida, passei por trás dela, e não resisti...segurei em sua cintura com minhas duas mãos e passei. Eu passei por trás dela, e ela me olhou com estranheza e uma certa prepotência; Como se me perguntasse : ?quem você pensa que é garota para pegar na minha cintura assim?? rnEu desfiz do olhar dela, sinceramente não estava me importando, eu tinha tirado uma ?casquinha? da cintura dela e me sentia suficientemente feliz com isso.rnPeguei minha bebida, encostei em um canto e permaneci observando, observava o tempo todo, observava seus olhos, seus gestos e o os seus contornos. Ela ainda desinteressada, ainda (pelo menos), desdenhava dos meus olhares e continuava dançando, sorrindo e se divertindo com os amigos. rnMinha bebida acabou e me diverti sá em ficar olhando para ela. A energia da apreciação é a mesma do amor, se o ser humano entendesse isso seria mais feliz!rnEu precisava de mais bebida e felizmente para obter mais bebida precisaria passar por ela novamente. rnE eu passei pelas costas dela e voltei a pegar em sua cintura, com minhas duas mãos, dessa vez bem mais práxima do corpo dela. Ela lançou um olhar fulminante de raiva, se sentiu realmente incomodada. Sinceramente, eu nem liguei.rnVoltei para um cantinho da balada e continuei observando-a.rnDe repente ela se afastou do grupo, pude ver claramente ela caminhando em direção ao bar, sozinha, com certeza iria pegar uma bebida. Uma multidão de gente estava lá, ela conseguiu encaixar-se de lado no bar e tentava penosamente pedir sua bebida.rn Eu achei que era o momento de me aproximar.rnLarguei minha bebida no canto (não queria derrubar tudo naquele tumulto do bar), fui para o bar e encaixei meu corpo atrás do dela. Ela imediatamente olhou para trás, acho que reconheceu o meu perfume, será? rnOlhou incomodada pelo tumulto no bar, como quem reclama de tanta bagunça e confusão. Eu com um de meus braços enlacei sua cintura com um dos meus braços e colei seu corpo junto do meu, como quem pega alguém que lhe pertence, o outro braço avancei para pedir uma bebida.rn A mão dela imediatamente segurou meu braço, não era um movimento claro de se decifrar, não parecia uma recusa, mas também não parecia uma aceitação...rnNesta posição, completamente encostada em mim e meu braço enlaçado na sua cintura, ela continuou pedindo sua bebida com uma das mãos e a outra continuou sobre meu braço.rnDe repente ela se virou e disse:rn- Você pode me soltar? Você quer o quê?rn- Não vou soltar, quero você.rnCom as duas mãos em volta do corpo dela eu a virei para mim e a beijei, ela retribuiu o beijo com um certo? ar ?de curiosidade. Foi um beijo rápido, havia muito tumulto alí, levei-a para um canto mais sossegado, encostei ela na parede e alí fiquei alguns minutos beijando e acariciando de leve sua cintura e pernas.rnEla era muito gostosa, o beijo fantástico, o corpo com contornos adoráveis. Eu de vez em quando encostava minha mão em sua bunda, mas ela tirava minha mão. Parecia não aceitar bem tanta intimidade. Eu notei que isso a incomodava, mas ela retribuía meus beijos e parecia gostar dos meus braços lhe envolvendo. Mas eu precisava de muito mais, e então sugeri:rn-Vamos para um motel, eu não aguento mais.rn- Não te conheço, não vou com você para um motel!rn- Você não está entendendo, eu quero te chupar.rn- Eu não te conheço!rn- Você não precisa me conhecer para deixar eu te chupar um pouco, precisa?rn- Preciso!rn- Deixa eu te chupar, depois você me conhece, vamos para um motel.rn- Você sá quer isso? Me chupar?rn- Agora é oque mais quero.rn- Como vai ser? Não vou para um motel com você!rn- No meu carro?rn- Não vou entrar no seu carro! Não te conheço!rn- No banheiro?rn- Isso é impossível! Não!rnPuxei-a pelo braço, entramos em um boxe do banheiro. Ela disse:rn- Isso está imundo, não quero!rnAbaixei a tampa da privada e sentei-me, puxei-a para mim e comecei a tirar sua calcinha. Ela resistiu um pouco, mas não imprimia muita força aos movimentos. Ela repetia incansavelmente:rn- Não quero assim, esse banheiro está imundo, para!rnCalcinha linda, renda vermelha, já estava na minha mão.rn- Quer ir para um motel?rn- Não, isso é loucura! Não quero, nem sei o seu nome!rnEnquanto ela falava coloquei uma de suas pernas em cima da tampa do vaso, o vestido subiu, a outra perna continuou no chão, ela estava toda depilada.rnAbaixei meu rosto delicadamente e a puxei pela cintura em direção a minha boca. Ela disse com a voz delicada e baixa:rn- Para! Eu nem sei seu nome...rnE acariciou o topo da minha cabeça, com seus dedos entre meus cabelos. E disse: rn- Você é louca;rnEu respondi com minha boca já encaixada em cima do clitáris dela.rn- Aham, por você.rnComecei a lamber com gosto e fome. Nem imaginava que ela gostasse tanto de ser lambida, ela jogava o corpo e a cabeça para trás, eu acariciava a perna dela que estava em cima do vaso enquanto lambia e sugava, sugava o líquido que saia de dentro dela, ela estava muito molhada, encharcada na verdade e continuava acariciando meus cabelos e beijava o topo da minha cabeça, como quem agradece pelo prazer com carinho e amor.rnChupei e lambi aquela mulher até ela gozar, ela gemeu e seu corpo estremeceu. Ela parecia estar totalmente derretida na minha boca.rnEla me olhou, depois do gozo, e disse:rn- Foi muito louco e estranho. Você vai me ligar amanhã?rn- Amanhã e todos os dias da minha vida...rnrnrnrnrnrnrn- rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Arombaram meu cuzinho quando pikena conto eroticogozano na outra caladacontos eroticos punhetaso ajudante de pedreiro chupou minha rola quando eu tinha dez anoscontos eróticos sobrinha terraço caoestuprada pelo padrinho contos eroticoswww.mulatanua.comContos eroticos comido por um caocontos eróticos de sobrinhas postado recentementecontos/ morena com rabo fogosocontos eroticos eu e mamae humilhadacontos eróticos peguei minha cunhada no banheirocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteGozei no pau do meu irmão contosaluninha dando cuzinho virgem para o professor pirocudo contos eroticoscontos incesto com a mae rabuda eu e meu pai na praia de nudismocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos namorada deu o cu paracontos ele tinha um pau grande e grosso me fudeu eu era novinho meu filho e tudo dotado cu contos eroticoscontos erotico a minha nutricionistacontos eróticos de famílias pela primeira vez participando da praia de nudismocontos eroticos transei com a baba virgemMinha mulher gosta de mostra a buceta pros meus amigos ai eles comem Ela contos eroticoscontos fudendo com minha avo gostosa tatuadaConto erotico de mototáxi com a picona e meninasconto ru e minhas filhascontosesposasnapraiacontos eroticos dando pro camioneiroconto eróticos de menininhascontos eróticos titio encheu minha bucetinha de porra pornocache:iOh7vGcQjJIJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=151 presenciei minha mãe ser arrombada contosfudendo o cú da mae de renan conto eroticoque enteada pernadacontos eróticos gay lambendo rabo peludo de machoconto erotico era swing cornoSexo contos visinhos virgindadedando pro vizinho maconheiro conto gayconto erotico sobrinho fudeu minha esposacobto eróticos. chupei cu do meu maridocontos eroticos minha mae me ensinoucontos eroticos cuidando o meu sobrinhocontos eróticos mãe e filho de araraquracontos de estruposa minha cunhada casada e saia justa contos com fotosEU TIRANDO FOTO MINHA BUNDA DE CALCINHA FETICHE OLHANDO ESPELHO MINH BUNDAcontos eróticos com afilhadasconto minha filhaContos gosaram no cuzinho virgem da minha filha Deixando a novinha laceadaconto erotico arrombei o travesti do baile funkContos gays amante do tio velho desde de pequeno adoro vpu casar com elesua amiga eu vou pegar de tras pra frenrecontos eróticos com idosacontos sexo incesto amo meu filhoconto erotico de tanto eu insistir em engravidei a minha professora eu era um meninocontos eroticos lesbicas cintamenage masculino realcontomeu cu aberto e ardido de picacontos eroticos srntar no colo inceztocontos eróticos mas que porra de meio irmãoContos eroticos orgia forçadaempinoi o cu e levou rrolascontos eroticos minha mulher de roupa curta e decotadacontos eróticos comeram meu cu o onibus lotado com meu marido do lado e não viucontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto tranzar com patraocontos erotico uma buceta velhaContos incesto filha calcinhacontos duas gostosas dando o cu pro homem e pro cão juntas