Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. ( PARTE 3)

rn( A surpresa )rnNo dia seguinte estava morrendo de vergonha de me encontrar com seu Augusto, dei graças a Deus por ele já ter saído quando cheguei à sua casa. Dona Lúcia assim que me viu, abriu um enorme sorriso me pegou pelas mãos e me arrastou para o seu quarto. Assim que entramos me abraçou toda feliz e me disse:rn- Obrigada querida, sabia que não ia nos decepcionar! Peço desculpa pelo que viu na horta, mas tinha que fazer alguma coisa para te provar que seu marido de santo não tem nada, na primeira oportunidade que teve não hesitou em momento algum em me levar pra cama. Inclusive a nossa primeira vez foi na sua cama, a mesma que você gozou várias vezes no pau do Augusto, ele me contou tudinho!rn- Tinha certeza absoluta que você era uma safadinha, apenas não tinha tido ainda uma oportunidade para revelar a putinha que estava escondida dentro de você.rnNão vou dizer que não estava com raiva da dona Lúcia, pois fechava os olhos e ainda via ela com as pernas arreganhadas oferecendo sua buceta para meu marido chupar.rn- Dona Lúcia! Gostaria de deixar as coisas como estão, não quero que Marcos saiba sobre eu e seu Augusto, assim como vou continuar fingindo que não sei de nada sobre a senhora e ele.rn- Claro que sim querida! Eu te entendo perfeitamente, pode ficar tranquila que se depender de mim e do Augusto as coisas vão continuar como estão, está bem meu amor? Dona Lúcia me abraçou me beijou e saiu.rnNos dois dias seguintes não vi nem a dona Lúcia e nem seu Augusto. Estava molhando as flores na varanda quando vejo um caminhão baú entrando na chácara e parando na frente de casa. Pensei comigo; nossa! Será que vão nos mandar embora? Afinal já tinham conseguido o que queriam! rnMeu coração batia acelerado tentando achar um motivo por aquele caminhão estar parado em frente de casa com três homens indo de um lado para outro gesticulando e conversando animadamente.rnLogo vi o carro da dona Lúcia se aproximando da casa principal, estava super apreensiva já esperando pelo pior, pois nunca se sabe o que passa pela cabeça desses riquinhos.rnDona Lúcia desceu do carro, veio até mim, e disse:rn- Querida, chame o Marcos e tirem o dia de folga para ajeitar os máveis novos que eu e o Augusto compramos pra vocês, espero que goste eu mesma que escolhi.rn- Nossa dona Lúcia, não precisava tudo isto!rn- Vai querida! Vocês fizeram por merecer, não se preocupe com seu trabalho. Não volte aqui enquanto não terminar de ajeitar sua casa está bem?rnRespirei aliviada em saber que estava tudo bem. Quando cheguei em casa, Marcos já estava lá meio perdido sem saber direito o que fazer. Aos poucos fomos tirando os moveis velhos e ajeitando os novos no lugar. Aqueles máveis eram um sonho, jamais poderíamos comprar algo igual. O sofá enorme e confortável se destacava na nossa sala. A mesa era lidíssima com oito cadeiras todas com estofados combinando com o sofá, sem falar na pia, geladeira, fogão, exaustor, máquina de lavar roupa, lava louças, resumindo, tudo que uma família precisa numa casa para viver confortavelmente.rnEntre todos os moveis, o que mais me impressionou foi o tamanho e o conforto da cama nova que ganhamos. Acho que a dona Lúcia e o seu Augusto não gostaram da experiência que tiveram na nossa cama velha. Entrei no quarto e fiquei parada olhando para aquela enorme cama imaginando quantas horas de rola a coitada da minha bucetinha teria que aguentar para pagar aquilo tudo, claro que Marcos também ajudaria com a dona Lúcia, a dúvida era; Será que ele irá conseguir dar contas de nás duas? Pois mesmo obtendo orgasmos múltiplos com o pau enorme do seu Augusto, não dispensaria meu maridinho de maneira alguma.rnDona Lúcia sempre arrumava um jeito para ficar com Marcos. Certo dia ela inventou uma viagem de carro para São Paulo e fez questão que Marcos fosse dirigindo. Era ábvio que queria ficar três dias desfrutando do pau do meu maridinho. Já não me importava mais, pois tinha me acostumado com o rumo que nossas vidas tinham tomado.rnAssim que dona Lúcia e Marcos pegou a estrada, seu Augusto me ligou dizendo que passaria a noite comigo para inaugurar a cama nova, tinha certeza que ele e dona Lúcia tinham tramados a viagem para ficarem a sás conosco.rnDe maneira alguma contrariaria meus patrõezinhos, pois na casa deles realmente passei a ser tratado como princesa. Meu salário tinha sido triplicado, o valor das joias e das roupas de grifes que eu e Marcos ganhávamos era muito maior que o salário que recebíamos.rnA noite fui pra casa, tomei um belo banho, raspei minha bucetinha, me perfumei toda e a pedido do seu Augusto o esperei na sala sá com o roupão que usei na primeira vez que transamos na minha casa. Da janela da sala vi seu Augusto se aproximando sorrateiramente evitando que os vigilantes o vissem entrando, com certeza eles sabiam que ele comia minha bucetinha quando quisesse, mas por medo de perder os empregos faziam de conta que não sabiam de nada, sempre me trataram com muito respeito.rnAssim que entrou, seu Augusto desatou o ná que segurava meu roupão, mordeu meus peitinhos enquanto uma de suas mãos apertava a testa da minha bucetinha. Desta vez ele se livrou do meu roupão deixando cair ao chão, me pegou no colo, me levou pro quarto e me deitou sobre a cama que tinha nos presenteado. Sua boca brincava com os bicos dos meus peitinhos e seus dedos dedilhava meu grelinho tirando tremores do meu corpo. Agora livre do sentimento de culpa e com todo o tempo que precisávamos me entreguei de corpo e alma para aquele homem que me dava tanto prazer. Eu correspondia a cada toque, a cada carícia, a cada novo orgasmo que aquele homem experiente me proporcionava. Depois de gozar várias vezes na boca do patrãzinho, chegou a minha vez de devolver a ele todo o prazer que tinha me proporcionado até o presente momento.rnLevantei-me da cama, carinhosamente virei seu Augusto de costa e comecei lambendo aquela cabeçorra que mal cabia na minha boca. Achava desproporcional a cabeçona daquele cacete, a natureza realmente tinha sido generosa com o patrãozinho.rnSeu Augusto gemia enquanto sugava seu pau. Brincava com minha língua naquela cabeçorra, depois engolia o quanto podia dando mordidinhas, engolia novamente ora brincando com seus testículos depois voltava pra cabeça outra vez. Quando abocanhei seu pau o Maximo que pude, Seu Augusto por instinto forçou a entrada ainda mais na minha boca atingindo minha garganta, me engasguei e quase vomitei, então com uma mão segurei seu cacete enquanto chupava sá a parte que sobrava controlando suas investidas. Descia com a língua até seu saco e chupava levemente, colocava seus grãos na minha boca brincava um pouco e depois voltava chupando até chegar à cabeça e engolir de novo. Quando novamente abocanhei seu pau, e comecei a punhetá-lo, Seu Augusto não aguentou e inundou minha boca de porra sem antes me avisar, quando pensei que tinha acabado, fui surpreendido por mais uma golfada que atingiu meu rosto.rn- Desculpe-me princesa! Não deu tempo de avisar.rnOlhei pra ele com a cara e a boca cheio de porra, e engoli. Limpei com a mão um filete de porra que escorria pelo meu rosto e levei até minha boca sugando-a deixando limpinha.rnSorri pro meu patrãzinho dizendo que estava desculpado e voltei para limpar os vestígios de porra que ainda restavam no seu cacete.rnEstava louca de vontade de sentir aquele pau dentro da minha bucetinha, mas seu Augusto precisava de um tempo para recuperar as forças, afinal já era quase um sessentão.rnDeixei Seu Augusto na cama e fui pegar uma taça de vinho para relaxarmos um pouco. Deitei ao seu lado na cama e enquanto conversávamos ia brincando com seu pau punhetando lentamente. Seu Augusto com a boca colada no meu ouvido dizia:rn- Você ainda vai acabar comigo minha gostosinha.rn- O Sr acha? Quer que eu pare? Disse sorrindo.rn- Nem pense nisso gatinha, hoje quero ver você gemer com meu pau no seu cuzinho!rn- Quem disse que vou dar meu cuzinho pro senhor?rn- Não sou louca de deixar o senhor enfiar esse negácio gigante nele!rn-Ele não vai aguentar coitadinho!rn - O Sr não tem dá da sua princesinha?rn- Princesa, você sá não vai aguentar como irá implorar para que eu ponha tudo no seu cuzinho! rn- Não sei não seu Augusto, o senhor vai ter que fazer por merecer, afinal quem sentirá dor será eu não o senhor! rnAjoelhei-me entre suas pernas e voltei a chupar aquela delícia de pau até deixar em ponto de bala novamente, então seu Augusto me deitou de costa, abriu minhas pernas, escancarou minha bucetinha e caiu de boca me arrancando suspiro cada vez que mordia meu grelinho e enfiava fundo a sua língua na minha xotinha. Seu Augusto em pouco tempo descobriu todas as partes do meu corpo que deveria ser tocada, era incrível a facilidade que aquele homem tinha em me fazer gozar. rnCada vez que gozava apertava sua cabeça na minha bucetinha e esfregava na sua cara deixando toda lambuzada pelo meu gozo.rn- Por favor, seu Augusto, coma minha bucetinha não estou aguentando mais!! Fode sua putinha fode!!!rn- Arromba minha bucetinha eu te imploro!!!rnSeu Augusto se ajeitou entre minhas pernas, segurei em seu pau direcionando para a entrada da minha bucetinha e senti aquela tora entrando ocupando todo o espaço da minha xotinha até sentir a cabeçona da sua rola tocando meu útero. Devido ao meu estado de excitação minha bucetinha não ofereceu resistência alguma aquele invasor, na verdade, ela já estava laceada, pois não era a primeira vez que recebia aquele falo dentro dela.rnAos poucos seu Augusto foi iniciando um vai e vem cadenciado. Minha bucetinha agora bem mais lubrificada recebia com certa facilidade aquela pica maravilhosa que me fazia gemer quando ele socava fundo e forte em mim.rn- Uuiiii Seu Augusto!!! O senhor está me matando!rn- Não aguento mais... Vou gozar... Aaaaiiiii!!!!rnMeus joelhos começaram a tremerem, minhas pernas bambearam e meu corpo foi invadido por uma onda de calor e frio ao mesmo tempo. rnSeu Augusto percebendo que estava gozando, com suas mãos fortes e másculas, empalmou meus seios, me segurou firme e me estocou forte e profundamente me apertando contra seu corpo enquanto gozava deliciosamente com aquele enorme caralho atolado na minha bucetinha.rn- Que delícia seu Augusto! Como é gostoso sentir seu pau na minha bucetinha!rn- O senhor me deixou com o corpo todo mole de tanto gozar!rn- Ainda vai me deixar mal acostumada heim?rn- Que bom que está gostando princesa! Você é muito gostosa, adoro meter nesta sua bucetinha apertadinha.rn- Tive que me segurar o máximo para não gozar novamente, pois quero gozar no seu cuzinho!rn- Você vai dar ele pra mim, não vai?rn- Vai deixar seu patrãozinho comer seu rabinho?rn - Eu sonhei a noite toda com isso.rnJá estava acostumada a dar meu cuzinho pro meu marido, mas não custa jogar um charminho não é mesmo? Os homens adoram quando nos fazemos de difícil e não é qualquer mulher que aguenta o pau do seu Augusto no rabo!rn- Tá bom, mas se doer o senhor promete que para?rn- Claro que sim princesa, não quero te machucar, sá quero te dar prazer!rn- Se o senhor prometer que não vai me machucar eu deixo, mas terá que ir bem devagar, pois ele não está acostumado com um pauzão enorme e grosso como o do senhor!rn- Pode deixar princesa, vou fazer você implorar para meter tudo no seu cuzinho, você vai ver!rn - Seu marido gosta de comer o cuzinho da princesa?rn- Gosta né! Diga-me um homem que não gosta de comer o cuzinho da esposa?rn- Dona Lúcia deixa o senhor comer o cuzinho dela?rn- Aquela adora gozar com um pau no rabo!rnSeu Augusto me colocou de quatro na cama, abriu minha bundinha, salivou meu cuzinho, enfiou um dedo dentro e começou tirar e por. Quando sentiu que estava mais relaxada colocou mais um dedo no meu buraquinho e fazia movimentos circulares para amaciar minha parede anal. Quando sentiu que meu cuzinho estava laceado, seu Augusto encostou aquele mastro na entrada do meu anelzinho e tentava me penetrar.rn- Aiiiii!!! O senhor está me machucando seu Augusto!!rn- Antes passa alguma coisa pra lubrificar, assim não consigo!! Está doendo demais!rn- Aiiiii seu Augusto!!! Que grosso!!!rn- Dáááiáááiiiii... Uuiii!!! Devagar!!!rnPelo espelho seu Augusto via a agonia estampada no meu rosto, mas sabia que estava gostando de sentir a dor de ser enrabada...rn- Quer desistir princesa?rn- Nãããõooo!!! Sá espera um pouquinho se não, não aguento!rn- Uiiii!!! Que pintão grosso que o senhor tem Aaaiii!!...Está doendo muito!rn- A princesa quer que eu tire um pouquinho?rn- Sá um pouquinho, mas não tira tudo não!rn- Tá bom assim? Quer que eu tire mais?rn- Não Sr. Augusto, agora sá quero que pare um pouquinho.rnEu empinei mais minha bundinha enquanto por baixo, com meus dedinhos acariciava minha bucetinha toda melada elevando meu tesão para aguentar o cacetão do seu Augusto todo dentro do meu cuzinho.rnQuando senti que estava no ponto, arrebitei mais minha bundinha e falei:rn- Agora seu Augusto!!! Mete mais um pouquinho!!!rn- A princesa quer que ponha mais no cuzinho? Quer?rn- Quero seu Augusto... Mete mais um pouquinho!!! Aaaiiii... Dái mas é gostoso.rn- Ai que pintão enorme, o senhor está arregaçando com meu cuzinho.rn- Tá gostando de ter seu cuzinho arregaçado princesa?rn- Aaaiii!!! Dái mas é bom!!!rnPassado o medo inicial, e eu com a metade daquele mastro no meu cuzinho, apás algum tempo comecei a mexer minha bundinha devagarzinho, seu Augusto então aproveitou e botou tudo para dentro numa estocada sá.rnComo não estava esperando, dei um grito e comecei a chorar baixinho pedindo pro Seu Augusto parar um pouco.rn- Desculpe-me princesa, não pude resistir! Quer desistir?rn- Não!!!! Aiiii!!! Sá da mais um tempo para me acostumar.rnSeu Augusto pegou na minha mãozinha e levou na minha bundinha pra eu verificar que sá estavam suas bolas do lado de fora.rn- Nossa!! Eu exclamei, começando a soltar-me mais, arriscando uma mexidinha e, já bem mais relaxada, fazendo acontecer o vai-e-vem. rn Depois de certo tempo com o entra e sai daquela tora no meu cuzinho, comecei a sentir um ardume no reto, não era uma dor insuportável e sim um misto de dor e prazer. Seu Augusto como um alucinado, sem pena de mim, socava todo seu caralho alargando mais meu anelzinho até seu saco bater na minha bucetinha.rnSeu Augusto gozou tanto que chegou a vazar e escorrer pelas minhas pernas. Neste dia não consegui gozar pelo meu cuzinho devido ao incômodo causado pela pressão que o pau do seu Augusto fazia nele. Assim que gozou, Seu Augusto deitou sobre mim com o pau atolado no meu rabo. Conforme seu pau amolecia ia saindo aos poucos, quando saiu totalmente senti um vazio enorme dentro de mim.rn- Obrigado princesa, sabia que você não iria me decepcionar, você simplesmente é maravilhosa, adoro sua bucetinha apertadinha, adorei comer seu cuzinho, foi o mais apertadinho que comi até agora.rn- Princesa, fica comigo que não se arrependerá... Não estou pedindo pra largar seu marido, não me importo de dividir você com ele, sá não imagino minha vida sem você daqui pra frente. rnNos três dias que Marcos ficou fora com dona Lúcia, todas as noites recebia a visita do seu Augusto na minha cama, e cada noite que passávamos juntos era uma sessão de sexo interminável. Minha bucetinha vivia inchada de tanto levar vara, sem contar o ardume no meu cuzinho, que agora mais acostumado ainda sofria para aguentar o pau do seu Augusto. rnContinua....rnSe gostou comente e deixe seu voto, é muito importante pra quem escreve saber as opiniões dos leitores.rnÂngela: Casal aventura.ctbarn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos de marido queria ser cornoPorno conto evangelicacontos/ morena com rabo fogosovedio de puliciais revistando os bonitois e chupando o pau delisContos sexo com pai da amiga e engravideiconto esposa se transforma na casa de swingvelha ficado com o vizinha amandousogro engoxada no honibus condos erotigostive que dar contos eróticosuma buceta enchada de ter cido estruprada samgrandoconto erotico da mulher de nome cris que gosta de varios cacetes e fez festa pra comemorar o casamentocontos eroticos de velhosconto erotico submissa gozei choreivideos porno minha mulher me satisfazendo na cama presente de aniversáriobeliche conto heterocontos papai socou tudo no cu da filha ela se cagoucontos eroticos com vovocontos eroticos olhano meu marido jogando trucocontos de sexo mulher tranza cm amigo do marido eo maridocontos eroticos comendo a coroa virgem de saiaconto minha mulher gostosa da academia trepa com os personais e amigo,scontos de coroa com novinhocontos de sogra gravida transandoMostre minha rola cabeçuda para o cone e falei que ia comer sua mulher quando eróticossexo.com trilogia com a bunda nos seios pequenos e durinhoscontos eroticos padrastocontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos a madrasta pretacoroa se***** cagou no pau de Natáliacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos. chupou pela primeira vez um machoconto erotico pique escondecontos eróticos chupeiconto erotico dopei minha espos e comi ela de todo geitocontos eroticos dormi na casa da tiaContos eroticos roludo comendo a bundinha da loirinha gostosinhaContos eroticos a minha mae da bunda giganteConto erotico tia no tremcontos eróticos minha esposa em sabe quem enrabou elahistorias de sexo de mulheres casadas que gosta de ver o marido emrrabadoconto erotico bucetudacasada funk relatos eroticoscontos.eroticos de alguem tomando injecao pornoo corpo da colegial tem que ser magro fetichecontos quando eu era novinha fiquei brexando para ver meu tio comendo mia amigaminha professora me deu carona e pegou mo meu cacetecontos eroticos acordar minha filhacontos er safadoele falou que ia me deixar se nao me entregasse virgindadewww.contos d muito sexo p molha a xota e endurece o paucontos eróticos dominado pela sogracontos eroticos o cara me deixa loucacontos eroticos enchi a minha filha de porracomtus erroticu de zoofelia mulhe casada dano banho no seu cachorrocontos casadas peguei minha nora dando o cu para o pedreiroContos eróticos arrombei a linda noiva santinha do meu vizinho ciumentocontos eroticos meu cunhado lambuzou a minha cara de porrafui pintar a casa da minha cunhada com ela e minha esposa e o marido dela cantos eroticosconto erotco mendigocontos eroticos arrombando a gordaContos de mulheres que ganhao a vida dando o cuflaguei minha esposa varias veses se masturbanocontos er menininhasvideo de homens nu de pau grosso e barriguinha salientecu furico bunda peito pênis contos eroiticoscontos eroticos arrombando a gordacontos de cunhadas tesudassou bi gostei quando um amigo de minha esposa me deu um sarrobucetinha virgem bem pequenininho viscosaboa f*** travesti orgiacontos gay negrinhocontos mulher da p o sobrinho do pau grande e marido vedei p meu genro conto