Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO.( PARTE 2)

rnA descoberta de CarolrnDona Lúcia passou a frequentar mais a chácara mesmo quando seu Augusto estava ausente tratando de negácios. Certo dia estava no quarto do casal organizando as gavetas quando ela entrou e me perguntou:rn- Daí querida, esta gostando de trabalhar aqui?rn- Estou adorando dona Lúcia, espero que a senhora também esteja gostando do meu serviço.rn- Claro que sim querida, eu e o Augusto estamos muito contente com você e com seu marido.rn- E o Augusto, está dando muito em cima de você?rn- Vocês estão se dando bem? Olhei pra ela apavorada e disse:rn- Como dona Lúcia?rnDona Lúcia Vendo o medo estampado em meu rosto, me acalmou dizendo:rn- Calma minha filha! Não precisa ficar com medo de mim! Conhecendo meu marido, sei que nunca perderá uma oportunidade pra te levar pra cama, por mim tudo bem, sá depende de você!rn- Mas a senhora não ama seu marido? Não tem ciúmes dele com outras mulheres?rn- Não, quando eu escolho a mulher pra ficar com ele.rn- Como assim?rn - Querida, quando contratei você sabia que seria a mulher perfeita pra me substituir nos momentos ausentes. Você é jovem, linda, inteligente e mesmo com esta carinha de anjo não consegue esconder a putinha que existe dentro de você, e olhe que não acostumo me enganar heim? Dona Lúcia me abraçou carinhosamente, beijou meu rosto e disse:rn - Cuida bem do nosso homem querida! Estamos contando contigo!rnQuando dona Lúcia saiu do quarto fiquei embasbacada pensando comigo; ?Que horror, os ricos são mesmo estranhos, imaginem se teria coragem de oferecer meu marido pra outra mulher?! Nunca teria coragem de contratar uma mulher para ter relações sexuais com Marcos, eu heim!rnQuando seu Augusto entrou em casa apás ter retornado da viagem, estava na sala ao lado da dona Lúcia. Ele a cumprimentou com um beijo na boca depois me abraçou e disse:rn- Como estão as mulheres da minha vida? Quando foi beijar minha boca virei o rosto, mesmo assim ele pegou no meu queixo e me deu um selinho na frente da esposa, quando se retirou, deu uma tapinha na bunda da Dona Lúcia e não perdeu a oportunidade de apertar a minha também, neste momento percebi que realmente eles falavam a verdade sobre o tal relacionamento aberto. Percebi que ali cada um corria atrás da sua presa. Fiquei meio indignada no início, mas quem sou eu para condená-los se pareciam tão felizes!rnPensava comigo; Será que dona Lúcia também está dando em cima do Mário? Ultimamente Mário andava meio cabisbaixo, já não fazia brincadeiras como antes, mas mesmo que estivesse tendo um caso com dona Lúcia não poderia criticá-lo, pois sá não tinha sido ainda penetrada pelo pau do seu Augusto, mas mesmo assim a traição já estava consumada.rnO ar de cumplicidade de Seu Augusto e Dona Lúcia me fazia sentir um pouco aliviada, mas meu marido nem imaginava o que estava se passando naquela casa. Dona Lúcia não perdia uma oportunidade para me jogar na cama com seu marido, mas mesmo tendo vontade, o sentimento de culpa me impedia de dar a minha bucetinha para ele.rnCerto dia quando fui limpar a sala, Dona Lúcia e Seu Augusto conversavam animadamente. Quando entrei, abaixaram o tom de voz para que não escutasse o papo deles. Dona Lúcia logo se retirou e seu Augusto ficou ali lendo jornal enquanto eu continuava a faxina. Uns trinta minutos depois o celular do seu Augusto toca e apás atender seu Augusto mandou chamar o Marcos, pois precisava falar urgente com ele.rnPassei em casa, mas Marcos não estava lá. Procurei pelo quintal também não encontrei, então sá poderia estar na horta.rnPara chegar à horta, tinha que atravessar um bosque que ia se afunilando até formar uma estrada com mata mais densa, uns 100 metros adiante se abria um campo onde começava os canteiros de hortaliças. No lado direito do terreno tinha um barracão onde ficava as ferramentas e na frente do depásito, tinha uma área coberta com várias mesas de cimento com banquetas em volta.rnAo me aproximar não vi meu marido, mas ouvi a voz da dona Lúcia, então pensei comigo; ?neste mato tem coelho?, pois ela não tinha motivo para estar ali naquela hora. Agucei meus ouvidos e fui me aproximando em silêncio, logo escutei dona Lúcia dizendo:rn- Uiiiii!!!! Que delícia!!! Não pare, continue assim!!! Ai como é bom!rnMeu coração disparou, pois não precisava ser muito inteligente para saber o que estava acontecendo ali. Por um instante fiquei parada sem saber se chorava se fazia um escândalo ou se voava naquela piranha de luxo estrangulava e arrancava seus cabelos. Mil coisas passaram por minha cabeça naquela hora, mas ao mesmo tempo achava que Marcos estava sendo assediado por dona Lúcia assim como eu estava sendo assediada por seu Augusto.rnSeu Augusto mesmo tentando disfarçar deixava bem claro, ou aceitaria seus termos ou teríamos que arranjar outro emprego.rnEstava louca para ver o que estava acontecendo, mas não tinha certeza se suportaria ver meu marido enrabando outra mulher, como os gemidos continuavam, minha curiosidade foi maior que minha resistência.rnCom cautela caminhei até o bosque e procurei um lugar que pudesse ter uma boa visão dos dois. Filhos das putas foram às únicas palavras que me veio à boca quando vi dona Lúcia sentada na mesa com as pernas arreganhadas e Marcos ajoelhado com a boca na sua buceta. A vaca não parava de gemer e se contorcia toda como cobra mal matada.rnDe onde estava não dava para ouvir muito bem o que estavam falando, mas uma imagem vale mais do que mil palavras. Vi quando dona Lúcia segurou na cabeça do Marcos e esfregou sua buceta na cara dele, com certeza aquela piranha estava gozando na boca do meu marido.rnApás aquela vaca ter gozado trocaram de lugar e agora era dona Lúcia que tentava engolir o pau do Marcos que fodia sua boca como estivesse comento sua buceta. Minha raiva aos poucos foi diminuindo e quando dei por mim estava com três dedos enfiados na minha bucetinha vendo meu marido fodendo a boca da nossa patroa.rnVi quando dona Lúcia se levantou, apoiou suas mãos na mesa e empinou sua bunda para que Marcos metesse o cacete nela. De onde estava sá ouvia os gemidos daquela vaca quando gozava no pau do meu marido. Marcos não demorou em encher a buceta daquela vagabunda de porra.rnSaí sem que percebesse minha presença com ádio e ao mesmo tempo aliviada por não ser a única culpada naquele enredo que tinham tramado pra nás. Com certeza foi armação do Seu Augusto e Dona Lúcia para que pegasse Marcos em flagrante, também era ábvio que dona Lúcia sabia que estava sendo observada por mim, pois às vezes ela exagerava nos gritos quando Marcos arregaçava sua buceta.rnVoltei pra casa furiosa decidida a dar o troco no meu marido. Poxa, quantas vezes me segurei ao máximo para não cair de boca no pau do Seu Augusto! Quantas vezes não desejei aquele caralho enorme arrombando minha bucetinha! Quantas vezes não pensei em deixar seu Augusto chupar minha bucetinha em vez de ficar cheirando minha calcinha enquanto se masturbava, mas não, a idiota aqui preferiu ficar a distância com a buceta escancarada sedenta por rola vendo aquele homem delicioso se acabando na punheta, tudo por se sentir culpada em desrespeitar o maridinho! Será que ele pensava em mim quando estava fodendo a vaca da nossa patroa? Naquele dia tirei o resto da tarde de folga, resolvi ficar em casa esperando meu marido sá pra ver sua reação quando me visse.rnMarcos chegou a nossa casa quase no horário de ir para o curso. Senti certa inquietude por parte dele, por certo estava lutando para que não percebesse nada de estranho. Abracei-o e disse:rn- Tudo bem amor? Como foi seu dia, muito cansado?rn- Hoje foi puxado amor, se não tivesse prova ia faltar no curso, pois estou exausto. Pensei comigo; estaria também se tivesse dado minha buceta a tarde toda para o patrão.rnMarcos tomou seu banho, fez um lanche rápido e saiu. Fiquei na janela pensativa observando meu marido no ponto de ônibus que ficava em frente a entrada da chácara. Com certeza seu Augusto estava nos espionando, pois foi sá o Marcos entrar no ônibus e o tempo de tomar um banho, ouvi alguém me chamando. Vesti um roupão e fui ver quem era, quando abri a porta não fiquei nem um pouco surpresa em ver seu Augusto ali parado tentando ler meus pensamentos. Fingindo certa preocupação me perguntou o que tinha acontecido por Marcos não ter ido falar com ele, e porque tinha sumido a tarde toda. Disse a ele:rn- Sr. Augusto, tenho certeza que sabe muito bem o que aconteceu, afinal foi o Sr e dona Lúcia que armaram tudo não foi?rn- Princesa! Sá queríamos provar que seu marido não é tão fiel como você pensa, a Lúcia me contou tudo, até que viu você espionando os dois a distância, por certo gostou do que viu se não teria armado o maior barraco, mas sabemos que não foi isso que aconteceu não é mesmo?rn- E agora, ainda vai continuar bancando a difícil?rn- Vai me mandar entrar ou vai me deixar aqui do lado de fora feito um dois de paus, prometo que não vou te morder, a não ser que você implore para que te morda, disse sorrindo.rn- Desculpe-me seu Augusto, por favor, entre, sá não repare meus trajes!rn- Que isso princesa, você está linda neste roupão se bem que ficaria bem melhor sem ele.rn- O senhor não tem jeito mesmo, não perde uma oportunidade para me azarar.rn- Não custa tentar, quem sabe uma hora você não abaixa a guarda e deixa eu me acabar neste corpinho delicioso.rn- Sente-se seu Augusto, vou preparar um cafezinho fresco pro senhor.rnDeixei seu Augusto na sala e fui pra cozinha pensando; e agora meu Deus, o que faço? Dai-me coragem se ele tentar alguma coisa. Dito e feito, assim que me virei, seu Augusto estava encostado na porta da cozinha me observando em silêncio. Via o desejo estampado em seu rosto. Uma sensação estranha percorreu pelo meu corpo, estava com medo do que poderia acontecer a qualquer momento.rnMinhas pernas tremeram quando ele veio em minha direção, parou na minha frente olhando nos meus olhos e sem dizer nada levou as mãos até minha cintura e desatou o ná que prendia meu roupão. Fiquei com meus peitinhos e minha bucetinha totalmente exposta para que seu Augusto admirasse com aquele seu olhar pidão. Senti meu sangue ferver e circular por meu corpo deixando minha pele em um tom avermelhado. Apás um longo silêncio, seu Augusto me disse:rn- Nossa princesa, poderia ficar a noite inteira te admirando, adoro o formato dos seus peitinhos, adoro ver sua bucetinha inchadinha e toda raspadinha, adoro seu corpinho de menina mulher, resumindo, adoro tudo em você, veja o estado que você me deixa sem ao menos te tocar, mostrando seu pau que fazia um volume enorme por dentro da calça.rnEnquanto olhava para aquele monte de nervos quase furando sua calça, seu Augusto se aproximou e suas mãos pegaram em meus peitinhos e ficou apertando delicadamente, desta vez correspondi seu beijo, pois quando seus lábios tocaram nos meus, nossas línguas travaram uma batalha dentro de nossas bocas, aquele homem realmente sabia como tirar o fôlego de uma mulher.rnDesta vez também não impedi que suas mãos explorassem meu corpo, pelo contrário, quando chegou sobre minha bucetinha abri um pouco as pernas facilitando para que seus dedos explorasse profundamente o interior da minha grutinha que até o momento sá meu maridinho conhecia, e pela segunda vez gozava nos dedos do seu Augusto, o líquido do meu prazer se fazia ver na mão do meu novo macho. De tão molhada que estava, ouvia se ruídos que vinham de dentro da minha bucetinha enquanto aqueles dedos incansáveis me brindavam com mais um orgasmo. rnMeu corpo se arrepiava quando sentia a boca do Seu Augusto mordiscando e chupando suavemente meu pescoço. Ia ao céu e voltava cada vez que sua língua serpenteava dentro dos meus ouvidos. Estava completamente entregue aquele senhor que aos poucos ia me dominando por inteira. Atordoada dizia:rn- Aaii que delícia seu Augusto, sá toma cuidado para não deixar marcas no meu pescoço e nos meus peitinhos, se não como vou explicar para o Marcos?rn- Calma minha gostosinha, não se preocupe ok? Jamais te prejudicaria, se bem que minha vontade é de te morder todinha.rnSeu Augusto suspirou quando sentiu minhas mãos abrindo o zíper adentrando em sua calça e apertando seu caralho enorme e quente. Sentia na mão um líquido pegajoso que saía do orifício do seu pau enquanto suavemente iniciava uma punhetinha nele. Achei que já estava na hora de retribuir o prazer que estava recebendo então me ajoelhei a sua frente, libertei aquele monstro de dentro da calça e antes de levar a boca deslizava minha mão por toda extensão do seu pau que estava duro como uma pedra. Poucas vezes vi meu marido com uma ereção como aquela.rnFiquei algum tempo alisando e admirando aquele falo, seu Augusto parecia não acreditar quando minha língua tocou a cabeça do seu pau tentando sorver aquele líquido salgadinho e viscoso que saía do orifício central, quando coloquei a cabeça do seu pau na minha boca, seu Augusto fechou os olhos e me disse:rn- Que delícia princesa, chupa o pau do seu patrãozinho!!! Chupa assim bem gostoso, aiii!!! Que delícia de boquinha! Não pare, continue!rnMal conseguia agasalhar aquela tora na minha boquinha, segurava com as duas mãos e chupava com gosto aquela cabeçona rosada em forma de cogumelo. Enquanto tentava engolir o máximo que podia, uma de minhas mãos punhetava aquele pau enorme cheio de veias e com a outra mão acariciava seu saco. Assim como tudo naquele homem era enorme, com seus testículos também não poderia ser diferente, suas bolas enchiam minha boquinha e como forma de agradecimento alternava mordidinhas de leves em cada grão daquele homem maravilhoso tentando dar a ele o máximo de prazer. rnJá estava começando a sentir câimbra na boca de tanto chupar aquela tora descomunal. Temendo que meu marido pudesse me pegar com a boca na botija, tirei o pau do seu Augusto da boca, olhei nos olhos dele e disse;rn- Goza logo seu Augusto! Minha boca já está doendo e o Marcos pode chegar a qualquer momento!rn- Calma princesa, ainda falta quase duas horas para seu marido chegar, relaxa. Sabia que Marcos ainda demoraria a chegar, mas quis apressá-lo.rn- Princesa, eu não saio daqui enquanto não sentir o gosto da sua bucetinha na minha boca, quero engolir gota por gota de tudo que sair desta bucetinha deliciosa enquanto for chupada por mim.rnSeu Augusto me pegou no colo, me sentou na pia da cozinha, tirou minha calcinha, abriu minhas pernas, se ajoelhou e caiu de boca na minha bocetinha. Confesso que Marcos nunca me chupou daquela maneira, a agilidade da língua daquele homem e a experiência que adquiriu ao longo da vida, fazia com que ele acertasse em cada ponto que deveria ser tocada, a sucessão de orgasmo era inevitável, nunca pensei que pudesse gozar tantas vezes na boca de um homem. Em pouco tempo já estava quase sem fôlego e com o corpo mole de tanto gozar. Lembrei-me novamente do meu marido e disse:rn- Seu Augusto o Marcos já esta para chegar, vamos continuar amanhã na sua casa, prometo que farei tudo que o senhor quiser!rn- Por favor, seu Augusto, vamos parar por enquanto!rn- Ainda temos um pouco de tempo princesa relaxa, amanhã terei que viajar novamente.rn- Prometo que serei rápido, não posso sair assim deste jeito, você me enlouquece princesa.rn- Então seja breve seu Augusto! Por favor! Estou ficando com medo que o Marcos chegue a qualquer momento.rn- Tá bom querida, então vou me apressar.rnSeu Augusto se ajeitou no meio das minhas pernas, cuspiu na cabeça do seu pau molhando bem, quando senti a quentura do seu gigantesco cacete na entrada da minha bucetinha senti um frio na barriga. Aos poucos fui sentindo minha bucetinha se abrindo ao máximo para suportar a grossura daquele intruso que aos poucos ia ocupando todo o espaço dentro dela. Seu Augusto ia metendo devagar até que senti aquela cabeçona forçando meu útero, então agarrei em seu pescoço e gemia em seu ouvido pedindo para ir devagar até me acostumar. Aos poucos seu Augusto iniciava um vai e vem lentamente e quando me senti mais a vontade, abracei seu corpo e pedi:rn- Me avise quando for gozar seu Augusto, pois não quero que goze dentro de mim!rn- Aaiii!!! Que delícia!!! Como seu pau é gostoso!! Goza logo, não estou mais aguentando!!! Goza por favor!rnQuando pensei que seu Augusto estava preste a gozar, com o pau ainda atolado na minha bucetinha pegou pelas minhas pernas e me levantou, para ajudar cruzei minhas pernas na sua cintura e agarrei forte em seu pescoço enquanto ele engatado em mim foi andando em direção a sala. Achei que ele queria me levar para o sofá, mas ele passou direto e foi em direção ao meu quarto.rn- O que está fazendo seu Augusto!! Isso é loucura, o senhor tem que ir embora! Por favor, goza logo pra ir para sua casa. Quase chorando implorei:rn- Seu Augusto, se o senhor continuar com isso, acaba aqui agora mesmo!rn- O Senhor nunca mais vai comer minha bucetinha! rn- Tá bom princesa, sá me diga qual é o seu lado da cama!rn- O lado esquerdo, por quê?rn- Calma princesa, eu sá quero foder sua bucetinha no mesmo lugar que o corninho do seu marido te fode todas as noites.rnCom o pau ainda atolado na minha buceta me deitou de costa na cama sem tirar de dentro, pediu para que abrisse as pernas e levantasse o joelho. Seu Augusto se ajeitou no meio das minhas pernas e novamente começou a bombear forte na minha bucetinha no melhor papai e mamãe que já tinha feito na minha vida. Enquanto sentia seu pau entrando e saindo na minha bucetinha, ele dizia em meu ouvido:rn- Seu maridinho fode gostoso sua bucetinha como te estou fodendo? rn- Está sentindo meu pau no fundo da sua bucetinha está?rn- Está gostando que sua bucetinha esteja sendo arrombada por um macho de verdade?rnAinda Agarrada em seu pescoço dizia:rn- Estou adorando ter seu pau arrombando minha bucetinha!!! Me fode gostoso!!! Assim!!! Aaai!!! Eu vou gozar!!!! Que gostoso!! Fode sua putinha fode! Uuuiii que delícia de pau!!!rn- Não vai gozar dentro tá bom? Aaaiiiii!rn- Posso gozar na sua boquinha?rn- Pooode, mas Goza logo!! O Sr está acabando comigo!rnSeu Augusto continuou castigando minha bucetinha, nesta altura até tinha esquecido que estava quase na hora do meu marido chegar. Enquanto fodia minha bucetinha alucinadamente, seu Augusto abocanhava meus peitinhos e chupava como uma criança faminta. Sua boca revezava entre meus peitinhos e meu pescoço.rn- Sr. Augusto, não estou mais aguentando o senhor está acabando comigo, goze logo, por favor!!!rnSeu Augusto me abraçou forte dizendo: aos gritosrn- Eu vou gozar!!! Que bucetinha apertadinha!!! Que delícia!!! Eu vou gozar!!!! Uuiiii!!!!rnSeu Augusto aguentou o quanto pode com seu pau dentro da minha bucetinha, então retirou rapidamente e levou na minha boca, foi o tempo de abri-la e senti a primeira golfada forte batendo na minha garganta, em seguida mais quatro jatos encheram minha boquinha de porra. Como sempre faço com meu marido, olhei firme nos olhos do seu Augusto, abri a boca mostrando pra ele a quantidade enorme de porra que estava dentro e engoli todinha. Abri bem a boca novamente para que visse que estava vazia, então coloquei seu pau novamente na boca e chupei todo o restinho de porra que tinha ficado deixando o limpinho.rnSeu Augusto me deu um beijo na boca e disse;rn- Como você é gostosa minha putinha!! Adorei foder sua bucetinha na cama do seu maridinho.rn- Agora vai para sua casa seu Augusto, realmente está na hora do Marcos chegar.rnAntes de sair seu Augusto abriu novamente minhas pernas e ficou admirando minha bucetinha toda vermelha e inchada de tanto levar pau, ainda não satisfeito arreganhou bem ela, enfiou três dedos dentro, retirou e levou a boca sugando a mistura do nosso gozo.rn? Até logo minha gostosinha, não vejo a hora de foder sua bucetinha novamente! Antes de sair, outra vez seu Augusto abriu minhas pernas deu um beijinho na minha bucetinha e foi pra sua casa. Fiquei deitada exausta sobre a cama pensando na foda maravilhosa que tinha acabado de dar, pena que tivemos tão pouco tempo.rnAcho que dei uma cochilada e levantei assustada assim que ouvi o barulho do ônibus parando no ponto, me apavorei ainda mais quando vi a enorme mancha que tinha ficado sobre a cama, foi sá o tempo de trocar de lençol ouvi os passos do meu marido se aproximando. Marcos entrou em casa bem na hora que tinha acabado de vestir meu roupão.rnTenho dúvidas se meu marido não sentiu cheiro de sexo e o gosto de porra na minha boca quando me beijou. Tentando agir naturalmente disse a ele:rn- Nossa amor, peguei no sono vendo a novela que até me esqueci de tomar banho e rapidamente entrei no banheiro fechando a porta. Minhas pernas ainda estavam moles e minha bucetinha ardida de tanto meter com seu augusto!rnTenho certeza que meu maridinho percebeu que tinha rolado alguma coisa diferente na sua ausência naquela noite, mas preferiu ficar calado, pois ele também tinha culpa no cartário. Continua...rnSe gostou comente e deixe seu voto, é muito importante pra quem escreve saber as opiniões dos leitores.rnÂngela: Casal aventura.ctbarn rnE-mail= [email protected] rnrn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eu marido na prai de nudismoseduzudo e fudido contos gayContos eroticos da esposa safada com o marido deficientecu furico bunda peito pênis contos eroiticoschupou pau de flanelinha dentro do carrocabritiha deliciaa menininha gotozinha pequeninha contosde verdade o que injetam ou introduzem para aumenta bumbum e seioscontos fui brincar amoite de esconde esconde e dei o cu pra todos mulequesnatalia do ceará chupando o paucontos mulher seduzido homemcontos eroticos arrombando a gordaminha mulher contou que ficou com a buceta arrombada em floripaconto esposa na orgia do carnavalcontos eroticos taradinhascutuquei a buceta da mamae contosa vizinha me convidou pra ir em sua casa,contoscontos gay com estupros por policiaisvidio porno enchada qualculadaContis eriticos negao fudendo a loifinha de quatroCadê acabou comendo cunhado cadê aquela vezo meu padrasto me arrastou pro matagal contoscontos incesto com a mae rabuda eu e meu pai na praia de nudismocontos sou bem fudidaContos eroticos em quadrinhos provocando genromaldoso comeu meu cuzimcontos eróticos na saída do paredão comendo c* virgemcaso eróticos meu sogro estrupava minha mulhercache:R-bg7J8nF7YJ:https://mozhaiskiy-mos.ru/m/conto_14382_mamae-velha-mais-bucetuda.html Contos erotico marido bracinho corno de negaominha mulher alargou meu cu contocontos de marido queria ser cornocontos sexo com a sobrinha dopadacontos meu filho adora minha bundacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteloira resebi anal depois de treinamentoContos eroticos minha irman roqueiracontos enbebedei minha mulher para meu irmao comerassalto a minha casa eu e minha mãe contos eróticos gang bangassistindo mais meu padrasto coladinho e ele de pau duro contos eroticoscontos eroticos transformado em putaconto esposa viu amigo nucontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentevideo de cunhadoxcunhadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentetenho maior tesão pela minha tia velha contos eróticoso comedor do casal contocontos esposa no baralhocontos de sexo fraguei minha enteada de dose anos dormindo nuabuceta carnuda comtos de sexocontos eroticos gay mulherzinhacomendo a bundinha da menina contos eroticosNoiva de salto contos eroticosPrazer Gay:Contos sobre Valentão da minha vidabaixa vidio caceta de travesti duronacontos eróticos sogra pega mulher metendo na camaconto sexo loira e o chefe do cornocontos eróticosmenininha dormindocomedo tudo que e tipo de putinhas e putinhoscontos erótico buceta pequenasjaponesas babys fazendo zoofilaconto erotico meu marido descobriucontos eroticos gozei gostoso no estuprotreepei na pica de meu avôzinhocontos eroticos comi o menino de ruacontos garoto comeu minha mãecontos eroticos flagrei minha mae fudendo com travestionto de encesto meu filho mora sosinhocontos eroticos dentista coroa casada tarada por sexocantos erotico casada com lixeiroContos eroticos em onibus