Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A BELA PUTA DE UMA NINFETA ADORMECIDA

rnrnFICÇÃO rnDepois que passei a desabafar, narrando neste site meus encontros sexuais com minha enteada e sua amiga de Infância Paulinha, Arranjei várias amigas virtuais e algumas, física.rnSou meio esquecido, por isto, evito mentir, assim nunca precisarei forçar para lembrar-me de algo que falei. Por isto se encontrarem alguma discordância no descrito a baixo, saiba que este é o conto, algo fictício e não um acontecimento de fato. rnNeste conto, não citarei nome, assim qualquer uma pode se imaginar como protagonista, eu acho. rnrn Vamos ao que interessa:rnJá estava anoitecia e não é bom continuar na estrada a noite depois de um dia estafante na estrada, o sono pode nos trazer sérios danos. Parei numa pequena cidade em busca de pousada ou hotel. Não tive êxito. Por tratar-se de uma cidade a beira de estrada, já não mais havia quartos disponíveis. rnSentado no balcão de um pequeno restaurante comentei com o dono do Bar e Restaurante, na tentativa de saber onde ficava o posto de combustível mais práximo e estacionar ali para dormir dentro do carro. rnDe pronto ele me desse ter dois quarto e poderia me alugar um, Aceitei de imediato. Sá não sabia que o quarto era em sua prápria casa. rnA casa embora muito confortável, os dois quartos disponíveis eram confortáveis. Fui apresentado à esposa e filhos, entre lês uma bela jovem de pouca idade, uma ninfeta que me encarou dos pés a cabeça sendo correspondida. rnAssistíamos TV na sala principal e disfarçadamente, eu não tirava os olhos da ninfeta, da mesma forma, eu era correspondido, às vezes soltávamos aquele sorrisinho de cumplicidade. rnEla levanta e me deixa na sala com seu irmão e sua mãe, seu pai ainda no Bar-Restaurante; Ela retorna vestida para dormir, ou melhor: para matar; senta no sofá quase de frente pra mim e vez ou outra abria as pernas propositadamente sem que os outros notassem, como se me convidasse ao sexo. Quando ele abria as pernas, notava-se pelo fino tecido short-doll que, parte da calçinha estava entre os lábio vaginais, as vezes expondo um ou outro lado de sua boceta, ela fazia questão de meter os dedos ali e tirá-lo de dentro, vez ou outra. rnEu já não aguentava de tesão, estava excitado e com receio de que notassem meu estado ou aquele joguinho safado que ela fazia.rnQuando seu pai entra, logo se arrumam para dormir, ficamos eu, ela e seu irmão vendo TV por mais algum tempo, seu irmão se recolhe nos dando boa noite e fiquei a sás conversando com ela. rnSoube que a garota era adotiva, dezoito anos, com namorado sério, preparava-se para o vestibular de enfermagem. Bonita, olhar profundo, um pouco introvertida, mas não tímida. Cabelos longos e lisos, olhos lindos e pidões. Deve ter 1,65m, uns 60 quilinhos de puro tesão; corpo roliço, seios médio para grandes e empinados, coxas grossas também arredondadas, e o que sempre me atrai muito, um bundão de chamar atenção a primeira vista. Sua mão vem a sala e comenta a ela sobre o horário, e pede para que ela me acomodasse no quarto.rnSugeri que eu dormisse na sala, mas esta proposta foi negada, seu esposo não iria gostar, e acabei concordando em ficar no quarto de frente para o daquela ninfeta. rnComo ainda estava sem sono, tomei uma bela ducha. Perguntei se a Ninfeta teria um livro que me emprestasse até o sono vir, fui atendido. Me deitei disposto a ler até o sono aparecer. rnA ninfeta ficou em seu quarto, de porta aberta, e ficou teclando algo no computador. rnSou malicioso e não conseguia me concentrar na leitura tentando adivinhar qual site pornô ela visitava, fechei a porta para não cai em tentação. Meu sono veio aos poucos, e em pouco tempo encostei o livro e cai no sono. rnMeia hora depois, acordei meio sonolento ouvindo alguns ruidos estranhos, vindo do quarto visinho, notei tratar-se dos donos da casa transando. Nossa, o tesão bateu de vez. rnAbri a porta lentamente para ver o que a Ninfeta fazia, se me visse, perguntaria onde ficava o banheiro. Notei sua porta entreaberta, deduzi que tivesse deixado-a para eu entrar. Empurrei-a vagarosamente e me deparei com a Ela conversando pelo celular com alguém, e se masturbava gemendo e se contorcendo toda. Estava dominada pelo tesão, e o papo que a envolvia devia ser alguém encontrado da internet mesmo. Acho que ela sentiu intuitivamente que eu a estava olhando, parou e despediu-se desligando o telefone e foi ao banheiro, esquecendo o computador ligado. rnSutilmente me levantei, teclei, a tela se abriu e descobri que ela estava teclando numa sala de sexo e vendo site pornô. rnVoltei rapidamente para minha cama deixando a porta aberta. Não tive tempo de me cobrir totalmente porque ouvi seus passos, retornando do banheiro para o quarto. Entrou e ficou olhando para mim. rnEu estava deitado, descoberto, e sem dúvida o pau duro a mostra, denunciando o tesão que eu sentia naquele momento. Ela se aproximou da porta de seu quarto olhou para os lados do corredor, vei até a minha e me observou mais de perto. Meu membro pulsou várias vezes e eu me fiz estar dormindo.rnEla olhou sedenta para o meu pau que estava empinado. E com muito cuidado ela tocou meu pau, e neste mesmo momento senti o tremor em sua mão e dedos. Ela estava dominada pelo tesão assim como eu. Provocativamente me movimentei na cama. Ela se assustou, e voltou para sua cama. rnFiquei irado, não era isso que eu queria. Queria que ela notasse meu tesão e tentasse algo para chamar minha atenção. rnMinutos depois, forcei uma pequena tossidinha, e ela respondeu de seu quarto fingindo dormir, soltando um roncado suave do lado de lá. Aguardei alguns minutos, criei coragem e fui a seu quarto. Quando entrava no quarto notei que ela estava se masturbando. Parou imediatamente quando sentiu minha presença. Fui para perto da sua cama, com dificuldade, consegui ver que ela estava semi descoberta, seu short-doll repuxado, deixou-me ver sua calcinha esticada para um lado, quase de fora e sua camiseta levantada quase à altura dos seios. Com cuidado e muito tesão encostei minhas mãos em seus seios, eles estavam furando o tecido da camiseta. Ela sentiu meu contato e seu corpo se movimentou denunciando seu tesão, mas fingiu dormir. rnEra que eu queria. rnApalpei os seios suavemente, curvei meu corpo sobre o dela e beijei os seios. Ela fazia sons de quem roncava e dormia profundamente, eu sabia que era puro fingimento. rnLevantei fichei a porta do quarto e votei para junto dela e fui em frente. Passei a língua nos dois biquinhos que se arrepiaram com o toque da língua e se esticaram todos. Agora, a penumbra não me deixava ver com perfeição, mas eu sentia tudo. rnEnquanto eu sugava e acariciava seus seios, ela lutava para controlar o movimento das pernas que entreabertas deixava exalar o cheiro de mulher no cio. O quarto estava se empreguinado com seu cheiro de sexo. Ela estava ávida para ser penetrada, e eu então... rnSabendo que ela estava assim, deduzi que ela não esboçaria nem uma resistência, eu poderia ser mais ousado que seria bem aceito. Sai de seus seios e fui baixando meus lábios em direção ao seu ventre. Ela quase perdia o controle da respiração e dos movimentos do corpo quando cheguei á seu umbigo e meti minha língua nele, insinuei o que ia acontecer quando eu atingisse sua boceta, ela tentava se controlar e eu fingia que achava que ela realmente dormia.rnDesci com a língua exposta até atingir sua pélvis. Circulei a língua no início da xoxota procurando atingir seus lábios e abri-los com a língua em busca do grelo dela. Seu cheiro estava me matando de tesão. Um aroma gostos e exalante de néctar, característico em todas as mulheres, porem diferente uma da outra e conhecido por todos. rnEncostei meus lábios sobre os lábios de sua bocetinha, sua carne reinou da cabeça aos pés, mas, ela continuou se fingindo dormir. Eu estava adorando aquele joguinho. rnAdoro fazer uma mulher indefesa, muito me excita. E era esta a sensação que eu estava tendo. rnDeixei meu hálito morno sair de encontro a seus lábios vaginais, tive a impressão de que eles se abriram e fecharam sozinhos de tanto prazer, e eu estava sá começando. Queria provocá-la ainda mais, para ver até onde ela fingiria, para sentir mais ainda seu cheiro de, aprendiz de puta, de ninfeta safada e indefesa. rnPassei a língua entre sues lábios, desde seu cuzinho até o grelo, fiz isto umas três vezes, ela levantava, disfarçada e lentamente seu quadril buscando minha língua. rnPrendi com meus lábios um dos lábios vaginais dela e o repuxei-o, fiz o mesmo com o outro. Como uma putinha daquelas conseguia manter tanto controle e fingir dormir?rnAbocanhei e salivei toda a extensão de sua boceta, senti que estava encharcada e inchadinha. rnCom uma das mãos abri a fenda para verificar, ela fez que trocava de posição e abriu mais suas pernas e rosnou ainda se fazendo dormir. Abri bem, deixando escancarada e meti novamente a língua e fiz movimentos de entra e sai. Ela se mexeu toda levantando o quadril procurando enfiar o máximo minha língua, não aguentou e gozou. Continuei com o movimento de entra e sai da língua e ela com leves movimentos de quadril, até acalmar seu corpo safado. Ouvi ela soltar a respiração que havia prendido na hora do gozo, mas eu não iria parar. Queria mais. Iria deixá-la sem forças de tanto gozar.rnEncostei a língua na base de baixo, aparando seu néctar e leando para dentro de minha boca, fiz questão de que ela ouvisse aquele barulho aquoso de seu gozo, sendo consumido por mim. Percorri sua fenda até atingir seu grelinho, ele estava durinho. Toquei de leve com a ponta da língua, deixei escorrer um pouco de saliva e mamei-o com vontade, parecia a cabeça de um pequeno dedo, retirei toda a saliva que havia depositado nele. Seu grelinho que estava tão empinando quanto ela. Seu quadril já não encostava mais na cama, porem ela continuva a se fazer de dorminhoca. Ela não conseguia segurar seus gemidos e soltava-os de forma quase imperceptíveis. Fiquei chupando sua bocetinha, fazendo a lingua deslizar pela fenda toda, e no final massageei com muitos toques, com ponta da língua seu cuzinho. rnEla agora mantinha os olhos cerrado, simulava dormir, que vagabunda mentirosa! Por que não se entrega de vez? Era um jogo. E eu estava adorando. Ela começo a jogar desde a hora que cheguei em sua casa. Aumentei a velocidade do passeio da língua no seu cu e sua fenda da boceta, de repente ela endureceu o corpo todo e gozou sem ligar para os gemidos e as contorções do corpo todo, chegou a amassar e apertar seus peitos e de repente, volta para a posição de sono profundo e estática, uma arada completa, e com a respiração lenta e preguiçosa de quem gozara para valer e não aguentava mais uma. rnContinuei com as mãos acariciando a bocetinha, e fui encostando meu corpo ao dela. Ela estava amolecida, prostrada. Encostei meu pau na fenda e tentei meter. rnEla quase acordou de verdade tamanha, achei que ela não ia me deixar meter nela, me proibir de fazer aquilo que, mas não, ela estava com minta vontade, estava descontrolada, sá não queria deixar que eu soubesse que ela estava acordada. Continuava com o joguinho, mas um jogo muito perigoso. Eu estava sem camisinha, quase nunca uso-as. Sua vontade era de me sentir dentro dela. rnEncostei o pau na fenda. Minha vontade era tanta que, por vezes cheguei a pressionar seu em seu cuzinho errando o local, ela recuou e se posicionou, sem deixar eu notar que ela havia acordado e eu, continuava me fazendo que ela estava dormindo. Como ela estava muito melada com seu suco e da minha saliva, Não foi difícil o Juninho entrar e escorregar de vez para dentro dela, até ele encostar-se em seu útero, deixando boa parte agasalhado dentro dela. Segurei um pouco a penetração para fingir que não queria acordá-la continuando o joguo. Ela voltou a si, e senti seus quadris se mexendo forçando levemente para frente e para traz, aumentando da penetração. Aceitei e deixei que ela se deliciasse com meu membro enterrado em sua boceta. rnrnCom a mão dei umas mexidinhas com o que ficava de fora dela, as vezes tirava até a cabecinha e voltava a agasalhar todo ele dentro dela. Ela quase se descontrolava e perdia o joguinho. rnDava umas contrações na vagina e isso aumentou meu tesão, não aguentei, mordi suas costas na altura do pescoço e me derramei dentro dela, estocando o máxima que ela aguentava. rnDeixei o Juninho enfiado o máximo, ele se contraia para atingi o ponto extremo e ela ainda com as contrações de sua vagina, arfou de satisfação, de quem conseguira o que queria naquele momento. Tirei minha boca de seu pescoço, levei a mão para ver se a tinha ferido, pelo tato, senti as marcas deixadas por meus dentes em torno de seu pescoço. Ela não reagiu e continuou fingir que dormia.rnRecuei meu corpo calmamente, retirei meu pênis de dentro dela, fazia tudo com cuidado para dar-lhe a impressão de que eu não queria acordá-la, levei a mão entre suas pernas para acariciar a xoxota e ver como estava; meti três dedos que deslizaram suavemente para dentro até atingir seu útero, suas pernas e bunda, estavam todas meladas, facilitando meus movimentos. Retirei o liquido que pude de dentro daquele safada e levei para seu orifício anal. Quando encostei os dedos melecados de nossos líquido, ela tremeu e recuou um pouco, como se tivesse levado um pequeno choque, forcei entrada, senti seu cuzinho piscar, não caberiam os três, meti o dedo médio, ela arfou prendendo minha mão com suas pernas e meu dedo com os músculos do anus, esperei alguns segundo para ela se acostumar, forcei mais até enfiar todo meu dedo e sentir tocar seu útero, circulei o dedo ali, ela respondeu com movimentos de quadril seguindo meu dedo. Retirei por completo, meti dois dedos na xoxota, lubrifiquei e levei-os para o cizinho, senti ela levantar a perna e empurrar sua bunda em procura de meus dedos. Ela me ajudava na penetração sempre se fazendo dormir. Quando consegui passar as cabeças dos dedos ela rsnou novamente, como se estivesse se deliciando com a penetração, aproveitei para fazer os movimentos de entra e sai. Iniciei lentamente e fui aumentando o ritmo, ela já participava com a ida e volta de sua grande bunda. Minha mão dois pela pressão de suas pernas que pareciam querer se unirem uma a outra. rnRetirei os dedos dali, fiquei de joelho na cama ao lado dela, e lentamente para não acordá-la, posicionei-a de costas. Meti o Juninho na sua buça para lubrificá-lo, retirei e encostei na portinha do cu dela, vi perfeitamente quando ela arrebitou a bundinha para receber meu caralho no rabo. Posicionei-me entre suas pernas a fim de deixá-la o mais aberta possível e facilitar a penetração, quando a cabeçorra quebrou a resistência do cuzinho, senti a pressão que ele fez em meu cassete. Iniciei a cápula e iniciei uma lenta introdução, queria sentir todo o prazer que aquele cu poderia me dar. Apesar da escuridão via perfeitamente aquele rabo recebendo meu pau. Vencida toda a resistência, notei que ela estava quase de quatro para me receber, vi que meu caralho estava todo enterrado naquele saboroso rabo, paro para observar melhor e vejo ela movendo lentamente seu rabo de encontro a meu caralho. Ela na consguia desfarçar a sençação gostosa que estava sentindo e começos a soltar pequenos gemidos initerrupito, não aguentei ouvir e pela primeira vez falei baixinho, para continuar com o jogo e ela achar que eu não queria acordá-la; vou gozar no rabo desta puta! Vou deixar o cu dela cheio de espermas, em seguida gozei despejando-me dentro dela, ela aumentou seu ritmo e também chegou seu gozo, sussurrando baixinho pela primeira vez como se estivesse em sonho: Aiiii, Que gostoso.rnDescansei alguns minutos em cima dela, levantei-me para voltar a meu quarto, Ela teimava em se fazer dormir e eu em lhe fazer pensar que achava que ela dormia. Como forma de agradecimento pelo prazer que eu tivera, Apertei um bico dos seios e forcei minha língua em sua boca, vencendo a pouca resistência em seus lábios e introduzindo o máximo, senti uma leve chapadinha como resposta. Passei a mão por seus sexos e constatei que a porra escorria, misturado ao liquido daquele projeto de puta safada, ela soltou o ar dos pulmões em uma leve respiração e ar de satisfeita.rn rnDia seguinte, peguei a estrada e nunca mais voltei para ver aquele gostoso projeto de cadela safada.rnrnIsto é pura ficção, cheguei a ele por experiências vividas e imaginadas. Minhas desculpas pelos erros e discordâncias, pois este é minha primeira escrita de algo não acontecido. rnAgradecimentos:rnAgradeço a Anjinhamalvada, uma de meus contatos e que me expirou para que este conto fosse [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto de casada fudendo com outroContos eroticos c imagens v puta de meu sogro e do cunhadocontos Minha esposa rabuda provocando de shortinho contos swingtanguinha suja contos eroticosninfetas com vestidos beijando peitoral dos travestiscomo fica a bucetaalargada com garrafa?Contos titia iniciando meu sobrinho novinhocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosContos eroticos gays cuecasAi tira tira, aguenta sua cadela so vou parar quando eu quiser e quando eu tiver satisfeito piranhaeróticos ah ah aaaah chupa a minha bucetinha vai ah deliciame fode com esse pintãona viajem de trabalho a mulher transa com o chefe e gostou contofotos de mulhris de busetas aregaladasmeu sobrinho mamou meu pau contos gaygay doido por rola ..Quando ver uma ao delíriocontos eróticos CCBconto fui abusado pelo tio da van gayfoto dabundona da tiaconto sapequei coroa crenteConto erótico filha putinhacontos tia gostosaa ai delicia ai vai vaicontos eroticos comendo o preciosorola de meu pai conto gaymulher tranzndo com ponei realcontos... me atrasei para casar pois estava sendo arregaçada por carios negoescontos eroticos um menino ou um homemconto de encesto sou filho unico meus pais viajarom e eu fui com elesamigo hetero contoassisti vídeo porno de mulher de chortinho curto depano fino ela dentro de casaContis eriticos fudendo e mamandi gostoso na vizinhaMenina Má tava dormindo sem calcinha eu penetrei meu pau na b***** delaprofessor comendo minha esposa mulata no motelconto com sete anos dei gostoso pro meu tio caralhudocontoseroticos as 2 filhas daminha visinha vierao brincar com minha filhinha wuen brincou foi eucontos eroticos da esposa greluda e o ginecologista velhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos eroticos corno panacacontos de zoofilia com antacontos eroticos filho da minha vizinha amante maravilhosotira a roupa vadia q vou te comer sua buceta gostosaContos vovó no banhodei para o comedor do bairro filhos contoencoxadas nos blocos do carnaval contoscontos picante com sogrocontos eróticos gays irmãosamigo hetero contoescanxa na picacontos eroticos botei um macho pra desvirginar minha filha maeContos esposa santinhacontos relatos sexuais primeira vez da filhaxvideo pornozinho inpinadinha onlinehomem comeno a espoza de pois asogracontos eroticos meu amante arrombava eu e minha filha e meu marido descubriuconto erotico fui no pagode e comi um travestiTudo q uma puta deve fazer na camaCasa dos contos eroticos gay amarrade e emrabado por quatro amigos taradoscontos massagem na tiacontos eroticos negaoContos eroticos gay primeira vez traumaticacontos amigo dorme em casa esposatirei a zorba vesti uma calcinha fui bater uma punheta olhando minha bundaconto erotico encoxando e estuprandoa velhacontos eroticos testemunha de jeovameu pai tem ciumes de mim contos eroticosEliana: é meu vizinho que quer comer meu cucontos sou bem fudidaconto minha esposa rabuda deu pra familia todo na salacontos eroticos homem casado fudendo sem do o cuzinho da prima magrinhaporno gay cara com video game no rosto e o outro chega fode logoCasada Amigo do meu filho sexo contosconto erotico corno pede a funcionario comer sua esposameu sobrinho pausudo comeu minha filha. conto eróticoscontos eróticos a aposta da esposasexo porno meninas branca fundedo com mendigos