Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AMIGA DO TRABALHO 1

Tenho 34 anos e vou contar uma aventura que estou tendo com uma amiga do trabalho.rnRosane é o que se pode dizer de uma mulher fiel, com seus princípios religiosos, madura, amiga, bem humorada e acima de tudo muito gostosinha.rnCasou há pouco mais de 2 ano, apás um longo namoro. Seu marido até então desconhecido, a não ser por poucas ocasiões de encontros esporádicos, nunca me pareceu alguém capaz de conduzir aquela delicia de mulher ao altar, mas conseguiu.rnTrabalhamos há cerca de 6 anos juntos, sempre tive uma queda por ela e apesar das insinuações e até mesmo de algumas provocações, ela sempre se esquivava no final e disfarçava levando tudo na brincadeira.rnEla é magrinha, pequena, com seios grandes, o que chama muito a atenção dos homens, que são loucos para apertar e chupá-los. Tem uma bundinha pequena, porém de salto ficar super arrebitada, pele branquinha, cabelo castanho claro até a altura dos ombros e um belo sorriso.rnHá exatos 4 anos que eu dou em cima dela, sem obter sucesso algum. Somente fico nas provocações e insinuações e logo ela fala do marido, da vida de casada, de religião o que acaba broxando.rnPorém há cerca de 4 meses atrás, pela primeira vez nesses anos, surgiu o convite para que eu fosse ao seu aniversário. Na sexta-feira fomos em grupo, com o pessoal do trabalho, para um barzinho e ficamos bebendo e jogando conversa fora. Nada pude fazer ali, mas como é caminho para a minha casa ofereci uma carona e ela aceitou como já havia feito inúmeras vezes.rnEm frente ao seu prédio nos despedimos, senti o beijo dela em meu rosto mais demorado, como se quisesse ficar ali mais tempo e logo em seguida ela me perguntou, quero você aqui amanhã para comemorar a minha festinha, você vem não vem?rnEu confirmei que iria sem falta e ela saiu do carro.rnJá estava de pau duro, louco por uma mamada.rnCheguei em casa e parti pra cima da minha mulher, imaginando estar com a delicia da Rosane. rnNo dia seguinte, apás uma leve discussão com minha mulher, ela decidiu não ir ao aniversário, por achar que não tinha roupa decente e por eu ter avisado muito em cima ? na quinta-feira. rnNem liguei, falei que ia sozinho então e ela não reclamou. Ao menos ela tem isso de bom.rnNão sei se faz isso por pura confiança em mim, ou porque já está de saco cheio mesmo e está dando pra alguém, mas isso não vem ao caso. KkkrnCheguei por volta das oito e vinte da noite e já havia algumas pessoas. Logo percebi que não era bem uma festinha, mas sim uma pequena reunião de amigos. Dei uma desculpa qualquer pra Elisa não ter ido e ninguém falou nada.rnLogo o marido dela apareceu e fez questão de me apresentar a todos, sendo muito gentil e amigo, até estranhei, por me conhecer muito pouco.rnAos poucos foram chegando mais pessoas e familiares. Percebi então que a única pessoa do trabalho ali era eu. Quis perguntar se alguém mais iria, mas fiquei na minha, acreditando que seria deselegante expor algo do tipo.rnPor volta das onze, quase todos já tinham ido embora e eu decidi ir também. Foi quando a Rosane me pegou pela mão e disse; você não. Fica quieto ai que ainda tem muita bebida e você não vai trabalhar amanhã.rnOk. Fiquei sentado na varanda, conversando com um primo dela que por estar com um bebê foi embora cinco minutos depois. Ali da varanda não percebi quem ainda estava no apartamento, mas quando levantei para ir ao banheiro, senti uma leve tontura e percebi que o último casal estava indo embora.rnOlhei no relágio e já era onze e vinte. Fui ao banheiro e quando retornei a sala disse que ia embora. Sá estava o Fernando ali, a Rosane não estava.rnEle disse que não, que eles não estavam com sono e que era para eu ficar mais. Mesmo assim falei que ia embora, por causa da hora e tal, daí ele falou, espera então que vou falar com a Rosane.rnVoltei pra varanda e fiquei olhando a paisagem, quando um tempinho depois, ouvi a Rosane falar, quem é que vai embora aqui?rnQuando me virei, ela havia trocado de roupa e estava com um vestidinho branco, bem soltinho o que a deixava com aparência de bonequinha.rnEla estava no banheiro do quarto do casal tomando banho e pude sentir aquele perfume delicioso que sinto todos os dias, quando chego perto dela.rnLogo atrás veio o Fernando com uma garrafa de vinho aberta, que ela adora tomar, por sinal. rnEle me entregou uma taça e voltamos a bater papo sobre tudo, trabalho, vida de casado, etc.rnFernando então falou pra gente sentar na sala, pois conversando na varanda, poderíamos perturbar os vizinhos.rnEstranhei o fato de ele ligar o ar-condicionado e fechar as portas e a cortina da varanda. Mas pelo papo e pelo vinho fomos conversando.rnPedi licença e fui novamente ao banheiro, pois estava ficando de pau duro ao ver o belo contorno dos seios da Rosane pela lateral do seu vestido. Quando voltei o Fernando não estava na sala e a Rosane estava em pé na cozinha.rnSentei em uma cadeira e ela passou por detrás de mim, para pegar algo na geladeira. Nisso ela se virou colocando as mãos em meus ombros e perguntando se estava acontecendo alguma coisa, pois eu estava muito quieto e não costumo ser assim.rnEu ri e disse a ela que estava tudo bem, que o momento estava sendo maravilhoso. Perguntei pelo Fernando e ela falou que ele havia ido tomar um banho e começou a apertar os meus ombros de leve, meio que fazendo uma massagem.rnEla perguntou se estava bom, podia sentir as suas mãos geladas e meio trêmulas. Eu disse que estava maravilhoso, mas ela teria que parar senão o marido dela podia ver.rnEla então me chamou para a sala e pediu para eu sentar na poltroninha que ficava de lado e assim eu sá conseguia ver a varanda e mais nada atrás de mim.rnContinuou a massagear e o meu pau estava totalmente duro. Ela então me perguntou se eu tinha hora pra chegar em casa e se não teria algum problema se eu chegasse bem tarde. Perguntei o quanto ela considerava tarde, já que era quase meia noite.rnEla disse que o tarde sá dependia de mim.rnLevantei a cabeça olhando pra trás e ela me deu um leve beijo na testa. Ai comentou, nossa, acho que estou ficando bêbada.rnEu ri e falei pra ela que achava lindo ela bêbada.rnEla então falou que apesar do aniversário ser dela, ela queria me dar um presente. Um presente pela nossa longa e gostosa amizade.rnSem entender muito bem, ela me pediu um minutinho e saiu. Eu estava super excitado, mas não acreditava que fosse rolar alguma coisa, não ali, não com o marido dela em casa.rnMenos de um minuto depois ela voltou e perguntou se eu queria ou não o presente. Disse a ela que dependia do que era e ela disse que eu iria gostar.rnPediu que eu fechasse os olhos e eu sem conseguir ver nada atrás de mim obedeci. Suas mãos que estavam em meus ombros desapareceram.rnLogo depois senti a sua mão pegando na minha pedindo para eu levantar. Eu já não conseguia mais controlar e com certeza de pé, meu pau estava aparecendo super duro pela calça.rnEla foi me conduzindo devagar e eu pude perceber que estávamos indo pra frente. Ela me sentou novamente e percebi que era no sofá e logo depois ela sentou em meu colo.rnNossa, a excitação era máxima. Levei minhas mãos diretamente a sua bunda apertando e forçando ela contra o meu corpo.rnSenti ela começando a me beijar, bem de leve passava a língua pela minha boca, meu rosto. Senti que ela tirou o vestido e abri os olhos. Ela então mandou voltar a fechá-los, pois fazia parte do presente.rnSenti a minha camisa ser tirada, minhas mãos percorriam o seu corpo, que agora sá vestia uma calcinha. Pegou minhas mãos e levou até seus seios. Nossa, meu pau quase explodiu nessa hora. Ela veio em meu ouvido e sussurrou, sinta eles, pois eu sei que você os come com os olhos.rnE realmente são demais. Duros, firmes, cheios, pele lisinha, passei a chupá-los igual um bebe. Nem sei quanto tempo fiquei ali, sá sei que ela gemia baixinho, dizendo que era maravilhoso tudo aquilo, perguntando se eu estava gostando do presente.rnFoi então que ela levantou e pediu que abrisse os olhos. Ela estava de pé apenas com uma calcinha amarela, bem pequena. Ela então sorriu e falou que este era o outro presente. Ela falou, lembra que uma vez você me disse que adorava mulher de calcinha amarela? Eu falei que sim, mas não lembrava. Mas realmente eu adoro mulher de calcinha amarela, azul ou branquinha.rnFalei que ela estava linda. Pude enfim vislumbrar aqueles seios grandes, perfeitos, a poucos centímetros de mim. Foi quando me dei conta do marido dela e fiz menção de levantar.rnEla falou para eu sentar e eu perguntei pelo marido dela. Ela falou pra eu relaxar, que apesar de tudo, eles descobriram que isso era o que sempre quiseram realizar. E que não era para eu me preocupar, pois ele queria muito que isso acontecesse e com certeza ele estava vendo e adorando.rnTentei olhar, mas ela disse para não procurar por ele, pois ele não queria que eu o visse e ela queria apenas curtir o momento, como se estivéssemos a sás.rnPedi então que ela se virasse e pude ver a sua bundinha com a calcinha toda enterradinha. Comecei a passar as mãos e a beijar, ela então se curvou pra frente e pude enfiar minha cara no meio da sua bunda, enfiando a língua em sua bucetinha e seu cuzinho. rnSempre fui louco pra comer o cuzinho dela, pois imaginava com seria gostoso meter nela com os peitões balançando e a carinha dela de mulher feliz e casada gemendo gostoso.rnPodia sentir o calor e o quanto a bucetinha dela estava encharcada. Ela gemia e forçava seu corpo pra trás, como se quisesse que eu enfiasse ainda mais a cara ali.rnEla então levantou, me colocou acomodado no sofá e tirou minhas calças de uma sá vez, com a cueca e tudo. Meu pau totalmente em pé ficou a poucos centímetros do seu rosto e ela o abocanhou.rnFalou que estava louca por aquilo fazia tempo. Seu marido fantasiava isso e eu aquela altura nem queria mais saber se ele olhava ou não.rnEla mamou muito, as vezes sentia até um pouco de dor, pois ela esfregava os dentes tentando engolir tudo. Me punhetava e mamava muito gostoso e eu não via a hora de gozar na sua boca.rnEla então se levantou, afastou a calcinha e perguntou se podia confiar em mim. Eu disse que podia confiar sempre. Ela então foi sentando no meu pau sem camisinha mesmo.rnMeu pau entrou super apertado, apesar dela estar totalmente molhada, o que me fez pensar que o pau do marido dela deveria ser menor. Senti meu pau rasgando ela e ela gemia agora sem pudor algum.rnPulava cada vez mais rápido no meu pau, hora subindo e descendo, hora enterrando tudo e mexendo pra frente e pra trás.rnEu sugava seus seios, apertava, puxava seu cabelo, apertava sua bunda. Parecíamos dois famintos por sexo, ali em pleno sofá, metendo como dois namorados, sem se importar com o marido.rnEstava prestes a gozar, quando ela segurou as minhas mãos e gemendo mais alto e se esfregando com mais força em mim, falou que ia gozar. Deitou a cabeça no meu ombro e ficou ali ronronando e gemendo baixinho.rnFiz com que ela se levantasse, ficamos nos esfregando de pé, virei-a de costas e fiquei roçando o pau no meio das suas pernas. Ela empurrava a bundinha pra trás e fazia meu pau deslizar no meio dela.rnTirei a calcinha dela e a posicionei de 4 no sofá e fui metendo novamente. Delicia demais. A bunda pequena, marquinha de biquíni bem leve, fui segurando pela cintura e fui empurrando o pau pra dentro.rnComecei devagar e ela agarrada ao sofá gemia gostoso.rnPercebi de relance o Fernando olhando, mas não pude ver exatamente o que ele fazia. Sá sei q ele estava sentado no chão, um pouco mais atrás da gente, quase no corredor.rnAcelerei os movimentos e era demais ver aqueles fartos seios balançando. Agarrei com as duas mãos e passei a socar o pau com mais força. Estava louco pra gozar e dei uma parada.rnDepois voltei a empurrar novamente, segurando em seus cabelos, enfiando os dedos na sua boca, agarrando seus seios. Não sabia o que fazer, estava totalmente descontrolado de tesão. Era algo que sempre sonhei em fazer e agora estava ali. Delicia de mulher, toda branquinha, bucetinha rosinha, molhada, toda lisinha, fodendo gostoso comigo.rnFiz com que ela deitasse no sofá de bruços, empinei a bundinha dela e passei a meter nela deitadinha, mas toda empinada.rnColoquei uma almofada por baixo dela, para que pudesse ficar mais alta e passei a puxar a sua cintura pra cima e pra baixo escorregando fácil no meu pau.rnFiquei assim por uns 7 minutos até que não aguentei mais e falei q ia gozar. Tirei meu pau pra fora e pedi que ela sentasse no chão, pois eu era louco pra gozar nos peitos dela.rnEla mal agachou e já foi saindo vários jatos de porra molhando completamente o seu peito, caindo um pouco no rosto e no sofá. Era a melhor sensação do mundo, ver aquela delícia toda gozada.rnSentei na poltrona, de costas para o marido dela que levantou e foi para o quarto. Ficamos ali uns minutinhos, rindo do que fizemos, nos roçando e beijando, mão naquilo, aquilo na mão.rnEla pediu para eu esperar um segundo e saiu da sala.rnNo práximo continuo o que mais está acontecendo.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


treepei na pica de meu avôzinhohome dar cu usano calcianhaMeu Primo Me Decabaçou Sou Gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentehistoria dos k fizeram zoofila pela primeira vezContos rebolo na cacetepaguei p come o cu da minha esposa contocontos eróticos família vavela minha mãe comigo no banheirocontos erotcos sonhos compapaisexo oline depiladora não aguentaou ver o cliente de pau duro e caiu de bocaconto erotico. sobrinha mulatinhacontos eroticos comendo uma carcereiracontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de sexo anal bissexual com mulheres gordas comendo marcomendo a mulher em frente ao marido contocontos esposa estuprada e arrombadaminha esposa de shortinho na obracontos de estupro pelo caseirocontos eróticosperdendo as pregas do cuzinhocontos eróticos e fetiches paguei boquete no meu irmãocontos virei a cachorrinha do meu amigoninfeta chupa buceta e cospe a goza com nojocontos eróticos abusadacontos incestos eu comi minha vovósexo conto putariaarrombando a enteada contos eroticosContos eroticos tente fujir 28cmver rapasea novos grizalhos pelados de pau duronifeta cor de jambo no vidio mobilicontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto. a sugadora de. porrameio das pernas uma pica dava inveja grossura esposacontos eroticos ninfeta aventureiramulher caucinha tirando xoti para fudecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteme larga lençou bom diaminha cunhadinha e virgens peguei a forcacontos eróticos gay e casais rjContos pornos-estuprei minha avóeu minha mulher e meu sogro contoscontos eroticos velha assanhadacontos eroticos filha novinha da empregadaconto commeusirmãosvoyeur de esposa conto eroticofudeno com duas gostoda e cozamo na caraconto fiz sexo oral em padrecontos excitantesconto erotico casada trai com cunhado oContos de incesto de meninas de 14 aninhos em Belém do Paráconto erodico gay usando ropa de menina curtinha com o mendigocontos eroticos velha assanhadaos contos de sexo maois filias safamdastias coroas em festa despedida de solteiraComtos empregados fodemdo a mulher do patraoa loira e o cavalo contosocando a rola no cu da mulher gostosa sem dó boa noiteContos eroticos cofrinho esconde escondecontos eroticos com fotos mulher casada traindo corno gozada empresario chefeenteada é chantageada pelo padrastocontos eróticos lanchaeu estava raspada contos de esposa acanhadacontos erotico de cdzinha fudendo em copacabana em festa de fim de anoContos eroticos interraciais no escritoroscontoseroticoscabacinhozoofilia a chapeuzinho vermelhoencaixando na buceta meladacontos erotivos mamar no pau infanviaincesto meu sobrinho contos eroticoGabi comendo a égua no ciocontos quis dar pra um travesticonto erotico me fuderam no estádio otadoconto esposa na orgia do carnaval