Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

FAZENDO HORAS EXTRAS

Fazendo horas extrasrnNuma das oportunidades que passei, foi quando tiver quernatender um cliente, para execução de um serviço.rnDevido ao pouco tempo disponível para o serviço, foi agendado para o fimrnda madrugada.rnAo chegar na empresa, agilizava o serviço, para poder terminá-lo dento dornhorário disponível, em que eu fui ao banheiro, escuto uns comentários quernum tal de carioca, tinha uma rola monstruosa, que não havia ninguém que arnsuportasse na boa, as mulheres da empresa que tiveram a ousadia derntentar, ficaram com a buceta dilacerada, e um deles disse e alguma járntentou dar o cu pra ele, o cara riu e disse, cara se a buceta arregaçarnimagina o que acontece, com o coitado do cu.rnSai do banheiro, e voltei a trabalhar, e fiquei na curiosidade de saber quernera o tal carioca.rnTerminado a hora disponível fui me trocar no banheiro, e novamente ouçornnovo comentário sobre o carioca, desta vez um carinha que disse ter visto ornpau do carioca:rnCara o pau do carioca mesmo mole é enorme, da até medo de pensar se elernquiser comer um cu, coitado do cu, vai arrebentar todo.rnUma mulher pra dar pro cara tem que ser louca ou ter raiva da buceta, poisrné um monstro.rnFui embora, mas aquilo não saia da minha cabeça, peguei o ônibus e merndirigia ao bolsão onde deixei meu carro, e como estava muito cheio, umrncara acabou esbarrando em minha bunda, que ao me virar e olhar vi quernera um tremendo gato. Sorri e fiquei na minha.rnDepois com a proximidade do ponto final, o ônibus acabou esvaziando e mernsentei, pois estava com sono, e o rapaz do esbarrão passou e se sentourncomigo. E puxou conversa conversávamos e quando estávamos sás e semrnninguém por perto elogiou a minha bunda, dizendo que eu era muitorngostoso, agradeci os elogios e lhe disse que estava muito cansado, poisrnestava trabalhando durante a madrugada, ele me convidou para dormir narnsua casa, pois no outro dia já estaria mais perto do trabalho.rnAgradeci, e lhe disse se poderia deixar para o dia seguinte, pois estava semrnminhas coisas, e assim ficaria mais a vontade.rnEle concordou, e ficou combinado para almoçarmos juntos, perto do meurntrabalho, para seguirmos a sua casa.rnNos despedimos com beijo rápido, e trocamos telefone, cheguei em casa erntive que bater uma pois meu tesão estava no auge, uma tara medonha porrnconhecer o carioca, e pela expectativa de transar com o Luiz, que acabararnde conhecer no ônibus. Minha gozada foi tão intensa que acabei atingindornmeu rosto e lambi minha prápria porra, que por sinal foi maravilhoso, e meurnpau não baixava, botei um DVD para assistir, e aproveitar para aliviar esterntesão, pois estava muito duro.rnEstava numa cena do filme, onde um rapaz levava rola na posição de frangornassado, que é a minha favorita, e um rapaz moreno, pincelava e empurravarna cabeça do pau, depois voltava a pincelar e empurrar, ficando assim umrnbom tempo, e quando estava para gozar, pincelou até que veio a porra ernespalhou pelo rego, nisso eu acabei gozando junto, não satisfeito ainda, narnsena seguinte um belo negro estava socando seu pau no cu deste mesmornrapaz e arrancava gemidos do rapaz, e gozamos juntos novamente.rnEstava assistindo os bastidores do filme quando meu celular tocou, era ornLuiz, me dizendo que estava com tanto tesão que não via a hora de chegarrnnosso encontro, a como batia uma leve punheta, disse que estava comrntanto tesão quanto ele e que acabara de gozar, pensando nele também, ernnisso Luiz começa a gemer do outro lado da linha, gozando.rnFiquei muito satisfeito, por despertar tamanho tesão em Luiz, e nosrndespedimos, para nos vermos no dia seguinte.rnNa madrugada, preparei minhas coisas, como lingerie, camisinhas, gel, ernloção corporal, coloquei no porta malas do carro e me dirigi até a empresarnpara trabalhar, cheguei por volta das 4:30hs da manhã, e iniciei osrntrabalhos, por volta das 8:00 hs, fui tomar um café e me deparei com umrnbelo moreno, apenas nos cumprimentamos com um simples bom dia.rnNo café volto a ouvir o assunto do carioca entre as meninas, dizendo quernuma fulana, se rendeu aos encantos do carioca, e que tinha faltado nornserviço, pois não dava nem pra sentar de tamanho foi o estrago da suarnbuceta, e aproveito me aproximo a outras meninas que não estavam nornanterior e pergunto qual o setor que o carioca trabalha, para tentar mernaproximar e descobrir que era o tal carioca.rnFiquei sabendo que trabalhava no setor ao lado do qual eu trabalhava, ernentão resolvi aproveitar o intervalo do café e tentar descobrir, quem era.rnMas ao voltar fui informado que não poderia continuar o serviço naquelerndia, pois os equipamentos seriam usados, e deveria continuar no diarnseguinte.rnResolvi então procurar ligar para o Luiz, e avisar que estava livre, e deixei ornassunto carioca para o dia seguinte.rnLuiz marcou de nos encontrar num shopping ali perto, então preparei tudo ernfui ao seu encontro.rnAo chegar logo avistei Luiz, e ele me disse para deixar meu carro nornestacionamento de um prédio ao lado do shopping que era onde moravarnsua mãe, e seguimos em seu carro para seu apartamento, logo no carrornLuiz, já alisava minhas pernas e pude perceber que seu pau estava muitornduro, pois estava saliente, e deu pra perceber que daria um bom trabalhorndevido as possíveis dimensões. Tentei pegar em seu pau mas Luiz me pediurnpara esperar chegar em seu apartamento, isso sá aumentava a minharnansiedade e o meu tesão.rnChegamos em edifício luxuoso, e logo fui apresentado ao porteiro comornsendo primo de Luiz, e que poderia ter livre acesso ao prédio.rnSubindo alguns andares, chegamos ao hall onde havia 4 apartamentosrnapenas, e entramos, o apartamento era muito grande, sem luxo aparente,rnmas muito bem decorado, rico em detalhes, diria sofisticado, lhe pergunteirnquem fizera a decoração, e ele me disse que fora um amigo, designer, lherndisse que estava de parabéns, Luiz me colocou em um dos quartos que erarnuma suíte também, e disse para ficar a vontade, que ele iria tomar umrnbanho e colocar algo mais fresco.rnEntrei fechei a porta e desfiz minhas coisas, guardando tudo em seu devidornlugar e tirei toda a minha roupa e fui tomar banho.rnAo entrar no banho, fiquei admirando o banheiro da suíte, era maravilhoso,rntinha banheira, ducha circular, ducha intima, tudo que uma mulher gosta,rnum ambiente suave e aconchegante.rnFiz uma bela higiene intima, e fui para o banho, estava me lavando e sentirnum vento frio, mas não me importei, pois, pensava que estava sá, e mernlava, quando virei me deparei com Luiz num canto me vendo tomar banho,rnnão sei porque, mas fiquei com vergonha, e senti o rosto pegar fogo, Luiz riurne disse:rnMeu amor não se incomode, você é linda e estava admirando sua beleza.rnEntão saiu, e disse que estava me esperando na sala de jantar.rnPassei loção corporal, coloquei uma tanguinha rosa de renda, e umrnshortdoll. Passei colônia, e estava pronta.rnCheguei na sala e Luiz ficou boquiaberto quando me viu, e exclamou nãornacredito que você está aqui e tão linda.rnVenha vamos fazer um lanche, então Luiz se levantou, afastou a cadeirarnpara que eu pudesse sentar, como um cavaleiro que é.rnTomamos um lanche e então me pegando pela mão Luiz, me levou a portarnda saída do apartamento e disse vamos para nosso ninho de amor, acheirnestranho e perguntei se iríamos sair comigo daquele jeito, e ele riu dizendo,rnnão meu amor nosso ninho é no apartamento ao lado.rnEntão abriu a porta e entramos no apartamento enfrente, ao entrar, nãornpode acreditar era um luxo sá, todo revestido de mármore, cristais, fiqueirnabismado mesmo.rnVendo-me maravilhada daquele jeito, me abraçou por traz e senti seu tesão,rntinha uma musica ambiente, muito romântica, e seu pau foi crescendo emrncontato com meu rego.rnAquilo me desligava de seu pau, pois o ambiente era fabuloso, então Luizrnme virou, e me beijou ai seu pau forçou contra meu ventre e senti quernestava bem duro, fui abaixando a mão para pegar no seu pau e ele mernpediu calma e não deixou pegar ainda, e me beijando, meu tesão estava arnmil.rnLuiz me pegou pela mão e fomos a suíte, que sá podia ser maravilhosarnmesmo, uma cama extra enorme, e com espelhos por todo lado, luzesrnfocando a cama, e tudo para uma boa transa ao lado da cama, gel,rncamisinha, áleo, e um pequeno vibrador em formato de cápsula.rnLuiz me deitou na cama e começou me beijando, descendo e me despindo,rndeixando apenas de tanguinha, a qual estava ensopada, depois me virou dernbruços, e subindo pela minha coluna, chegou a minha nuca e sobrepondornseu corpo ao meu, sentia algo muito duro no meu rego.rnLuiz disse para sentar a beira da cama e fechar meus olhos, enquanto serndespia, se posicionou entre minhas pernas, e pediu para por a língua prarnfora e manter os olhos fechados, e assim pincelava a cabeça do pau narnminha língua. Eu mantinha os olhos fechados a pesar da curiosidade, masrnas fantasias me dão um tesão fabuloso.rnNessa brincadeira, Luiz disse abra bem a boca e depois que eu colocar ornmeu pau na sua boca, você pode abrir os olhos.rnSenti algo muito grosso encher a minha boca e travar, ai abri os olhos, e nãornme contive, me afastei e tive que comentar.rnLuiz que pau enorme, por isso você não me deixou pegar seu pau!!rnEle me disse que muitas das vezes que tentou se aproximar de alguém, elesrndesistiam, apás ver seu pau, e ele achou que poderia acontecer comigorntambém.rnRespondi, que topava o desafio, pois ficara sabendo que tinha um cara narnempresa onde trabalhava, que segundo os comentários era monstruoso orntamanho do pau, e eu estava curioso para ver.rnO pau de Luiz, deu uma leve baixa, mas peguei o danado e botei na boca,rnchupei um pouco e já pegou forças, não entrava muito na minha boca e ornpouco que entrava, já dava para fazer Luiz gemer, e seu gozo veio logo ernmuito farto, engoli o que consegui e depois limpei seu pau, e o pouco querncaiu sobre meu peito, levei a minha boca.rnLuiz me agradeceu a chupeta e pensou que seria sá, mas lhe beijei, alisandornseu pau, passei uma grande quantidade de gel em seu pau, fazendo umarnmassagem muito vigorosa, e depois lubrifiquei meu rego, e o posicionei, narnentrada de meu cú. Luiz estava muito eufárico, e com todo o cuidado dornmundo, pincelava o pau na minha entrada, O que me levava a loucura, vezrnpor outra ele forçava a entrada, meu cú piscava alucinadamente, e Luizrngemia de tesão, como estava numa posição não muito favorável, sugeri quernmudássemos, e assim fizemos deitei na cama de lado e Luiz, se posicionournatrás e ficou com seu pau na minha bunda, deslizava e quando acertou ornolho do meu cú trançou sua perna a minha e forçou a entrada, parte darncabeça entrou e doeu muito, Luiz se afastou mas puxei de volta, falei pararnele forçar e para eu me acostumar, e assim foi até que a cabeça do paurnpulou pra dentro, a dor foi insuportável, que num pulo ela escapou, ardeurnmuito, e precisávamos dar um tempo. Meu cú nem fechava direito, Luiz,rndisse que se quisesse ele pararia, e eu respondi. Você ta louco, quero essernpau no meu cú hoje, e vai ser daqui a pouco. Peguei o frasco de gel ernacariciava seu pau, e percebi que Luiz estava preste a gozar, assim faleirnpara ele que lubrificasse meu cú, e apás ele gozar, seu pau ficaria meiarnbomba e ele meteria em meu cú, e depois agente via o que aconteceria.rnAssim fizemos Luiz acariciava meu cú e eu massageava seu pau, quandornanunciou seu gozo, Luiz afundou três dedos no meu cú e apertando com osrnlábios a cabeça de seu pau, chupei toda sua porra, limpei bem a chapeleta,rne lubrifiquei meu cú e uma generosa quantidade de gel, peguei seu pau arnmeia bomba, o lubrifiquei e sentei em cima, seu pau entrou até o talo, ernlogo em seguida começou a endurecer aquilo fazia uma pressão enormerndentro do meu reto que me fez gozar e muito, Depois de algum tempo mernsentia todo preenchido, e eram difíceis os movimentos, então eu ficavarnmordiscando com meu cú o seu pau, e seus pelos faziam cácegas em meurnrego, passei a mão em seu saco e via que entrara totalmente e as pregas?rnBom às pregas já não existia mais, pois estava tão esticado que até ardia arnminha pele. Luiz disse que nunca sentiu um prazer tão grande em ter seurnpau pressionado daquela forma, confessara que era a primeira vez querntinha seu pau totalmente dentro de um cú. Ele me perguntou de onde veio arntécnica de sentar em um pau meia bomba, eu ri e disse que foi obra dornpassado e muito tesão.rnLuiz me avisara que estava para gozar, mas que pela excitação ambosrnesquecemos da camisinha, e eu lhe perguntei como estava sua saúde, e elernrespondeu melhor impossível, então lhe contei que podia confiar, poisrnacabara de fazer exames e estava tudo bem também ensaiava algunsrnmovimentos e era desconfortável, mas foi devagar, e sempre.rnDepois de uns 20 minutos entalado com seu pau no meu cú sentia elerninchar e crescer, pois sua chapeleta dentro de meu reto fazia uma pressãornenorme, era o precejo de seu gozo.rnLuiz ia se mexendo como podia, pois estava sentado na cama e eu em seurnpau, tentei levantar e sentar, mas ao levantar seu pau saiu um pouco e nãornentrava mais, então comecei a rebolar e prender seu pau com meu cú,rnquando Luiz estava para gozar ele pois as mãos em meus ombros, e nornmomento de seu gozo, apás o primeiro jato me puxou de encontro ao seurnsaco e seu pau entrou totalmente, e meu pau chicoteou e voou porra prarntodo lado.rnDevido a pressão que meu cú fazia em sua base, seu pau não amolecia, erndemorou bem uma meia hora até conseguir tirar seu pau de dentro de mim,rne saiu com tanta pressão, que alem de fazer o tradicional barulho de rolha,rnainda saiu muita porra.rnLuiz me beijou demoradamente, e caímos num sono profundo, voltei arnacordar já eram dez da noite, sem fazer barulho fui tomar um banho, mernlavando percebi que meu cú estava ainda bem aberto, e decidi que tentariarnum frango assado antes de sair para o trabalho.rnEntão programei meu celular para despertar e dormi abraçado ao Luiz.rnAo despertar, acordei e peguei o tubo de gel, encaixei na entrada do meu cúrne mandei quase todo o gel pra dentro, e depois acordei Luiz e disse, vemrnme coma antes de sair pro trabalho como um bom marido, que fode arnmulher que sai pra trabalhar, e não ter tesão no serviço, estava de frangornassado e passei gel no pau de Luiz e antes de atingir total ereção, pus narnentrada de meu cú e mandei ele socar fundo.rnEntrou tudo e seu pau estava bem acomodado no meu intimo, que o vai ernvem foi magistral, ficamos assim uns vinte minutos, e quando estava pararngozar, Luiz intensificou os movimentos, e acabamos gozando juntos.rnFomos para o banho juntos e no café ele me pediu para ficar e deixar orntrabalho para o dia seguinte, pois estava chovendo muito, e alem do maisrnera muito perigoso.rnConcordei e voltamos a dormir abraçado.rnContinua...rn<p>rnFazendo horas extras.I<h1>rn<p>Continuando,rnEstava num sono profundo, quando senti um frio nas costas e descendo atérnmeu rego, e virando vi Luiz com seu pau duríssimo, passando sua língua,rnem mim, meu pau endureceu na hora, e como eram 8:00 hs, liguem pararnempresa, para remarcar o serviço, enquanto punhetava Luiz.rnSeu pau muito duro eu chupava e logo gozou, me lambuzando todo, fomosrnpara a cozinha, e colocando um avental apenas, preparei nosso café darnmanhã.rnLuiz, vez por outra me encochava na pia, e no fogão. Estava alucinada, mernsentia uma dona de casa. Tomamos nosso café, e uma ducha rápida,rnvoltamos para o quarto, e Luiz fez questão de lubrificar meu cú, e disse quernseria agora e com a ereção total, pois era assim que tinha de ser.rnPosicionou-me na cama de frango assado, e lubrificou seu pau, encostou arnchapeleta na entrada, e começou a forçar.rnLuiz ia com muito cuidado para não me machucar. A medida que suarnchapeleta avançava ele recuava um pouco, e assim foi eu suava frio, meurnpobre cú resistia firme a invasão, mas doía bastante, quando a chapeletarnentrou uma dor aguda acompanhou, e involuntariamente, eu tranquei meurnanél no exato momento que Luiz, fez um pequeno recuo, e seu pau saiu derndentro de mim. Doía muito. Resolvemos que precisava relaxar e por isso,rnfomos a suíte, e deitamos na banheira sem água mesmo, então tive a idéiarnde pedir para o Luiz, chamar um delivery de farmácia e pedir uma xilocaína,rnpois não podia sair de lá sem receber o seu pau por completo. Luiz achournátima idéia e nos lavamos no banho e fiz uma bela chupeta em Luiz, querngozou fartamente, e consegui engolir tudo sem desperdiçar. Luiz se vestiu ernachou mais rápido ele mesmo ir buscar, do que esperar o delivery, assim sernvestiu e foi, enquanto eu fiquei preparando o almoço para nás. Luiz acabourndemorando um pouco, mas quando chegou estava com uma sacola, comrnvarias coisas dentro e eu lhe perguntei o que eram aquelas coisas.rnLuiz que ao sair da farmácia viu uma sex shop, bem perto e resolveu passarrne matar a curiosidade, uma vez que numa foi até uma e chegando lá, ficournadmirado com a quantidade de produtos para amar.rnAssim, como forma de agradecimento e também para a sua satisfação, merntrouxe alguns presentes. Corremos para o quarto, e sentei a beira da cama,rne enquanto esperava pelos presentes vi que Luiz estava de com seu paurnsuper duro.rnDentre os presentes tinha uma fantasia de enfermeira, acho que sernassemelhava ao trabalho que estava fazendo, uma tanguinha fio dentalrnpreta com detalhes em prata, outra lilás com detalhes de bijuterias, umrnconsolo médio, dois áleos de massagem, e três potes de lubrificante pararnsexo anal, alem da xilocaína que já tinha comprado na farmácia.rnEm agradecimento aos presentes, abri sua calça e puxei seu belo pau prarnfora e fiz uma chupeta até ele gozar na minha boca, bebi quase tudo, poisrnele gozara muito mais desta vez.rnFomos almoçar e fui colocar a fantasia que lê me deu, na suíte, me olhavarnno espelho e o tesão aflorou na pele, e acabei tendo que bater umarnpunheta, pois não estava aguentando, mas peguei a xilocaína e passei nornmeu cú e com o consolo que ele trouxe eu taquei no cú e socavarnviolentamente, até eu gozar, e o prazer foi tanto que a porra espalhou prarntodo lado.rnAo chegar na sala Luiz estava com um filme em DVD, onde um belo machornfodia uma moça bem novinha, e ao mesmo tempo Luiz se punhetavarnvagarosamente, aquilo mexeu comigo, pois seu pau parecia ainda maior,rnvisto que estava muito excitado.rnLuiz me pediu para deitar de bruços sobre seu colo assim seu pau sernencaixou por baixo do meu saquinho, e sobrava a chapeleta acima da minharnbunda, e pegou a xilocaína, e colocou meio tubo dentro do meu cú,rnenquanto ia massageando a entrada com os dedos, apás alguns instantes,rneu já tinha gozado em seu colo e meu cú totalmente amortecido, pois Luizrnjá estava com quase a mão inteira dentro do meu cú, depois pegou o gelrnpara sexo anal, e passou na chapeleta de seu pau.rnLuiz permaneceu sentado e me pediu para levantar e sentar em seu pau,rnele punhetava e espalhava ainda mais o gel em seu pau, eu posicionei ornmeu cúzinho na chapeleta do pau, e fiz uma leve pressão para sentar, ernacomodou a metade da chapeleta, (falo muita em chapeleta, pois a cabeçarnde seu pau, e um enorme cogumelo e me da muito tesão pau assim), entãornme levantei um pouco a abri as bandas da minha bunda, fiz força pararnsentar, e Luiz aproveitando do meu estado de tesão e indefesa, me puxournde encontro ao seu pau, que entrou totalmente. A dor não era nada o quernincomodava era a sensação de entupimento, e sem sequer fazer qualquerrnmovimento Luiz gozou e gozou muito, a cada espasmo seu pau pareciarnmaior e involuntariamente, meu cú piscava arrancando gemidos e até arnultima gota de porra de Luiz.rnFicamos assim eu sentado em seu pau e ele duríssimo dentro de mim, seurnpau não baixava, e depois de alguns minutos, tomei a iniciativa e comecei arncavalgar meu macho, eu subia até seu pau sair deixando a chapeleta dentrorne depois descia, as arremetidas era rápida, profundas e gemíamos muito,rnquando Luiz estava preste a gozar novamente, não me contive e gozeirnjunto, gritávamos de tanto tesão.rnDepois cai sobre seu corpo e chegamos a cochilar assim, e por mais incrível,rnpassou um pouco mais de uma hora acordei sentindo dores no cú, pois ornefeito da xilocaína estava passando, senti seu pau ainda muito duro dentrornde mim, e ao tentar sair me senti travado, pois a reação da saída, e a dorrnfaziam meu cú se fechar e seu pau não sai de dentro de mim, era como umarncadela travada em seu macho, Luiz acordou e comentei que não saia, e elernrindo disse, cama minha cadelinha, que já sai, vamos para o banheiro quernuma ducha fria faz os cachorros se desengatarem. Luiz me agarrou ernlevantou-me em seu colo, seu pau acabou entrando mais um pouco e doíarnmuito, no caminho ao banheiro sentia escorrer algo de mim, e a deduzir quernseria a sua porra, aqueles movimentos de andar, a minha dor foi passando ernmeu pau endureceu, ao chegar no banheiro Luiz pegou meu pau, e ornpunhetou, até eu gozar e sem tirar seu pau de dentro de mim, isso muitornbom, e nem precisou do banho frio, seu pau foi saindo conforme eu iarngozando, e quando saiu, foi muita porra e sangue que jorrou. Luiz ficournpreocupado e eu lhe disse para ter calma, que não era a primeira vez quernacontecia, e que depois de descansarmos eu ia quere mais. Tomamos nossornbanho e fomos dormir juntos peladinhos em sua cama.rnContinua...rn<p>rnFazendo horas extras.Iii<h1>rn<p>Dormimos a tarde toda, e quando acordamos já erarncomeço da noite tomamos um café e durante o café conversávamos sobrernminha vida sexual, Lhe contei tudo, e ele ficou impressionado com a fodarnque tivermos, lhe contei que era meu terceiro descabaçamento, então mernbeijou, pedi desculpas e agradeceu. Fiquei muito feliz, segundo ele meurnrosto resplandecia felicidade, e meus olhos brilhava. Luiz logo ficou comrntesão e me perguntou se estava tudo bem com meu cú, então me virei prarnele e disse se pisca, e porque esta querendo mais, e assim que virei, pisqueirno cú como uma louca, ele riu e me beijou o cú.rnBotei a tanguinha lilás, e fomos para a outra suíte do quarto, lá a cama erarnenorme, redonda e com colchão dágua, Luiz me pegou no colo e me pos dernrabo para a lua, subiu em minhas costas e beijava subindo e descendo, mernarrepiando toda, logo desceu e tirou a tanguinha, e novamente chupou meurncú, eu já estava com o pau babando de tanto tesão, e Luiz, me virou, beijourne foi descendo, ao chegar na minha barriga, me olhou nos olhos e disse:rnMinha gata te amo muito, e caiu de boca no meu pau, chupou e eu logorngozei. Achei linda sua atitude, pois acho que poucas vezes gozei como destarnvez.rnDepois Luiz me virou de bruços, e pegou o tubo de xilocaína e mandou ornresto pra dentro do meu cú, e ficou massageando com os dedos, e emrnseguida se sentou a beira da cama e me pediu para punhetá-lo enquanto arnxilocaína fazia sua parte, depois de alguns minutos, Luiz me pos de frangornassado na cama e com bastante gel anal, pois sua chapeleta na entrada dornmeu cú, e foi iniciando a penetração, agora muito mais prazerosa, erngostosa, a chapeleta teve uma pequena restrição para entrar mas foi muitornmais fácil que da primeira vez. Depois ficou fazendo um vai e vem, curto erndevagar, a medida que o tempo ia passando ele colocava mais um pouco dornpau pra dentro, e foi indo, quando chegou a metade do caminho, eu pus arnmão em seu peito e disse amor, agora é tudo ou nada, você tem por tudo ernde uma sá vez. Então ele recuou seu pau e disse, Não......Aiiii, nesse não elerntacou de uma sá vez que seu saco encostou-se à minha bunda e senti umarndor enorme. Para conter meu grito, Luiz me beijou sufocando meu grito, ernaliviando a dor, depois olhou nos meus olhos e pediu desculpas, pelarninvestida e eu lhe disse, que o ritual fazia parte do descabaçamento, poisrnsenão iria voltar ao que era antes. Luiz me achou muito experiente no amor,rne disse que gostaria de manter um relacionamento fixo comigo, lhe disse,rnque não era meu intuito, mas que gostara muito dele e que queria querndurasse. Luiz iniciou o vai e vem lento e curto para não retirar seu pau darnposição que estava, e assim evitar dores para mim, eu já estava gozandornnovamente quando ele avisou que iria gozar, então na hora do seu gozo eurntravei o cú para lhe aumentar o prazer, e Luiz gozou muito que sua porrarnaté conseguiu vazar pela fresta de meu cú. Luiz ainda engatado me pediurnpara meter mais uma vez e eu lhe disse para irmos a banheira, pois queriarnque ele me comesse por trás, na beirada da banheira. Tomamos outrornbanho rápido, tomamos um suco, e fomos para o banheiro já ia mernposicionando a beira da banheira, quando Luiz disse que tinha acabado arnxilocaína, e eu lhe respondi, que desta vez teria que ser sem, mesmornporque eu queria acabar com qualquer sombra de prega do meu cú naquelerndia. Luiz colocou bastante lubrificante anal, em meu cú e em seu pau.rnPosicionou na entrada com seu pau, e iniciou a entrada, foi fácil agora, sá nornfinal houve um pouco de resistência do meu reto, mas acomodou tudorndentro, e Luiz bombou desta vez como se tivesse fodendo uma buceta, quernao gozar encheu meu cú, outro banho e fomos dormir, pois iria acorda dernmadrugada para terminar o serviço que começara na empresa.rnContinua....rn<p>rnFazendo horas extras.Iv<h1>rn<p>De madrugada levantei, me arrumei para o trabalho e deirnum beijo em meu amor.rnSai tranquilo e muito feliz, que fora percebido pelas pessoas na empresa,rnacabei mentindo que tinha conhecido uma menina muito legal, e fomosrnjantar ontem, e que talvez a veria hoje.rnAté a hora do almoço tudo correu normalmente, fomos almoçar, e na voltarndo almoço, precisei passar pelo vestiário dos homens para pegar roupasrnespeciais para entrar no local onde iria trabalhar a tarde, então não poderndeixar de perceber que os homens estavam se banhando para sair pararnalmoçar e um ou outro passava nu pelo vestiário, que belo desfile de paus.rnE depois fiquei sabendo que me entreguei, pois ao sair para trabalhar,rnalguém gritou: Que bela bunda hein!!!.rnFiz que não era comigo, e fui trabalhar o serviço transcorreu normalmente, arntarde saí para ir embora, quando estava tirando a roupa especial, merndesequilibrei e quase caí, então um braço forte me segurou, me puxando aornseu encontro e fiquei abismado com o que ele disse.rnUma bela bunda dessas, não pode deixar bater no chão! Eu fiquei com cararnde conteúdo, em estado de choque, então lhe perguntei se o comentário dornbanheiro teria sido ele que falara, e ele rindo, disse, que sim, então pararnencurta eu falei que ainda bem que ele me pegou, pois não tinha feitornseguro, ele me puxando pra bem perto e apertando forte, disse: Agora tarnsegurado!rnRecompus-me, e sai rapidamente do vestiário, para não dar bandeira,rnestava no café, e me preparava para sair, quando aquele homem apareceurnnovamente, e perguntou, porque sai tão rápido, não deu tempo de nemrnagradecer, lhe disse obrigado e ele disse, eu que devia agradecer, por terrnvocê tão perto de mim. Então lhe perguntei por e ele disse que me viurnbabando pelo pau dos amigos, que estavam no vestiário tomando banho,rnretruquei dizendo que estava enganado, e então ele falou, porque você tarnde pau duro agora, então. Disse-lhe não era o local apropriado pararnconversarmos, mas que outra hora poderíamos conversar. Então mernperguntou meu nome e onde estaria trabalhando amanhã, falei o setor e elernse apresentou: Pode me chamar de Carioca.rnMais que depressa sai de perto e pensei fodeu, o cara já me conhece.rnFui para a minha casa e a noite meu tesão falou mais alto e bati aquelernpunheta, depois tomei banho e liguei para o Luiz, disse que não iria naquelerndia para lá e ele quase implorando para que amanhã eu fosse até a suarncasa. Combinamos, e fiz uma pequena mala, onde coloquei, xilocaína, umrnshortdoll, e um pacote de camisinhas, fui dormir, mas o sono não era ornsuficiente para conter minha apreensão, pois tinha medo de que o cariocarncontasse para alguém, e me comprometesse na empresa. Então coloqueirnum plug anal que tenho no cú e bati outra punheta, e peguei no sono.rnLevantei-me na madrugada para o trabalho, e quando cheguei lá mernassustei, pois o carioca estava na porta da empresa, e um pouco afastadornda empresa estava o carro do Luiz. Dirigi-me ao carro com o intuito derndespachar o Luiz sem que o carioca percebesse, mas foi impossível, poisrnLuiz me dera uma caixa de bombons toda enfeitada, e aleguei que iriarnderreter no meu carro e pedi para que ele guardasse para me entregarrndepois. Luiz me pediu um beijo, e não tive como recusar, mas como o carrornera filmado não vi problema, e deu aquele beijo em Luiz. Despedi-me ernvoltei para a empresa, e não vi o carioca na porta mais, entrei e fui para ornsetor onde iria trabalhar, me preparava para o trabalho, quando alguém sernaproxima por trás e passa a mão na minha bunda, eu me virei pronto pararnxingar, quando vi que era o carioca, fiquei sem voz, e ele me disse, ornmaridinho veio despedir da esposinha no serviço. Então lhe perguntei dornque falava, e ele disse que viu o beijo apaixonado, e dando furo falei, comornse o vidro era filmado, e ele riu falando bobinha a luz interna estava acesa erndeu pra ver tudo, até a caixa de bombons com lacinho. Então falei você tarnlouco? E ele riu e falou hoje você é todinha minha, pois sou eu que vournacompanhar seu serviço. Está bem, mas sá me acompanhar, e ele comrnmuito prazer.rnComeçamos os trabalhos e vez por outra carioca dava um jeito de mernencoxar, e ele percebeu que com o tempo eu já estava adorando, outrasrnvezes ele me apertava a bunda, e uma vez pegou no meu pau que estavarnduro e disse, a menina ta com tesão, precisamos aliviar isto. Falei semrnchances, e ele perguntou porque, eu falei um velho ditado:rnOnde se ganha o pau não se come à carne.rnEle retrucou, no final você vai pedir carne e vai ter muita carne.rnChegou a hora do almoço, e então ia saindo quando ele me disse, vem porrnaqui que é mais perto, e eu pensei que era mesmo, mas era atalho para elernme seduzir. Entramos por um corredor estreito e pouco iluminado, fuirnficando para trás e carioca se distanciou e em uma curva do corredor, vejorncarioca, com as calças arriadas e seu enorme, e monstruoso pau pra fora, fizrnmenção de voltar, mas ele me intimidou dizendo que iria contar pra todornmundo que me comeu, e que eu tinha um marido.rnA minha situação era critica ao estremo se correr o bicho pega, se ficar ornmonstro me come.rnEntão entramos num acordo onde eu faria uma chupeta pra ele e ficariarnnisso apenas, ele me disse que hoje poderia ser, pois ele já tinha uma fodarncom a secretaria do diretor da empresa, mas que no outro dia agente iarnconversar, então carioca me levou até uma sala cheia de equipamentosrnvelhos, se sentou num maquina, e me ordenou a chupar seu pau.rnAjoelhei a seus pés e entre suas pernas peguei aquela massa de carne, ernlevei a boca, seu pau era mais grosso que meu antebraço, e a cabeça erarnuniforme, mas enorme. Abri a boca ao Maximo, e coloquei aquele pau narnboca, e fui chupando o que dava, carioca logo gozou e ele fez questão dernlambuzar, meu rosto, e passava o pau cheio de porra pela minha face erndizendo que era assim que se faz com puta.rnAntes de me levantar carioca me pediu para virar o cú pra ele apenas verrncomo era, assim o fiz, de repente ele passou a língua no meu cú e enfiava arnlíngua pra dentro isso me arrancou muitos gemidos, e gozei na hora.rnVoltamos aos serviços e logo era hora de ir embora, me despedi e cariocarnme pediu um beijo como tinha feito com o Luiz de manhã.rnBeijei e ele apertou minha bunda e disse para amanhã vir de calcinha quernele queria me comer.rnSai e fui para a casa do Luiz, mal podia me concentrar no caminho, o pedidorndo carioca mexia comigo, e quando cheguei Luiz, me abraçou e beijourndentro do elevador, ai falei pra ele das câmeras, e ele falou que lá não tinharnproblemas, pois a segurança é da empresa dele e eles desligaram tudo arnseu pedido, e depois ligariam de novo.rnLuiz preparou um super lanche para nás e enquanto tomávamos o café elerndisse que preparara uma surpresa, em nosso ninho de amor.rnEntão me levantei e ajoelhando entre suas pernas tirei seu pau pra fora e fizrnuma rápida chupeta, onde gozou, e bebi toda sua porra, ao caminhar para arnsuíte, Luiz me puxou e pegou no colo, mas antes me levou a outra suíte erndisse para pegar um vestido que estava na cama e vesti-lo, quandornestivesse pronta, era para chamá-lo.rnEntrei no quarto e vi sobre a cama, um vestido de noiva destes bem curto ernousados, e alguns acessários, me produzi, e o chamei.rnLuiz entrou e ficou boquiaberto ao me ver, pois não se parecia nem umrnpouco comigo.rnPegou no seu colo e me levou a outra suíte, onde havia um caminho dernpétalas da porta até a cama com colchão dágua, e outro da cama para arnhidro.rnLuiz me deitou na cama e começou um ritual de strep tease fabuloso, ondernele ficou totalmente nu e eu fiquei de tanguinha, jogo de ligas e meias dernseda, tudo branco, e ele bateu palmas pra mim.rnSubi na cama e deitada, ele me chupou toda, da cabeça aos pés, frente ernverso, depois fizemos um 69, onde gozamos um na boca do outro.rnDepois peguei o gel anal, e alisei seu pau deixando bem lubrificado e ele,rnlubrificou meu cú, deitei de frango assado e Luiz, me penetrou comrnvoracidade, e mal terminou a penetração eu já tinha gozado novamente, erndepois ele gozou dentro de mim, seguimos para a hidro e tomamos umrnbanho relaxante e dentro da hidro, me pus de quatro e Luiz me comeu alirnmesmo agora já estava bem laceado meu cú e gozamos juntos mais umarnvez.rnTomamos outro banho e cochilamos até a noite, depois fomos para a salarnonde assistimos um DVD, com travestis bem dotados, e eu assisti sentadornem seu colo com seu pau enterrado no meu cú onde gozei duas vezes e elernumas três.rnDormimos e saí de madrugada para o trabalho novamente.rnContinua.....rn<p>rnFazendo horas extras.V<h1>rn<p>Chegando ao trabalho sou recebido pelo carioca, na porta,rne ele passando a mão na minha bunda, perguntou se eu atendi ao seurnpedido. Disse que sim, mas não sabia até onde iria com aquilo, carioca deurnum tapa na minha bunda, que doeu.rnEntramos e mal chegamos no setor, carioca, me puxou para o quartinho,rnonde no dia anterior havia feito a chupeta para ele. Eu lhe disse, que nãorndevíamos, pois poderiam nos pegar, ele falou para ficar tranquilo, pois nãorntinha ninguém da supervisão por causa de uma reunião que seria as 10:00rnda manhã, e por isso foram liberados.rnCarioca me abraçava por trás e mordia minha nuca e orelhas, e ao mesmorntempo arrancou minha camisa, e depois minha calça, quando me viu derntanguinha preta tipo fio dental, ele foi a loucura me fez curvar sobre arnmesinha e alisava minha bunda, e passava o dedo no meu rego e apertavarnmeu botão, depois me virou e pediu para que chupasse seu pau.rnAjoelhei no chão e chupava seu pau com muita dificuldade, devido arngrossura do pau.rnCarioca gozou rápido, depois me fez levantar e me beijou com sofreguidão,rndepois pegou um liquido, que era produzido na empresa e disse que iriarncolocar no meu cú, para facilitar a penetração, lhe perguntei o que era, e elerndisse que era um anestésico cirúrgico, ele pediu para que eu ficasse dernjoelhos no chão com a bunda empinada pro alto, carioca pegou umarnseringa, e enchendo com o produto, colocou dentro do meu cú, fiz mençãornde levantar, e ele me pediu para ficar mais um pouco naquela posição pararnque o liquido entrasse o mais profundo possível, e deixasse meu cú bemrnanestesiado. Depois se posicionou na minha frente e pediu para que eurnchupasse seu pau novamente, mas dessa vez não deixou gozar, ele dissernque era para encher meu cú de porra. Levantei-me e ele me disse pararnvestir às roupas e irmos adiantar o serviço, e quando todos saíssem para arnreunião votaríamos no quartinho. Então saímos, e agilizamos o serviço,rnquando estava dando o horário da reunião, o carioca, me deu outra seringarncheia do anestésico, e disse para eu ir à frente e injetar nova dose dernanestésico no cú. Chegando lá me desfiz das roupas, mas ainda derntanguinha, e me posicionei para colocar a seringa de anestésico e percebirnque meu cú estava totalmente anestesiado, mas coloquei a segunda seringarnmesmo assim. Logo chegou carioca, e perguntou se meu cú estava prontornpara o abate, eu acabei rindo e lhe disse que talvez me arrependeria de terrntopado, mas ele me convenceu, na base da chantagem, e por outro ladornnão podia deixar de tentar, estava que era sá tesão. Carioca se aproximou ernme beijando, conferiu o estado do meu cú. E falou que tava na hora dornabate pegou uma pomada na gaveta e passou mo meu cú e no seu pau,rncarioca, me posicionou de mesa e falou para eu debruçar e agarra nasrnpernas da mesa, e deixar o resto por sua conta. Fiquei com muito medo,rnpois seu pau era muito grande e muito grosso, carioca me disse para ficarrntranquilo, pois entrando a cabeça do pau eu mesmo vou por o resto prarndentro, e ainda vou pedir mais. Acabei rindo, mas o medo permanecia,rncarioca pincelou o pau no meu rego, varias vezes, parava em frente ao meurnanel, e pressionando punhetava o pau, eu apenas sentia a pressão nas nãorntinha noção se estava entrando ou não. Carioca afastava passava mais gel,rne voltava a pincelar e de novo na direção do meu anel fazia pressão, narnterceira vez senti uma dorzinha leve e ele me abraçou e disse a cabeça járnfoi, agora é por sua conta, e então ficou parado com o pau dentro do meurncú.rnCarioca estava arcado para trás, e eu pedia para ele por o resto, então elernriu e disse, não falei que você ia pedir mais, mas eu não vou por não vocêrnse quiser coloque você mesmo, mas antes passe a mão pra ver se vocêrnaguenta o resto, quando levei a mão para trás, fiquei assustado pois nãorntinha mais do que um dedo pra fora, o carioca tinha enfiado todo seu pau, erneu fiquei bobo pois não sentia dor alguma, e meu anel tava tão esticado quernse forçasse mais acho que arrebentaria o cú, nunca havia esticado tanto.rnFiquei com um tesão animal, que gozei. Perguntei como era possível, elerndisse que foi o efeito do anestésico, e que as mulheres que ele traça,rnsempre tem que usar, pois senão elas não aguentam. Mas semprernreclamam depois, rindo ele disse é o pás-parto, pos é como se fosse umrnparto normal. Então carioca, começou a fazer pequenos movimentos e emrninstantes, ele gozou, eu senti meu intestino estufar com a porra despejadarndentro do meu reto. Carioca me abraçou e disse que eu era o segundo cúrnque ele conseguiu comer em toda sua vida, e que o meu fora o melhor semrnduvidas, ainda com seu pau dentro do meu cú, me pede para mordê-lo comrno cú e ele em instantes já começava a bombar, e gozou rapidinho de novo,rnfiquei abismado, pois a segunda sempre demora mais, e ele estava muitornbem.rnRetirando seu pau do meu cú não sentia o deslocamento de seu pau, mas ornvazio foi ficando e quando estava quase totalmente fora, joguei me rabornpara trás e senti sua porra sempre impulsionada ainda mais pra dentro dernmeu reto, e fez uma pressão forte no meu cú, carioca, pegou meu pescoço,rnvirando para beijar-me e disse: Não falei que você ia querer por tudo prarndentro, e lhe respondi, estava sentindo sua falta, por isso trouxe devolta, ernassim fizemos por mais duas vezes, quando estava quase saindo eurnempurrava meu rabo de encontro ao carioca, e na ultima vez, fiz com tantarnvelocidade que literalmente peidei no pau.rnCarioca me disse que queria mais, eu achei melhor pararmos e terminar ornserviço e no outro dia continuaríamos, ele acabou concordando, pois já tinharnpassado até a hora do almoço.rnSaímos do quartinho e carioca disse para ter cuidado, pois estava andandorncom as pernas abertas, e poderiam desconfiar, então resolvi ir embora pararnme recuperar. Liguei para o Luiz e disse que teria de ir para casa mas quernno outro dia iria vê-lo.rnContinua.....rn<p>rnFazendo horas extras.Vi<h1>rn<p>No caminho de volta tive que parar num posto de gasolinarnpara ir ao banheiro, pois estava vazando muita porra do meu e um pouco dernsangue, sorte que tinha algumas roupas no carro e tive que trocar, e atérncomprei absorvente intimo para poder chegar em casa.rnCom o passar do tempo o efeito da anestesia foi passando e as doresrnapareciam aos poucos, estava sentindo febre e cada vez mais dor, aquilornestava me preocupando, mas por outro lado tentava lembrar do prazer quernsenti, vez por outra sentia uma fisgada aguda, e sentia que descia algo derndentro de mim, acabei parando outra vez e troquei o absorvente, desta vezrnele estava sá cheio de porra, mas muita porra mesmo.rnCheguei em casa e tomei um banho e fiz uma ducha saiu bastante porrarnainda e um pouquinho de sangue, tomei uma dose cavalar de analgésico,rnjantei e fui dormir.rnNa madrugada acordei sonhando com o carioca me fodendo outra vez, erncom muito tesão segui para o trabalho, oficialmente seria o último dia derntrabalho cheguei e lá estava o carioca na porta me esperando, e perguntournse eu estava bem, lhe disse, que foi bastante sofrido, mas não mernarrependia, e estava disposto a tentar mais uma vez, já que os serviçosrnestariam terminando hoje. Carioca propôs de eu dormir com o Luiz o restornda semana e no final de semana foderíamos em sua casa, eu topei na horarne disse se ele levaria o anestésico, ele riu e falou que tinha um bom estoquernem sua casa.rnEntramos para trabalhar, mas não sem antes passar no quartinho para umarnchupeta em seu pau e ele dar uma bela olhada no meu cú, ele comentou:rnQue bom sobreviveu ao abate.rnTerminado o serviço então trocamos os telefones, e marcamos para o finalrnde semana, posterior, dali 19 dias, pois queria descansar bem o cú e aindarnaproveitar mais o pau do Luiz.rnTerminamos o dia e despedi do Carioca com um beijo no vestiário e elernapalpou minha bunda e disse, vou ficar ansioso te esperando.rnPeguei minhas coisas e fui para a casa do Luiz, chegando lá me foi entreguernas chaves como já tinha autorização, já que eu era seu primo. Arrumei-merntoda com a fantasia de enfermeira que ele havia presenteado, e fiquei semrncalcinha, coloquei um avental e fui preparar a janta, modéstia a parte minharnmãe me preparou para ser uma senhora dona de casa, pois na cozinha façornqualquer tipo de comida, e também sou bem comida na cozinha.rnLuiz me ligou e eu lhe disse que estava em seu apartamento e estavarnpreparando a janta, ele ficou muito feliz, e disse que chegaria rápido,rnpreparei a mesa, com velas, vinho e tudo arrumadinho.rnLuiz chegou com um buquê de flores lindo, e uma caixa de bombons, já querna outra estava na geladeira, pois já havia alguns dias.rnBeijamos e Luiz já foi tirando sua roupa, me abraçando e nos apertando, eurnquase gozei com seu entusiasmo, depois foi tomar banho, e enquanto sernarrumava, eu fui também, voltei de short doll, e ele com uma samba cançãorndourada. Jantamos a luz de velas, e por baixo da mesa eu passava os pésrnem seu pau, depois desci a mesa e enquanto terminava seu jantar, e ornchupava, ele não gozou ainda, pois queria se excitar ao Maximo, e despejarrntoda a porra possível em meu reto. Depois sentamos na sala para assistir arnum DVD romântico, eu ficamos abraçado o tempo todo, e eu alisava seu paurne ele o meu, depois que o filme acabou, Luiz me pegou nos braços e levournpara a suíte, me beijava o tempo todo, me sentia uma perfeita mulher, Luizrnme deu um tubo de xilocaína na mão, mas lhe disse que não precisariarnmais, pois ele já tinha me descabaçado de vez e não precisaria mais, malrnsabia ele que o carioca era quem havia realmente acabado com qualquerrnsombra de pregas do meu cú, ele disse que tudo bem, pois assim seria comrnprazer, e não com anestesia, rimos.rnLuiz então me passou gel lubrificante, que botei uma boa quantidade no cúrne depois peguei um pouco e punhetava seu pau, até ficar bem lubrificado,rnme deitei na posição de frango assado, e ele se posicionou, pincelava o meurnanel, e quando passou por ele eu o puxei seu pau entrou até a metade, erncomo não senti dor alguma sá prazer gemi um pouco, ai Luiz começou o vairne vem, e foi entrando, até seu saco bater em min há bunda. Nessa hora eurnvi que o carioca foi meu descabaçador, pois já não sentia resistências, masrnsentia muito prazer, e eu apertava seu pau e sentia toda a silhueta delerndentro do meu reto, depois de uns 20 minutos, já na se segurando mais,rnsentia a chapeleta de seu pau crescer era sinal que o gozo viria, então mernabri ao maximo e pedia para ele ir o mais fundo possível. Luiz gozou muito ernsentia meu intestino estufar, parece que eram litros de porra dentro dernmim.rnDepois fomos para a banheira e tomamos um banho relaxante, e Luiz dissernque sem o anestésico, era muito melhor, pois ele conseguia sentir todarnextensão da minha bunda e que aquilo lhe dava mais prazer, o beijei erndisse, que na verdade, estava com medo dele não me querer mais depoisrnde lacear meu cú. Ele rindo disse que se o pau ficasse folgado tudo bem,rnmas ele ainda tinha seu braço pra por no meu cú, que ele até queria tentarrncolocar, eu fiz cú doce, mas falei para passar o anestésico e tentar, sernconseguir ele poderia fazer de vez enquando, pois senão eu ficaria larga.rnLuiz mal sabia que o meu intuito era estar preparado para o carioca pois ornqueria sem anestesia também. Luiz colocou o tubo inteiro de xilocaína nornmeu cú e enquanto fazia efeito, eu chupava seu pau, quando se aproximavarno gozo, parava e em leves punhetas conversávamos sobre o serviço, depoisrniniciava a chupeta novamente, depois de uns 19 minutos, Luiz verificou ornestado do meu cú e constatou que estava quase no ponto para abri-lo nornpunho. Então Luiz iniciou a lubrificação de seus dedos com o gel e foirncolocando um, dois, três, quatro, Luiz fez conchinha da mão e enfiou no meurnrabo fazendo um canal aberto, então punhetou-se e gozou sua porra narnconchinha que foi escorrendo pra dentro do meu cú, eu sentia apenas orncalor de sua porra, pois estava anestesiado, e então Luiz começou a forçar arnentrada de sua mão, quando chegou na extremidade da mão ele tentavarnabrir a mão e fechava, e ia repetindo isso, eu começava a sentir pequenasrndores e com o tempo foi passando, depois de alguns minutos a dor passou erneu já voltava a me abrir toda, então Luiz forçou mais e entrou seu punho, ernum grito agudo e alto foi inevitável, cheguei a desfalecer por algunsrninstantes e Luiz estático e apreensivo, ficou parado, e falava comigo, masrnsem resposta, depois voltei a mim e já não havia dor alguma, Luizrnpreocupado perguntou se estava tudo bem, e eu lhe disse que sim, que járnnão sentia dores. Luiz comentou que sangrou bastante meu cú, mas já tinharnnormalizado, então o ordenei que me fodesse com o punho, e iniciou o vai ernvem, e ambos gozamos sem tocar em nossos paus. Depois na retirada dernseu punho, foi outra luta, com ajuda de bastante gel saiu, e doeu prarncaramba.rnDormimos abraçados depois de um banho bem frio, no outro dia sábadornfodemos normalmente, me cú estava como uma flor, mas suportou, norndomingo fodemos mais umas cinco vezes.rnVoltei para casa e marcamos de nos ver na quinta, pois queria me prepararrnpara o fim de semana com o carioca.rnContinua......rn<p>rnFazendo horas extras.Vii<h1>rn<p>Na quarta a noite liguei para o Luiz, e disse para ele quernestava com saudades se poderia passar com ele a quinta e a sexta, poisrnsábado iria viajar, ele disse que sim, que estava com muita saudade, e nãornvia a hora de me tocar no mais profundo do meu intimo, fiquei agradecido ernfalei que iria a uma loja comprar umas roupas.rnDesliguei o telefone e fui ao shopping, pois tem varias lojas de lingeries fui erncomprei em varias lojas calcinhas, espartilho, shortdoll, camisolinha dernmalha e tanguinha, de varias cores e desenhos, nas lojas sempre passeirncomo um namorado, procurando presente para a namorada. Cheguei emrncasa e experimentei a todas e montei uma bela mala para o carioca e outrarnpara o Luiz, pois o Luiz não podia nem sonhar com isso.rnLogo pela manhã sai para a casa do Luiz, e passei na farmácia para comprarrngel lubrificante e xilocaína, e fui, chegando no apartamento do Luiz, entrei ernele não estava mas fui preparando tudo, fiz o almoço, e fui toar banho, ernpassei loção corporal, e coloquei o espartilhos que comprei me prepareirnpara receber meu amor, quando Luiz chegou ele ficou boquiaberto, e dissernque ficara muito bem a roupa para mim. Nos beijamos muito e enquantorntomava banho, fui preparar a mesa almoçamos, e como sempre pegueirnminha sobremesa na fonte, direto do seu pau, chupei até gozar em mim,rnbebi toda sua porra, e fomos para a suíte, Luiz me tirou a roupa e eu a dele,rne iniciamos a trepar com um belo papai e mamãe, que gozamos muito, poisrnenquanto me fodia, ele apertava meu mamilos, depois de um tempinhornfodemos de frango assado, foi maravilhoso, pois Luiz não parava de mernbeijar o rosto e a boca, depois um tempo, e fomos para a banheira tomamosrnum banho refrescante, e depois trepamos de quatro, foi uma loucura, depoisrnque Luiz gozou ele me pediu para sentar a beirada da banheira e chupournmeu pau até eu gozar, pois estava toda molhadinha. Depois Luiz disse quernqueria meter a mão no meu cú então falei pra ele deixar para o diarnseguinte, pois queria meter muito com ele e eu iria viajar, assim mernrecuperaria para quando voltar a encontrar com ele. Fomos para a sala ernassitíamos a outro DVD de gays, e durante o filme e ficava sentado entaladornno seu pau, mas não fazia movimentos de sobe e desce para prolongar ornseu tesão, e ele acabou gozando sá de assistir ao DVD que por sinal erarnmuito bom. Luiz me deu este DVD de presente e até hoje o guardo comrnmuito carinho. Fomos para a suíte, tomamos um bom banho e dormimosrncom seu pau dentro do meu cú. Pela madrugada acordei com Luiz gemendorne gozando no meu cú, e acabamos de dormir.rnLogo cedo, somos para a hidro nem café tomamos ainda e Luiz já me comiarnde quatro na banheira, depois chupei seu pau até gozar na minha boca.rnTomamos nosso café e voltamos a assistir outro DVD agora de jovens casaisrnbissexuais trepando ao ar livre, e então Luiz pediu para meter a mão nornmeu cú, falei pra ele colocar a xilocaína dentro e enquanto isso prepararia ornalmoço, ele sugeriu então que trepássemos mais uma vez e enquantornarrumássemos a cozinha, eu ficaria com o cú cheio de xilocaína. Adorei arnidéia, e depois de almoçados, chupei seu pau sem deixar ele gozar, depoisrnde quatro no chão da cozinha Luiz encheu meu cú com a xilocaína, e fomosrnarrumar a cozinha, quando terminei de arrumar tudo Luiz, me dedilhou pararnver o ponto, e estava sim no ponto, fomos para nosso ninho e lá iniciamosrnos amassos, lhe pedi que fizesse como da primeira vez, pois foi muito bom,rnentão ele disse, por isso não deixou eu gozar, claro.rnLuiz lubrificou meu cú com o gel, e lubrificou seus dedos, e foi um, dois,rntrês, quatro, e a conchinha, se punhetou e gozou na conchinha enchendornmeu cú com sua porra, e ai começou a forçar a entrada, doeu bem menosrnque da primeira vez e começou a foder, até que eu gozei, aí Luiz tirou seurnpunho de dentro de mim, e pensando que tinha acabado, mas lhe falei quernera para ele enfiar de novo, pois meu tesão era muito grande, então Luizrnlubrificou tudo e começou a enfiar em mim desta não doeu nada, e agora ernestava por cima dele e chupava seu pau, até que gozamos juntos eu em seurnpeito e na barriga e ele na minha boca. Fiquei duplamente satisfeito, poisrnestava realizada, com o Luiz e pronta para o carioca.rnTomamos um belo banho e fomos dormir, não vimos o dia passar, poisrnestava exausta, e a noite demos uma bela trepada onde alem de seu paurnLuiz botou dois dedos juntos no meu cú, e gozamos muito.rnPela manhã levantei a estava acordando meu bem com uma chupetarnmaravilhosa, quando tocou o celular, quis deixar tocar, mas Luiz insistiurnpara eu atender, olhei e estava como nr desconhecido, enquanto atendiarnpunhetava Luiz, era o carioca, e o tratava de pai para não despertarrnsuspeitas. A conversa foi mais ou menos assim;rn-Oi pai!rnOnde meu amor está, estou te esperando.rn- Já estou indo eu dormi nu m hotel em SP, e vou pro café e já te encontro.rnVocê está com seu marido, querida.rn- Ah! Si-sim pai.rnEntão esta dando a saideira não é?rn-Tava pai, você ligou.rnNão fica bravinha, que a hora que você chegar eu lhe recompenso comrnmuita porra.rn- Que bom pai, vou cobrar quando chegar, assim que eu sair do hotel te ligornpara marcar o ponto de encontro.rnNão precisa estou na porta da fabrica, eu moro do lado.rn- Então tchau.rnBeijos minha gata.rn- Outro pai.rnLuiz vamos terminar esta chupeta que preciso ir meu pai ta me esperando.rnRetomei a chupada e com muita volúpia e Luiz gozou, tomamos nosso café,rne fui.rnContinua.....rn<p>rnFazendo horas extras.Viii<h1>rn<p>Depois que saí da casa de Luiz, me encontrei com orncarioca e como já era hora do almoço, fomos para um restaurante chinês, alirnperto, mas antes passamos em sua casa, onde ele pegou uma sacolinharncom algo dentro e deixamos meu carro na garagem, não cheguei nemrnentrar naquela hora, pois estávamos com pressa para o almoço.rnCarioca muito carinhoso e atencioso, ainda dentro do quintal, me pegou ernbeijou de uma forma louca, que ferveu meu sangue, e um frio correu narnespinha.rnChegamos ao restaurante, pois era perto dali, e saboreamos um rodízio dernsashimi, que por sinal era muito bom, e regado a um bom vinho, quandornestávamos satisfeitos, e o carioca pediu um cálice de saquê para nos erntomamos, aquilo me acendeu e rosou meu rosto, carioca, me deu o cardápiorne disse para escolhe a sobremesa, e brinquei que queria banana ao molhornbranco ele riu e então me deu a sacolinha na mão e falou vai ao banheiro ernvocê já sabe o tem de fazer, abri para olhar e ele disse sá no banheiro, ernnão jogue nada lá traga tudo devolta.rnLevantei e fui ao banheiro, ao abrir a sacolinha, tinha uma tanguinha dernnapa vermelha, uma seringa de cinco ml cheia de um liquido, que deduzirnser o anestésico cirúrgico, e um ob.rnFiz como imaginei ajoelhei no chão do banheiro e enchi meu cú o liquido darnseringa fiquei cú a bunda empinada alguns instantes e senti meu cú se abrirrnsozinho, e aquilo me deu um baita tesão, coloquei o ob para fechar o cú ernvesti a tanguinha.rnSaí do banheiro e entreguei a sacola ao carioca, com a seringa vazia e arncalcinha que estava usando. Carioca tinha pedido de sobremesa bananarncom creme de leite, e eu olhei pra ele e disse se era o creme de leite que eurnadorava, ele respondeu que se eu quisesse ele pediria ao cozinheiro pararntrocar. Ta louco!rnTomamos a sobremesa e saímos para sua casa, no caminho ele abriu arnsacola e ao ver minha calcinha dentro ele pediu para ficar com ela dernlembrança, lhe disse que sim, mas sá se ele marcar o dia de meurndescabaçamento feito por ele. Na hora ele falou que assim quernchegássemos, ele faria questão de marcar a data (22022003).rnMal entramos no quintal e carioca já me abraçou e beijou, e entramos, suarncasa era simples, mas muito bem decorada, possuíam quadros, vasos derncerâmica, e muito bom gosto, carioca me perguntou se queira tomar umrnbanho, e fui para a suíte, desfiz a mala e coloquei minhas coisas, numarncômoda, onde tinham algumas peças femininas, acho que deviam ser dasrnaventuras do carioca, ou sua coleção particular. Tomei meu banho e mernpreparei, coloquei o mesmo espartilho que usei com o Luiz, e tanguinharnpreta transparente, sinta de ligas, meias de seda e com gel puxei todo orncabelo para trás, e prendi com uma borboleta com strass, quando me viurncarioca imediatamente tirou a sua roupa e seu pau apontava para o teto, ernme chamava de minha Madonna, aquilo mexeu com meu ego, que partirnpara o ataque, nos beijamos muito e então carioca me deu outra seringarnpara por no cú mas lhe pedi que ele mesmo o fizesse. Carioca pegou arnseringa encheu com o anestésico, e eu me posicionei, ajoelhei no chão ernempinei o rabo, ele apenas afastou a tira da minha tanguinha, tirou o ob ernmandou a seringa pra dentro e lá no fundo depositou todo o liquido.rnFiquei nesta posição por mais uns cinco minutos, e depois carioca me pagourne levantando meu dorso, deu seu pau para que eu chupasse. Chupei comornpode e não deixei ele gozar ainda, pois queria toda a porra que ele tivesse,rndentro do meu cú, me pus na cama na beirada e na posição de frangornassado, carioca, veio e posicionou seu pau no meu rego, pincelou variasrnvezes, e depois direcionou ao meu botão do prazer. Começou a forçarrnvagarosamente, e quando a cabeça passou fez um pequeno ardor na bordarndo meu cú, depois de um tempo carioca prosseguiu entrando, já não sentiarndor, e quando chegou ao fim sentia o reto estufado, demos um tempo porrnalguns instantes e depois iniciou o vai e vem, em poucos movimentos elerngozou, e na sequência iniciou outro entra e saí, e gozei rapidamente, destarnvez eu o acompanhei no gozo. Meu gozo foi tão intenso que atingiu a minharnprápria boca, foi maravilhoso. Saímos para um banho e depois fomos assistirrna tv, onde tinha um canal gay e assistimos a um filme enquanto eu ornpunhetava vagarosamente, depois começou outro com um cara com paurnmonstruoso e eu falei pra ele iria sentar em seu pau para assistirmos aornfilme juntos. Lubrifiquei bastante seu pau e meu cú, posicionei a cabeça arnentrada de meu cú, e fiz foca para descer, não entrava, então subi no sofá ernposicionei novamente, desta vez, meu cú se abriu totalmente, e fuirndescendo doeu bastante mas com determinação fui descendo, não deu pararnencostar na base, então desci as pernas ao chão uma de cada vez e mernposicionei da melhor maneira ficamos assim por um bom tempo e assistindornao filme, quando o cara do filme pegou o pau de seu amor e começou arnpunhetar, ai carioca fez o mesmo pegou meu pau e o punhetava enquantornassistia ao filme e eu me deliciando da punheta que recebia, ia dando jeito ernentrar mais no meu cú, até que eu gozando eu consegui enterrar o pau norncú totalmente, meus espasmos do gozo foram o suficiente para que orncarioca gozasse também.rnFicamos engatados ate terminar o filme, assim seu pau poderia estarrnmenor, mas quando forçou a retirada, senti que a anestesia estavarnpassando e que seu pau não murchou quase nada, a saída foi um poucorndolorosa, mas quando saiu, saiu muita porra, e nada de sangue, ou seja,rnmeu cú já estava bem adaptado ao seu pau.rnFomos tomar outro banho, e aproveitamos para dormir a tarde toda,rnacordamos já era por volta das 22:00 hs. E fiz nova chupeta para o cariocarnque gozou bastante na minha boca, quase, não consegui beber tudo.rnDepois pedi mais, e já ia me posicionando para receber o anestésico,rnquando carioca me alertou que havia um limite diário de uso, que sárnpoderia usar amanhã novamente, então falei pra ele e hora de usar apenasrno lubrificante mesmo, pois teria que conseguir recebê-lo sem anestesia, elernachou átimo, pois a anestesia tira um pouco o sentido na foda, e ao naturalrnseria muito prazeroso.rnDei o tubo de gel na sua mão e mandei colocar o gel dentro do meu cú e elernfez como com a seringa, enfiou o tudo inteiro e lá dentro despejou ornconteúdo todo depois pegou um novo tubo e lubrificou seu pau, eu fiz comornna primeira vez debrucei na mesinha de centro da sala e agarrei aos pés darnmesinha, abri ao maximo minhas pernas, e lhe pedi calma e cuidado, poisrnprecisava do cú para sentar e cagar.rnCarioca riu e disse, terei o maior cuidado com essa preciosidade.rnPosicionou atrás de mim e iniciou a entrada, doía muito e a medida quernavançava a dor aumentava, carioca ia com muito carinho e bem devagar,rndemorou mais de meia hora para chegar até a metade, então resolveu pararnpor ali e bombar devagar e gostoso, a dor ia diminuindo, e lhe pedi maisrnpica, e ele conseguiu chegar a 3?4 da pica, estava muito bom, apesar dorndesconforto. Carioca estava para gozar, e começou a acelerar seusrnmovimentos, quando gozou acabou de enterrar todo seu pau no meu cú,rnacho que a porra e os espasmos ajudaram. Estava todo dentro de mim, ernpedi para começar de novo desta vez de frango assado, me virei como deurnem cima da mesinha sem deixar que seu pau saísse de dentro de mim, ernaquilo era maravilhoso, carioca debruçou sobre mim, e me beijou enquantorniniciava a socar seu pau, depois de algum tempo seu pau inchava, era ornaviso de outro gozo, então peguei meu pau e punhetei junto ao meu machornseguindo seus movimentos e gozamos juntos, depois carioca pegou minharnporra e com os dedos levava a minha boca, achei o máximo quando emrnseguida me beijou.rnDormimos a noite toda e pela manhã fui tomar um banho e vi que meu cú járnnão era o mesmo, mal fechava, estava nu na cozinha e ele chegou por trásrnme encoxando e pedindo mais, arqueei o corpo na pia com as pernasrnafastadas e o braço estendido, e carioca lambuzou meu cú e seu pau comrnmanteiga e me comeu ali, e falava ao meu ouvido, isso que é café darnmanhã pão, rosquinha na manteiga e muito leite, e gozou.rnDepois saímos para o almoço no shopping, onde enquanto eu pegava osrnpedido do almoço, ele me comprou de presente outro conjunto de short doll.rnA tarde, uma nova sessão de filmes e muita foda, me fodeu de coqueirinho,rnde lado, de cachorrinho, e eu já não precisava de anestesia mais.rnA noite, fodemos pra valer, foi a noite inteira, uma na sala, uma na cozinharne uma no carro dentro da garagem, foi muito bom.rnDormimos abarcados e pela manhã ele precisava ir trabalhar, então nosrndespedimos com uma bela chupeta, onde ele gozou muito. Depois acheirnmelhor não prosseguirmos na nossa amoramizade, pois ele tinha sua vida erneu a minha, era complicado manter este vinculo, mas quando tivessernsaudades nos veríamos de novo.rnContinua...... parte final.rn<p>rnFazendo horas extras.Ix ? o final<h1>rn<p>Fui para casa e quando cheguei liguei para o Luiz, ele dissernque estava com muitas saudades, e não via a hora de me ver,entãorncombinamos para quarta feira, lhe prometi que faria o almoço, para nás.rnNa terça feira, preparou minha mala, com muitos apetrechos, e a noiternpensei em ligar para o Luiz, mas desisti, pois já estava combinado, entãornnão precisava.rnSaí logo cedo e quando chegava ao prédio cruzei com garotinho lindo olhosrnazuis, loiro, um gatinho mesmo, e chegando a portaria, perguntei do Luiz, ernele respondeu que estava sim, e que nosso primo acabou de sair.rnAchei estranho e perguntei qual deles?rn- Um loirinho o Pablo.rnAh! Que bom que ele veio, e faz tempo que ele estava aqui.rn- Desde de sábado depois do almoço.rnPoxa queria vê-lo, pois faz tempo que não nos encontramos, então subi.rnCheguei ao apartamento, e Luiz estava saindo do banho, meu assustado,rnmas feliz por me ver, me beijou e abracei, eu então, fiz, que nada sabia, ernestava decidido a tirar proveito do momento e depois terminar tudo.rnSugeri, preparar um almoço especial, e depois darmos uma bela trepada,rncom tudo que tem direito, e se ele não tivesse marcado com nosso primo,rndormiria lá e no dia seguinte sairiam cedo e ia embora, seria o fim destarnaventura.rnFui tomar um banho, e assim aliviar o meu stress, pois não contava comrnaquela situação.rnTomei aquele banho demorado, pois estava atordoada mesmo, depois senteirnno bidê, e passei loção corporal bem devagar, mas caprichado mesmo, poisrntalvez seria a última com Luiz.rnColoquei uma camisolinha branca muito transparente, e mais nada, e fuirnpara a cozinha, Luiz, elogiou, e me abraçou por trás e foi encoxando atérnchegar à cozinha, pus um avental, e fui prepara nosso almoço, fiz algo leve,rnmas que suprisse as necessidades de boa foda.rnTudo pronto e almoçamos, e como de costume, tomei minha sobremesarnfavorita, porra bem quentinha, e muito saborosa, direto da fonte ajoelhadorndebaixo da mesa.rnDepois me levantei, e fui lavar a louca, Luiz se aproveitando da situação, foirna suíte e com o gel na mão veio e lubrificou seu pau, e erguendo arncamisolinha, lambuzou meu rego, e tocou seu pau pra dentro, pela posiçãorndoeu um pouco e arquei para facilitar, enquanto lavava a louça com asrnpernas abertas, Luiz me fodia, estava muito bom sendo humilhada daquelernjeito, depois enquanto limpava o fogão, gozou em mim, aquilo me deu umarndúvida tão grande, pois ele empurrou seu pau em mim, me abraçando porrntrás, beijava minha nuca, e me punhetava, dizia maravilhas no meu ouvidornaté que gozei, na sua mão, e meus espasmos o levaram a novo ereção, e járnia iniciando nova foda, quando o interrompi, e puxei para a suíte. Deitei narncama e Luiz me chupava meu pau, a minha cabeça estava muito confusa,rnme sentia a puta que tinha descoberto que outra puta estava com seurnmacho, e em meus devaneios gozei outra vez e Luiz, até comentou:rn-Meu amor quanta porra desse jeito fico com inveja.rnE realmente ele tinha razão acredito que nunca tinha gozado tanto, aquilornme maravilhava e ao mesmo tempo, me deixava louco.rnLuiz me pos de quatro e lubrificou meu cú, e sua mão, mas lhe disse que erarnpara ter cuidado, pois estávamos há muito tempo sem fazer aquilo, ernpoderia me machucar.rnLuiz começou com os dedos, e depois a conchinha forçou a entrada e estavarndifícil, aí pedi para tirar, e mudei de posição, desta vez de costas, ele sernposicionou em cima de mim, e eu abocanhei seu pau. Como se fosse arnultima vez. Luiz com a mão lubrificada iniciou a introdução de seus dedos,rnem meu rabo, ele ficou brincando enquanto eu o chupava, quando estavarnpara gozar, ele tirou seus dedos de

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos meu primeiro crossdressingcontos de incesto onde tio coloca sobrinha de nove anos no coloconto meti um chifre no meu maridosconto madrasta tranformo enteado en travestibucetinha piquinininha de adolecente pretinha escorrendo arregacada"voce e muito corno"novinha de shortinho curto mostrando os pelinhos das nádegascontos eroticos meninos pintinhoposso dilatar a porta do meu anus todo dia?contos erotico eu minha esposa gostosa e meu sobrinhoContos eroticos de travestis tarados.conto erótico gay em cinema. De RecifeEstouraram meu cuzinho na viagem contoscontos eroticos com fotos:nerd pausudo com a casada seriaestrupada contosum romance com minha maninha-contos:eroticosConto erotico seios doloridoscontos eróticos minha nora cuidando de mimContos eroticos comendo a policialcontos eroticos porno de pirralhas inocentesconto erotico incesto sonifero filhaxvidio masturba pesandoconto flagrei minha mulher com um estranhoGurila.trepa.na.muher.e.fode.por.cima.da.calciha.e.acabacontos me fuderam atraves de chantagenscontos eroticos dormindoeroticosgameContos eróticos d homem com éguaporno sujo porra na boca guspe mijos e muita porcariacontos eroticos garotinhaContos homens comendo terneirascontos mulher desmaio na picacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteminha mulher já deu pra todo mundo contosokinawa.ufa.ru conto orgíaschantagem minha irmã e como o cú delscontos de coroas casadas comendo as e amigas com pinto de borrchas cinta lesbicasconto erotico gay adotivoconto erotico incesto sonifero filhaconto prima casada evangelivacesto de roupa sujas contos eróticoscontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscomtos de incesto com subrinha na caxuera no carrocontos eroticos de empresarias no hotelconto erótico sentada melcontoserotico, sogrocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteamo cheirar a boceta da minha esposa pela calçaconto gay papai gosta que chupem o pau delehistória erotica garotada enrabada surubatroca casais no acampamentos contos eróticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos calcinha furadaGay passiva com dois negoes contosnovinha abocalhando um paumeu cao meu machoContos erotico amigas devendoseduzudo e fudido contos gayescurdo bucetona arreganhada foto delasconto erótico meu inimigo banheiroe Deus que cavalo inteiro transando ai ele tem pinando amolecer botar a mão na orelha Ela empinafotos e imagem de cuzinho irma contoscontos coloquei so a cabeça do pau no cuzinho da minha filhaos contos de sexo maois filias safamdaspornô doido irmão f****** irmã fortemente com pau bem grandãocontos gay eu minha esposa e meu sogroContos nossas filhasminha mulher alargou meu cu contobuceta cavala conto eroticocomendo a coroa de 80 anos virgem contosConto comida por velhos sexomeu marido bebeu e meu cunhado me comeucriei uma puta contos eroticos casada estuprada na frente do maridocontos. erot encest estou pegando minha. maecontos eróticos sentada no colo do padrasto na frente da mãe na hora da jantaduas irmas gozando juntas conto erotico