Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SHIRLEY: HOJE SOU SERVA

Chamo-me Shirley, nome fictício, pois sou conhecida onde moro: AlphavilleSão Paulo. Tenho 28 anos e casei-me com a idade de 21, tenho um casal de filhos até agora e pretendo poder ter pelo menos um (quem sabe de meu DONO, rsrsrsrs). Meu marido chama-se Ciro, é um homem extremamente amoroso e que constantemente demonstra o quanto me quer bem. Trabalhador tem como função atual ser gerente de uma empresa de consultoria empresarial em São Paulo capital. Ele tem um ano a mais que eu na idade e, posso dizer a vocês que nos combinamos muito bem, realmente afirmo que nascemos um para o outro. Bem gosto demais dele, mas existem fatos que acontecem em nossa vida que mudam totalmente o rumo em que vivemos.
Eu fiz uma sinopse do que aconteceu, mas meu DONO que a colocou com coerência e em seu lindo estilo a narrativa abaixo, a fez corretamente e sob a forma de CONTO. Por ordem DÂ’Ele contarei desde o começo como virei escrava, garanto que é a mais pura verdade o que relatarei abaixo, procurarei ser a mais coerente possível com tudo que me aconteceu, para poder transmitir a vocês a vida interessante que hoje levo, servindo a um DONO que me dá sá prazer e alegrias mil e tendo um marido realmente companheiro e que o amo. Vivo uma vida diferente, eu sei, talvez não consigam entender essa minha forma de ser, mas posso dizer que eu também às vezes não me entendo, apenas sei que é maravilhoso tudo que me acontece... Tenho experiências que me causaram admiração pela forma que ocorreram e que dariam para fazer um livro se as contasse integralmente, mas aqui é um breve relato.
Há cerca de três anos começou para mim uma nova vida, virei escrava de um homem charmoso e inteligente ao extremo, é um relacionamento que me satisfaz muito, mas que teve um início bastante atribulado. Meu esposo até hoje nada sabe e nem desejo que venha saber, pois seria uma imensa desilusão a ele e, não desejo magoá-lo. Sou bem branquinha, embora esteja quase sempre bronzeada, pois vamos às praias de Santos a cada quinze dias aproximadamente, cabelos lisos negros até o ombro. Meço 1.69, sou magra (58 kg) tipo mignon, de bundinha arrebitada e seios tamanho médio, procuro sempre estar na moda e bem sensual. Gosto de me exibir, de chamar a atenção dos homens e das mulheres também, porque não, embora até conhecer DOM GRISALHO tivesse sido totalmente FIEL ao meu marido. Sempre gostei que todos me olhassem e ficava muito satisfeita intimamente quando mexem comigo na rua, por isso, sempre usei roupas bem provocantes, que delineiam minha sensualidade. Tenho olhos azuis claros e um rosto de menina sapeca. Formei-me em Pedagogia e andei dando aulas em alguns colégios como professora substituta, mas não pude continuar porque além de me pagarem mal, eu precisava cuidar das crianças e da casa. Sinceramente confesso que até conhecer o meu DONO, depois que me casei nunca havia saído com outro homem senão meu esposo. Confesso e acreditem é verdade mesmo! Mas de três anos para cá, sou outra mulher, que conheceu um verdadeiro homem que me satisfaz e me dá prazeres que nunca ousei experimentar, aliás, nem sabia que existiam tais prazeres...
Como falei, gosto de ser desejada, mas abortava de forma dura os que tentassem alguma coisa a mais que gracejos, ostentava uma aliança bem bonita e grande para que vissem que sou casada e não se atrevessem a tentar alguma coisa mais ostensiva. Essa forma de que sou, bem sensual é desejo de meu marido também, porque gosta de exibir-me como um troféu e despertar inveja de quem nos vê e com isso fica muito orgulhoso de mostrar-se ao seu meu lado, eu percebo que ele se excita vendo-me desejada, eu diria que é um fetiche nosso, pois tanto Ciro quanto eu adoramos esse despertar nos homens em especial, e nás dois ficamos excitadíssimos quando notamos esse “frisson” e sempre que podemos, agimos assim, independente do local que estamos. Eu sou exibicionista por natureza e meu marido gosta de mostrar-me, rsrsrsrs. Nunca conversamos sobre esta nossa fantasia, apenas fazemos...
Embora tenha um jeitão de ser malandrinha, tive poucos namorados antes de conhecer Ciro e apenas com um fiz sexo, mas depois de casada permaneci totalmente fiel, pois como eu disse, meu marido era suficiente para mim. Bem isso foi verdade até conhecer DOM GRISALHO. Não digo que não desejava outros homens, mas entre o desejar e o fazer havia uma distância enorme que não me atrevi a transpor. Nunca aconteceu, até...
Vamos lá, contarei como foi o início. Eu e Ciro fomos a uma confraternização familiar, aniversário de minha cunhada, irmã mais velha do meu esposo, sem filhos, divorciada e que mora com a mãe. Minha sogra é engenheira arquiteta de grande prestígio e viúva há alguns poucos anos. Residem no mesmo bairro que nás, a casa em que moramos é presente de meu falecido sogro quando nos casamos. Naquela ocasião minha cunhada já morava com eles aproximadamente uns seis meses, desde que se separou do companheiro e voltou para a casa dos pais.
Eu naquele dia estava muito excitada, provavelmente em razão de estar ovulando, e ainda mais depois de um banho reconfortante e complementado por um creme delicioso no corpo. Coloquei uma roupa sensualíssima como meu marido já me havia pedido, ele em reunião intima gostava de mostrar-me e despertar tesão em seus familiares. Escolhi uma roupa linda, bem chamativa, diria até exuberante: um conjunto azul claro que combinava com meus olhos e que deixava um bom pedaço de minha coxa esquerda exposta e sem sutiã, com um decote que deixava também metade de meus seios à mostra. O conjunto adequado ao meu corpo - ficou bem torneado em mim, tinha um corte do lado esquerdo que ia até encima e quando eu cruzava as pernas dava pra ver até a calcinha se eu deixasse... E, como complemento Ciro escolheu uma lingerie bem curtinha que combinava com o que eu vestia. Era azulzinho também, fio dental que entrava bem em minha bundinha, foi comprada por meu marido e que me pediu para usar.
Quando lá chegamos, senti diversos olhares em minha direção, aliás, como sempre acontecia; mas desta vez eu notei alguma coisa diferente no olhar de seu Antonio, sogro de meu irmão, especialmente. Ele sempre pareceu olhar-me com certo fervor, mas eu entendia aquilo como um elogio e até o provocava brincando, mas naquele instante, ele me comeu com os olhos de forma fixa, diria até exagerada. Depois eu percebi seus olhos me seguindo por diversas vezes na festa. No início, lisonjeada, permiti até que dissimuladamente, ele visse parte de minha calcinha quando se posicionou à minha frente, mas com a sua insistência já estava se tornando inconveniente, com os seus olhares firmes e constantes, aquilo me incomodando mesmo, fazendo-me já esquivar-me dele. Ciro perdia-se em conversas com amigos e de vez em quando aparecia e me dava um beijinho no rosto e cada vez mais bêbado com um copo de whisky ou sei lá o quê na mão. Eu estava com tesão a flor da pele e procurava excitá-lo dizendo à ele “... quero-te inteiro logo mais, hem", ele ria e continuava bebendo. Aquela noite eu queria transar com meu marido de forma intensa, estava precisando. Foi depois de uma dessas aparições de Ciro que seu Antonio surgiu por trás de mim sem que eu tivesse percebido. Ele me segurou pelo braço me apertando com certa força ao mesmo tempo em que dizia “eu sei que você trai o Ciro” “o Senhor está louco seu Antonio e está me machucando, 55 anos é muito novo pra ficar gagá, hem”. Tentei ser sarcástica pra disfarçar minha surpresa indignada. Ele falou mais ou menos isso “eu vejo esse seu jeito de piranha metida e vou te provar, eu tenho fotos suas com um camarada”. Eu estava perplexa. “eu nunca traí o Ciro, e que negácio é esse de me chamar de piranha seu Antonio? O senhor está bêbado?”. “E aquelas fotos com aquele cara?”. “Que fotos, o Senhor tá louco ou bêbado como o Ciro?". “Eu te mostro, vamos lá encima no terceiro andar, no meu escritário”. Embora não quisesse ir porque não haveria foto nenhuma, mas fiquei de certa forma curiosa, poderia ser outra pessoa e ele estava achando que era eu, sei lá, ou uma montagem, coisa tão comum hoje em dia. Olhei ao redor para chamar o Ciro para ir conosco, mas ele havia sumido de novo. Pedi que ele me soltasse e chamasse o Ciro ou alguém e deu pra ver o vermelhão no meu braço pela força que ele me apertou. Eu fiquei mesmo chateada. “O senhor ta pensando o quê para me apertar desse jeito?”. Ele alegou que o Ciro estava bêbado pra fazer algum juízo e que se tratava de algo muito sério e que não gostaria de prejudicar meu nome aos parentes e amigos; pediu mais delicadamente para que eu subisse na frente me empurrando levemente. “Vamos lá ver e você me prova minha querida, que realmente não é você e eu lhe peço desculpas então”. “Vou sem vontade de ir, para provar ao senhor de que sou uma mulher séria e que nunca deixe de cumprir minha função de esposa fiel e não deixar dúvidas alguma sobre meu comportamento, mas depois irei contar ao Ciro o que está me falando”.
Então, resolutamente segura, ofendida e irritada, comecei a subir rapidamente as escadas. Dava pra ouvir o barulho da respiração de Seu Antonio logo embaixo de mim na escada. Eu não parava de pensar que aquele velho estava ficando maluco e podia estragar meu casamento por uma cisma injusta. Ao mesmo tempo em que, não sei muito bem por que, a respiração ofegante dele atrás de mim, embora me fizesse surgir o pensamento: “velho tarado” já quase chegando à porta, sentindo que ele poderia estar vendo, e estava com certeza vendo minha calcinha enquanto eu subia, excitou-me e eu fiquei envergonhada e quis voltar, mas ele não deixou me impedindo a passagem e já estávamos quase na porta que fica exatamente no fim das escadas. Ele se mostrava bem mais agressivo. "Não! agora você vai lá ver sua putinha e me explicar que fotos são aquelas". Certo medo surgiu-me, mas eu já começava a acreditar na merda das fotos. Mas que fotos? Seu Antonio, que negácio é esse de putinha? Ele abriu com força a porta e me empurrou para dentro acendendo imediatamente uma luz. Quando ele me empurrou mais uma vez eu acabei me desequilibrando e caí sentada na poltrona e meu vestido subiu colado no corpo, aparecendo toda minha perna esquerda e parte da calcinha. Um medo estranho, desconhecido, foi tomando conta de mim. Pensei: o homem está louco! Parecendo sempre reservado e sério, o homem deve ser na verdade um maníaco como os seus pacientes, era psicálogo criminal, com trabalho no governo estadual dedicando-se a tratar de presos com diversos graus de desequilíbrio mental.
O olhei de forma dura e pude ver nos olhos dele um olhar de bicho encurralando uma presa e um novo tremor de medo percorreu-me a espinha. Ele é um doido e vai me matar! O barulho de vozes e o som lá embaixo parecia oferecerem a cumplicidade que seu Antonio desejava naquele momento. Eu me levantei rapidamente me recompondo, ajeitando o vestido pensando em como sair dali, quando veio o primeiro tapa no meu rosto, sim isso mesmo um tabefe dolorido. O inesquecível primeiro tapa... “não tem foto porra nenhuma não, mas eu sei que você é uma putinha e trai descaradamente o Ciro. Olha essa roupa! piranha metida!”. É o que posso me lembrar de tê-lo ouvido dizer entre outras coisas. Eu estava zonza com a tapa e com medo crescente. Que eu podia fazer para sair dela era o que me vinha a mente.
Quando algo completamente inusitado meu algoz o fez, pude vê-lo desafivelando o cinto e abaixando a calça e a sua cueca com rapidez e surgir já surpreendentemente ereto, um pênis maior do que o do meu marido, aliás, muito maior. Lembro-me de ter-me impressionado nos breves segundos com a envergadura do membro, já que pude olhar com nitidez. Causou-me espanto estar já tão duro. Não esperava de causar-lhe tal efeito, confesso. Ameacei gritar, cheguei a soltar um grunhido mais alto, mas ele se aproximou mais e com a mão esquerda tapou minha boca e enfiou a mão direita pela abertura do meu vestido e me tocou por cima da calcinha “não falei que era uma putinha... já tá toda meladinha sá de estar comigo aqui nessa situação, olha sá. Olha a calcinha da piranhinha toda enfiada no cu, por que tá toda molhadinha? Eu sei por que putinha. É porque quer me dar piranha". E puxou-a mais para cima, enfiando mais, puxou pela parte da frente mesmo a calcinha. Eu me contorci para frente de dor. Eu estava desnorteada e me estranhando, um tanto surpreendida por estar tão excitada e desequilibrada com aquela situação, tentando tirar suas mãos fortes, embora maduras, fortemente presas em mim. Não há como alguém possa imaginar o meu transtorno naquele momento, não tinha a mínima idéia como agir e o que fazer para sair daquela situação em que me encontrava. Mil pensamentos iam e viam em minha mente, será que eu seria estuprada? Será que eu seria morta? Seu Antonio era um louco completo, o que ele faria comigo. Tentei dialogar, mas a minha voz não saia de tão estupefata que estava...
Uma mão na minha boca e outra entre minhas pernas, achando tudo muito estranho por essa minha reação, que incompreensivelmente, quase que instintivamente, apesar de todo medo, eu abri mesmo um pouco mais a perna para quê ele tocasse melhor, para sentir enfim aquele dedo, ou aquela mão insistente... Ele ameaçou um sorriso, mas num impulso de consciência, num ímpeto de moral e pudor, eu tentei me desvencilhar para sair e pensei em voz alta: o senhor está me violentando! Foi quando ele abriu o sorriso e me soltou, eu cambaleei e Ele desferiu um novo tapa, agora no outro lado do rosto, e dessa vez mais forte, que me fez sentar novamente tonta na poltrona. Ele se aproximou cada vez mais, sua mão direita forte se enroscou no meu cabelo por trás da minha cabeça me puxando de encontro ao pênis que parecia estar cada vez mais duro e ordenou falando várias coisas sem parar “chupa piranha, anda cadela, eu sei que você quer chupar, eu sei de que você é devassa! Chupa, anda, pode chupar que eu sei que você quer. Shirley ninguém vai saber que você é uma puta e me de uma chupada e logo, vamos. Eu estava mentindo sobre as fotos, mas que você é uma puta eu sei, e vai trair o Ciro agora pela primeira vez. Vai, pode trair ninguém vai saber". Dizia isso entre outras coisas que não me lembro bem. Ele me pegava com força pelo queixo com a mão que não segurava o cabelo e aproximava mais a minha boca. Um pênis enorme, completamente duro... Eu não imaginava que seu Antonio, com aquela idade e tão respeitado, fosse ficar assim tão duro e por minha causa e dizer aquelas coisas... “piranha! Eu sei que você é mesmo uma cadela e quer chupar! Está louca para chupar! Anda! Chupa! Ninguém vai mesmo saber.”.
Tudo me chocava... E excitava de uma forma que não sei explicar, pois estava com tesão a flor da pele, e já estava assim desde o período da tarde de hoje. Eu percebia o quanto estava sendo humilhada e tentava virar o rosto fortemente seguro por ele, mas minha indignação e medo aos poucos foram estranhamente minados e surpreendentemente sendo superados por um desmedido e inebriante prazer e uma impensada curiosidade; uma onda que começou a me envolver e que até então eu não conhecia e que ia se apossando de todo meu corpo, me tirando as forças, me fazendo mole e fraca. Eu estava tonta sem ter bebido nada. Minha cabeça girava, não tinha idéia do que fazer. Estava sem saber como sair dele. A tentação maior a cada segundo, começando o superar o medo que eu sentia pela situação. No exato momento que Seu Antonio mais uma vez repetiu, me falando para lamber seu pênis e a minha cabeça desvairada, estava me convencendo de vez que eu queria aquele membro, comecei a desejar de forma imensa, mas que faria, Seu Antonio é sogro de meu irmão, se Ciro descobrir, se minha família vem a saber. Outra ordem de forma incisiva: “chupa puta, que ninguém vai saber...”, eu, já entre lágrimas, a mim mesma mais uma vez surpreendi, quando por fim, não ofereci mais resistência e fiz o que meu corpo desejava muito mais do que minha razão podia comandar...
Perdi o medo e a vergonha da situação, e deixei os instintos predominarem e coloquei a boca em direção ao que Seu Antonio desejava e insistia. Não era mais dona de mim e meus lábios se aproximaram daquele pau imenso e comecei a chupar devagar, curiosidade e receio ao mesmo tempo, incrível, o receio de quem comete um crime, aos poucos, bem devagar, mas com um prazer crescente ao som dos gemidos que ele mostrava e falava... Lembro-me bem que nesse momento levantei os olhos para vê-lo melhor e à sua reação e, o vi mordendo os lábios, gemer mais alto e fazer que sim com a cabeça, como que aprovando e dizendo delicadamente “pode chupar...”. Então, estremeci de tesão puro e com o instinto dominando-me, envolvi a cabeça do pau de Seu Antonio todinha com meus lábios e, chupei, chupei a cada instante com mais vontade e sofreguidão, com meus olhos tentando ver seu rosto e a aprovação dele e vi que me olhava satisfeito enquanto murmurava vitorioso e sorridente entre gemidos "isso, puta, agora sim, assim que se faz putinha. Que delícia! Eu sabia, eu sabia... Eu sabia Shirley que tu eras uma puta mesmo! Que delícia te ver assim. Que boquinha! Putinha! Linda! Piranha! Assim... que delícia!” E eu chupava já completamente molhada e languidamente entregue, submissa; acho que surpreendendo até a Ele pela volúpia e devassidão que estava a tomar conta de mim.
Chupava com gosto sentindo o leve aroma de perfume que exalava dos pelos de sua virilha. Ainda surpreendida, mas já completamente envolvida pelo prazer, inclusive as coisas que ele falava já não sentia ofensa e um lado do rosto latejante e vermelho pelo tapa que ele dera. “ta muito boa essa boca, sua vadiazinha linda.”. Ele tirava o pau da minha boca e mandava que eu lambesse o saco e eu obedecia entorpecida, desfalecida, entregue, ávida, prazerosa. Lembro-me que ele falava sem parar e suas palavras iam me excitando loucamente cada vez mais. “Isso, assim puta! Humm, muito bom, chupa muito bem, cadela, tem vocação profissional, eu sabia. Piranha mesmo, eu sabia! Aquele viadinho do Ciro... não sabe e nem vai saber. Pode ficar tranquila Shirley, você é mesmo vadia, pode chupar. Chupa!”. Num ato mais nervoso e parecendo super-excitado, ele largou do meu cabelo com a mão direita sem que tirasse sua virilha do meu rosto e bateu entre meus joelhos com força para que eu abrisse mais minhas pernas. Eu, ainda inibida, mas já sem pudor, abri vagarosamente até abrir tudo e ele enfiou por entre elas sua mão atrevida e massageou com força meu clitáris e depois enfiou um dos dedos me fazendo gemer de dor e surpresa, e eu chorei mais ainda. "Puta merda. Shirley como é gostosinha a vadia. Bucetinha do jeito que eu gosto: pouquinho pêlo e encharcadinha, tenra e macia. Agora levanta piranha, aquele corno do Ciro não te dá o que você precisa. Por isso tu és tão metida, cadela! Anda, levanta senão vai levar outra tapa e desta vez bem mais forte. Sei que é vadia!".
Eu levantei obediente e tremendo de tesão sem parar mais de chorar e gemer. Eu estranhava os termos pesados para serem utilizados por Seu Antonio, Ele é um psicálogo de renome na cidade. O pouco que o conhecia não tinha absolutamente nada a ver com aquele Dr. Antonio daquele momento. Eu não tinha idéia daquele Dr. Antonio. Mas eu estranhava mais ainda o fato de eu estar gostando daquele jeito e querendo mais ainda... Minhas pernas balançavam mesmo, pareciam que iam se curvar involuntariamente. E meus joelhos chegavam mesmo a se curvar levemente. O medo que eu sentia ainda era enorme, mas mesmo assim, menor que o prazer. Nesse instante, uma coisa me invadiu e eu queria sá obedecer. Não me perguntem por que de tanto prazer, não sei mesmo explicar. “Apáia as mãozinhas na mesa e vira a bundinha para cá pirainha”. Ele ordenou dessa vez delicada e estranhamente. Eu obedeci rapidamente, e tamanho já era o tesão que eu resolvi ajudar e eu mesma suspendi com dificuldade o vestido apertado até acima da cintura. Ele deu uma gargalhada mais forte. “Agora já ta doida que eu lhe enfie logo a pica hem, és vagabunda e Eu sabia. É uma piranha mesmo, Eu já desconfiava a muito tempo... Eu sabia... Vai me dar muita alegria. Mais do quê Eu pensava... Quanto tempo Eu perdi que ainda não fudi essa buceta... Mas não é assim tão fácil a você, sua puta, antes você vai levar um castigo por ser tão piranha e trair meu querido Ciro assim. E por ter sido mais fácil do que eu pensava, cadela mesmo!”. Sorria e dizia isso ao mesmo tempo em que se debruçava na mesa comigo no caminho, até achar e pegar uma régua de madeira e começar a bater nas minhas nádegas com força com a tal régua. Sem motivo, sá pelo prazer de bater e me ver sofrer. Eu comecei a chorar de soluçar mesmo. Era uma dor lancinante, cortante, que eu não esperava sentir um dia... E com um prazer que eu não esperava de sentir também... O medo do que Ele ainda pudesse vir a fazer comigo se juntava a um tesão incomparável e talvez isso fizesse com que eu tremesse cada vez mais a cada silencio que precedia mais uma “reguada”. Eu soltava entrecortada de dor, lembro-me bem, algo como um ai, que saía fechado e chorado da minha boca, que em bico, era molhada por lágrimas, saliva e suor. O barulho lá embaixo parecia aumentar para abafar meus soluços “chora baixo cadela, senão vou fazer você engolir a merda dessa régua”. Consegui segurar um pouco o choro, mas a tremedeira não. Ele encostava com força a régua nos meus lábios reprovando os sons que por ventura saíam mais altos da minha boca e depois voltava a bater misturando o som das tapas a suas risadas e frases. Eu sofria, mas inacreditavelmente, sentia um prazer que me desfalecia e entorpecida. E o medo? O medo estava ali também sempre na expectativa do que mais viria. Ele seria completamente louco? O que mais faria? Mas eu passei a ansiar para que Ele mandasse sá para que eu pudesse obedecer; tonta de prazer, desejo e medo. E o prazer de obedecer cegamente nunca mais saiu de mim. Eu nunca tinha tremido daquele jeito. Tremia de prazer e medo... Era tarde para voltar atrás. Eu não queria mais voltar atrás, que me matasse de prazer. Eu me entregara de vez ao Seu Antonio, o queria mais, faria tudo que Ele mandasse.
Foi quando ele se aproximou mais e senti sua mão puxando a calcinha para o lado e encostar o pau enorme. “como treme hem cadela! Adoro putas que tremem assim”. Eu não tremia assim antes, foi dali para frente. Devia ser uma reação do medo associado ao tesão. Sei lá, de repente me fez ver estrelas enfiando tudo de uma vez na minha xana assim por trás e logo em seguida começou os movimentos de vai-e-vem com força me fazendo gemer e mexer sem parar, quase gozando, puxando ele pra junto de mim, empinando-me mais para trás. Eventualmente, eu conseguia que uma das minhas mãos deixasse de se apoiar na mesa para puxá-lo mais para dentro de mim ou para massagear meu clitáris, adicionando mais prazer ainda. Eu nunca tinha sido penetrada por um pau tão grande. Eu nunca havia apanhado assim e não sabia que ficaria tão excitada com isso, que estaria tão submissa, que teria tanto prazer. Ele não parava de me bater na bunda, agora com suas mãos fortes, puxava-me pelo cabelo, dava risadas olhando diretamente para mim e falando coisas, xingando sem parar. Enfiava o dedo na minha boca que eu chupava gulosamente, dava tapinhas na minha cara, até que se inclinou todo por sobre as minhas costas, puxando pelo lado esquerdo do cabelo para que eu oferecesse o meu ouvido e falou mais baixo e num tom mais grave “você agora é minha putinha, Shirley minha piranha. Eu sou seu Dono. Seu Dono! Ciro não saberá de nada e continuará sendo seu marido corno sem saber de porra nenhuma. Ouviu piranha?”. Eu não falava nada, sá gemia, estava quase gozando, me inclinava mais para traz pra que ele entrasse todo e ele ria parecendo vitorioso. Ele perguntou mais uma vez “Shirley ouviu, responda piranha?!” Eu fiz que sim com a cabeça e ele me perguntou “Shirley quer gozar?” Eu fiz que sim com a cabeça novamente quase suplicando.
Ele mandou “então fale repetindo o que eu vou mandar - e eu fui redizendo chorosa à medida que ele ia falando: “eu, Shirley, agora sou a cadelinha do meu Dono e Senhor Sr. Antonio, que chamarei de ora em diante de DOM GRISALHO e eu farei tudo que Ele mandar, sem questionar ou reclamar de qualquer forma, somente dando PRAZER; serei tudo que uma putinha obediente tem que fazer quando seu Dono mandar...” E recomeçou a me bater e meter, bater e meter e mandar que eu dissesse que era uma puta de novo e que estava gostando de ser sua puta e eu já quase gritava rouca, chorosa “eu sou sua puta e estou gostando!” Quando eu comecei a gozar alucinadamente, alucinadamente... como eu nunca havia gozado na minha vida.... sem controle, chorando e gozando sem parar. Gozei várias vezes, uma atrás da outra. Eu não acreditava que era possível gozar assim, gemi e gritei sem receio de que alguém pudesse ouvir lá fora. Eu o ouvi quase uivar e o senti gozando dentro de mim, me inundando inteira e já com seu dedão da mão direita todo enfiado em meu ânus. Nesse dia, acho que foi uma das poucas vezes que ele gozou também dentro de mim, na minha xana, eu digo, Ele adora minha bundinha, rsrsrs.
Ele me ajudou a me recompor para que eu saísse em segurança. Eu tive ímpetos de agarrá-lo e beijá-lo por me fazer gozar assim, mas eu saí reclamando baixinho envergonhada, dizendo que contaria tudo para o Ciro e que isso não ficaria assim, enquanto ele se vestia e ria sem parar, parecendo satisfeito consigo mesmo e dizendo "amanhã apareço lá, cadela". Não falei mais nada, apenas sai de onde estávamos e fui procurar Ciro. Para minha insatisfação, completamente bêbado, tive que, desconfortavelmente, levar o carro. Não demonstrou desconfiar de nada em razão de eu ter ficado longe por um bom tempo na festa. Dentro do carro, tive alguns momentos de reflexão, eu olhava para ele entristecida, arrependida, cheguei quase a chorar de vergonha, pois nunca o havia traído, mas vou não procurar falar muito aqui, dos meus dramas de consciência da época, que quase já nem tenho mais, porque superei tudo, isso porque hoje sei com toda a convicção que tenho um DONO que me faz sentir-me uma fêmea satisfeita e feliz.
Vou tentar mais transcrever o que ocorreu e minhas reações. Quando chegamos em casa, Ciro bêbado tentou alguma gracinha, mas eu não queria mais nada até por que estava marcada e dolorida e com dificuldade para sentar devido às dores que ficou e me sentindo desmoralizada, culpada, mas com tudo isso sentia uma estranha sensação de satisfação e leveza indefinível. Meu marido bêbado não aguentaria nada mesmo e rapidamente dormiu. Eu é que não dormia. Eu pensava em tudo, em falar mesmo para o Ciro o que aconteceu, em ir à polícia, em falar com a Juliana, filha de Seu Antonio, etc. Decidi que ia contar tudo para o Ciro primeiro, pronto! Assim que acordasse, omitiria qualquer participação minha claro. E lembrei como tinha participado e gozado; certamente, como nunca na vida. Essa lembrança me deu uma leve excitação que foi surpreendentemente crescendo de novo. Uma excitação misturada com vergonha, indignação e medo. Ele era sogro de meu irmão! E sá agora eu via: completamente louco! Mas eu me lembrava e minha xana latejava lembrando-se dos tapas, da régua e outros detalhes; quando vi, estava completamente molhada de novo, as marcas nas nádegas latejando e acusando o meu prazer, será que eu era mesmo que o DOM GRISALHO falou: uma cadela e puta dele agora? Não sabia o mais que pensar, embora meu corpo já soubesse o que minha mente recusava a aceitar: eu era a vadia de meu DONO, este homem que tanto prazer me deu e que nunca havia experimentado com tal vigor e satisfação.
Eu me perguntava, será que sou mesmo masoquista? Por que esse prazer desenfreado? Mas o cansaço foi maior e venceu, até que dormi e sonhei com tudo que aconteceu e estranhamente lembrava-me dele como Dom Grisalho e não mais como Seu Antonio. Sonhei que continuava lá na mesa do escritário de Dom Grisalho completamente exposta a Ele e o som de sua voz ecoava estranhamente pelo meu corpo fazendo-me tremer de novo, como nunca havia tremido. Por que tremi tanto? Acordei sobressaltada e molhada, excitada mesmo e já eram 19 horas da manhã, mas o barulho do Ciro vomitando no banheiro do quarto retornou-me à realidade. Estava de calcinha sob a coberta e coloquei rapidamente a saia pra que ele não visse as marcas, envergonhada ainda. Mas não seria melhor se ele visse mesmo? Ele reclamava que estava passando mal, mas não poderia deixar de ir com urgência ao trabalho naquela manhã, que não poderia deixar de ir..., que era quarta-feira, que terça-feira não era dia de festa, etc. e resmungava e vomitava. Falaria com ele agora mesmo? Tudo? Eu estava angustiada e com vontade de comer pão como todas as manhãs. Afinal, eu não bebia, não passava mal. arrumei-me rapidamente e o avisei gritando que ia à padaria.
Quando voltei Ciro já não estava e havia deixado um bilhete dizendo que ia à farmácia e de lá mesmo iria para o trabalho. Foi sá o tempo de eu comer o pão e tomar café para a campanhinha tocar. Estranhei não terem tocado o interfone, mas intuitivamente eu comecei a imaginar quem era e essa possibilidade me fez a pele arrepiar e estranhamente minhas pernas fraquejarem e o medo do que poderia vir reapareceu forte. É o louco, pensei, mas comecei a me arrumar como pude, ansiosamente. E quando abri a porta não me surpreendi, lá estava como imaginei, Dom Grisalho, imponente e belo. O porteiro o conhecia bem, pois era nosso familiar, entrando com um sorriso enorme e constante no rosto. Deu-me uma coisa no estômago e comecei levemente a tremer de novo. Lembro-me bem desse dia, que já tem uns três anos, como se fosse hoje. Era possível ver minhas pernas estranhamente começarem a tremer mesmo. Meus joelhos balançavam e eu não conseguia pará-los... Meus lábios também mexiam levemente sem controle... Eu estava, me lembro bem, morrendo de medo... E de tesão... Eu baixei a cabeça envergonhada por demonstrar aquele tesão imprevisto e incontrolável. Ele percebia e ria até que ficou mudo, parou de rir e ficou sá olhando pra mim. Parecendo se deliciar com a minha reação toda trêmula e entregue. A porta ainda estava entreaberta. E me lembro bem de eu baixar mais ainda a cabeça, da minha tremedeira se acentuar e de começar uma espécie de um choro do nada saindo de mim, assim, de cabeça baixa. Acho que eu chorava de vergonha de estar tão excitada e demonstrar isso. De não ter ido à polícia, de não ter falado ao Ciro e de no fundo estar querendo mais, etc. acho que era isso. Ou era de medo? Ainda não sei. Essa minha reação continua até hoje. Consegui controlar um pouco o choro e comecei a chorar baixinho. Mas a tremedeira continuava igual se não aumentava. De repente, ele deu uma gostosa risada e por fim entrou fechando a porta atrás de si. Eu pouca intimidade tinha com ele, pouco nos havíamos relacionado até então, mas me lembrava bem dele de sunga na piscina de sua casa e de seu corpo atlético apesar da idade. Ele tirou a camisa e seu peito forte de quem se exercita diariamente de pêlos brancos e pele bronzeada, apareceu na minha frente sem que eu pudesse ver direito porque não conseguia levantar a cabeça. Ele dava a impressão de já prever todas as minhas reações. Foi tirando o cinto da bermuda sem deixar a bermuda cair completamente e sem parar um instante de rir, falou alto “eu vi o corno do Ciro saindo da farmácia, nem desconfia da puta que sempre teve em casa, não é verdade shirley cadela!” Não respondi, mas hoje eu sei que sou realmente dele e de agora em diante escrevo meu nome no minúsculo, pois sou cadela e puta de DOM GRISALHO e devo colocar-me no lugar que mereço. Eu sá percebia que minhas pernas tremiam mais e que imediatamente fiquei completamente úmida, molhada mesmo, de escorrer. Molhada de medo e tesão para tudo o que viesse. Sem conseguir me compreender, sem mais tentar me entender também. Intimamente, no fundo mesmo, a única coisa que eu entendia, era que se expandia em mim era uma vontade irresistível de me entregar completamente àquele novo e totalmente desconhecido prazer, que me invadia e me dominava como uma droga que causasse dependência instantaneamente. A cada vez que ele me chamava de puta ou coisa parecida, me lembro bem, a tremedeira se acentuava e me escorria entre as pernas. A calcinha, que era uma branca que eu havia colocado apás o banho que tomei antes de dormir, dava mais facilmente para perceber o quanto estava molhada. "shirley tira a saia, pois vou tratar como você já sabe o que é para mim: uma cadela".
Sá pra vocês terem uma idéia, é uma saia jeans, azul, desbotada, velha, que eu adoro colocar para pequenas saídas nas redondezas, ainda é uma mania minha aquela saia. Eu dessa vez obedeci imediatamente. “E vira para me deixar ver se tá muito machucadinha. Puta que calça é essa?! Troca essa porcaria dessa calçona, bota uma pequena e enfiada e não demore”. Eu rapidamente entrei no quarto e coloquei uma vermelha pequena e levemente transparente na parte da frente, que foi a primeira que eu vi do jeito que Ele talvez pudesse querer e voltei correndo. “Deixa-me ver, isso, essa ta boa, enfia mais, já sabe o que deve usar quando Eu for vê-la. Isso, agora vira cadela!”. Eu obedeci suspendendo toda a calcinha para cima, com as marcas ainda ardidas e tremendo mais ainda, eu ia me virando devagar “anda vagabunda! Vira logo sua puta!”. Então virei rapidamente. Ele se aproximou e começou a passar a mão aonde estava me ardendo, examinando. Passou a mão na marca maior e ouvi-o rindo baixinho. "Vou comer esse cuzinho lindo machucadinho assim, ainda hoje, ou será que ele vai querer um pouco mais machucado, adoro quando ta machucadinho e gosto muito de cuzinho, especialmente agora que conheço e vejo o seu, entendeu shirley? Eu, cabisbaixa respondi bem baixinho, com: “Sim, Dom Grisalho”.
“shirley você quer me dar o cuzinho?” “Vamos responda, senão vai apanhar” Respondi mais alto: “Sim, meu DONO” pela segunda vez chamava DOM GRISALHO de meu DONO, já me sentia totalmente DÂ’Ele. “Ah! quanto tempo Eu perdi, já podia ta te usando antes, o Ciro já te comeu por aí?". Eu fiz que sim com a cabeça, mas o pau dele era muito maior que o do Ciro. O medo do que viria acontecer, cresceu. Eu tremi mais ainda aumentando os soluços. Eu estava com muito medo. Eu estava completamente molhada de medo e um tesão louco, que me enfraquecia, me bambeava. E se eu acabasse tudo ali? Eu poderia acabar tudo naquela hora, dizer para Dom Grisalho que fosse embora. Ele parecendo adivinhar meus pensamentos perguntou “você quer eu vá embora cadela?”. Meu choro se acentuou e eu fiz que sim com a cabeça. Ele concordou “então eu vou-me embora e não a procurarei mais, pense nisso.” Se meu pudor fosse um pouquinho maior que meu prazer eu teria insistido para que Ele fosse e, talvez acabasse tudo ali. Foi a única vez que Ele se manifestou daquela forma. E se dirigiu à porta e de lá perguntou ainda mais alto “shirley posso ir?”. E eu chorando já convulsivamente, consegui gemer fazendo não com a cabeça enquanto dizia: “fica...”. “Não entendi sua puta, repete!”. E eu consegui falar mais nitidamente: “fica meu DONO, sou sua mesmo!!!” Ele imediatamente deu um sorriso e retornou em minha direção.
“Como pediu para que EU fosse embora irá apanhar!” E falou-me mais uma vez: “cadela você acha que merece ou não levar um castigo pela bobagem que iria fazer?” Apenas respondi: “Sim Senhor”. Minhas pernas estavam completamente bambas quando ele bateu com o cinto encima do hematoma que Ele mesmo produzira na noite anterior para que o hematoma ficasse do jeito que iria gostar e então eu tombei de joelhos e Ele me puxou pelo cabelo me colocando em pé novamente. "levanta puta!" deu uma nova gargalhada "já é completamente minha hem putinha. É ou não é?". Dava pra ver o meu cabelo balançando, respondendo que sim com a cabeça. Dom Grisalho disse isso e começou a cuspir na altura do meu ânus empurrando minhas costas para que eu me inclinasse mais sem parar de falar: "sabe que eu tenho e já tive muitas putas, mas lindinha assim nem tanto como você, shirley você será minha putinha e será uma fêmea cada dia mais FELIZ...". “Sim, Dom Grisalho”. E depois de puxar a minha calcinha, toda enfiada, para o lado, Ele foi enfiando o seu PAU em mim, bem devagar e eu gemia de dor, mesmo enfiando devagar eu fui me desequilibrando, indo pra frente até que apoiei as mãos na parede; mas confesso que senti que queria mais... e mais... E chorava mais... E puxava ele... E Ele ria e batia e enfiava mais "quer mais ainda não é cadela? Não conseguiu dormir direito sá pensando em como gostou de ontem não é puta? Seu dono voltou." Eu fazia que sim com a cabeça chorando sem parar, envergonhada por estar realmente querendo mais. E Ele enfiava mais ainda e percebia minha vergonha. "Não fica com vergonha não. Você é puta mesmo. shirley, minha puta!". E eu chorava mais ainda... "to comendo o cu de uma puta, hem, cadela não estou?". Eu fazia que sim com a cabeça sem parar de gemer e chorar. Impressionantemente, minhas lágrimas não paravam de descer. Até que Ele tirou tudo e ordenou: "fica de joelho diante do teu Dono, sua vadia!" Eu chorava ainda da dor por Ele ter tirado tudo de uma vez, mas havia muito prazer também e eu me ajoelhei rapidamente sob seus pés, puxei sua bermuda que estava presa nos seus joelhos até o chão e comecei e chupar voluntária e sofregamente. Ele ria sem parar se deliciando. Ele se inclinou e me afastou um pouco, pegou um comprimido que estava no bolso da bermuda e engoliu, deve ser Viagra, e mandou-me voltar com a boca "vamos vagabunda! gostei dessa sua iniciativa! chupa mais! sempre soube que você era uma puta, sá faltava um trato. Vai me dar muitas alegrias ainda. Você não sabia o que é pertencer a alguém. E sá não sabia que é uma puta. Agora sabe. Pertence a mim e é minha cadela. Já engoliu a porra do Ciro?” Eu fiz que não com a cabeça. Não falei para o meu DONO, mas sempre tive nojo, sempre recusava na verdade. "já engoliu alguma porra?". Fiz novamente que não com a cabeça. Ele prendeu minha cabeça no seu pau e começou a gozar na minha boca e eu engoli pela primeira vez na vida. Engoli tudo, Ele passava os dedos no que escorria no meu rosto e botava na minha boca falando alto "engole sua cadela de rostinho lindo, engole tudo, lambe, lambe”. E eu lambia, lambia completamente, era serva e escrava completamente dele... Eu engoli e engoliria mais se mais tivesse naquele momento... Eu já era mesmo sua cadelinha... E apenas na segunda vez que estava com ele... Eu já sabia que Dom Grisalho era meu homem, meu DONO, nada recusaria, apenas cumpriria o que Ele mandasse ou quisesse, e estou gostando demais de ser DÂ’Ele, não tinha a mínima idéia que delicia seria pertencer a um DONO.
Um pesado silêncio estabeleceu-se na sala por infinitos segundos. Até que Dom Grisalho virou-se para mim e deu a ordem já sorrindo: "vira, cadela, vira e depois levanta a saia, baixa a calcinha e mostra a bundinha, mostra como é uma vagabunda, vai". Eu fiquei parada, não tinha forças nem para obedecer, estática, chorosa, tímida e muito envergonhada para me mexer, depois daquele discurso constrangedor de Dom Grisalho. Agora, um longo e curioso silêncio, quebrado pela voz forte e grave de me DONO percorreu a sala. Dava pra sentir a tensão e a expectativa de minha parte pulsando no ambiente. "Anda cadela! Obedeça!". Eu juro que não queria obedecer, eu não tinha esse tipo de coragem, mas comecei a tremer de novo quando ele gritou "puta! Esse nome de puta me deixava feliz, por incrível que possa parecer, eu quero ser puta mesmo, sei disso e estava em êxtase. “shirley você tem um Dono agora, cumpra minhas ordens!" Eu fui virando devagar e, começando um novo choro, virei todinha. "Levanta a saia agora!". E eu nada, embora já sentisse de novo a umidade entre as pernas cada vez mais forte, quase escorrendo e o recomeço de leve da tremedeira diante das palavras dele. "shirley já sabemos, que você é minha cadela mesmo, agora que você virou, levanta a saia e mostra essa bunda logo! Bota um negácio na tua cabeça: tu é uma puta e é minha. O corno do teu marido nasceu para corno e pronto, não vai saber de nada. E tu? o que é? shirley você é minha cadela, minha puta! puta! Minha cadela agora! anda puta, cadela! Levanta a saia agora!" Eu solucei mais alto e já tremendo toda, parecendo que não me conteria de tão trêmula, inebriada, com tesão a 1.000, comecei a levantar a saia devagarzinho, aos prantos, aos poucos, até que levantei, indecentemente, toda para que o meu homem visse. Eu era a cadela de Dom Grisalho, já o sabia e não tinha dúvida alguma, pertencia a Ele.
“Tire a calcinha shirley!” Eu obedeci maquinalmente de novo a meu DONO, e imediatamente a tirei, jogando pelas pernas abaixo. Foi o suficiente para que Dom Grisalho fizesse um movimento, eu estava de costas não o via, senti meu DONO se aproximando, até que veio uma palmada desferida com muita força do lado direito da minha bunda e sá pude gritar e chorar enquanto ouvia o barulho do estalo. Meu DONO dera uma tapa de mão aberta que me fez ver estrelas, sem exagero. Mas fui recompensada logo em seguida, rsrsrs, meu DONO se ajoelha atrás de mim e começou a dar-me o prazer que tanto eu esperava e precisava. Começou a lamber minha bunda onde batera e em outros lugares ardidos também, lambia e mordiscava. Eu sentia seus bigodes e seus dentes passearem por toda a extensão da minha bundinha, coxas e subir pelas costas como um apetite voraz. Até que senti suas mãos subirem por baixo da minha camiseta e a esquerda e a direita apertarem meus peitos. Meu DONO apertava com bastante força e encostava sua barriga em minhas nádegas e costas me fazendo dobrar levemente para frente sá não caindo graças às minhas mãos que apoiei na parede. Ele murmurava em meus ouvidos "adoro esses peitinhos deliciosos, parecem de criança". "shirley Eu já vi os biquinhos endurecerem atrás daquela sua blusinha branca um dia..." Eu não sei como, ele conseguiu enfiar a cabeça por baixo de mim e abocanhar meu seio direito mordendo-o e chupando-o vorazmente, como se chupasse e comesse uma manga. Podia sentir seu pau cutucar por trás já completamente nu. "Cadelinha, essa sua mãozinha linda de fada, essa aqui". Falou isso enquanto alisava minha mão direita apoiada na parede. "Essa sua mãozinha, pega no meu PAU que eu quero". Até que envolveu delicadamente sua mão por sobre a minha mão tirando-a da parede que tive que me apoiar quase inteira com o braço esquerdo na parede. Ele conduziu minha mão até seu pau completamente duro por baixo da barriga. Eu, já totalmente envolvida, peguei curiosa e excitada, senti uma vibração percorrer por todo meu corpo quando ele pulsou latejante e grosso na minha mão, ele latejava curiosamente. Era muito mais grosso que de meu corninho (rsrsrs, já o considerava assim), enchia minha mão, eu mexi e Ele falava alto. "que delícia, que mãozinha doce... continua". Eu, obediente, comecei a gostar cada vez mais da brincadeira de masturbá-lo desse jeito apesar da minha posição incomoda e aumentei um pouco mais o ritmo. Ele ficou um tempo assim extasiado e debruçado em mim. Eu sentia sua saliva escorrer quente pelas minhas costas, quando Ele saiu de cima de mim, e ganhei outro tapa, o golpe veio mais forte que da vez anterior, mas agora do outro lado da minha bunda. Minhas mãos foram descendo pela parede e eu, assim de costas pra eles, caí de joelhos soluçando. Mas, incrivelmente, presente e latejando como a dor em minhas nádegas, estava um constante e indefinível prazer me tomando a alma, me realizando como uma putinha como queria Dom Grisalho. Mesmo quando o homem bruscamente me pegou por debaixo dos meus braços me fazendo levantar, mesmo assim, estava ali presente o indefinível prazer de pertencer, de ser completamente uma puta mesmo, desse homem extraordinária que é meu DONO. Tanto gostei de como era tratada que me ajeitei e apoiando novamente minhas mãos na parede, me inclinei para trás e pude ouvir meu DONO dizendo. "isso puta! isso mesmo, já sabe que é uma cadela mesmo!". Dom Grisalho antes de novamente se debruçar em mim, me dava tapinhas e enfiava seus dedos no meu ânus e vagina, assim, eu de costas, inclinada para trás, até que cuspiu na altura da entrada do meu ânus como já fizera anteriormente e começou a penetrar com seu pau grosso enquanto dizia mais ou menos isso “eu gosto é de cuzinho, eu gosto é de um cuzinho assim...”. suas mãos correram novamente para os meus peitos e os apertaram com força descomunal dessa vez. “e de tetas gostosas como a sua também...”
Eu não sabia aonde a dor era mais forte. Eu me abria mais pra facilitar a penetração, mas ao mesmo tempo tentava tirar uma das mãos do meu DONO do meu peito que parecia estar sendo esmagado. Foi quando DOM GRISALHO me deu dois tapas leves na minha cara (cadela tem é cara, sei disso) e ajeitou meu cabelo para o lado, por trás da orelha, expondo meu lado direito do rosto mais livremente e fez com que minhas duas mãos voltassem para apoiarem-se na parede e começou a se masturbar ali, do lado do meu rosto e não parou mais. Surpreendentemente largou um dos seios somente (a outra mão continuava a apertar com força) e começou a massagear com uma perícia que eu não conhecia, o meu clitáris. Um jato de esperma, saindo do pênis de meu DONO grudou nos meu cabelos e veio mais nos cabelos e no meu rosto. Ele ordenava "passa a língua piranha, lambe meu mel". E eu passava a língua freneticamente. Ele trazia da minha cara para a boca o que de mel que ejaculou e, eu lambia e engolia sequiosamente já sem nenhum resquício de nojo, mas sim, com muito prazer e volúpia mesmo. A perícia do meu DONO no meu clitáris e a sua consequente gozada me fizeram começar a gozar simultaneamente com gosto de seu esperma na boca, que achei-os deliciosos, se tivesse queria mais e mais. E, como já se tornava regra, eram gozos convulsivos acompanhados de muita lágrima. Quando Ele acabou, fui surpreendida pela sua mão direita batendo com força no lado esquerdo da cara, fazendo-me cair deitada de lado chorando convulsivamente. “Levanta vadia! Vai tomar um banho, porque o Ciro deve chegar logo”. E eu obedeci prontamente, embora ainda chorando muito, não sei se cheguei a falar anteriormente, mas meu DONO é formado em psicologia e embora não fosse médico, Ele mesmo ligou para a farmácia e mandou virem uns tubos de pomada e outros remédios que me mandou passar e tomar em horários diferentes para tratar os hematomas e outras marcas e me dar mais "disposição" para tocar a vida, aliás, a nova vida de escrava. Eu estava no banheiro quando meu DONO recebeu as entregas da farmácia e depois saiu dizendo-me um tchau distante, eu quase que dormi, eu praticamente desmaiei na banheira, fiquei pensando nas alegrias que tive...
De lá pra cá me tornei mesmo sua escrava e cadelinha e Ele me usa de diversas formas e em diversas ocasiões. Para mim, meu DONO tornou-se um vício. Quando ouço sua voz, eu tremo da cabeça aos pés e tenho dificuldade pra disfarçar quando o Ciro ou conhecidos estão por perto. Espero sempre ansiosa uma nova ordem DÂ’Ele, quer seja vindo aqui ou me ligando pra que eu vá a um determinado lugar, o que mandar-me fazer, farei sem pensar duas vezes.
Mas apesar de todo prazer, me incomoda o constante drama de consciência que vivo. Dom Grisalho conduz a coisa de tal forma que até hoje Ciro não desconfia de nada. Essa vida que passei a levar de três anos pra cá, não tem nada com o que eu considero, aliás, considerava ser uma vida normal. Vida normal é a que eu levava. O fato é de estar assim tão entregue ao meu DONO que me faz não conseguir viver sem Ele, não sei o que acontecerá se um dia Ele me dispensar. Claro que hoje não tenho PRAZER quando eu e Ciro transamos, embora eu o ame muito, não sinto quase nada de tesão por meu marido em comparação quando eu estou com meu DONO, são situações bem diferentes. Com DOM GRISALHO libero-me de qualquer limite, sei que não serei julgada por Ele. Posso disser que amo aos dois, embora de modos diferentes, não sei explicar em palavras. Uma outra coisa mudou também, meu modo de vestir em público, hoje estou bem mais discreta, não gosto de chamar atenção dos homens como anteriormente, apena um homem faço questão de me mostrar radiante e demonstrar com sua realmente uma puta e, vocês sabem quem é, rsrsrs.
Sou muito FELIZ e SATISFEITA com a vida dupla que levo e muito obrigada por poderem ler esta minha narrativa, que é verdadeira e procurei ser a mais realista possível.
.-.-.-.-.-.;
Se desejar receber outros contos de autoria de meu DONO, entre em contato através de meu e-mail: [email protected] – com certeza ficará satisfeito por poder mostrar-lhe seus trabalhos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


como fazer pra minha namorada veste shortinho curtominha irma seu cu cheiroso contosContos e vidios eroticos marido tenta convese mulher a fazelo de cornodei pro cara da vendinha contos eróticoscontos eroticos ninfeta aventureiraminhas sobrinhas conto eroticodeflorando bucetinhas com pepinosContos eroticos com cadelas zoofiliadevagarsinho entrou tudo no cuzinho contosfotos de mulhris de busetas aregaladasContos Eróticos Nega bebada de leguincontos eroticos trai meu marido com ele do ladocontos eroticos gay game apostacontos porno traição da senhoracomia meu cu quando era pequeno e hoje come tambem minha esposa casa dos contosRex dando o cucontos eróticos de incesto mãe que deu o cu para o filhocontos eróticos sogra vira p*** do genro picudomarido enfias as duasmao no cu da esposacontos comadres lesbicasgeovana tira a calcinha e da a bucetacumi a prostituta na esquina contos eroticoscontos eroticos sexo a tresconto enteando querendo da para o padrastocontos eroticos de putas casadas e cornos assumidosminha enteada gost contosconto erotic praia de nudismocontos eroticos baby dollcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos currada garganta profundacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadospornô doido p*** fazendo fio terraConto arredou a calcnha pro lado e enterrou tudo numa vezContos sexo com pai da amiga e engravideicontos eróticos comi minha cunhada que tinha raiva de medar o cu para os pivetes fui arrobamda com prazer conto eróticosconto erotico quer virar corno?fui pintar a casa da minha cunhada com ela e minha esposa e o marido dela cantos eroticosmulher faz strip antes de comecar zofiliacontos felipe comeu minha mulhrercontos eróticos de tirando o cabaço das cunhadascontos excitantesde sexovomitando contos eróticosbuceta carnuda comtos de sexocontos eroticos arrombando a gordamae pede pro filho ajudar escolher a lingerie incestocontos eroticos professoravoyeur de esposa conto eroticocontos eróticos rasgando a calcinhaporno tio roludo viaja dd onibus com sobrinhasubo em cima do teu paucontos de engates gays madurosex cunhada safada casada com presidiáriochupar em tetas impinadasconto do tarado que se fazia de bonzinho para comer as meninasConto enteada na pescariaRelatos de sexo com primas novinhasconto erotico o ponei e mulhercontos eroticos mamando na novinha cheia de leite no riacho de biquinicontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos eroticos comido por um caocontos erotico mayara piercingcontos eróticos massagemContos meninode 19 anos com a cadela no cio em casamenininha conto eroticoeu mae e filha contos de sexoporno mobile sequioso animal com mulheresconto de não aguentei a pica grande de meu avôcasalgozou muitovoyeur de esposa conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecasa conto - eu minha namorada e sua amiga part 1contos erótico Parácontos comendo gay na vielaPadrinho iniciando afilhada novinha contos eroticoscontos eroticos. esposo duvidou da esposaContos gay fazendo a barbacontos eróticos de experiência bi de ninfetashomem chupa b***** depois coloca rola dentro da b***** e Adelefome conto héteroconto de mulher transando com meninos novinhosContoa erotico irmã casadacasa do corno de mulata traindo cu arombafogozaram tudo no meu cu contoCasa dos contos: Virgem na baladaquero tua jeba rasgando meu cutezões hentai