Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

007 - TAMARA - AGORA FOI PAPAI QUEM ME COMEU..."

A cada dia ser mulher se torna mais complexo, os dias, os momentos e convívio com os prazeres são inevitávens.



De modo que crescer, aprender e transar para a vida é apenas um ato de muitos que a vida e o ser nos reservam.



De modo que sentir algo, sentir o prazer entre as pernas é o cair diante de si mesma, é se deitar com um ato, com um momento, um prazer.



Eu crescia, aprendia como me satisfazer, seja com homens mais novos ou mais velhos, seja com picas grande ou pequenas a vida escrevia seus prazer, da carne e da mente.



Depois de tanto aprender a virar putinha e cair de boca em várias rolas, eu sentia falta de algo, me sentia completa somente naquela hora, mas não conseguia me satisfazer por completo, não conseguia chegar ao orgasmo sem pensar na pica do meu pai entrando na buceta da nossa empregada.



Toda vez que sentia uma rola entrar em minha xoxota via em minha mente aquela rola enorme de papai, via a forma que ele comia aquela vagabunda e como ele metia em um vai e vem gostoso.



De tal modo a menina do papai crescia e sabia muito bem a dor de um pau no cu e na buceta, mas a menina crescida queria realmente e sentir a chulapa do papai entrar dentro de mim.



Porem eu lutava mentalmente com tal desejo, pois via o pecado em tal transa, via a beleza de meu pai continuar depois de tanto tempo, o charme daquele olhar de homem de mais idade e rola também.



Porem a vida nos reserva muitas surpresas e de tal modo a convivência e o prazer se une em um fator primordial para realização de tamanha fantasia.



E foi assim que depois de meu pai deixar minha mãe viajar e ele usar e abusar de nossa empregada, pois ela era antiga na família e dormia em nossa casa também, e a noite eu ia de pé em pé ouvir os gritos entrando na rola de papai.



Era sá mamãe viajar que ela sentia o prazer de tantos anos dedicados ao meu pai e nossa família.



Via que ela estava já um pouco velha pra tanto, mesmo assim o desejo por ela era encantador e meu pai mesmo depois de tanto tempo continuava a comer ela, e eu continuava a ousar desejar meu papai e sua rola esmagadora.



A menina crescia e o desejo também, cheguei e instalar uma câmera no banheiro sá pra filmar meu homem tomar banho e bater punheta.



Porem como todo sonho pode se tornar único e real o meu também se realizou.



E foi depois da tal viajem da mamãe que papai caiu na balada da noite, e eu exatamente tarde estava esperando ele, pois tinha medo de acontecer algo de ruim, mandei nossa empregada ir dormir, que eu esperava papai.



Então exatamente às quatro horas da madrugada ele adentra a nossa porta, todo bêbado e sem camiseta, ele estava um porre sá, e mal conseguia parar em pé.



Logo eu toda desarrumada resolvi acudir ele na porta, estava eu caindo de sono, totalmente de roupa de dormir, mas é claro sem nenhuma malicia diante dele, pois a situação estava critica, ele estava todo manguaçado, como eu nunca havia visto antes.



- Pai, isto são horas!



E ele respondia que estava sem mamãe e tinha que dar uma saída com os amigos, e assim o fez, bebeu demais.



Logo o carreguei para o quarto, tirei sua calça e daí ao olhar para o volume realmente cai na real do que estava diante de meus olhos.



Papai de pica grossa dentro daquela cuecona, via o volume grosso e murcho ainda, mas ele totalmente belo estava perto de mim, muito mais que nos vídeos filmados no banheiro e sim na real, e bebinho da silva.



Então a menina do papai estava de bucetinha molhada de tanto prazer estava louca pra acariciar o pau dele, e cair de boca como fazia nossa empregada.



Então ele bêbado me disse que estava sentindo falta de sexo, pois mamãe não comparecia mais e a empregada estava velha demais e ele queria carne nova.



Ele dizia com voz tremula, pois sabia que eu já sabia de seu rolo com a vagabunda da empregada, e na maior naturalidade ele tocava em seu mastro e eu de camisola estava com a buceta em chamas.



A cena era realmente delirante, papai caído na cama e eu sentada ao lado dele, vendo o pau dele crescer diante de meus olhos, dentro daquela cueca de macho, papai fazia carinho no mastro dele sabendo que sua filhinha tanto o desejava e a bebida era uma desculpa pra me encher de porra.



Então na forma mais natural possível ele tocava em minhas perna e sua mão continuava dentro da cueca, a fazer carinho no mastro. Ele me disse:



- Como minha menina cresceu, estava mais bela e também fazendo os meninos cair matando.



Eu sem reação ficava perplexa diante dele. Mas também me deixava seduzir pelo desejo sobrenatural que sentia pela pegada dele.



Então ele com sua mão pegava na minha e me levava diante do que sempre desejei.



- Filhinha, sabia que isto aqui esta sentindo falta de trabalho!



Eu suava na hora, estava sem noção do que me esperava e da naturalidade daquela fala, o sentia colocar minha mão dentro da cueca dele e eu sentir a pele macia do pau enorme dele, aquela geba estava sendo acariciada por mim, uma pobre e desejada menina.



Eu estava enlaçada pelo cheiro de sexo e de bebida de papai, estava molhadinha pela vontade de sentar naquilo tudo, estava louca pra ser enrabada como muitas vagabundas que papai comia por ai.



Eu perdendo a noção do sexo e do prazer tirava de dentro da cueca a lasca de rola dele, era realmente linda, cabeçuda e grossa, sem contar o tamanho, pois era maior de que todos os machos e moleques que já dei.



A menina de seios fartos, bucetinha rapadinha, de corpo de mulher estava diante de si um pau de macho, um pau de pai, uma rola redundante do desejo mais ousado que uma mulher poderia sentir.



Meus cabelos cumpridos, meu olhar feminino, meu jeito mulher o fazia esquecer a bebida dele, e que talvez ele estivesse forra de si, ou que principalmente estava aproveitando de mim, e sim realizando o que tanto eu desejava.



Logo sem dizer nada eu caia de boca no mastro do meu pai, caia de boca naquela torra gostosa que me fazia sair de mim, e ele então com um cheiro de bebida gemia e me chamava de menininha.



- Haiiiiiiiiiiii, que delicia, minha menininha mama tão gostoso, Isto cai de boca, faz o papai sentir prazer...



Era deliciosa estar com tudo aquilo diante de minha garganta, e eu fazia um misto de chapada e mamada gostosa, fazia um vai e vem de meus lábios e boca diante do pau grosso e ousado de meu homem, de meu protetor comedor.



Meus lábios degustavam o que somente mamãe e nossa empregada experimentavam. Minha boca sentia o que o corpo desejava e minha buceta estava ardendo em chamas de vontades e desejos, o que realmente me faltava para me sentir uma puta, uma mulher da vida e das rolas.



Então cai de boca, mamai tudinho, cada milímetro da geba de papai, e fazia de suas bolas o prato principal de minhas sugadas, fazia de seu mastro um brinde, um desejo, e ele ousava gemer e me mandar continuar e mamar.



- Mama filhinha! Chupa seu papai gostoso, mostra que você cresceu e sabe chupar feito uma mulher...



Ele então ao dizer forçava o entrar em minha boca e segurando meu rosto forçava a fuder minha boca.



Ele me fazia engasgar com tamanha rola, me fazia tremer na base e em um misto de vai e vem ele comia minha boquinha gostosa.



Logo minha camisola era apenas um detalhe diante de sua mão, que então tomava rumo a minha bucetinha molhada, e então estava eu toda atolada pela boca e com dedinhos a massagear minha grutinha.



Minha boca era fudida e minha xoxota estava sendo dedada por meu homem, ele demonstrava o que realmente sabia fazer de melhor, aquela pegada de macho, de pai me fazia sentir o tremer das pernas e naquela cama, que antes era dele e da mamãe, servia agora pra comer a filhinha também.



E feito um leão sedento de carne ele me pegou pelas ancas, me jogou na cama e rasgou com sua força o que antes era uma camisola rosa, ele me fez cair de frente dele na cama e ele por cima de mim, rasgava-me toda, eu estava já sem roupa e peladinha, com aqueles braços e músculos de homem tarado em minha direção.



- Minha menina cresceu e se tornou uma gostosa, essas tetas grandes e esta bucetinha novinha, papai vai aproveitar um pouco e fazer de você uma mulher de verdade.



Então ele me beijava, e pela primeira vez sentia os lábios de meu pai, sentia a boca molhada e a pegada em meu cabelo, me fazer vibrar de prazer.



Sua língua me fazia gemer por dentro e eu naquela cama de casal era possuída por o que antes somente era de mamãe, eu me tornava um pedaço de mulher, de carne ao tocar nos braços e no peitoral de meu homem, de meu pai.



O beijo molhado, o corpo ardente, o desejo perdido a bebida sentida com o sabor de cerveja tomavam conta de mim, ele com toda aquela forma, aquele cheirar de macho e bebida, aquele beijar de homem e seu corpo forte, de homem mais velho, de pica mais grossa, de desejo mais desejado.



Eu esquecia e saia de mim, saia do papel de filha e se tornava mais uma em uma cama, mais um prazer e de pernas abertas, de corpo liberado sentia o pau dele encostar em mim, sentia o corpo gostoso me fazer gemer, sentir, e respirar diferente diante de tamanho homem.



Ele logo estava pronto para me comer, e ao me beijar colocava com uma mão a pica na direção da entrada de minha bucetinha, colocava o que antes via em vídeos, agora entreva dentro de mim.



Sentia aquela rola grossa e durro começar a afundar dentro de minha vagina, era realmente descomunal, pois era grande e gostoso, o calor, o cheiro e ao sentir aquela cabeçuda rola afundar dentro de mim, me deixava molhadinha de prazer e desejo.



Sua boca, encostada a minha me fazia viajar diante do sexo, sua pica já pela metade vagarosamente tomava seu destino em minhas entranhas me fazia subir diante do fogo que queimava meu desejo ardente de mulher e de filha.



Papai me consumia diante de uma posição gostosa e antiga, onde meus seios, boca e corpo sentiam a reação do desejo mais carnal da terra. Meu lábios canudos e meu cheiro de mulher o faziam tremer, comer e meter gostosamente, e minhas entranhas o fazia ousar, com tudo aquilo9 dentro de mim.



Sentia sua imensa rola me fuder, em movimentos de vai e vem, em batidas forte, em chupar delirante de meus seios, em uma foda ente pai e filha.



Seu corpo de homem maduro, sua rola de tamanho e prazer, me fazia erguer as pernas para sentir cada polegada, cada queimar dentro de mim, cada sentir, pois muito antes de uma foda, de ter uma vara dentro de mim, tinha meu desejo mais secreto e sublime a ser realizado, meu papai, bêbado, me comia, me fazia mulher, me fazia puta.



De pica adentro, de gozar em gozar meu orgasmo nunca antes sentido, minha pele nunca antes consumida e meu gemer de liberdade me fazia tremer diante de tudo aquilo.



Meu rosto, minha boca e meu corpo suavam diante da pressão daquele meter, diante do enfiar gostoso, de sentir a pica dele, subindo e descendo em uma mistura de verso, prazer e poesia, em uma mistura de filha e pai, de carne e pica, de beijo e pecado, de descobertas e realizar.



Papai me fazia gemer, gozar de tento prazer e os lábios de minha buceta pareciam deslizar diante da vermelhidão sentida por descomunal jegue a me comer.



Eu era livre, comida, chupada pelas tetas, sentia a mão dele me fazer gritar de dor, prazer e pegada, sentia ele me mostrar o qual é difícil ser devorada por um homem como ele.



Sentia o quanto àquela empregada sofria na mão daquele comedor, via o quando gostoso era sentir a pele, o entrar e o sair de uma rola, que tento me dava prazer.



Ele era experiente, e eu gozava me sentia liberta e meu orgasmo em sequência demonstrava estar molhada para o prazer.



Assim papai me comia, me mandava gemer, gritar.



- Toma filha, quer rola, aguenta sua vadia do papai... geme na pica do papai.



Eu assim obedecia e de quatro ficava para agora o sentia de forma nova e gostosa, ele com seus dedos me fazia tremer de tento desejar, com sua pegada me fazia abria as pernas e naquela cama de casal eu de quatro via ele agora me comer com sua língua.



Papai me chupava toda, me fazia sentia o qual era gostoso uma língua viajar adentro de meu cu e de minha bucetinha.



Papai demonstrava ao abrir bem forte meus lábios e o quanto a experiência de comedor o ensinava fazer de uma garota, uma mulher que tanto pica aguentou se surpreender.



Era eu, Tâmara, a menina que virou mulher, que descobriu, sonhou e se fez puta na cama e nos mais ardos desejos.



Era eu, menina dos olhos de papai, que se entregava ao pecado carnal, ao desejo e o medo de dar e sentar em algo que demonstrava pecado.



Tâmara, sinônimo de prazer, desejo e principalmente de garota levada, que se deixava pecar, fuder e se levar pelas linguadas, pelas dedadas que sentia em uma cama antes de sua mãe, agora de seu pai e de si mesma.



Buceta aberta, língua atolada, e gozadas seguidas marcava minha mente, meu gemer, e sem muito demorar ele voltava a me enfiar tudo aquilo em minhas entranhas.



Era gostoso de quatro ser aberta ao meio por meu amado e gostoso pai, era gostoso sentir o queimar de uma pica adentro, era gostoso ver que buceta, cu, boca era objeto de prazer, de gemer de duas pessoas.



Papai suava, se fazia levar ao ver sua menina de bucetinha empinada aguentar tudinho e calada ha. gemer, e calada a suar também de tanto saber o qual era gostosa aquele mastro de desejo.



Ele me comia, me abria em um vai e vem de fazer qualquer biscate se abrir e derreter.



Minha xana estava cansada de tento aquentar, estava aberto de tento meter, subir e descer de uma rola de macho, de papai.



E ele sem muito demorar gozava litros de prazer, seu leitinho escorria em minhas pernas, em uma mistura de sois gozar, ele me fazia arrepiar de tento prazer sentir, me fazia gemer, de tento aquentar, e vibrar com esta gostosa e ardente transa.



Sentia o leitinho quente dele sobre minha buceta escorrer, sentia o deliciar dele ao me comer, ouvia o respirar delirante de papai me fazer realmente auto descobrir.



Neste momento de buceta aberta, eu melecada e papai suado, eu via o tamanho de meu pecado, o tamanho do prazer sentido e o quanto a vida é gostosa.



Olhava para aquele gozar, sentia ao tocar dentro da minha buceta o estrago feito ao ouvir os passos de meu pai ao banheiro adentrar.



Suor, uma mistura de tremer, meus dedos sentia a meleca, os lábios de minha xana arder e o meu fuder ir alem.



Papai havia me enchido de prazer e de porra também e logo ao retornar via sua princesinha na cama caída e aberta voltava para me acariciar.



Ele me beijava e dizia:



- Que bucetinha gostosa, agora quero ela sá pra mim... Toda noite, eu vou te ensinar como realmente ser uma filhinha comportada e obediente...



Era muito bom ouvir isto e ao sentir ele me pegar no colo entre seus braços ao banheiro levar, e ao chegar a água quentinha sobre meu corpo suado cair, sentir a pele de meu homem me banhar.l



Sentia-me uma garota, uma menina, mas eu era uma mulher, realizada, que ao seu pai dava e gozava.



Ele soube cuidar de mim, soube me fazer gemer e naquele banho me lavar, me dedar e novamente me comer.



Antes meu pai estava bêbado, e agora, ele estava realmente bêbado pelo desejo de consumir e de ter descoberto o quanto o prazer de uma filha pode ser bom.



Depois deste fato, desta transa me redescobri.



Aprendi a driblar meus medos, meus sonhos e ate mesmo meus desejos.



Depois de ter dado gostoso tomei mais que leite na buceta, mais que beijo na boca e sim um choque de realidade.



Passei a ser a menina, a mulher do papai, a garota que aprendia a como ser mais que uma filha.



Aprendia a me deliciar com o prazer carnal, e assim me fiz mulher, me fiz menina, me fiz gozar.



Ass – Tâmara –



Escrito por ThyAggo.



---------------------------------------------------------------------------------------------------------



+ interatividade...



MSN - [email protected]



Blog - portalgayms.blogspot.com



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos arrombando a gordaEu e minha mae no hotel ela ficou nua na minha frente eu disse mae sua buceta e linda raspadinha ela disse me fode filho conto eroticocontos de coroas casadas comendo as e amigas com pinto de borrchas cinta lesbicasmulher gosta de ficar nua e corpo inteiro melado de margarinacunhado encochando contosDando o cuzinho para outro homem da pica gostosa, contos gays que dão tesãoContos eroticos c imagens v puta de meu sogro e do cunhadopresenteano minha esposa com outra rola contos eroticoscontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos de farmaciaMeu pai tava em casa comigo e com a minha esposa eu e meu pai fundemos juntos minha esposa conto eroticocontoseroticosnobanheirocontos de crossdresserconto coroa boazudaamigos sexo troca troca contoscomtos arrobadaContos a calcinha da garotinhapatroa dando a buceta pro vendedor ambulante contos eroticoscontos eroticos minha mae e uma safada e meu pai um corno liberaldesenho de deus contos eróticostitiatezudacontos eroticos homem casado dando para o primoCONTOS EROTICOS DE CASADAS ABUSADAS DA CHANTAGEMContos erotico exibi meus peitos enormes pro papaicontos eroticos arrombando a gordaporno gay cara com video game no rosto e o outro chega fode logoContos Eróticos Angolanoporno insesto na hora gue o tamanho do pau me asusteiconto teen gay sozinho em casa calcinhaencoxada no onibus conto eroticoreais conto de incesto mamae mi deu pro pai e irmao mi comerconto eroticos ,tio e pai dando banho na sobrinha de 6ou 7velhos viciados contos eroticocontos eroticos pezinhos sujosContos lesbica come nerdContos casal toplesse foi assim que comeram minha esposaconto eroticos acampando em familiaporno produto gruda pinto na bucetacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentesou coroa loira e resolvi dar o cu com 53 anoscontos eroticos encoxada e gozadacontos eroticos meu irmãocache:oIMLEWITCAIJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=99 contos pesados de arrombamento anal de evangelicass a forcaporno minha vizinha safada mim chama para segurar a escada para elameu filho me comeubucetiha tihoesposinha chorosa: contoscontos eroticos de homem chupando a buceta esperadaeu i a neguingo do pornodei pro meu genro contotias envangelica dando a buceta ao sobrinho em historia realcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos calcinha da minha tia coroaempresaria casada safadas contos eróticos reaiscontos eroticos de bala hallscontos erotico maridos camaradacache:b0LVhW2lUCMJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=22 contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos bebendo porraTrepando gostoso na xana conto eroticocontos eróticos no meu aniversario da sograminhas esposa resolveu raspar a buceta contoscontos escrava lesbicascontos reais de mulher que deixou cachorro emgatar na bucetamulher pois o marido a xupae o travestechantagem com irma contoseu meu caseiro e minha filha e suas amigas contosamanda meu marido.é corno mesmo contoscontos eroticos de mulheres casadas que ja levou mijada na caraNetinhas putas contoseroticoscontos sexo minha sogra sua amiga