Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A SAFADA FILHINHA DA EMPREGADINHA

Como já havia dito em meu conto anterior, Bruninha, a filha de minha empregada era muito safada.

Apás ter me visto com sua mãe, entrou em meu quarto, toda cheia de tesão e me pediu para comê-la.

Convite mais do que aceito. Estava doida pra ter aquela ninfetinha gostosa.

Parti para cima. Fui na direção dela e logo coloquei minha mão para ver se aquela bucetinha estava no ponto.

Ela realmente tinha batido uma siririca, pois estava com a calcinha toda molhada. Disse a ela que estava decepcionada

pois, se ela realmente queria brincar, deveria estar sem calcinha. Bruna, mais do que depressa, tirou a calcinha e jogou

para o lado, dizendo: - Pronto! Agora podemos começar.

Ouvindo isso, não tinha dúvidas. O dia ainda não tinha acabado. Agarrei aquela putinha virgem e a coloquei sentada bem

na pontinha de minha cama. Pedi a ela que abrisse as pernas e ela logo atendeu. Olhei aquela xaninha novinha, fechadinha

quase sem pêlo e caí de boca. Nossa!! Como Bruna era gostosa. Podia nunca ter transado, mas sabia rebolar. Eu a chupava

com tanta vontade, com muita força, às vezes, que quando percebi, eu estava com minhas mãos em sua bundinha, puxando

cada vez mais aquela xana pra minha boca. Eu chupava, penetrava a grutinha de Bruna e até dava mordidinhas em seu grelinho

que agora estava durinho e cada vez mais gostoso. Insistente, fiquei num vai e vem louco, enfiando a linguinha na xaninha

da Bruninha e, às vezes, alternando entre mordidinhas no grelinho e lambidas nos lábios externos de sua xana, até a ninfa gozar.

Ai!! Que melzihno delicioso essa putinha liberou. Ela foi tão boazinha, que lambi e bebi todo seu gozo. Que tesão.

Eu queria mais.Tava morrendo de vontade de ver ela gozar de novo. Decidi penetrar ela de vez. Como uma mulher deve ser

penetrada. Ela não queria sentir tanto prazer quanto a mãe, então era isso que ela ia ter.

Deitei a ninfetinha na minha cama e subi em cima dela. Fui tirando minha roupa, enquanto beijava aquela boca carnuda

e rosadinha. Quando já estava completamente nua, encostei meu corpo no dela e comecei a roçar minha xana na dela.

Bruna gemia, a cada movimento que eu fazia. Estava com muito tesão de transar com uma mulher. Falei a ela que, agora

ela quem deveria ser a minha putinha e que putinhas falavam sacanagens na hora do sexo. Entre gemidos e sussurros, perguntei se ela sabia alguma e ela

me confessou que havia visto um filme de lésbicas na casa de uma amiga e que iria tentar dizer algumas safadezas.

Assim, Bruna começou a sussurrar sacanagens em meu ouvido. Que voz gostosa. Era tão perfeita quanto seu corpo que, agora, estava bem coladinho no meu.

Cada vez que ela falava, eu me esfregava com mais vontade, como se quisesse violar aquela xaninha intocada. Como resposta, percebia que Bruninha se

contorcia. Estávamos num ritmo frenético e a velocidade era tanta que a voz dela ficava cada vez mais ofegante. Senti que ela estava quase gozando,

entrando em êxtase. Não aguentei. Parei de me esfregar nela e logo a penetrei com meus dedos. No início, ao colocar dois, de uma sá vez, senti que ela

se contorceu, como se tivesse sentido dor.Até me afastou. Perguntei a ela se ela ñ queria e ela disse que sim, mas que havia sentido dor.

Assim, fizemos um acordo. Eu disse a ela que iria com calma. Que a penetraria com um dedo de cada vez. Disse a ela para relaxar.

Que poderia doer um pouco, mas que depois ela ia adorar, sentir prazer. Ela pensou por alguns segundos e logo depois, senti que ela agora, abria bem as

pernas, arreganhando aquela bucetinha na minha direção e percebi que seu corpo passou a relaxar sobre a cama.

Então, ela disse: - Me come gostoso, vai. Mas, vai com cuidado, pelo menos no início.

Caminho livre. Voltei a tocar aquela menininha. Agora, com aprovação total. Comecei a tocar sua xana, bem devagar, passando meus dedos bem na portinha.

Não escondia minha vontade de enfiar meus dedos em seu buraquinho. Quando vi que ela estava ficando bem molhadinha novamente, fui enfiando o primeiro

dedinho. Fiquei fazendo um vai e vem gostoso, esperando a chance de enfiar o segundo. Agora, eu não sá penetrava a xaninha dela, como lambia por fora,

bem gostoso, pra ver se ela ia ceder logo. Fiquei um tempinho assim, até que ela mesma, segurando minha mão, puxou o segundo dedinho pra dentro dela.

Assim que ele entrou, ouvi um gemidinho baixo dela. Minha putinha estava gostando de ser penetrada pela primeira vez. Como era bom saber que estava

iniciando o processo para desvirginar uma gata como aquela. E como gemia. A cada gemido, eu a olhava e sentia mais vontade. Bruninha rebolava, se contorcia

e pedia mais. Mais um...dizia ela. E eu atendia. Coloquei o terceiro. Agora, aquela xaninha que antes não aguentava nem um dedinho, já estava com 3 lá dentro.

E, que gulosa ela era. Não se fez de rogada e pediu mais outro e outro...quando dei por mim, estava com todos os dedos dentro daquela grutinha. Comecei a forçar

ainda mais o vai e vem, com mais intensidade, mais vontade. Pedi a ela: - Goza, vai!! Bem gostoso, minha putinha. Goza. Ela, começou a atender meu pedido, pois

o gemido havia aumentado e ela agora estava atingindo um orgasmo incrível. E esse foi seguido de outro, outro e outro... Já havia perdido a conta quando ela parou.

Relaxando o corpo, foi puxando minha mão para fora de sua xana e levando até a boca. Resolveu lambê-los, como havia visto num dos filmes e gostou muito de sentir o

práprio gosto.

Esperei que ela se recuperasse, pois eu queria mais. Queria ela por inteiro.

Agora, estava disposta a explorar e penetrar aquele corpo inteirinho.

Quando Bruna se recuperou, perguntei se ela queria mais. Ela me respondeu que sim, pois queria me dar fazia muito tempo. Ao ouvir isso, não pensei duas vezes e voltei a acariciá-la.

Dessa vez, comecei a chupar seus mamilos, ainda em desenvolvimento, mas que já enchiam minha boca.Eu suguei, chupei, dei mordidinhas, tal qual como havia feito com sua mãe.

Ela se contorcia de tesão quando eu passava minha língua na ponta de seus seios e urrava de tesão com minhas mordidas. Entretanto, o que me deixava mais doida era quando ela falava:

- Me lambe vai. Faz de mim o seu sorvete.

Fui lambendo...lambendo...passei por sua barriguinha, fui descendo, descendo, até chegar novamente a sua xaninha. Dessa vez, não ia lambê-la, ia comê-la.

Peguei a cinta que tinha usado com a mãezinha dela e chamei ela pra brincar. Disse para abrir bem as pernas e ficar bem relaxada. Me coloquei na ponta da cama, posicionei o consolo bem na portinha

de sua xaninha e a puxei de uma sá vez pra mim, enterrando tudo dentro daquela bucetinha. A filhinha da empregadinha soltou um gemido muito forte. Pensei que ela fosse pedir para tirar. Ela me surpreendeu.

Disse que estava gostoso e me disse: - Vai! Me fode gostoso. De repente, a safada começou a rebolar loucamente e soltar gemidos frequentes de tesão. Me pedia para enterrar cada vez mais aquele consolo nela e eu, atendia.

Essa ninfetinha rebolou tão gostoso e com tanta vontade que, não demorou muito pra gozar. Foi bom, pq eu, malandramente, retirei o consolo de sua xaninha e aproveitei seu tesão para propor um joguinho a ela. Perguntei se ela

topava qualquer coisa. Ela respondeu que, se fosse para gozar tão gostoso e ter tantos orgasmos como estava tendo, faria qualquer coisa. Então disse a ela que, a partir de agora, seria minha escrava e faria tudo que eu mandasse,

sem desculpas. Ela aceitou. Nem imaginou que eu tinha segundas intenções com esta proposta. Fui direto ao assunto. Mandei que ela virasse de costas e ficasse de quatro em cima da cama. Pena que ela percebeu as minhas intenções e

relutou, pois estava com medo de dar o cuzinho. Eu comecei a provocá-la, dizendo que a mamãe tinha sido mais mulher do que ela, que não fez tanto doce quanto ela estava fazendo para me dar o cuzinho e que, se ela não me desse, ñ

iria mais transar comigo. Ela respondeu com sarcasmo, dizendo que duvidava que a mãe desse tão gostoso quanto ela e que, em disposição, ela tinha certeza que era imbatível. Eu, fingi que nem tinha ouvido e, já estava me levantando,

fingindo que ia parar com aquilo, quando, de repente, ela me puxou pelo braço e disse que queria muito que eu comesse seu cuzinho, pois ele era bem fechadinho e tinha certeza que isso estava me excitando. Pior é que ela tinha razão.

Eu a ordenei novamente que ficasse de quatro. Dessa vez, ela atendeu. Vendo aquele cuzinho gostoso bem empinadinho eu meti o consolo bem devagar. Comecei a meter, puxar ela pra mim e fazer movimentos de vai e vem até enterrar tudinho.

Eu que pensava que aquele cuzinho apertadinho daquela ninfetinha ia demorar para ser arrombado. Que nada! Ela gostou tanto que começou a empurrar aquela bundinha na direção do consolo e a soltar gemidos cada vez mais intensos. A cada estocada

que aquela vadiazinha dava, mais ela urrava. Que gostosa essa ninfa!! Urrava feito uma cadela. Aguentou tanto que, ainda com o consolo enterrado no cú pediu para virar e sentar na cama, para que ela pudesse cavalgar bem gostoso no meu colo.

A putinha cavalgou tanto, que soltou um gozo forte, molhou o consolo todo e pingou na minha perna. Essa performance dela tava tão intensa que, conforme ela ia estocando o pau no cú e a cinta ia ralando na minha xoxota, eu me preparei para gozar também.

Sá que a puta gozou antes de eu chegar lá. Daí eu falei pra ela sair dali de cima, a levei até a ponta de uma mesa, mandei ela se escorar de costas pra mim, voltar a empurrar bem aquele cuzinho, que agora tava arregaçado, e meti com toda força.

De pé, como ela merecia. A vadia gostou tanto das enterradas que eu estava dando que se preparou pra gozar de novo. Mandei ela segurar, pois queria gozar junto. Quando comecei a sentir o orgasmo chegar, dei um tapa em sua bunda e disse: -Vamos!

Cravei minhas unhas naquela bundinha arrebitadinha, agora vermelha de tantos tapas, e não soltei, até gozarmos.

Depois disso, resolvemos descansar um pouco. Bruninha pediu para dormir no meu quarto e eu deixei. Queria mais uma sessão de prazer, dessa vez matinal, com aquela ninfetinha.

Tivemos outras noites como essa....e dias também. Mas, estes são sssuntos para os práximos contos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto novinha gravida do tioconto incesto mae praiacontos eroticos negaoela me chamou de puta e me bateu conto empregada negraMeu primeiro Hetero espoca hetero finalcontos eroticos gay recem casadoContos sexo com pai da amiga e engravideimeu vizinho no meu colo contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos arrombando a gordacontos eróticos de mãe e filho, mãe com shortinho atolado no seu bundaocasa do conto meu irmao me encoxouconto erorico o negro e a filha do amigocontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos eroticos arrombando a gordaHistórias contos e relatos reais e atuais de incestos com mulheres gordinhas e com fotos delas peladascontos eróticos namorada outraContos eroticos de solteiras rabudascomendo minha sogra ruiva de 52 anos coroa mais gostosa do brasilcontos eróticos policial dominando viadosconto erotico menino dormino de cuequinhacontos fui comer uma bct chegou na hora era homemcontos eroticos entregadorpagando conta cartonsex familiaporno quando o home empura o cacete no egua ela gozacontos sadomasoquismo extremoesposas coroas ancudas traindo contos eroticoscontos fofinha menina de dez anosme fudeu dormindo contos Contos Eróticos Caseiros: Menina perversa - 07conto percebi que cu do marido esta arrombadopuxa agarra japinha cabelos pornoContos Eróticos Contados Por Verafudendo o cú da mae de renan conto eroticocontos eróticos encaixada viado da bunda grande no ônibuscomtos eroticos mania bem novinha pelada contos eroticos minha esposa molhadinha so de imaginar um negro grande comendo elaContos eróticos estuprada no ónibusvidio porno corno mulher da em cima do jsrdineiro e empregada ver e participamamando na vara feita bezerrinhacontos travesti que sai leite dos peitoscontos erot co dando a buceta pro cavalo e p ca grandeconto noiva liberada no carnavalcontos bem quente de casada e sua intida lesbicaMeu sogro me seduziu contoa calcinha toda travada no raboconto erotico casada trai com cunhado oConto porno com pai e filha nome alana part 3contos menina do papaiconto erótico amiga grelo línguaconto mulher casada rabuda dei pedreirorelatos eroticos dando caronacontosesposasnapraiahistoria de mulher cazada que tranzou com seu cachorro bem grandecontos eroticos ai ai ai mete safadocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos VanessaContoa eroticos a vizinha feiacontos eroticos perdendo avirgindade encesto compadrecontos eroticos de mulheres que aprotaram dos seus caseiroscontos eróticos de afilhado gahFui passear fui estupradop*** da bunda grande deixando seu c* todo arrombado com peito bem grandeCasa dos contos eroticos novonhas 10 aninhosconto erotico mae onibus lotadovídeo pornô de sobrinho pega tia de baby doll calcinha na cozinhaver contos eroticos de empresarios comendo o cu de empregadomeu filho me fodeu com raivacontos xoxota peluda da minha maecontos de sogras casadas dandocontos erotico mayara piercingcontos eróticos porno brasileiro grátis de incesto entre genro e sogra mais recentes