Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DOMINADA POR MULHERES 3

O que eu conto a seguir é como a Marisa, amiga da Ludmila e da Lúcia, fez para abusar de mim. Foi apenas uma vez (até hoje), mas foi memorável...

Eu dei mais uma das minhas escapadinhas até o apartamento da Ludmila – a gente tinha combinado no dia anterior. Quando cheguei lá, a Marisa atendeu a porta (ela usava uma camisola rosa transparente que deixava todo o seu corpo à mostra, e era assim que ela habitualmente andava em casa), e fiquei sabendo que a Ludmila estava atendendo um cliente que havia chegado sem marcar hora. Como ela precisava ganhar seu dinheirinho, mandou a Marisa me pedir para que esperasse – ou, então, que depois a gente combinasse outro dia.

Era a primeira vez que isso acontecia comigo, e era meio estranho ver a Ludmila “ocupada” no seu trabalho. Na verdade, acho até que fiquei com um pouco de ciúmes...

- Quer esperar no meu quarto? – A Marisa já foi logo perguntando, e percebi que havia ali segundas intenções. Confesso que fiquei tentada, mas pensei bem: eu era mais do que um brinquedo para a Ludmila... Era diferente da forma como a Lúcia me tratava, ela quase fazia as vezes de uma namorada. Achei que teria problemas se aceitasse, então disse que esperaria na salinha – o quarto que fora da Lúcia – por até vinte minutos, depois teria de ir.

A Marisa, uma negra muito bonita, me levou até a sala, onde me sentei num sofá. Para meu espanto, ela se sentou ao meu lado, e pegou no meu cabelo.

- Seu cabelo é lindo... Você pinta?

Respondi que não, que era loira natural, e ela se aproximou mais ainda, como que para ver mais de perto. Nesse momento, entendi o que ela estava querendo, mas tentei me esquivar.

- O que foi?

- Nada... É que...

Ela colocou a mão em uma das minhas pernas (mais uma vez, eu estava de mini-saia) e disse baixinho:

- A Ludmila vai demorar um pouco. Acabou de entrar no quarto, deve ficar lá quase uma hora.

- Eu sei... Mas não é certo... Ela...

- Você trepa com sua empregada e com uma garota de programa, e é casada. Você é a vadia que as putas usam pra gozar. O que não é certo?

Da forma que ela colocou, me senti completamente desarmada. Agora, a mão dela já estava na minha coxa.

- Mas...

- Levanta.

- O quê?

- Fica de pé, piranha.

Ouvir uma voz de comando é quase que apertar um botão em mim (aposto que a Lúcia e a Ludmila comentaram com a Marisa essa minha fraqueza)... Fico molhada na mesma hora. Então, sem pensar duas vezes, obedeci.

- De frente pra mim. Assim.

Sentada no sofá, ela começou a passar as mãos nas minhas pernas, e foi subindo até alcançar minha calcinha, sem levantar a saia. Apalpando e alisando minha bunda, ela deu um risinho maroto:

- Vai ser minha vagabunda também. E não vai falar nada nem pra Ludmila e nem pra Lúcia. Ouviu?

Ela apertou minha bunda de leve, colocando os dedos dentro da minha calcinha.

- Ouvi – respondi em meio a um gemido.

Começou a puxar minha calcinha para baixo, totalmente encharcada. Passou um dedo na minha buceta, depois o levou à boca carnuda.

- Você tem gosto bom. Vem cá, senta no meu colo.

Sentei-me sobre suas coxas. Ela levantou minha saia, sempre me olhando nos olhos. Deslizou as mãos na minha bunda, me fazendo rebolar... Ahhh... Isso foi tão gostoso... Com calma, ela começou a desabotoar minha camisa, deixando meus seios à mostra.

- Quero mamar nesses peitos. Vem cá.

Inclinei-me na direção da sua boca, e ela me abocanhou os seios com força, me arrancando um suspiro. Uma de suas mãos agora estava na minha buceta, e a outra me puxava os cabelos.

Mais uma vez, não conseguia me controlar. Mais uma vez, o desejo era muito mais forte do que eu. Completamente à mercê da Marisa, deixei que ela fizesse o que bem entendesse. E ela fez: enfiou dois dedos na minha buceta e me penetrou com força, deslizando fácil na xaninha molhada. Ela ficou nesse vai e vem gostoso por um tempinho, até que gozei – e tive de segurar um grito para não chamar a atenção da Ludmila, no quarto ao lado.

Depois disso, a Marisa se levantou, me colocou a calcinha de volta e me deu um tapa na bunda.

- Por via das dúvidas, a gente vai parar por aqui. Mas da práxima vez que a gente tiver uma chance, quero você lambendo minha buceta, entendeu?

- Entendi.

- Vai no banheiro jogar um pouco dÂ’água no rosto.

Eu fui. Para minha surpresa, ela entrou também, fechando a porta.

- Quer saber? Não sei quando a gente vai ter outra chance. Ajoelha e me chupa, piranha.

Assustada com a volúpia daquela mulher, mas me sentindo totalmente excitada, fiz o que ela me mandou. Ela colocou uma perna sobre o vaso sanitário, de forma a deixar a buceta (raspadinha como a da Ludmila) bem práxima da minha boca, e comecei a lamber. Que gosto delicioso! Passei a língua com uma vontade louca, ela sempre pressionando minha cabeça contra seu corpo. Minhas mãos percorriam suas pernas e sua bunda, e minha boca sorvia todo o caldo da sua xana. Quando ela gozou, me pressionou com tanta força contra sua buceta que pensei que iria me sufocar.

Depois de se recuperar, pegou uma escova de cabelo e se ajoelhou, me deixando na mesma posição em que ela estivera. Começou a enfiar o cabo da escova na minha buceta.

- Gosta, puta?

- Ahh... Ahhh... – Eu não conseguia responder de tanto prazer que sentia. Ela começou a fazer movimentos muito rápidos com a escova, enfiando o cabo todo em mim, e agarrando minha bunda com a outra mão.

- Goza, piranha. Goza pra mim de novo. Goza, piranha!

Não demorou muito e eu explodi num gozo louco, que me fez cair no chão. Ela veio na minha direção e me deu um longo beijo.

- Pronto – ela sussurrou, sentindo seu práprio gosto em minha língua – Agora você é minha escrava também.

Depois que nos arrumamos, ela disse:

- Melhor você voltar outro dia. Se a Ludmila descobrir o que a gente fez, vai ter problema. Você está cheia do meu perfume, e mesmo escovando os dentes, vai ficar com o gosto da minha buceta nessa boca gostosa por um tempo.

Fiz o que ela pediu, apesar do tesão que ainda sentia. Sá de imaginar a Ludmila me fodendo depois do que a Marisa fez comigo me dava vontade de me masturbar...

De qualquer jeito, melhor foi usar o bom senso. Saí rápido do apartamento, e liguei pra Ludmila mais tarde, combinando outro dia. Até hoje, não tive outra chance com a Marisa, mas penso muito nela e naquela escova de cabelo...



Continua...

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico dopei minha espos e comi ela de todo geitoContoseroticosdesolteirascontos eroticos gerro tomado umas cervejas com a sogra sozinhos e da em cima delacontos eroticos pique esconde com tiaConto erotico soquei piroca na mulata casadaconto gay cu cheio porracontos dei a xota pro mendigocontos o mendigo dotadocontos novinha rabuda deu p paicontos eroticos mullher carecatransei com a sogra contosconto erótico comi minha esposa e minha cunhadacontos eroticos, meu sogro come minha esposachaves.comendo cu da chiquenhaContos euroticos amiguimha novinha da minha filha.cu gulosoconto erotico virei menina por ter cabelo compridoxvidios gemios incestoSodomizando mae e filha contosmulhe da bucetinha peqena fudedo com cara da pica grande e grosa asitidocontos erotico de esposa traindo cornoConto erotico tia no tremcontos erotikos coroa so leva no cu pois esta de chicochupo por dinheiro contosputinha do titocontos erótico de incesto eu novinha ano ... meu tio com 26*6cm de rola me arrombou gozei gostoso e tive que ir pra casa com a buceta cheia de porra. contos eróticosConto minha filha dorminda so de fio dentalcontos eroticos de velhosContos eroticos cheirando calcinhas no banheiro da lojacontos eroticos velhos com meninasduas mulher chupando a b***** no Jordão baixo fazendo sexoEu Bêbado e Ela Se Aproveitou Contos Eróticoscomo deixar namorado e amigos deles loucos para me fuder contopau de jegue arrombando minha filhinha contoscontos esposa olhos vendados fudendoCU arrombado ABERTO madrasta contoconto de sexo mae mulata de calcinha fio dental nas fériascontos eroticos sexo a trescontos de engates gays maduroscontos eróticos meu amigo me fez corno e também me comeuminha tia travesti contosirmã irmão estudando lá no exterior não tinha feito ela com tesão ele com tesão meteu a rola nela bem gostosoContoseroticosdevirgemschupando a buceta da minha vo dormindo contoconto erotico foda com a viuvinhaNamoradinha gozada contoscontos eroticos minha tia de saiacontos eróticos gays irmãoscontos mulher baixinha e arrombadaContos eroticos interraciais no escritorosconto erótico maltrato minha mãecontos eroticos arrombando a gordacontos crossdresser o velho me comeu no matinhominha mulher se exibiu pra váriosmeninha fata zofolia buntuda sexocontos eroticos realizei meu sonho comi minha cunhada novinhaconto sexo loira casada primeira dpconto erotico dopei minha espos e comi ela de todo geitoNegão dotados contoseróticoscontos eróticos novinha funkcontos fudi minha cunhada emplena lua de melconto erotico sobrinhacontos eróticos traindo marido na salacontos eroticos de chupadas entre mulheresmetia na minha mae, contoWww.contoseroticosvirgindade.comcontos dou a bunda desde cedocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteAssalto e arrombamento contos eroticoscontos de sexo comi minha sogra em quanto a minha esposa tomava banhoEsposa linda e gostosa buntuda nuaComtos namorada fodida por varios machoscontos eroticos homem casado dando para o primocontos eróticos mãe e filho de araraquracontos eroticos a talaricacom as bolas cheia de porra pra minha mulher contos eroticosContos eróticos de lésbicas transando na casa da amiga de muitos anosContos eroticos cu da negra madanta