Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MEU AVO ME FEZ SER O QUE SEMPRE QUIS...

Me Chamo Adriano e vou escrever neste conto o que passei por causa de preconceito. Fui criado e crescendo tendo duas irmãs mais velhas que eu (um ano e a outra dois). Eu as via nuas constantemente que aquilo passou a ser uma coisa normal pra mim e elas me faziam até vestir suas roupas sá pra ver como ficava dizendo que eu tinha um corpinho de menina. Realmente; não sei se pela convivência, passei a perceber que eu era diferente dos outros meninos. Tinha um corpo lisinho; pernas delicadas; bundinha arrebitada; cintura fina; peitinhos salientes e trejeitos idênticos aos de minhas irmãs. Acho que meu pai percebeu muito tarde e quis mudar meu jeito. Ele tentava me levar ao estádio de futebol e eu não ia dizendo que não gostava. Ele tentava me levar ao Clube que frequentava pra me fazer enturmar com os filhos e filhas de seus amigos e eu não ia dizendo que não gostava. Já com certa idade e já tendo experimentado beijar na boca o meu melhor amigo e de ter dado a minha bundinha pra ele, meu pai me chamou dizendo que ia me levar numa zona. Eu entendendo qual era a sua intenção, falei alto e em bom tom que não gostava de mulher. Meu pai me deu uma surra tão grande que fui parar no hospital e minha mãe quis até denunciá-lo à polícia. Meu avô (pai de minha mãe) foi me visitar no hospital e conversando com minha mãe sugeriu que eu fosse passar uns dias em sua chácara. Meu avô Jorge já tinha seus 57 anos e devido ser um militar reformado tinha um físico bastante avantajado e continuava a praticar exercícios físicos (ele era viúvo). Ele me levou direto do hospital pra sua chácara onde me tratou com todo carinho que precisava... Ele me abraçava; beijava no rosto; levava pra subir nas árvores e apanhar frutas; botava pra lavar seu carro usando uma mangueira que ele brincava e me molhava todo e ainda me levava pra pescar num pequeno lago que tinha nos fundos da chácara. Vovô tinha uma empregada chamada Jurema (+- 40 anos); mulata; meio gordinha que parecia ser a dona da casa... Ela chamava a atenção de meu avô como se ele fosse uma criança e ele muitas vezes obedecia e eu achava muita graça. Mas, chegou um dia em que estávamos pescando e ele me perguntou (ele já devia saber pela minha mãe) qual foi o motivo que meu pai me bateu. Eu contei tudo e ele me fez uma pergunta: Se você não gosta de mulher é porque gosta de homem, não é?... A confiança que tinha nele me fez responder: É vovô, eu gosto de meninos!... Novamente: E você já fez alguma besteirinha com algum menino?... Mesmo muito acanhado respondi: Já vovô! Mas sá com meu melhor amigo!... Ele me pediu pra contar o que a gente fazia: Ué! A gente beija na boca!... Ele dizendo que beijar na boca não era fazer besteira foi bem direto: Você deu a bunda pra ele?... Fiquei corado na hora e balançando a cabeça confirmei. Estávamos sentados na grama e ele me puxou me dando um abraço e fazendo carinho em meus cabelos: Eu entendo meu neto! Você praticamente nasceu quase uma menina!... Olhei pra ele: Por que vovô?... Ele botou a mão no meu peito por cima da camiseta e apertando: Até seu peitinho está crescendo igual a de uma menina!... E frisou: Você tem todo corpo de uma menina muito bonita!... Dias depois apás uma outra pescaria; estava fazendo um calor escaldante, vovô me mostrou de onde vinha a água que formava o lago... Era de um morro onde esguichava um grande filete de água formando uma pequena cachoeira e ele: Que tal a gente tirar a roupa e tomar um banho?... Fiquei com um pouco de vergonha, mas como era apenas o vovô que ia me ver seminu tirei a roupa ficando somente de cueca. Fui até a queda d´água pra sentir a temperatura quando vi vovô tirando toda sua roupa e pelado com seu pênis mole balançando entre suas pernas veio caminhando até chegar perto de mim. Ele segurou nos meus ombros e rindo me fez entrar de imediato debaixo da água... O choque térmico me fez quase perder o fôlego e ele me puxou me abraçando: Te assustei, não é?... Envolvi meus braços em torno de sua cintura que seu pênis ficou sendo espremido pela minha barriga. Vovô me soltou indo molhar seu corpo e notei que seu pinto tinha crescido um pouquinho quando ele pediu: Porque você também não fica pelado?... Fascinado olhando o pinto do meu avô automaticamente tirei a cueca e também entrei sob a água voltando a abraçá-lo pela cintura querendo sentir novamente o contato de seu pênis. Vovô botou a mão em minhas costas e fazendo carinho foi descendo até chegar na minha bundinha onde alisando e apalpando: Você tem uma bundinha durinha e redondinha!... Adorando aquele carinho senti o pinto de vovô crescendo e ficando duro em contato com a minha barriga que tive que me afastar. Ele me pegou no colo me levantando e beijando meu peitinho: A minha vontade e dar uns beijinhos da sua bundinha, você deixa?... Eu rindo de nervosismo e ao mesmo tempo querendo sentir sua boca em minhas nádegas: Você eu deixo vovô!... Ele agachou por trás de mim dando vários beijos na minha bunda. Depois dos beijos senti separando minhas nádegas e sua boca encostar no meu ânus que fiquei todo arrepiado... Logo era a sua língua que passava em meu ânus que minhas pernas começaram a ficar bambas. Ele me pegou no colo me levando até um gramado e me colocando de bruços voltando a lamber meu rego tentando enfiar a ponta da língua no meu cuzinho: Que bundinha deliciosa meu neto! Você gosta quando seu colega enfia o pinto no seu cuzinho?... Eu já gemia de prazer: Gosto vovô! Gosto muito!... Ele debruçou sobre meu corpo passando seu pinto no meu rego: Será que você vai gostar se o vovô enfiar o pinto do seu cuzinho?... Eu já empinava a bunda de encontro do seu pinto: Acho que sim vovô!... Ele puxou meu corpo me fazendo ficar de quatro e com um braço envolvendo minha cintura segurou seu pinto encostando no meu rego: Se doer você fala que eu tiro, tá combinado?... Concordei e ele forçou fazendo a ponta grossa de seu pênis abrir as carnes do meu delicado cuzinho. Mesmo sentindo certo desconforto quando ele perguntou se estava doendo; travando os dentes balbuciei: Nãoooo vovô! Pode enfiar que eu aguento!... Senti aquela tora entrando no meu rabo centímetro por centímetro até o corpo do meu avô encostar da minha bunda. Quando vovô começou a movimentar seu pau dentro da minha bunda me veio um prazer tão grande que meu pinto foi ficando duro e quando ele começou a ejacular no meu cú sem nem botar a mão no meu pinto comecei também a gozar pela primeira vez. No dia seguinte assim que Jurema foi embora vovô me deu uma sacola: Olha que comprei pra você!... Quando olhei o conteúdo fiquei pasmo e ele: Sei que você tem vontade de se sentir uma menina, espero que estas roupas dêem em você!... Fiquei encantado com o bom gosto de vovô e logo que ele pediu pra vestir corri pro quarto... Até camisola, calcinha, sultiã e batom ele comprou. Me produzi toda (já me sentindo uma menina) vestindo uma minissaia por cima de uma calcinha e uma blusinha decotada sem colocar o sultiã (não achei necessário) e como tinha aprendido com minhas irmãs passei o batom (vermelho claro). Quando chequei na sala vovô me olhou de cima em baixo, me virou de costas pra ele me puxando pra sentar em seu colo: Que maravilha minha netinha, você está lindíssima!... Eu passando um braço pelo seu pescoço enquanto ele alisava minhas coxas: Obrigada vovô! Estou muito feliz pelos presentes que você me deu!... Ele pediu: Então eu mereço um beijo?... Dei-lhe um beijo marcando seu rosto de batom e ele: Bem que podia ser na boca, não é?... A minha intenção era somente dar-lhe uma bicota; mas quando encostei meus lábios no dele, segurou minha cabeça forçando dar-lhe um beijo de verdade. Senti todo meu corpo vibrando quando senti sua língua entrando pra dentro de minha boca e sua mão levantando minha saia e puxando a calcinha: Como você é gostosa! Que boquinha deliciosa!... E pediu pra continuar a beijá-lo. Ajoelhei de frente pra ele e o abraçando com os dois braços continuei a lambuzar seus lábios de batom e querendo experimentar passei a enfiar a também minha língua sem sua boca. Depois de passar todo meu batom para a boca do vovô aliviei o corpo e senti que ele tinha colocado o pinto pra fora que espetou minha bunda, quando ouvi a pergunta: Você já chupou o pinto do seu amigo?... Quando disse que nunca ele: Muitas meninas gostam de chupar um pinto! Você quer experimentar chupar o vovô? Acho que vai gostar!... Seria uma nova experiência que teria como uma menina que sem pensar duas vezes segurei o pau duro do vovô e fui envolvendo meus lábios em torno daquela cabeçona vermelha. Vovô ia me explicando e fui aos poucos aprendendo a chupar um pinto que meus lábios desciam até a metade e subia sugando e quando chegava novamente na ponta eu lambia igual um gato lambendo sua cria: Isso minha netinha! Estou adorando sua boquinha me chupando!... Voltei a engolir aquela tora e quando estava com a metade do seu pinto dentro da boca senti um jato bater no fundo da minha garganta... Tirei rápido a boca e veio outros sujando todo meu rosto... Vovô gozou muito e adorei aquela nova experiência. A noite ele pediu pra vestir a camisola e dormir com ele. Na cama vovô foi muito carinhoso me tratando como uma verdadeira mulher e entre abraços e beijos suspendeu a camisola tirando a calcinha e novamente lambeu muito meu cuzinho... Depois ele deitou e mandou subir em cima dele e sentar no seu pinto. Aprendi uma nova maneira de dar a bunda; segurei seu pinto e fui abaixando até encostar meu cuzinho na ponta do pinto do vovô: Agora minha netinha! Faz força com o corpo pra baixo, faz!... Soltei-me um pouco e quando senti meu cuzinho engolindo a ponta perdi as forças em minhas pernas que acabei sentando de vez sobre os pentelhos do vovô. Ele botando as mãos debaixo de minhas nádegas me ensinou a cavalgar... Comecei a subir e descer lentamente e de acordo com o crescimento do meu prazer de ter o pinto do meu avô todo enfiado no meu rabo fui aumentando a velocidade da cavalgada e quando senti ele gozando sentei de vez e segurando meu pinto que estava duro toquei uma punheta rápida gozando sobre a sua barriga... Vovô riu muito dizendo que tinha me masturbado igual os meninos. Nunca mais voltei pra casa e me transformei de vez em um travesti. Com a ajuda do vovô montei um salão de beleza e passei a ser um travesti muito respeitado na alta sociedade. Hoje vivo com outro travesti que também trabalha no meu salão e com ele aprendi ser ativo e passivo... Sou feliz como sou graças ao meu querido vovô.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


bucetinha contoscontos transando com a grávidaconto erotico vovo comendo vovoPorno mobile boqueternocom perdi minha virgindade com um policial contocontos eroticos meu marido armou para o irmao dele me comerEnsinando a maninha a foder contos eroticoscontos cris super dotadoCasada narra conto dando o cuconto eu e minha irma somos safadas meu cunhado leva chifre diretoCrossdressing contos eroticoconto festinha gayconto elotico pai xfilhaloira louca por pau gg contoscontos quando eu era criansinha meu pai e mh mae me obrigava a eu dar a mh xaninhaVideosputas fz boquete de na lingua o mineirinho que me cativou 2Lóira safada narra conto metendo na coberturasexo na infanciacom tio contosconto erótico gay em cinema. De Recifecontos minha irma sem calçinhaconto porno gay putinha de váriosquero ver buceta do pigele gradecontos eroticos vou gozar dentroesposa puta negao contoscontos de mae fudendo com o próprio filhocontos eróticos com mãeflagras de fodas em no parque da cidadecontos chupei um paucontos fudendo a crente e o corno ficou olhandodando o cu no cine arouchefui afeminado por uma dommecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenterelatos eroticos romanticowww. brasileiras provocando com olharesde safadas pornocontoseróticos comendo a família inteiraContos eroticos fui comido na locadora d videos pela travesti pauzudacontos: sentei no colo do velhoquero assistir você para minha mulher rapadinha pau entrandocontos eroticos garotinhaContos eroticos : a amiga japonesa da minha maetravesti jhuly hillsficou vixiada bo inxestoPorno mobile boqueternocontos erotico subrinha novinha mais muito safadinhContos visitou o culhado na cadeiacache:A_ULZ8FKkSgJ:okinawa-ufa.ru/home.php contos eróticos de pequenininhos dando para grandõescasa do conto pagando pra fazer sexo com a cunhadacontos eroticos q bocA e essa desse baianocontos eroticos traindo o marido com pivetesnaturista contoso pai da minha amoginha me comeu contoscontos eróticosgaysmeu primo de menorcontos minha esposa pediu para levar o amigofudi gostoso no volleyConto erotico no sitio casa de dois comodosConto erotico dei pro borracheiro sem o marido percebever uma mulhervelha arreganhando a priquita com os dedoscontos de coroa com novinhona festa funk hetero pauzudo conto gayContos eróticos d velhos tarados no cemitério corno no cinema contoscontogayporno contos eroticos arrombando a gordalesbicas presediarisMeu tio que chupa no meu peniscontos eróticos frio chuvanegao e o seu caralhoContos eróticos mãe com os negrões e papai vendoconto erotico de fui comida pelo amigo do meu esposo insperadamenteporno doido em cabines chupando e dando a buceta por buracos de paredesconto erotico a mulher me encoxou no onibus