Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ARMADILHAS DO DESTINO

By aventura.ctba



Amigos leitores, os nomes foram trocados para preservar nossa identidade. Meu nome é Carlos, tenho 47 anos e este fato aconteceu no final de 2001.

Em 1985 conheci Marcelle, menina linda, corpo perfeito, morena clara, 1,65cm olhos verdes, 19 aninhos e um sorriso lindo que logo me conquistou.

Foi paixão a primeira vista, começamos a namorar e dois anos apás nos casamos. Marcelle me completava em tudo. Eu a amava, e ela sempre fazia questão de repetir que era louca por mim. Éramos um casal muito feliz, os amigos invejavam o nosso relacionamento.

Dois anos depois de casado veio ao mundo nosso primeiro filho, que demos o nome de Ângelo. Nosso amor fortaleceu ainda mais, cada dia que passava eu a amava com mais intensidade, e para completar nossa felicidade um ano depois do nascimento de Ângelo veio ao mundo nossa filha que demos o nome de Camila. Nossa felicidade agora estava completa.

O tempo foi passando e com muita luta fui conquistando um lugar ao sol. Levávamos uma vida tranquila, tinha um bom emprego, ganhava razoavelmente bem, tínhamos uma bela casa e um bom carro, enfim, estávamos estabilizados financeiramente.

Minha esposa cada dia que passava ficava mais linda. Duas gestações não fizeram mal nenhum ao seu corpo, continuava perfeito, escultural, graças a muitas horas de malhação diária .

Fazíamos amor quase todos os dias, às vezes duas, até três vezes quando estávamos inspirados. E assim levávamos nossas vidas.

Certo dia, precisei ficar até mais tarde na empresa para uma reunião de negácios, pois iríamos fechar um grande contrato com uma multinacional, e de forma alguma podíamos perder aquela conta.

Liguei para minha esposa dizendo que chegaria bem mais tarde que o horário que estava acostumado a chegar e que não me esperasse para o jantar. Quando terminou a reunião já passava da meia noite, me despedi do pessoal peguei meu carro e no caminho de volta mesmo cansado ia pensando, nada como um bom banho e uma longa noite de amor com minha amada para relaxar e esquecer os estresses do dia que terminou.

Lembrei-me da carinha que ela fazia quando chegava ao orgasmo, seus gemidos de prazer naquela voz de veludo sussurrando no meu ouvido palavras desconexas cada vez que gozava. Quando estávamos saciados ficávamos coladinho um no outro trocando carícias por um longo tempo até que o sono chegasse.

Como estava ampliando a garagem de casa, pois queria fazer uma surpresa para minha esposa, no natal, ia presenteá-la com um carro, que era um dos sonhos dela que faltava realizar, então, a mesma estava cheia de materiais de construções espalhado pelo piso, por isso provisoriamente deixava meu carro em um estacionamento que ficava do lado da nossa casa.

Quando cheguei em casa, percebi que tinha algo de errado pois a lâmpada da garagem que ficava ligada a noite toda estava apagada, e a luz do nosso quarto estava acesa.

Sem fazer barulho fui me aproximando e ouvi algumas vozes que vinha do nosso quarto, achei estranho, pois eram vozes de homens misturado com uns gemidos abafados de uma voz que eu conhecia muito bem.

Meu coração disparou, a primeira coisa que veio na minha cabeça era que minha esposa estava me traindo. Será? Fiquei pensando comigo. Não podia acreditar! Tomei coragem, procurei um lugar que pudesse ver o que se passava no interior do quarto, e por uma fresta da janela pude ver com dificuldade minha esposa nua, de quatro na cama e um cara segurando seus cabelos, e com força fodia desesperadamente sua buceta por trás, não dava pra ver seu rosto, pois tinha outro cara na sua frente fodendo sua boca.

Fiquei paralisado não sei por quanto tempo, quando me recuperei do choque que tinha levado, olhei de novo pela fresta e a foda continuava lá dentro. Por um momento fiquei pensando no que iria fazer, meu coração parecia que ia sair pela boca. Senti o sangue ferver e na minha cabeça sá um pensamento, há quanto tempo minha esposa me traía, numa atitude impensada, peguei um pedaço de ferro, o primeiro que vi pela frente tentei abrir a fechadura sem fazer barulho e dar o flagrante e acabar com aquela safadeza. Quando abri a porta e entrei, pude perceber realmente o que estava acontecendo.

Tinha outro cara na sala me esperando com uma arma apontada para mim. Mandou-me fechar a porta e disse:

- Não reaja se não morre, já pegamos o que queríamos, mostrando o cofre aberto que ficava na sala atrás de um quadro, ali guardávamos alguns dálares e as jáias da minha esposa, o marginal que estava com a arma na minha cabeça com desdém falava: - Ei patrão, fique na boa se não vocês morrem, meus companheiros sá estão se divertindo um pouco com a gostosa da sua mulher.

– Porra patrão, tu tá comendo bem, heim? Sua putinha é muito da gostosa e foi me empurrando para o quarto. Chegando lá disse aos outros dois: - Adivinhem quem veio para o jantar e caíram na risada.

Todos eram altos e fortes, os dois que estavam fodendo a minha mulher eram morenos, e o que estava apontando a arma para mim era mais branco. Eles pararam quando entrei, pois tinham acabado de gozar.

Olhei para minha esposa, ela abaixou os olhos envergonhada e soluçava baixinho, a sua bundinha ainda estava cheia de porra que escorria por suas pernas, seus seios estavam todo vermelhos de tanto ser chupados por aqueles facínoras tarados, meu coração estava em brasa, arrependido de ter duvidado da sua fidelidade.

Ela olhou pra mim e me disse num fio de voz: - Me perdoe, eles ameaçaram matar as crianças se não fizesse o que eles queriam. Um deles disse: - Ei mano, você não se incomoda de agente dar uns tratos na sua patroa não é mesmo?

- Sabe patrão, estamos a perigo, faz cinco anos que não traçamos uma gostosa como esta, lá no casão sá se comia cu de novato e algumas vagabunda que de vez em quando os manos arrumavam pra gente dar uma aliviada entende? - Mas eram todas umas arrombadas, não se compara com a bucetinha apertadinha da sua patroa.

Então disse a eles: - Vocês já conseguiram o que queriam, vão embora deixe a gente em paz eu nem vou dar queixa, não maltrate mais minha esposa!

O ladrão que estava atrás de mim disse: - Calma patrão eu ainda não me diverti com sua mulherzinha, agora é minha vez, passou a arma para seu parceiro, tirou do bolso um papelote de cocaína fez três carreira na penteadeira, pegou o tubo de uma caneta colocou no nariz e cheirou uma carreira como um alucinado, passou para o outro que repetiu o mesmo gesto.

Pegou a arma do amigo que estava me cuidando apontou para mim enquanto o outro cheirava sua carreira.

Olharam para minha esposa e disse: - Daí pirainha rica, pronta pra levar mais vara nessa bucetinha? E deram uma gargalhada.

Então o bandido que não tinha ainda fodido minha esposa abaixou a calça, tirou a cueca e uma rola enorme ainda meio mole balançava entre suas pernas, o pau do cara mesmo mole era bem maior que o meu, aliás todos eram bem dotados, mas o ultimo era descomunal.

O efeito da coca que cheiraram começou a fazer efeito pois não falavam coisa com coisa, um deles disse: - Agora você vai ver como se fode uma buceta. Aproximou da minha esposa, segurou-a pelos cabelos e disse: - Faz uma chupetinha bem gostosa sua vaca, daquelas que eu sei que tu sabes fazer.

Minha esposa tentou virar o rosto para o lado e levou uma bofetada, acho que doeu mais em mim no que nela, olhei pra ela e fiz sinal concordando. – Olha bem seu corno, veja como sua putinha esta gostando de chupar um cacete. O pau do bandido mal cabia na boquinha da minha esposa, o cara enfiava o cacete e puxava a cabeça dela de encontro a seu corpo tentando colocar aquilo tudo na boca dela, aquilo chegava até sua garganta ela se engasgava e ele nem aí, ele estava a sufocando, achei que ela ia vomitar.

O outro alisava seu pau que já estava duro, foi por trás da minha esposa levantou sua bundinha colocou o pau na entrada da sua buceta e atolou tudo de uma vez. Ela deu um grito e foi pra frente com a estocada que o cara deu e se afogou com a rola do outro que fodia desesperadamente sua boca, o cara que estava fudendo a buceta da minha mulher estava fora de si, cravava as unhas na bunda dela e metia com tanta força que se ouvia uns estalos quando o seu pau sumia dentro da sua vagina e seu saco batia na bundinha dela, logo o cara deu um berro e despejou um rio de porra na sua bucetinha que escorria pela suas pernas.

Apás meu consentimento, minha esposa se soltou mais e pude perceber quando suas pernas tremeram denunciando que tinha gozado também.

Em momento algum eles chamavam seus parceiros pelo nome. O cara que fodia a boca da minha esposa tirou aquela tora da boca dela e disse: - Agora você vai levar um pau de verdade sua vagabunda, e olhando pra mim disse: - Está gostando de ver sua mulherzinha sendo enrrabada por homens de verdade seu corninho? Todos riram.

Depois arrastou minha mulher para o banheiro, não deu pra ver o que fizeram lá, mais não demoraram muito, logo voltaram. Minha mulher estava aparentemente tranquila, o cara empurrou minha esposa na cama, abriu suas pernas, arreganhou a bucetinha dela e começou a chupar feito um louco. Minha mulher gemia de tesão, pois ele chupava forte os lábios da sua vagina. Aquela tortura durou uns 20 minutos, até que ele se deitou pegou ela pela cabeça e trouxe sua boca até seu pau para dar mais uma chupada.

Quando endureceu, tirou da boca dela ergueu suas pernas sobre seu ombro, pincelou aquela tora na entrada da sua buceta e foi enfiando devagar, aquilo ia arrebentando sua buceta conforme ia entrando, até que numa estocada mais forte enterrou tudo de uma vez, minha esposa gemia naquela rola gigantesca, aquele maníaco a dominava como se fosse seu brinquedinho, ele bombava com tanta vontade que parecia que ia desmontar minha mulher.

Confesso que estava excitado vendo minha esposa sendo fodida na minha frente e não podendo fazer nada. O cara continuava com aquele vai e vem frenético, às vezes ele tirava todo seu pau e empurrava de uma vez sem dá, sá para vê-la gemendo na sua rola. O bandido tirou o pau da buceta da minha esposa, colocou ela de quatro e tornou a meter aquele cacete na sua bucetinha, que a essa altura já devia estar toda esfolada de tanto levar pau.

O bandido que estava me cuidando passou a arma para o outro que estava assistindo a foda do seu companheiro dando risada, e foi até a frente da minha esposa, pois o pau na boca dela e fê-la chupar, agora ela tinha um cara com uma rola descomunal na sua buceta e outro pau também avantajado na boca.

Não sei como ela estava aguentando tudo aquilo. O cara falava pra ela: -Chupa gostoso que logo você vai levar uma vara no cuzinho tá bem sua piranha?

- E ai patrãozinho, esta gostando de ver sua mulher sendo fodida? Há há há há !!! Quando o cara que estava fudendo minha mulher tirou seu pau para fora, ficou um rombo devido o tamanho do buraco que ficou na sua buceta.

O bandido então deitou de costa e fez minha mulher sentar em cima do seu pau e cavalgá-lo, ela se levantava e descia fazendo aquela vara sumir na sua bucetinha, o outro foi por trás dela abaixou seu corpo fez com que ela se inclinasse um pouco e começou a lamber seu cuzinho enquanto o outro metia fundo na sua buceta.

Ele cuspiu no seu cuzinho enfiou um dedo e fazia movimentos circulares para facilitar a penetração, o cara cuspiu de novo no seu pau e deu mais uma cuspida e encostou a cabeça do seu caralho no cuzinho dela, e olha que de tantos anos de casados sá tínhamos feito sexo anal duas vezes, pois ela reclamava que doía muito, e o meu pau era bem menor que os paus dos bandidos.

Quando ela percebeu a intenção do bandido, ela se encolheu toda tentando desvencilhar, mas não conseguia porque o que estava com o pau atolado na sua buceta a segurava enquanto o outro tentava encaixar seu cacete no buraquinho do seu cuzinho e forçava a penetração.

Devagarzinho ia entrando, quando passou a cabeça ela deu um berro tão alto que se estivesse passando alguém na rua tinha escutado, e conforme ia entrando ela se debatia, mas não adiantava, pois cada vez o cara ia colocando mais no seu cuzinho. Ela implorava para parar, mas quanto mais ela se debatia mais o cara ia enfiando, até que sumiu o pau do cara no cu da minha mulher, tinha entrado até o talo.

Os bandidos riam e se divertiam com o sofrimento da minha mulher. O que estava atrás de mim vendo aquela cena toda estava excitado, e foi encostando-se a mim por trás e pude sentir seu pau duro roçar na minha bunda enquanto falava no meu ouvido:

-Esta gostando de ver sua mulherzinha levar vara seu corninho? - Que tal levar um pau no cu também heim? E esfregava com forca seu pau na minha bunda. Enquanto isso, minha mulher estava sendo arregaçada no cu e na buceta, já não gritava como antes, e recebia os dois caralhos com certa facilidade, minha esposa gemia gostoso enquanto os bandidos a fazia de sua escrava sexual.

Agora o cara que estava comendo seu cuzinho a castigava, tirando tudo e atolando até as bolas num ritmo alucinado, e o terceiro bandido assistia tudo esfregando seu pau na minha bunda com a arma na minha cabeça.

Em um momento que ele se distraiu, tentei tirar a arma das mãos dele me desequilibrei e cai, o bandido se recuperou e me deu uma coronhada na cabeça que fiquei meio zonzo, os que estavam fudendo minha mulher olharam e viram que estava tudo em ordem e continuaram castigando o cuzinho e a bucetinha dela .

- Então você quer dar uma de herái, seu corno filho da puta? Vai levar no cu para aprender.

Pegou-me pelos cabelos me abaixou até seu pau e disse aos berro: - Chupa meu pau filho da puta! - Chupa logo, se não vai apanhar na frente da sua putinha. Não tive alternativa se não obedecer, ajoelhado na sua frente foi enfiando o pau na minha boca, eu que nunca imaginava passar por essa experiência, pois jamais pensei que aconteceria isso comigo.

Comecei meio sem jeito a chupar o pau do bandido, que ainda estava sujo de porra pois acabava de gozar na buceta da minha esposa.

- Esta gostando viadinho? - O que você acha de estar chupando uma rola enquanto sua mulherzinha está fudendo com dois?

De repente, ouvi gemidos da minha esposa novamente, e o bandido que estava chupando seu pau segurou-me pelos cabelos e disse: - Olha seu corninho, o meu mano vai acabar com o cu da sua mulherzinha.

Quando olhei, os dois tinham trocado de posições o que estava comendo o cu da minha esposa passou a foder a buceta dela e o bandido que tinha um pau enorme e muito grosso tentava enfiar no cu da minha esposa, ela não ia aguentar aquele pau no rabo de jeito nenhum, ela se debatia para um lado para outro, até que o bandido pauzudo gritou:

- Quieta sua gostosa você vai levar meu pau no rabo quer queira quer não.

- Esta vendo corninho? - Depois é sua vez, e continuou forçando até que conseguiu encaixar a cabeça daquele mostrengo no cu da minha mulher, forçou a entrada mais não estava conseguindo, porque ela, era quase virgem no cu, mesmo tendo sido fodida no cu pelo outro marginal, não tinha como ela suportar aquela tora.

Minha esposa que até então sá recebia carinho de mim todas as vezes que fazíamos amor, não passava de um mero objeto de prazer nas mãos daqueles facínoras.

Não via à hora de eles acabarem e irem embora. Por um momento o bandido do pau enorme desistiu de comer o cu da minha mulher e ficou me vendo chupar o pau do seu amigo, que a essa altura já estava duro que nem ferro.

Me fez levantar, tirar a roupa e mandou ficar de quatro em cima da cama ao lado da minha mulher. O que estava fodendo minha esposa bombava como louco sua buceta e gritou: - Eu vou gozar sua cadela! Quando estava para gozar tirou o pau da buceta dela e pois na minha boca soltando um jato de porra na minha garganta fiz ânsia de vomito e ele disse:

- Engole seu puto sinta o gosto da porra de um homem de verdade. Minha mulher olhava para mim com cara de estar gostando do que via, o que estava atrás de mim molhava meu cu com saliva e enfiava o dedo fazendo movimento para tentar facilitar a entrada, tirou um dedo e enfiou outros dois dedos, os outros marginais estavam cheirando mais uma carreira de cocaína.

Agora o que estava tentando me foder, deu uma cuspida no meu cu, enfiou o pau na buceta da minha mulher que estava toda melecada pela porra dos seus companheiro, tirou o pau da minha esposa e colocou na entrada do meu cu e foi empurrando... Confesso que nunca senti uma dor tão grande como aquela, a dor era insuportável, eu sentia que aquilo ia me estourando por dentro até que senti suas bolas batendo na minha bunda, minha mulher olhava para mim com uma carinha de pena mais não podia fazer nada, enquanto isso o cara me fodia pra valer cada estocada que ele dava chegava a escorrer lágrimas nos meus olhos.

- Olha o viadinho está gostando de tomar no cu disse o cara do pau enorme, e caíram na gargalhada, olhou pra minha esposa e disse: - Daqui a pouco é sua vez, não pense que desisti.

Senti que, o que estava me comendo aumentou o ritmo e pude sentir o jato de porra invadindo meu cu. Diminuiu o ritmo, tirou o pau fora, pois na minha boca e disse: – limpa meu pau viadinho, e suguei todo seu pau até que ficou totalmente limpo.

O outro do pau menor se aproximou por trás de mim e enfiou com tudo seu pau no meu cu, não senti tanto como da primeira vez, mas mesmo assim ainda doía. Enquanto um fodia meu cu, o do cacete enorme chegou e enfiou o pau na minha boca, e disse:

–Quero ver se você chupa melhor que a sua mulherzinha, aquilo ia até minha garganta e voltava, conforme ia chupando ia aumentando o tamanho daquele pau, era um absurdo de tão grande e já estava duro que nem ferro. Senti que o que estava me comendo estava pra gozar pois ele urrava enquanto castigava meu cu, senti suas unhas cravarem na minha bunda enquanto despejava sua porra no meu cu, quando ele tirou seu pau pra fora senti um alívio, sua porra escorria por minha bunda.

- Esta pronta para levar no cu agora cadela? Perguntou o do cacete enorme para minha esposa. Percebi que ela estava preocupada em receber aquela tora dentro do seu cuzinho.

O bandido do pau grande, pois minha esposa de quatro, apontou sua tora para seu buraquinho e foi forçando, minha esposa começou a gemer de dor novamente. O que estava me segurando me levou para os pés da cama de onde dava para ver o estrago que aquele pau ia fazer no cu da minha mulher.

Quando ele fazia força para entrar ela ia para frente para tentar escapar e o bandido não conseguia a penetração continuou assim por um bom tempo mais nada de conseguir, então ele mandou o seu comparsa segurar minha mulher para ela não fugir e forçou a entrada.

Minha mulher deu um berro quando passou a cabeça, o pausudo vendo o desespero dela, parou um pouco e pediu pra ela relaxar que logo era ela que ia pedir pra ele atolar tudo no seu cuzão agora todo arrombado.

Minha esposa já relaxada começou a mexer sua bunda devagar enquanto o bandido ia forçando a penetração aos pouco, aquele pau foi abrindo passagem e devagar ia estourando tudo que era prega que existia no cu da minha mulher, eu vendo um misto de dor e excitação estampado na sua cara, Já tinha entrado mais da metade daquela tora, minha esposa, gritava, se descabelava mais o bandido ia enfiando sem dá. - Não fale i que ia te estourar o cu cadela? Já entrou quase tudo não esta sentindo? - Olha bem para o cuzinho da sua patroa seu corno, depois disso ela nunca mais vai sentir seu pauzinho, nem na buceta e nem no cu hahahaha! O pau do bandido já estava todo no cu da minha mulher, quando ele começou o movimento de vai e vem dava para ver que o cu da minha esposa estava dilacerado.

Minha esposa de quatro agora recebia aquele colosso com certa tranquilidade, já rebolava no pau do bandido, então ele mudou de posição, deitou minha esposa de costa levantou suas pernas e meteu o pau de uma vez na posição de frango assado.

Minha mulher agora gemia no pau do pauzudo enquanto ele aumentava o ritmo das estocadas e fazia desaparecer seu pau no cu da minha mulher. Percebi que ela novamente gozava, pois seu corpo tremia enquanto ela de olhos fechados cravava as unhas na costa do bandido, minha mulher, gritava – Aaaiii!!! - Desculpe-me amor, mas estou gozaaannndo!!! –Uuuiiii!!! _ Que pauzão!! Mata-me de tanto gozaaarrr seu filho da puta!!!! O cara entre urros gozou alucinado no cuzinho da minha esposa enquanto os outros dois bandidos assistiam rindo do desempenho da minha mulher.

Quando ele acabou, pude ver o estrago que aquele cacete fez no cuzinho da minha esposa, ela nunca mais ia ser a mesma depois daquela noite.

Quando o bandido soltou as pernas da minha esposa elas caíram todas moles sobre a cama, minha mulher estava exausta. O bandido olhou para mim e disse: - Porra cara sua mulher é gostosa de mais, olhei para minha esposa e ela estava esparramada sobre a cama cansada de tanto levar vara.

Depois os bandidos tomaram banhos, vestiram suas roupas e antes de ir embora fez minha esposa cozinhar pra eles nua, não permitindo que ela se vestisse. Enquanto jantavam, cada vez que ela ia servi-los, eles passavam as mãos na sua bundinha como se fosse uma vagabunda.

Saciados, pegaram os dálares e reais que tinham roubado e deixaram as jáias da minha esposa dizendo que ela fez por merecê-las, e que geralmente eles não são acostumados a deixarem suas vítimas com vida.

Apás saírem, abracei minha esposa e agradeci por ter salvado nossas vidas. Tomamos um banho e fomos pra cama, fiquei lembrando uma cena que ela gemia na rola do pauzudo e fiquei de pau duro, abri suas pernas chupei com gosto sua bucetinha agora toda arrombada, ela logo entrou no clima, pois não demorou e senti seu gozo na minha boca, subi em cima dela encaixei meu pau na sua bucetinha e atolei tudo de uma vez, meu pau entrava e saía com folga da sua buceta, logo gozei e ela pra me agradar fingiu um orgasmo, pois acho que nem estava sentindo meu pau dentro dela naquela noite.

Pensei que nossas fodas nunca mais seriam as mesmas, mas me enganei, pois nas outras vezes percebi que sua bucetinha voltou ao normal, sá seu cuzinho ficou mais laceado, pra mim foi átimo, pois em nossas transas ela sempre goza com meu pau no seu cuzinho.

Resolvemos não registrar queixa do roubo, mas outro dia lendo o jornal eu e minha esposa, vimos estampadas na capa as fotos dos três bandidos mortos em confronto com a polícia apás um roubo a banco.

Se gostarem do conto faça seu comentário, e se possível de seu voto, abraço a todos.

Meu e-mail: [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


zoofilia cadelagozoucontos erosticos meu fihos mi comeraosconto erotico gay coroa dominador escraviza viado afeminadoidoza caseta toda gozadaorgialivrecontos eroticos colocaram o dedo no meu cuzinhometi no cuzinho da minha filha novinha de seis anos contocomtos de vagabundas que gostão de fudercontos eróticos amadores com fotos de casais realizando fantasias de Megane masculinocontos eroticos escritos incesto vovô e eu.contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteConto erotc gay e um abobinhacontos minha cunhada e minha namoradacontos eróticos na plantaçãobuceras com paj giganti dentroContos eroticos de travetis negra do pau grande e gostosos.Contos gozou dentro e engravideiComtos eroticos dei pro tio jorge com pau minusculopoi ve a folha fundedo com o primo dentro de casaconto erotico meu sogro de 60 anoscontos 8 aninhosConto transa rabudacontos o pau do enteadogostosa acediou o massagista pornoIrma cavala contoContos eroticos meu filho meteu ni mim bem gostosoconto erotíco fui sedusida nova e gosteiboquete mulher de 48 anos contocontos de mulheres ninfomaniaca por sexovídeos de porno mulher gazando espirrando no caralho grande tremorcontos eroticos sou uma mulher coroa e adoro tira a virgindade das mulecadaconto minha tia de calcinha andandocontos eróticos da sobrinha toma leitinho na cama do tioconto erotico gay adotivocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteler contis eroticos para tocar uma siriricaXupano apiroca doirmao sentada novazo dobanheroContos erotico sobrinha magrela no colo do tiocontos irmãzinhaconto eróticos de menininhascontos eroticos arrombando a gordabaixa vidio mulher esfrega buceta na boca homem e solta porra na barriga delecontos eroticos menina de 07anos dando a xaninhasem cadastro zoofilia sai mijando leitecontos eroticos arrombando a gordacontos pornôs gangbang madrasta obriga enteadaMarido tem fantazia ver a esposa dar praum poney contos eroticoscalcinha usada contos eroticosminha mãe e minha avó junta conto eróticoconto ajudando meu filhofoi chantageada pelo meu colega de trabalhoperdi minha namoradacontospai que fica rosado.o pau na buseta da filha bebada marido de pau pequenocontos eróticos de casadas rabudas traindo seucontos de filhos chera causinhascontos eroticos nordesteconto sexual com cadela zoofiliacasa dos contos tia 22cmcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos erotico a minha nutricionistacontos hot festa no iatepau escapou pela perna do shortsVirgenzinha contosconto de botei a novinha pra chora com a pica grande no cucontos eróticos me bater castigocontos eróticos de virgem  Marilia e Juliana estavam mais uma vez fr ente a frente para uma dolorosa batalha. Ambas traziam nos corpos as marcas feitas pela outra em combates violentos e sangrentos. Marilia vestia tão somente uma minúscula tanga branca fio dental. Juliana uma  contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto minha muie mi cumeucontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto erótico sobrinha. bem novinha fica esfrgando no colo do tio sem calcinhaconto erotico da cunhada pegando no paucontos eróticos, minha esposa puta