Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

TERESA, IRMÃ GOSTOSA E UMA DEUSA NO SEXO

Tudo o que está aqui escrito é uma verdade das mais loucas, mas eu vi e vivo tudo isso. Desde muito cedo costumava brincar de esconde-esconde com a garotada do meu edifício, que por sinal eram em grande número. Minha irmã, mais velha do que eu, desenvolveu cedo o seu lindo corpo, pele clara, pernas bem torneadas e fortes, coxas grossas e lisinhas, uma bunda maravilhosa, seios fartos e rosados e um rosto de fada, uma boquinha linda emoldurada por longos cabelos lisos e aloirados. Era desde cedo cobiçada pelos meninos e um belo dia brincando no edifício fui parar no terraço, onde cheguei para me esconder e logo ouvi vozes bem nítidas, soavam baixinho. Entrei no quarto dos elevadores e fui direto para uma janela quebrada, tentando ver o que ocorria. Lá estava ela, nuazinha, dando a bunda para dois garotos mais velhos que ficavam se revezando enquanto ela gemia deitada de bruços. Fiquei alí olhando, sem saber o que fazer mas curioso, olhando toda aquela situação. As vezes encontrava os três na garagem, escondidos atrás de algum carro, mas o escuro não permitia ver muita coisa, sá o vestido levantado e os meninos metendo com ela debruçada no capot do carro. Durante muito tempo vi esta cena se repetir até que um dia veio junto um primo dos garotos, ainda mais velho, e tomou conta da situação. No terraço, de joelhos, ela mamava no pau bem maior do cara e dava a bunda para os dois. O cara gemia e amassava os peitos dela até que em determinado momento vi ela engasgar e ele segurando a cabeça dela gozou tudo na boca, transbordando pelo rosto. Já refeito, o cara pegou ela e afastando os dois, colocou ela sentada no colo e era visível a dificuldade de o pau do cara entrar todo, até que ele a pegou pela cintura e a deitou, aí sim, enterrando sem parar em movimentos firmes, sem deixar mais os outros dois fazerem nada. A tarde caiu e o cara ainda estava dentro da bunda dela, gozando varias vezes. Nesse dia em casa a noite, notei que ela assistia televisão de lado, a todo momento ajeitando a calcinha como se estivesse assadinha. A partir desse dia ela começou a dar para o cara, na mata perto da minha casa, na garagem, no terraço e até na cama dela, em um sábado em que eu não saí de casa e ela pensando estar sozinha, ficou dando para o cara a tarde toda, e eu curioso, fiquei espiando. Tudo aquilo me deixava excitado, e logo descobri que eu tinha um tremendo tesão em vê-la sendo comida. O tempo passou, e um dia na rua eu vi ela com um cara bem mais velho. Ela de canga e a parte de cima do biquíni e o cara sá de bermuda conversavam, ele toda hora agarrando ela. Seguiram pelo caminho errado e logo deduzi que ela estava indo para a mata. Corri e cheguei primeiro até que eles apareceram. Sem muita surpresa, vi ela chegar sá de biquíni enquanto o cara acariciava a bunda dela. Canga estirada no chão e logo ele estava de pernas abertas e escancaradas, gemendo alto, pedindo para ele fazer devagar, que era muito grande e duro. O cara as vezes parava todo dentro dela e ela se debatia, nitidamente gozando muito, e logo ocara vinha com tudo, as vezes parava e mandava ela subir e descer a bunda, exigindo que ela abrisse tudo. O cara virou o macho dela, ela agora sá dava para ele e logo o cabaço dela foi para o espaço. Nesse dia ela saiu de mini saia rosa e uma blusa que mal cobria os peitos, durinhos e gordos, pontudos. Já mais entendido no assunto, previ que ela iria dar para o cara pois estava numa agitação e numa excitação ao telefone fora do normal. Saí na frente e fui para a mata. Demorou mas enfim eles chegaram e pela primeira vez vi eles demorarem. Depois de um tempo, ela abriu a saia, tirou a blusa e abaixando a calcinha começou a chupar o cara de uma maneira que fez o meu pau endurecer sá de olhar. Já completamente nú, o cara sentou em uma pedra e trouxe ela de frente, fazendo ela sentar boceta na vara dura. Com muita dificuldade e gemendo sem parar aos poucos o cara rompeu o selinho e logo ele começou a entrar e sair, fazendo ela gozar e estremecer o tempo todo. Fiquei encantado com a cena,ela fodendo era uma deusa e o cara tratou logo de deitá-la sobre as roupas e começou a dar seguidas fodas, colocando-a em todas as posições. Os peitos ficavam balançando eriçados, enquanto ela rebolava falando coisas sem nexo e sem forças, caía no peito do cara, completamente extasiada de tesão. Ainda vi o cara dar-lhe uma tremenda foda na bunda e depois saírem completamente suados.

Durante quatro anos o cara comeu ela de todo jeito até que um dia em casa, ela ficou me perguntando o tempo todo se eu iria para o futebol antes do almoço. Desconfiei dela sozinha em casa e disse que sá voltaria no fim do dia. Na minha casa tinha uma sala de jantar com duas portas de correr. Peguei algumas coisas e me escondi lá, deixando uma pequena fresta que me permitisse ver a sala sem chamar a atenção. Logo bateram na porta e ela veio, sá de tamanquinho, tanguinha e soutien preto e sem que eu entendesse, ela correu para dentro da casa, enquanto o cara e mais dois amigos sentavam na sala. Ela voltou de shortinho e camiseta, sentando no sofá ao lado do cara, com os outros dois nas poltronas da sala. Eu não podia ouvir, mas o cara falava ao ouvido dela e ela de cabeçabaixa ouvia, as vezes olhando para ele e respondendo ao ouvido. Ela estava deliciosa, e logo os quatro estavam sentados no sofá, o cara ainda falava ao ouvido dela e o outro passava a mão na coxa dela, alisando e apertando até que começou a apertar o peito dela, com ela olhando com cara de nervosismo e tesão. Mais algumas palavras ao pé do ouvido e logo o terceiro estava nu diante dela de pau duro. O cara foi retirando a blusa dela e ouvi bem alto os elogios aos peitos dela. Os dois logo começaram a hupar e morder fazendo ela soltar gemidos, agora com as côas abertinhas e as mãos dos dois apertando a toda hora o reguinho dela. Sem reação contrária, o cara retirou a roupa dela toda, colocou-a de quatro, montando ela na pica dura que logo começou a entrar e sair, as vezes pendurada no quadril do cara que levantava o corpo e fazia ela soltar gemidos altos, nitidamente para entrar tudo, Aos poucos ela começou a rebolar enquanto o cara do lado chupava e mordia a bunda, até que já completamente tarado se encaixou nela, metendo tudo no cuzinho, enquanto o terceiro dava a pica para ela mamar apertando os peitos que balançavam. Ficaram trocando a tarde toda e eu não aguentei e bati várias punhetas para desafogar o tesão. Essa brincadeira era no sofá, no tapete, na cadeira, até em cima da mesa de jantar ela foi enrrabada. Foram de inúmeras fodas sempre com os três, até que um dia chegou de surpresa um irmão mais velho do cara, deixando ela irritada, ela não queria dar para ele, mas não teve jeito. O cara era muito maior e mais velho que os três e nesse dia ela foi totalmente arrombada pelo sujeito, fazendo os três se divertirem em longas risadas, enquanto o cara socava a boceta dela feito um animal. O cara comeu várias vezes, gozando sem parar, dizia para os três que era assim que se fodia uma putinha como ela, chamando ela de gostosa, safada, que ela gostava, batendo firme na bunda e no rosto dela, mordendo e chupando o pescoço e ela pedindo para ele foder devagar, com carinho, a bunda já vermelha de tantas palmadas, e quanto mais ela pedia para parar um pouco o cara socava várias vezes e enterrava tudo sem parar, escancarando as coxas, colocando-as no peito fechadas e urrando como um animal gozando com ela se contorcendo e gemendo como eu nunca tinha visto. Parava sobre ela, enterrando o quadril lentamente, com ela gozando e se tremendo toda e logo recomeçava, segurando a bunda dela e socando profundamente, com força. As vezes tirava de dentro dela e exibia para os três a pica dura toda molhada e roxa. Batia na bunda perguntando se ela queria mais, até que ela respondia que sim, que queria foder com ele, entre palmadas e mordidas nos peitos. Os três foram embora e o cara continuou comendo sem parar, chegando a levar ela completamente rendida e pendurada na vara para a cama dela onde acabou de comer tudo o que tinha direito, inclusive a bunda, quase quebrando a cama. Cheguei a ficar na porta do quarto vendo a bunda dele se enterrando com força entre as coxas dela. Apesar das reclamações, esse cara comeu ela durante muito tempo, e eu vi muitas vezes. Nas terças-feiras ficávamos sozinhos,a noite eu dizia que ia dormire ele entrava escondido, mas não dava para não ouvir ele comendo ela no quarto de empregada ou na cama dela. Por mais que tentassem fazer silêncio, o ranger sucessivo da cama e os gemidos dela não paravam de acontecer, principalmente quando ele enrrabava ela. A foda com ele era diferente e ela parecia sofrer, mas gozava uma barbaridade, principalmente na frente dos outros três, que reclamavam sempre que ele gozava muito, deixando ela muito molhada. Uma coisa era certa, ela gozava muito dando a bunda para ele. Um dia ouvi que ele teve que sair da cidade, transferido para outro local.

Ela cresceu, sempre fodendo muito, casou, brigou como marido e um dia desembarcou lá em casa para uns dias longe de tudo. Eu já morava sozinho, a empregada antiga se aposentou e trouxe uma sobrinha que passou a trabalhar durante a semana, a Suely, uma mulata deliciosa que fazia o serviço da casa, de segunda a sábado a tardinha. Por conta de chamar ela para ver televisão na sala, sempre com aquelas coxas deliciosas ao meu lado, um belo dia comecei a elogiar o corpo dela, que ela devia ser maravilhosa de tapa sexo no carnaval, que ela tinha um senhor quadril, que devia serdeliciosa e que o homem que a pegasse de jeito seria um sortudo. Não demorou muito e me vi com a Suely deitada no tapete, saia levantada, a calcinha arriada nos joelhos e eu completamente enterrado na bunda maravilhosa e apertadíssima dela. Ela era noiva, maravilhosa, adorava dar a bunda para mim, me fazendo gozar demais, de manhã, a tarde e a noite. Era sá enfiar a mão por baixo da saia, apertar aquela delícia até ela molhar os meus dedos e ela dava alí mesmo, cheia de tesão. Quando eu chegava ela arrebitava a bunda de propásito, me chamando para brincar, como ela dizia. As vezes, quando dava, passava as madrugadas comendo aquela loucura de carnes. Ela sempre negava a boceta até que um dia ela me disse ao ouvido que finalmente tinha dado para o noivo e que estava tomando pílula. Não perdi tempo, levei-a para a minha cama e pela primeira vez vi a Suely nuazinha, um esplendor de mulata, 20 aninhos de pura sensualidade. Aquela boceta toda apertadinha me deixou maluco e quando entrou tudo quase fomos a loucura. Apesar desofrer um pouco, acabou me recebendo inteiro dentro dela, molhando o lençol todo. Acho que até então eu nunca tinha gozado tanto quanto com ela, era parar e olhar aquilo tudo no lençol branquinho e a pica endurecia como ferro. Comia a Suely todos os dias, e como mamava bem a safadinha, adorava beber o meu leite, dizia que era doce e quentinho.

Mesmo com a minha irmã em casa, já agoniado de tesão, não aguentei e fui sem fazer barulho ao quarto da Suely, que assustada mas cheia de desejo, passou quase que a madrugada toda abertinha na minha pica. O nervoso da situação e por não poder fazer ruídos altos, me fizeram ficar totalmente enterrado nela, e olha que a minha pica é um problema, grossa, muito grande e com uma senhora cabeçorra. Quase matei a Suely de tanto gozar, tive que ficar chupando a boquinha dela o tempo todo, o que fazia ela gozar ainda mais gostoso. Ao voltar para o quarto fui surpreendido pela minha irmã de babydoll curtíssimo na porta do quarto, me olhando com um sorriso maroto, bebendo um refrigerante, encostada no portal. Ela estava além de muito bonita extremamente sexy, sorrindo de leve e me olhando, com um par de coxas a mostra que me tirou o sono. Meu quarto em frente ao dela não me deu outra escolha, tive que entrar e ela não tirou os olhos do volume que balançava na minha bermuda.

O olhar de menina levada me deixou fora do ar, era evidente que ela estava admirando a minha pica ainda balançando e quase dura. Ainda vi aquela bunda maravilhosa se virar para mim e fechar a porta lentamente, me olhando e me comendo. De manhã, no café, ela me olhava como umagata no cio e observava a Suely, que desconcertava toda ao me servir, e eu tentava disfarçar, mas era impossível. O clima estava muito pesado. Ao mesmo tempo comecei a observar uma mudança na minha irmã, sempre olhando na direção do meu pau, discutia ao telefone com o marido, semprede saias curtíssimas e shortinhos que mal cobriam aquilo tudo de carne, blusas quase transparentes, os peitos quase de fora e os mamilos durinhos, as vezes quase esfregando eles no meu rosto quando vinha me beijar, ao ponto da Suely me soprar ao ouvido fodendo que ela estava doida para me dar, que aquilo não era natural, que ela estava me seduzindo e querendo conhecer a minha pica.

Realmente, a todo momento ela exibia os decotes largos, eu via até o rosinha do mamilo, deliciosamente soltinhos, exibia a calcinha dela sem o menor constrangimento sentada, sempre cruzando as pernas cheia de malícia, as vezes deitada no sofá com a saia na metade da bunda e ela fazia que arrumava mas ficava sempre tudo a mostra, para meu desespero. Se euficava olhando, ela se virava e sorria, olhando a bunda e perguntando se eu queria alguma coisa, qualquer coisa. Meu pau doía de tanto tesão, apesar de tentar evitar idéias que enchiam as minhas fantasias. Até que chegou o sábado, a Suely foi para casa, ficamos na janela vendo ela e o noivo atravessando a rua, ela me sacaneando dizendo que eu teria que comer outra, que aquela sá segunda-feira. Ela sá de shortinho curtíssimo e uma mini camiseta a tarde toda quase me levou aodesspero. A noite fiquei na sala vendo televisão, a cabeça girava de desejo. Lá pelas tantas minha irmã entrou na sala, de robe branco curtíssimo de seda, amarrado na cintura mas deixando a mostra as coxas fartas, o reguinho da calcinha branquinha e o decote abertíssimo, quase exibindo totalmente os peitos, os bicos marcando o tecido, quase fiquei sem voz. .

Sentada ao meu lado, fiquei gelado e mal conseguia me concentrar no filme, com ela me acariciando a nuca, me perguntando se eu queria mesmo ver televisão. Em dado momento ela se levantou, desligou a televisão, serviu dois drinks exibindo nitidamente a bunda completamente nua e sá com o tecido branquinho no reguinho, me olhando sorridente, vindo toda rebolativa, girando e dançando toda sexy sentar-se ao meu lado, continuando a acaricir a minha nuca, agora com mais carinho ainda. Brindamos e dessa vez o decote revelou toda aquela maravilha rosinha que eu já conhecia de tanto tempo, durinho demais e todo arrepiado. Suei frio e não consegui nem engolir, nem disfarçar o desejo, fazendo com que ela olhasse para onde eu estava olhando, voltando a me observar com os olhos quase em chamas de satisfação. As pernas maravilhosas, coxas grossas, lisas, branquinhas e cruzadas, com aquele triângulo mínimo da calcinha aparecendo debaixo do robe acabou por me deixar desesperado. O assunto logo caminhou para a Suely, que eu estava comendo muito ela e quando tinha começado, se ela era gostosa, que ela tinha uma bunda linda e que ela tinha visto a gente fodendo, impressionada com a nossa fome e que eu devia ser enorme, que ela tinha visto pela abertura da janela do quarto de empregada, que eu devia matar a menina na cama de tanto gozar. Realmente dava para ver e o abajur aceso mostrava perfeitamente os nossos quadris pela greta da janela. O meu pau já estava explodindo e eu tive que colocar uma almofada no colo, com ela me olhando com a cara de quem estava curiosíssima para ver o que tinha sido escondido. Me chamou de tarado gostoso, que eu devia ser uma foda maravilhosa, e eu já incomodado, contei tudo que eu já tinha visto dela, deixando o seu rostinho claro ruborizado e mais excitado ainda pela revelação. Depois dela me perguntar se eu ficava mesmo olhando, se eu alguma vez quis interromper, eu disse quenão, ela me disse que eu sentia tesão por ela, se me masturbava para ela, se eu gozava, durante quanto tempo, com quem eu gostava de ver. Me disse que as vezes, mesmo casada, vinha se encontrar com os três, até que um dia encontrou o tal cara violento, e durante muito tempo ela deu novamente para eles, até em São Paulo. Os olhos dela brilharam com as cenas que eu descrevia.Tive que confessar tudo e disse que sim, que eu gozava muito, duríssimo, que ela era deliciosa fodendo. Senti ela soltar lentamente o cinto do robe, ficando com a frente totalmente aberta, quase me fazendo ver ela nua. Lentamente dei-lhe um beijo que quase foi na boca, pois ela tentou acertar a minha boca cheia de tesão e saí da sala, olhando ainda para ela, sorrindo como uma felina. Me levantei excitadíssimo e fui para o quarto, fechando a porta. Tentei dormir, mas a pica teimava em subir e nú, tive até que trocar de cueca, que estava toda melada. Com as portas do armário abertas, não vi ela entrar no quarto e quando percebi, ela estava ao meu lado, olhando excitadíssima para o meu pau imenso e duríssimo. Fiquei sem reação, enquanto ela se encostava na prateleira do armário e dizendo que não conseguia dormir, abriu totalmente o robe revelando tudo e ficando sá de calcinha mínima, ao mesmo tempo em que me acariciava deliciosamente desde as bolas até e cabeça, dizendo ao meu ouvido que ela estava louca para fazer aquilo. Apertei-lhe cheio de tara os peitos macios e de bicos durinhos e logo desci e espalmei as mãos na bunda e na boceta, sentindo logo a calcinha molhar todinha no reguinho, melando de leve os meus dedos. Fui levado lentamente para a cama, olhando aquele rabo delicioso, e sentado nabeira da camavi ela engolir agachada a minha pica, me levando a loucura com o calor e a maciez da boca molhada, apertando os peitos, roçando e esfregando eles na cabeça que logo começou a melar. Não sei por quanto tempo ela chupou, sá sei que quando eu ia gozar ela parava e ficava olhando ele balançar e transbordar, duríssimo, para logo depois passar a língua no melado gemendo de prazer. Sem dizer uma sá palavra tirou a calcinha, soltou os cabelos, me olhando tarada e me deitando na cama, montou em cima da cabeçorra e lentamente começou a subir e descer, me oferecendo os peitos que foram sugados alucinadamente. Depois de um show de reboladas e enterradas maravilhosas, com ela jogando o corpo para trás para que entrasse logo tudo, sentindo a bunda dela se esfregando toda macia nas minhas bolas, vi ela gozar uma barbaridade, de frente e de costas enquanto eu alisava e enfiava os dedos molhados no cuzinho dela. Ela sorria e me perguntava se eu queria muito a bundinha dela. Cheguei a gemer de tanta tara naquele reguinho clarinho, macio e farto, o cuzinho rosinha, piscando para mim. Acabei deitando ela com as coxas bem abertas e segurando pelos joelhos, e vi finalmente ela me oferecer aquela delícia, me pedindo para enfiar tudo. Gozei várias vezes, levando ela a loucura, principalmente quando eu a segurava pela bunda, dava vários tapinhas que faziam ela se contorcer, e completamente cravado nela, começei a inundar tudo, em orgasmos profundos, com ela balançando as pernas no ar. Na hora da bunda dei-lhe uma sessão de mamadas no cuzinho, fazendo ela foder um bom tempo na minha língua, desesperada, implorando pela pica, que ela não estava aguentando mais, mordendo o travesseiro e se sacudindo toda quando a língua sugava o clitáris, para depois invadir o reguinho, fazendo ela empinar o quadril de tanto tesão e finalmente invadir aquele buraquinho guloso, a língua entrando e saindo até ela implorar e aí sim, rechear aquele maravilha de bunda que ficava entalada na minha pica, deixando ela toda dengosa, me chupando o pescoço e a minha boca, e era sá bolinar os peitos e o clitáris para ela s descontrolar toda, me chamando de tarado, de tesão, que estava ficando louca com a minha foda. Passei o sábado e o domingo metendo direto, ela nem ligou para casa, sá queria ficar o tempo todo sentada nuazinha no meu colo enterradinha. Na segunda feira no café, sem ela na mesa, a Suely perguntou se eu tinha comido. Respondi maliciosamente que todinha, fazendo ela soltar um sorriso de tarada e me dizendo que estava doidinha para foder também, que eu tinha que dar conta agora. Durante dois meses comi as duas, sendo que em uma noite eu convenci ambas a irem para a minha cama e foi uma loucura total, nunca fodi tanto. Minha irmã agora passa longas temporadas aqui em casa, nás três estamos sempre sem roupa, no máximo elas ficam de tanguinha, sá para despertar a minha tara, tudo natural, os maridos dizem que elas estão super bem, alegres, eu digo para mim mesmo que elas estão a cada dia mais deliciosas. A minhairmãme convidou para ir a casa dela e preparou um jantar. Depois eu conto o que rolou!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos gang bang com desconhecidosMeu amigo comeu minha mãe contocontos eróticos de Paula de Floripa Santa Catarinamulher louca de tesão gozando no peito na boca o dedo na bocaFodendo com mamae bunduda contoschupando buceta soltando fumaçacontos eroticos tio e sobrinha novinhacontos erotico esposa propoe proMinha irma adolecente taradinha em conto eroticocontos eróticos ele sempre me molestavacontos eroticos na frente do cornocontos encoxadacasada bruna tomamdo gozadacasada lesbica com sobrinha contocontos erotico d tios tarado p sobrinhas d onze anosnovinhos fodeno apremira veizcache:fvTAICqerA8J:https://mozhaiskiy-mos.ru/m/conto_20666_aconteceu-comigo..html malhadas e traidoras contosconto d patricinha c o borrscheiroTramsar comtosconto erotico novinha traindo namorado e iniciando no analcontos sobre velho taradoContos eroticos mais absurdosconto casal bisimpatia comer cunhadaWww. meu tío comeu meu cualcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos de gay sendo comido pelo sobrinhominha avó na punheta contosconto erotico minha namorada e meu tiocontoseroticos madrastesposa comvemceu maridu deixa. ela da para outro..comtos eroticoscontoseroticoscommaridowww.conto mimha mae min torturou com vibradores na bucetaconto erotico humilhada pelo pirocudoputinha da galera contoscontos eróticosgaysmeu primo de menorcontos eroticos arrombando a gordacontos das danadinhas perdendo cabaçinhocontos eroticos meu cunhado de cuecacache:fvTAICqerA8J:https://mozhaiskiy-mos.ru/m/conto_20666_aconteceu-comigo..html contos pornôs e sou putinha da escolatitio e sobrinha contoscontos eróticos, enteadoconto erotico chefe do meu marido me bolino por de baixo da mezaconto com sete anos dei gostoso pro meu tio caralhudocolo do velho. contocomi a familia toda contos eróticospassivosrj sexocontos eroticos com irmaconto fetiche apanhando da namoradacontos-gays sou gay e fui arrombado pelo pauzao grosso e grande do meu patraoFoto picudo estotando a bucetinha da casadaconto de casada com descendente de japones que traiu com um bem dotadocomendo i gozano deto da negá no salão de carnaval 2017conto humilhadadescabacei a namoradinha de 13 aninhosconto corno sondei ela tava debaixo delecontos erotico subrinha novinha mais muito safadinhcomtos bdsmsexo pau e xoxota contosai amor que delicia isso vai gostosa mete vai contosvideo de jovens travesti praticando incesto com padrastocontossexo minha mulher negro pausudofilho adotivo punheteiro contoscontos eroticos arrombando a gordaconto porn insetuosovizinhasafada adora língua na xotaContos viagem casal praia toplesscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos minha filha chorou no meu paugozou dentro da xota ada cunhada sem querer