Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

RETORNO À FAMÍLIA - IRMÃ MARTINHA

RETORNO à FAMILIA – DA IRMãMARTINHA



Já contei noutra oportunidade, que minha irmã Martinha, me arrastou por um turbilhão de fantasias sexuais, envolvendo todos numa devassa familiar, rompendo todos os limites, para nunca mais sermos os mesmos.

Sua juventude, sua beleza e sensualidade, foi pivô de tudo que veio acontecer entre nás, merecendo que eu fale dela, com exclusividade, antes de relatar outros relacionamentos familiares, ocorridos depois que ela casou e foi morar no Mato Grosso do Sul.

Martinha tinha uma bela estatura, perto de 170, quase loira, mas na realidade um castanho claro, de formas acentuadas, de belos contornos, bunda linda e seios sensuais, sedutores e grandes.

Martinha, alem da beleza, tinha uma vivacidade e uma espontaneidade enorme, sempre pronta para novidades e coisas relacionadas ao prazer e ao sexo.

Quando saí de casa, Martinha tinha por volta de 19 para 19 anos, uma menina adolescente mas, quando voltei, encontrei uma mulher exuberante, linda e maravilhosa. Foi isto que explodiu todos os nossos conceitos e preconceitos.

Depois que nosso relacionamento pegou fogo, eu costumava sair para festas e baladas com ela, mas sempre como irmãos, nos apresentando para amigos e as vezes, ficando com outros, sem ciumeiras ou possessões. As vezes, ao voltarmos para casa, comentávamos o que tinha rolado, com quem ficamos, nos divertindo e nos excitando tanto que, muitas vezes, mesmo cansados, transávamos antes de chegar em casa.

Foi numa destas festas, que Martinha conheceu um seu atual marido. Começaram ficando e ele ficou louco por ela, que depois de um tempo, casaram e vivem juntos até hoje.

Ela conheceu ele, pois a irmã do Roberto, era amiga da Martinha. Aliás, uma das primeiras amigas que ela me apresentou. Uma, que me deu um amasso na boate, antes do namorado dela chegar. Que me punhetou no reservado, e que tirou a calcinha, pra mim masturba-la também.

Virou amiga minha também e, sempre que estava sozinha, sem o namorado, vinha ficar comigo e a Martinha, o que acabou aproximando o Roberto e Martinha também.

Ele percebeu que eu dava uns amassos na irmã dele, mas fingia não ver, porque não gostava do namorado dela e até fazia questão que eu terminasse com aquele namoro. Mas o cara nunca desistiu, mesmo sendo corno, quase publico e notário, casou com ela, e vivem, aparentemente felizes, até hoje.

Em compensação, ele começou a amassar a Martinha também.

Certa vez, numa balada noturna, o Roberto ficou com a Martinha o tempo todo e eu com a Beta, irmã dele, nuns amassados danados.

No final da noite, Martinha sugeri darmos carona pra eles e no caminho, revolvemos desviar, para tomar a ultima cervejinha no Belvedere, lugar bonito, no qual se avista toda a cidade iluminada, local onde os namorados costumam dar amassos, meio privativos.

E lá fomos nás.

Chegando, descemos do carro, e cada par foi pra um lado, mas não distante suficiente, que nos impedisse de ver o que acontecia.

Quando vi que ia rolar com a Martinha, eu também avancei o sinal e a coisa rolou mesmo.

Era eu metendo na Beta e o Roberto metendo com a Martinha, embora escuro, dava para ver direitinho o que ocorria, confirmando pelos gemidos abafados, mas o suficiente para sabermos que fodiam tambem.

Foi uma foda tesuda que damos, eu, especialmente, por ver a Martinha fodendo há poucos metros de mim, e ela me disse depois, que estava olhando pra mim, e sentindo muito tesão também. Eu não sabia naquele momento, mas estava excitado por ver a Martinha fodendo com outro. Talvez, a Beta estivesse também olhando pro irmão dela, enquanto fodia comigo, sentindo as mesmas coisas, que Martinha e eu sentíamos. Beta nunca confirmou, mas Martinha e eu, sempre desconfiamos que algo rolava entre eles.

Depois, voltamos para o carro, alegres e felizes, fomos para casa, deixando a Beta e o Roberto na casa deles e, Martinha e eu fomos pra nossa casa.

Ela disse:

- Mano, que piçudo gostoso que é o Roberto, nunca pensei que ele fosse assim.

- Eu também gostei da Beta.

- O que importa, disse a Martinha, é que fodemos gostoso, né mano?

- É sua putinha danada.

Rimos e ela me abraçou, me beijando a boca, enquanto eu dirigia e, com uma mão me amassava o pau, enquanto voltávamos pra casa. Em certo momento, ela tirou meu pau pra fora da calça e começou a me chupar. Logo que meteu o pau na boca, levantou a cabeça e disse, tem um gostinho diferente, acho que é da buceta da Beta, e riu.

Entramos em silencio, e disse pra ela passar no meu quarto, para acabar com o aquecimento que ela dera no carro.

Disse boa noite e entrei no meu quarto. Quando estava tirando a roupa, a Martinha entrou e veio direto me chupar de novo.

- Sá pra sentir o gosto da bucetinha da Beta, minha cunhadinha, no teu pau.

Eu fui tirando a roupa dela, e ela voltou pro meu pau e eu fui na bucetinha melada dela, que chupei também.

- A tua esta com gosto de porra mesmo.

Rimos, mas continuamos nos chupando.

Depois meti na buceta dela, ainda melada, socando fundo e gozando dentro dela. Ela gozou também, e feliz, disse:

- Estou com a porra dos dois homens que mais amo.

- E vai ter por muitos anos, se formos discretos.

- Teremos maninho, teremos.



A Beta começou a vir estudar com a Martinha e sempre fugia pro meu quarto, para darmos uma foda gostosa, com a cobertura da minha irmã. Muitas vezes, a Martinha ficava espiando pela porta encostada do meu quarto, enquanto eu metia na amiga dela, e, depois que terminávamos, ela entrava, sem dar tempo para a Beta se recompor, afinal, era cúmplice de nossos encontros, dando cobertura pra Beta e pra mim, nos pegando suados e nus na cama.

Muitas vezes, Martinha entrava no quarto, com a Beta ainda em cima de mim, atoladinha no meu pau, suada de tanto meter, sentava na minha cama, e dizia com naturalidade:

- Ai cunhadinha, não é gostoso este meu irmão?

- O meu irmão também não é gostoso Martinha?

- Demais estes irmãos Beta. Demais.

Beta se estendia sobre o meu corpo nu, ou no meu lado, com a cabeça em cima do meu peito, abraçadinha em mim, e Martinha deitava no lado, conversando com naturalidade com a Beta, comentavam como eu fodia gostoso e que quando Martinha fosse na casa dela, ela também daria cobertura pra Martinha foder com o Roberto.



Depois de uns tempos, o namorado da Beta começou ter crises de ciúmes, por ela vir estudar com a Martinha, e assim, tivemos que desistir de nossas fodas caseiras.

Porém, Martinha tinha uma incontável número de amigas que queriam vir estudar na nossa casa. E, todas, passavam pelo meu quarto, ansiosas por uma boa foda, acobertadas pela Martinha. Algumas, namoradas ou noivas, também vinham, com a desculpa de estudar, para foder com o irmão da Martinha.

Depois de um tempo, tive consciência que elas se comunicavam entre si, pois, na formatura do colegial, das meninas que se formaram com Martinha, eu tinha fodido mais da metade delas. Por isto, deduzi, que Martinha, Beta, Lisi, Lala e tantas outras, deviam ter falado, o que rolava la em casa.

Quando Martinha ingressou na faculdade, as coisas continuaram com as novas colegas, até que Martinha engravidou e casou com o Roberto, indo morar no Mato Grosso do Sul, onde os pais dele tinham uma grande fazenda.

A despedida de solteira, Martinha fodeu comigo a noite toda, mesmo já tendo uma barriguinha acentuada, de mais de três meses. Mesmo assim, viramos a noite fodendo, so parando no clarear do dia, quando Martinha foi pra cama dela.

A noite, Martinha era a noiva mais linda e sensual que eu já tinha visto. Todas as amigas dela estavam na cerimônia, sendo que eu e Beta fomos os padrinhos e, durante a cerimônia, Beta dizia: perdemos a nossa cobertura, Marco Antonio. Martinha foi sempre espetacular, espero que meu irmão saiba fode-la bem gostoso, para serem felizes sempre. Eu disse: que os anjos digam amém.



Martinha partiu na lua de mel, e por lá ficou, residindo na cidade de Ponta Porã, onde reside até hoje, já tendo uma linda filha de quase 25 anos.

Mas, sempre que nos encontramos e que tivemos oportunidade, fodiamos, como na adolescencia: com muito amor, carinho e tesão.

Numa visita, poucos anos atrás, à trabalho no Mato Grosso do Sul, fiquei uns dias na casa deles.

Na primeira noite, ele tinha chegado da fazenda, tomou banho e na janta, bebeu um pouco mais da conta e logo quis ir deitar e ela o acompanhou para arrumar a cama. Da sala dava para ouvi os gemidos dela, pois ele a agarrou e a fodeu meio a força, sem se importar com a minha presença, ainda na sala do lado.

Depois que ele dormiu, eu já estava no quarto onde iria dormir, quando ela chegou, se desculpando, por isto estava ai para ao menos me dar boa noite.

Ter ouvido os gemidos dela, me excitou tanto, que meu pau fazia volume sob o pijama recem vestido, que Martinha olhou com desejos, mesmo tendo acabado de foder com o marido dela.

Quando nossos olhos se encontraram, mesmo na penumbra do quarto, não deu pra segurar. Ela sentou na cama, onde eu estava deitado, se debruçando sobre o meu peito, me beijou a boca. Ai, pegou fogo de vez.

Logo ela estava mamando no meu pau e, sentindo ele duro como ferro, não mediu consequências, e subiu pra cima de mim, sentando no meu pau, atolando na buceta ainda melada, da foda com o marido.

Fodemos em silencio, mas fodemos. Deu pra matar a saudade, enquanto ouvíamos o ronco do marido dela, no quarto ao lado. Quando gozamos, ainda ficamos abraçadinhos, depois ela levantou e foi tomar um banho, me deixando ai, ainda melado de porra, da nossa foda.

Levantei depois, para me limpar e, sem banho, voltei pra cama e adormeci na hora, cansado, mas feliz.

Na manhã seguinte, depois de um banho reparador, fui tomar café na cozinha, onde encontrei Martinha como dona de casa, ainda de camisola. Me deu um beijo na boca e um bom dia, perguntando se tinha dormido bem. Respondi que deitei e dormi. E tu?

- Rolei um pouco, curtindo a felicidade de estar contigo aqui na minha casa. Tu sabes o quanto eu te amo Marco Antonio.

- Também estou feliz de estar na tua casa Martinha. E pela bela acolhida.

Os dois rimos, de pura safadeza e felicidade.

Estávamos tomando café, quando surgiu na cozinha a filha da Martinha, uma mulher linda. Tive um choque, pois ela era quase um clone da Martinha no seu tempo de solteira. Vestia ainda um pijaminha curtinho, sem sutiã e uma calcinha bem pequena, que mal dava para perceber por baixo da calça curta do pijama.

Ela me abraçou e me beijou, feliz por estar ai com eles, pois quando eu cheguei ela estava em Campo Grande, e ao chegar eu já dormia há tempo.

Sentou e tomou café conosco.

Eu olhava demais pra menina, que Martinha falou:

- Mano, ela é “toda nossa família”, tu não acha?

- Realmente, quase nenhum traço da família do Roberto. Ela é toda a tua copia.

Rimos todos, mas, fiquei pensando com meus botões. Será que esta menina não é minha filha? Pois, na época fodiamos sem preocupações, quase que diariamante, e ela vai logo engravidar do namorado, que ela fodia uma vez por semana?

Mas, acho que isto a Martinha também pensava, mas não tinha coragem de pensar em voz alta.

Aquela manhã, a minha sobrinha Camila Roberta ficou o tempo todo comigo, e sempre de pijaminha, me deixando louco de tesão, ao ponto da mãe perceber e ficar preocupada, com o que pudesse ocorrer entre nos.

Martinha tinha compromissos as dez da manhã, e nos deixou sozinhos em casa e, o tesão falou mais alto, de ambos os lados que, logo que a mãe dela saiu, Camila começou a ser mais provocativa que, mesmo para um tio certinho, não resistiria, imagina um safado como eu, se não ia rolar.

Rolou.

Logo estávamos nos agarrando em brincadeiras, até que rolou o primeiro beijo na boca, bem correspondido por ela. Para tirar o pijaminha dela, foi dois toques, e já estávamos nos chupando, com força e vontade.

Foi dela a iniciativa, de vir sentar no meu pau, me cavalgando, atolado na bucetinha dela.

- Tio, se eu soubesse que tu era safado assim, teria feito muito antes.

- Também não fiz antes, pois não sabia que eras tão safadinha também.

- Descendente de uma família assim, o que poderiam esperar de mim?

- Tio, goza na minha bucetinha. Me enche com tua porra tio.

Chegava a me erguer, para meter mais dentro da bucetinha dela, até que ela começou a gozar, me levando pro mesmo caminho.

Assim, estava reiniciando tudo de novo. Me sentia fodendo a Martinha de tempos ido, embora tivesse matado a saudades da Martinha casada e mãe, na noite que passou, e agora com a filha dela, que parecia uma Martinha transportada no tempo, tamanha a semelhança da filha, com a mãe no tempo de solteira.

Ela me pediu segredo com relação à mãe, que ainda pensava que a filha fosse certinha e virgem.

Tinha que guardar segredo. Afinal, já guardava tantos segredos da minha famililia, que um da sobrinha, não faria diferença maior.

Camila estava tomando banho, quando Martinha voltou e quando me olhou, desconfiou que já tivéssemos fodido.

Sentou no meu lado, olhou dentro dos meus olhos e perguntou:

- Tu comeu a menina, safado?

- Que é isso Mana, claro que não. Eu tenho ela como uma filha.

- Safado, ela É TUA FILHA.

Me abracei na Martinha, emocionado. Olhei dentro dos olhos dela, como querendo que ela dissesse que era brincadeira, mas ela não modificou a acusação.

Ela ficou com os olhos cheios dágua, e eu também.

Quando Camila voltou do banho, devidamente vestida, nem percebeu nada, do quanto havia desmoronado na sala, no curto período de sua ausência.

Martinha não se conformava. Acho que nem eu.

Mas, aconteceu.

Mais uma vez.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


minha avó na punheta contoscontos excitantes comendo minha amante no motel com a namorada dela do ladocontos erotico real na cidade de campinas esposa e estuprada na frente do maridoconto erotico gay wesleyContos a calcinha da garotinhaprovoquei o velho e fui fudidatravesti de microsaia fica de pau duro na ruasobrinha de 9 contoscontos eroticos o dia que comi a novinha gordinhacontos eroticos frentistavideo safadecacontos eroticos arrombando a gordacontos de incesto pais deflorando filhasContos eroticos bebezinha leite tetas puta incestoconto gay tirei o atraso do meu primoConto erotico meu cachorro taradoconto erotico. chamei minha amiga pra fuder comigo e meu namorado  Marilia e Juliana estavam mais uma vez fr ente a frente para uma dolorosa batalha. Ambas traziam nos corpos as marcas feitas pela outra em combates violentos e sangrentos. Marilia vestia tão somente uma minúscula tanga branca fio dental. Juliana uma  dar o cu para os pivetes fui arrobamda com prazer conto eróticosfinalmente o telefone tocou conto erotico cornocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos de vizinhas negras virgem e homes negrosNamorando a vizinha mais velha contosfotos de irmanzinhas gostosas mostrando a bucetinha pequena para seu irmãofala mulher pelada bonita gostosa peituda o capoeiristacontos e videos verdadeiros de cunhado transando com a cunhada e a filha delaNovinha apavorada com anaconda giganteEU TIRANDO FOTO MINHA BUNDA DE CALCINHA FETICHE OLHANDO ESPELHO MINH BUNDAContos eroticos traindo marido na festaprofessor girafares chunpando o pau do seu madrugacom perdi minha virgindade com um policial contocontos de coroa com novinhoContos eroticos de negros dotadoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de coroa com novinhoContos eroticos eu e minha familiaempresaria casada safadas contos eróticos reaisa mulher do pasteleiro contoconto esposa chantagemMeu nome é dado (apelidio),tenho 35 anos e minha esposa mara tem 32 anos.Somos simpaticos ,com caracteristicas bem Brasileira .conto eu e meu sobrinho no banhoporno doido sumindo um emorme prinquedo na pusetacontos eroticos mulheres dando cu pra macacosFinquei o pau no cu da manacontos eróticos comi minha tia e minha prima minha prima tinha um colchão e uma buceta molhadinha e apertadinha contos eróticos meu filhoContos eroticos velha com 110cm de bundafreiras lesbicas comendo a novinha virgem sem pudor contometer na minha cunhada separadacontosconto erotico minha prima dedando meu pruquito a noiteso masoquismo contos eroticos so com pais safados e filhas escravasContos eroticos gay primeira vez traumaticaamiga da minha filha tezudinhamulher sobe em cima da pica do manequimcontos eroticos meninacontos filha se fode pra aguentar a geba do pai no cucontos eróticos de comi a chata da claseconto erótico comendo o passivo de calcinhafui arrombado contos gaysesfrega esfrega na bunda da minha cunhada no ônibus lotadoMe chamo jaqeline e dei pra um cavalo no citio casa dos contos aregasando a b da ncontos eróticos tomando banhoComtos mae e filha fodidas por um desconhecido contos eroticoso cu da cadelinhapriminha abafando primo com sua bucetacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos de roçafogosá taradaconto dono da minha mulherdevagarsinho entrou tudo no cuzinho contoscontos eroticos pique esconde com tiaamigo negro do pau grande comendo o cu do amigo branco contos eróticosContos eroticos tira a camisinhavidio porno corno mulher da em cima do jsrdineiro e empregada ver e participavai me arrombarconto erótico arrombei o fortão