Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PARADA PARA O ALMOÇO E DEBAIXO DE LENÇOL

PARADA PARA O ALMOÇO.



Eu tinha um tio por parte de mãe, muito conservador, casado sem filhos ficou morando a vida toda em um sitio de meu avô, todos vieram para a cidade, mas ele continuou em uma serra onde minhas tias e tios por parte de mãe nasceram. Não havia energia elétrica, era a luz de candeeiro.



Meu tio não queria colocar energia elétrica era muito distante de onde passavam a rede principal. Não havia nem geladeira era tudo antigo. Ele não aceitava absolutamente nada do modernismo. Vivia de forma bem primitiva tudo que usava em termos de alimentos eram cultivados por ele. Nem ele comia de nossas comidas levadas para ele, sá alguns doces.



Vez por outra, nás íamos passar um final de semana nesse sitio.



Num belo dia fomos com quatro carros para este sitio.



Dormíamos num galpão que era uma antiga farinheira onde armávamos redes quase ao relento. Era muito legal, bem diferente, nossa preocupação era com cobras, pois havia muitas. Meu tio tinha um cachorro que caçava cobra. Ele não pegava, mas avisava a presença delas latindo, ele era companheiro de meu tio pelas matas do sitio. Bimbão era o nome do cachorro. Dormia conosco na farinheira. Uma graça, vira-lata, mas muito sabido.



Nesta viagem, as pessoas mais idosas acomodaram-se na caminhonete com meu pai e os mais jovens nos demais veículos.



Havia chegado um amigo de um primo meu que morava em outra capital, para passar férias na casa de minha tia. Foi convidado para este tal passeio.



Meu primo mais velho e minha tia na frente, eu, este amigo e mais dois primos pivetes no banco de traz. Logicamente que eu fiquei no centro do banco, o amigo de meu primo na janela e os dois pivetes na outra janela.



No caminho paramos para almoçar em um desses postos de estrada onde param os caminhoneiros.



Ao chegar neste posto, fui urinar e lavar as mãos para o almoço. O banheiro ficava ha uns 30 metros do restaurante e logo na entrada o mikitário em seguida havia um corredor onde havia chuveiros.



Quando eu estava urinando percebi que havia alguém tomando banho e fui dar uma olhadinha para satisfazer minha curiosidade. Direcionei-me com leveza ao boxe de onde surgia o som.



Deparei-me com um cidadão de cor clara, magro e alto com um bigode tipo mexicano com o peito todo liso, quase não havia pelos na púbia. Vi aquele bigodudo ensaboando seu saco, pegando por baixo da forma que seu pau ficou para cima, me parecia estar meio bambo.



Eram vários boxes com chuveiro, uns com portas e outro sem, e o que ele estava não tinha. Parei diante do boxe e fiquei olhando aquele ensaboado. Ele olhou para mim e virou de costa, eu continuei a andar um pouco mais para o final do corredor. Quando retornei dei mais uma parada e fiquei olhando bem para aquele monumento. Ele continuava de costa para porta, mas quando parei mais uma vez ele virou de frente para mim com o pau já totalmente duro. Permaneci a olhar e me saboreei lambendo meus lábios. Foi quando ele pegou bem no troco e com a outra mão ensaboava o resto daquele cacete girando a mão na cabeça e puxando-a mais para frente.



Aquela cabeça inchava que quase dobrava de tamanho, ficava roxa.



Deu-me uma tremedeira nas pernas, morrendo de vontade de passar a mão ali, mas morrendo de medo que entrasse alguém. Qualquer pessoa que entrasse me viria agarrando o pau dele.



O corroa que não era nada besta, percebendo meu interesse. Pegou suas roupas penduradas num cabide e se dirigiu para o ultimo boxe. Já passou por mim com o pau duro em tempo de quebrar. Pensei que ele tivesse se contrariado por ter interrompido seu processo de masturbação.



Passando por mim deu uma parada bem na minha frente deu uma balançada e perguntou se eu a queria para mim. Eu estava tão nervoso e tarado por aquilo que não consegui nem responder nada.



Não contei conversa, fui logo atrás. No ultimo boxe havia porta, foi onde ele entrou, mas ficava uma brecha de uns 30 cm do piso. Depois que entrei apontei para a brecha da porta. Ele, bem no meu ouvido me mandou tirar a bermuda que iria dar um jeito naquela brecha. Tirei tudo de uma sá vez, botei minha roupa sobre a roupa dele, quando ele me pegou pela cintura me suspendendo de frente e de pé mesmo puxou minha bundinha para aquela vara já toda ensaboada. Entrava deslizando bem lentamente para dentro de mim. Depois de toda dentro ele me jogava para cima e para baixo beijando minha boca com aquele bigode imenso me arranhando a face e depois passava aquele bigode no meu pescoço lambendo minha orelha dizendo:



- QUE MENININHO GOSTOSO PARA AGUENTAR VARA. MEMININHO ESPERTO SABE BEM O QUE QUER. TOME MINHA VARA TODA NESSE CU. VOU GOZAR DENTRO DE VOCÊ. E É AGORA.



Senti aquela cabeça a latejar dentro, o liquido quente jorrando dentro. Ele tirava e botava ficando cada vez mais liso aquilo tudo dentro ai não resisti, gozei também. Isto tudo não demorou 3 minutos acho que ele sá foi e voltou com seu pau dentro mim umas 19 ou 19 vezes.



Acabado aquela aventura maravilhosa, vesti minha bermuda às pressas e sai do banheiro. Quando cheguei ao mikitário estava o amigo de meu primo urinando. Fiquei loco para ir ver, mas não tive coragem. Estava muito cedo para investir nele. Resolvi ir para junto do pessoal que já estavam quase todos à mesa. Almoçamos e seguimos viagem. ...

Envie seu comentário para o e-mail a baixo

[email protected]

25072009







DEBAIXO DO LENÇOL



.. Quando começamos a subir a serra, foi batendo um frio daqueles os pivetes se cobriram logo. Eu e o amigo de meu primo ainda aguentamos um bom tempo até que ele perguntou a minha tia se não havia outro lençol que ele já estava sem aguentar de frio. Minha tia de pronto pegou o que ela estava e nos deu pegando um menor sá para ela.



Quando ele pegou o lençol já abriu para me cobrir também. Ficamos os dois debaixo do mesmo lençol senti que ele estava tremendo com as pernas batendo nas minhas. Peguei na perna dele e disse:



-- ESTAR COM FRIO MESMO.



Ele respondeu:



- ESTOU SIM.



E bem no meu ouvido disse:



- E COM CALOR TAMBEM.



Dando uma lambidinha na minha orelha. Aquilo me subiu um fogo que o frio passou na mesma hora. Arriou a mão e ficou pegando na minha perna. Eu fiz de conta que não havia percebido, mas ele arrastou minha mão e colocou na perna dele. Deixei mas fiquei parado, demorou um pouquinho ele já pegou a minha mão e arrastou para seu pau que já estava todo de fora. A cabeça toda meladinha. Fiquei passando o dedo bem na cabeça do pau dele. De repente, ele passa a mão para traz de mim, tentando pegar minha bundinha. Eu já com desejo, me aproximei mais para a ponta do bando e fiquei com a cabeça entre os dois bancos dianteiros. Ele desceu a mão e ficou passando o dedo no meu cuzinho eu morrendo de desejo empinava bastante minha bundinha para que pudesse conseguiu meter o dedo todinho. Já estava todo lubrificado do sabonete do coroa que havia me penetrado no banheiro. O pau dele latejava horrores e bem melado. De repente sinto que ele enfia com força o segundo dedo no meu cu ao mesmo tempo em que eu sentia seus dedos entrarem com força sentia também o pau dele latejar jorrando esperma com força na minha mão e descendo pelo meio de meus dedos.



Nesta vez não consegui gozar eu estava mesmo era a fim de ficar com ele sobre o meu domínio. Sabia que poderíamos ter chance de fazer mais gostoso quando chegássemos ao sitio. ...

Envie seu comentário para meu e-mail abaixo

[email protected]

25072009









































VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos paguei mais comi a putamovinha petenho avigidadecontos erotikos fui pagar o aluguel e comi o cu da donaboquete gozada boca contocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de coroa com novinhocontos eroticos cavalohistorias de transascom orgias inesqueciveisvideo para baixa de porno home com olho vexadocontos eroticos/virgens estuprada pelo padrinhosaboreando a cunhadacontos eroticos de camisola com amigo do meu maridomeu pai tirou meu cabaco e colocou um absorvente para não Vazar conto contos de mulheres q se masturbamcontos eróticos CCBconto minha madrasta me transformou em mulherfiz sexo com meu padrasto contoscontos de coroa com novinhoconto erótico chantagem putinha pobre cu colocontos eróticos:sendo chapadaa até gozar gostosoAmigo do meu filho dotado Contos eroticosminha sobrinha puta contorapaz chupa seios com gula pornodoidoconto erótico fui chantageada pelo meu primo Fernando que comeu a minha mulherContoseroticos minha enteada novinha sendo estuprada por dois roludoscontos eroticos com caessacanaje no exercito policias cuzudaschantageada e humilhada pela empregada negraChuva dourada entre pai e filha contos eróticoscache:hNEcBAkab0YJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=127 contos eroticosfudendo bucetinhas de dez anoscontos enrabando sobrinha da minha mulhercontos eroticos minha sogra de calcinha rendacontos eróticos seios devem ser mamadoscontos meu amigo dopou minha mulherMe arrumei para meter com.outro e o corno sabendocontos eroticos cu e bucetameu primo e minha amiga contos eróticosjaponesinha novinha foi da pro negao se arrependeuChaves come cú da Chiquinhapapai encheu minha boca de porraSou casada e chupei dois caralhos ao mesmo tempocontos mamae piscina bronzeador bikiniContos eroticos carro lotadoconto erotico o ponei e mulherFiquei bebada e com o cu cheio de porracontos eróticos prazer extremovagabundinhas no seu primeiro poeno anal delatacao analcontos de buceta é cúcontos o cara do onibuscontos eroticos homens que usam calcinhacontos lesbic de patroas seduz secretaria para um transa lesbmasturbando pelo telefone contos eroticoTraicao minha namorada safada vendo pinto dele contosviajei e transei no onibus marido corno assumidocontos filha bucetudacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de maes flagando fihos punheteirosMI MEU PRIMINHO  orando outros peitões da bundona gostosaa massagista negao contosporn cona damamae e filiocontos meu primo comeu minhas filhascontos erótico participei da tranza quando minha prima perdeu o selinho com me namoradocontos eroticos pegano amiga da primacontos eroticoscalcinha algodaoconto - so cabia um dedinho na bucetinha delaconto comi minha mae quando tinha dez anosconto erotco mendigocontos eróticos marido não importouContos eroticos poderoso negaoContos.Del.trabalho.mas.fudi.minha.enteada.bebada.conto erotico encoxadadei carona pra vizinha casada vadias reaistava/sozinho e aproveitou e ligou.pra travesti ativacontos tia gostosaa ai delicia ai vai vaiEnchi a buceta da sogra de.porra contocontos eróticos eu provocava meu primo novinhorelatos eróticos loira adora dar cu pro cavalo