Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMIDO PELO OFFICE BOY (O INÍCIO) - 1

Comido Pelo Office Boy (o início) - 1

Renato é um executivo em ascensão. 40 anos, branco, cabelos castanhos claros, olhos verdes, 1.88 de altura, 80k, recém casado e pai de uma criança. Sácio de uma empresa de consultoria, a vida tem sido boa com ele.

Na ultima quarta, mais uma vez ele foi o último a permanecer na empresa. Sentado na sua sala, absorto com um arquivo que estava estudando, nem percebeu a chegada de Clayton, o novo office boy. Aos 19 anos, negro, 1.70, uns 65k, ele é o típico boy de periferia, com atitudes machistas e um jeito meio malandro no modo de andar e no comportamento. Propositadamente, Clayton bate a porta com força, fazendo Renato dar um pulo na cadeira, com o susto.

- Que isso, tá com medo doutor?

- Não, sá assustei com o barulho mesmo, Renato fala, meio desconcertado com a presença do empregado ali naquela hora.

- Pois eu acho que o doutor devia ter ficado com medo sim... Responde Clayton, olhando fundo nos olhos do patrão.

- Ah, claro, hoje em dia é tudo meio perigoso, você tem razão, eu deveria ter fechado a porta da frente, responde o empresário, tentando dar uma de desentendido. Imediatamente, levanta-se da cadeira, mostrando o quase dobro do seu tamanho em relação ao boy e diz:

- Bom, por hoje chega, está na hora. Vamos indo que quero fechar tudo...

Mal acaba de falar e sente a mão do moleque em seu peito, impedindo-o de ir até a porta:

- Acho que não tá na hora não doutor, hoje vamos ter hora extra...

- Como assim... Renato tenta dizer, mas sente aquela mão forte pegando seu mamilo esquerdo e torcendo, fazendo com que ele solte um gemido involuntário.

Ainda torcendo seu mamilo, o boy vai empurrando o atônito patrão até o sofá, onde o empurra com força fazendo com que ele caia sentado. Rapidamente o empresário tenta se levantar e é surpreendido com um tapa na cara, que o joga novamente de volta ao sofá, meio desnorteado.

- Eu falei que tem hora extra hoje, qual a parte você não entendeu? Clayton fala baixo, com um olhar cínico e sacana para Renato.

Com uma patética tentativa de manter a moral, ele tenta levantar, mas é pego pelos cabelos e tem sua cabeça puxada prá trás, com firmeza.

- Será que vou ter que falar de novo? Pergunta Clayton, a boca quase encostada no ouvido de Renato, que sente seu hálito cheirando a café e cigarro.

O grandão começa a tremer e, como garotão já esperava, pede temeroso:

- Por favor... Não me machuca... O que você quer de mim...?

Sem dizer uma única palavra, o negro começa a beijá-lo nos lábios com selvageria, enfiando a língua dentro da sua boca, enquanto ele inutilmente tenta resistir empurrando com as duas mãos o peito do boy, que não se afasta um milímetro, como se o seu esforço fosse zero.

Segurando o cabelo do patrão com uma mão, Clayton usa a outra para novamente tocar seus mamilos por cima da camisa social, dando leves puxões. Surpreso, Renato sente seu corpo amolecer e se percebe gemendo, sentindo algo semelhante a tesão nas mãos daquele macho que o dominava. O garoto interrompe o beijo olhando com ar vitorioso e diz:

- Eu sabia que você ia ser meu, seu brancão gostoso...

Sentindo-se indefeso, o empresário apenas olha o rosto do macho, o corpo amolecido meio deitado no sofá. Clayton não perde tempo e vai acabando de deitar sua presa, jogando seu corpo por cima, retomando o beijo selvagem, ao qual agora a única reação do outro são leves gemidos. Percebendo o loirão completamente deitado no sofá, puxa os dois lados de sua camisa, fazendo os botões voarem pela sala, deixando-o de peito nu. Tentando uma reação, Renato procura fechar a camisa, mas Clayton segurando-lhe os pulsos abre seus braços, deixando o peito branquinho e meio cheinho totalmente a sua mercê. Sem perder tempo, cai de boca mamando como se o parceiro fosse uma fêmea.

Renato geme alto, e tentando se soltar, sem sucesso. O peito já está vermelhinho e todo molhado da saliva daquele que agora estava se tornando seu macho.

- Me solta, tá me machucando... murmura inutilmente se contorcendo, tentado livrar os braços das mãos fortes do negro, que o encara dizendo:

- Olha viado, estou perdendo a paciência com você.

Em seguida, eleva as duas mãos do empresário acima da cabeça, junta seus pulsos e segura usando somente uma mão. Com a outra, dá uma sonora bofetada na sua presa indefesa, que vira o rosto com um gemido. Em seguida, a boca do boy volta a mamar os peitinhos já doloridos do outro, que não ousa mais fazer nenhuma reclamação.

Soltando-lhe os pulsos, Clayton agora vai até seus pés, e começa a tirar seus sapatos sociais. O grandão permanece imável deitado no sofá, já ciente da sua condição de submissão. Ao tirar as meias pretas, o macho se depara com aquele pé branquinho e bem tratado, algo delicado, mesmo sendo numero 43. O contraste com a mão negra que o segura pelo tornozelo dá mais tesão no boy, que dá uma lambida de fora a fora naquele pezão, arrancando um gemido. Em seguida ele arranca as calças do executivo, que dá quase um grito, assustado, deixando-o sá de cueca. Neste dia ele usava uma boxer preta, contrastando ainda mais com o tom da pele.

O loirão não é um cara malhado. Tem um belo corpo, porém sem músculos definidos, um pouco mais macio mesmo, com uma leve, bem leve barriguinha. A bunda é um caso a parte, e na verdade, foi a chama que acendeu o office boy. Bunda grande, sempre bem marcada nas caras calças sociais. Segurando aquelas grandes pernas, Clayton diz, com tesão, afirmando, sem deixar duvidas:

- É hoje que vou te comer doutor...

- Não... Não... Que isso... Renato fala assustado, tentando puxar as pernas. Mas arregala os olhos quando vê o negro vindo por cima dele, com ar irritado, e já soltando outro tapa na cara.

- Parece que o negácio do doutor é apanhar né... Fala, nervoso, enquanto o outro geme indefeso, a marca vermelha da mão do boy no rosto branquinho.

Subitamente carinhoso, talvez com remorso de ter batido com força, o garoto volta a beijar seu patrão, que surpreso mais uma vez sente o corpo arrepiar de tesão. Sem parar de beijar, Clayton vai abaixando a cueca do homem indefeso, e depois puxa de uma vez pelos pés, deixando-o peladinho, o corpo muito branco em contraste com o sofá verde escuro. Sem perder tempo, levanta aquelas pernas brancas e longas e coloca em seu ombro, virando levemente a cabeça e dando mordidinhas nos pés delicados.

-É hoje... Fala o negro, tomado pelo tesão, começando a chupar o cu rosado do outro, que descontrolado começa a gemer, tendo sensações que nunca tinha conhecido.

Depois de bem molhadinho, o ativo posiciona seu pau negro no buraquinho rosa. Sem pensar duas vezes, começa a penetração.

- Ai... ai... Para... Grita o empresário, sentindo a geba negra abrindo com vigor suas pregas.

O moleque dominador ignora o pedido e vai entrando, determinado, naquela gruta que é objeto de suas punhetas desde que começou no emprego.

Renato geme descontrolado, tem lágrimas nos olhos, mas sente o corpo relaxar quando o macho vem por cima e começa a beijar sua boca. Em pouco tempo, o que se ouvem são apenas gemidos, talvez de dor, mas certamente de prazer, do ex-hetero, ex-patrão, ex-virgem sendo comido com gosto por um malandro com metade da sua idade e do seu tamanho.

Quando percebe que vai gozar, Clayton tira o pau de dentro do cu do loirão e dá um banho nele, deixando-o encharcado com sua porra. O passivo está desfalecido no sofá, as pernas abertas, o cu arregaçado, o peito marcado de chupões e no rosto os cinco dedos lembrando a última bofetada.

Ofegante, o boy chega até aquele rosto branquinho e vai enfiando de qualquer jeito o pau na boca do patrão, com uma única ordem, curta e grossa:

- Limpa!

Renato tenta desviar o rosto, mas sente-se preso pela cabeça, forçado a salivar o cacete, sentindo o gosto de porra misturado com cu. Satisfeito, o negão saca o pau da boca e enxuga na camisa do empresário, dizendo:

- Valeu, amanhã estamos aí de volta.

Vai se arrumando, despreocupado, chega perto do empresário e o faz gemer novamente, com outro beijo selvagem sugando seus lábios. Fecha a cena com um tapa na cara dizendo enquanto vai saindo:

- Não esquece, você agora é minha fêmea!

O loirão, atonito, levanta-se com dificuldade do sofá, sentindo o corpo todo dolorido, melado da porra do macho. Veste-se de qualquer jeito, tenta ajeitar a camisa e procura a saída pelo estacionamento. Quer evitar ser visto.

O dia seguinte? Bom, no dia seguinte o office-boy chega para trabalhar normalmente. Vê o patrão andando meio mancando, e o encara, sem medo. Renato baixa a cabeça e vai até a copa. Enquanto toma água, sente uma mão forte apertando sua bunda enquanto ouve aquela voz mascula falar no seu ouvido:

- Não adianta correr chefinho, hoje tem mais...



De onde veio este tem mais. Já são 35 episádios no blog!

Acesse: http:contosgaysdominacaohxh.blogspot.com

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos... minha mulher não tirava o olho da rola....o virgem comi uma egua preta contoahora que paugozacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos eroticosnao resisti ao tamanho da pica delemolhadinha de tesao com pica dos animaiscontos lesbicas esposa com mulhernovos relatos eróticos com fotos de corno minha esposa andando na rua toda gozadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos nordesteo homem abre a periquita da mulher e chupa e coloca um botijão dentro da vajinhahome dar cu usano calcianhamulhe vais boguete em bebudocontos encoxadaexitei um traficanti ele me comeuconto com cunhada chantagistaver tv pornô mulher que tem a vajina muito linda e grade gozando na pica sem para vaquira com o cavalocontos minha namorada me fez corno com vizinho marrentomasturbando com obras em xasa contoContos eroticos incentivei minha mulher a dar pro patrão delame fode me arromba seu velho safadoasfantazias das mulher de pornocontos de incesto minha filha sendo comidacontos eróticos estupro concedidocontos eroticos japonesa casadatreinando a cadela para zoofiliacontos de cornosconto sexo dp na mendigaContos eroticos de mendigominha sobrinha no motel no meu pau conto eroticocantos eróticos d********* para o meu irmãomandou fotos nua e recebeu chantagemcontos gay pai castigocontos eroticos arrombando a gordaConto ai ui ui pornoconto erotico comendo um crossdresserConto com foto vizinha peluda de vestido no matocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteuma dupla penetração com vibrador contosPadrinho iniciando afilhada novinha contos eroticoscontos eroticos mamei no pintinho do nmeu filhinho pequinininhocache:JHUBKjzFag8J:okinawa-ufa.ru/conto-categoria_3_112_heterossexuais.html conto de casada fudendo com outromaldoso comeu meu cuzimcontos sexo estorando cu de velhatirei o cabacinho de minha sobrinha novinha contoconto erotico bi com atendente de hotelas mulher freira depilando o priquito no conventoEu e minha mae no hotel ela ficou nua na minha frente eu disse mae sua buceta e linda raspadinha ela disse me fode filho conto eroticocontos eroticos. traicontos eróticos namorada de top lessconto erótico fode cm clientes no camarotecomendo a prima linda do cabelo super comprido e muito vadianão sou gay contos eróticosSobrinho da Academia tia gordinha conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos passando pomado no cu da mamaeencarei 30cm contoscontos usando plug o dia todo e anel no sacoConto erotico acordei com um estranho me comendocazal gay fudedo gostoso ao vivorelatos eroticos minha descobri que era corno foi arrombadaconto lesbico tia iniciando a sobrinhaconto erotico homens velhoscontos eroticos q bocA e essa desse baianocomto gay mecamico perfeitoconto uma viagem muito gostosacontos eróticos meu enteado deixou meu c* todo ardidoComi a josi da bocaO filho do meu chefe comeu minha jovem esposa bundida na marra na fazenda eu vi contoscontos eroticos em portugal