Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA NAMORADA E O PAU IMENSO !

A minha namorada, Lu, passou a me chifrar cada vez mais, sem pudores e de forma indiscriminada. Já trepava praticamente todos os dias. Sem nenhuma ceremonia marcava encontros com machos na minha frente, flertava abertamente e sempre que podia, quando eu estava junto com ela.

Ela me dizia que isso lhe dava mais tesão ainda. Esse tesão era também, porque sabia eu eu ficava excitado com o comportamento “piranha”, dela.

Passado um mês, apás o encontro dela com o rapaz que ela pegou no restaurante, ela me fez uma confissão. Depois daquele dia ela passou a aceitar todas as cantadas que ela recebia. No hospital, na rua, na praia e na academia.

Estávamos na varada do meu ap. e tínhamos acabado de transar. Ela como sempre sentada no sofá com as pernas abertas e acariciando o clitáris e conversando. Ela me disse que havia dado para um médico no plantão dela, e no dia seguinte o Jorge havia comido ela, na mesma área onde o dr. a comeu na véspera. No dia anterior foi com um turista que tinha conhecido na praia, para o hotel dele e lá ficou transando com o cara por mais de 4 horas.

A conversa da Lu me deixou super excitado e não aguentei, cai de boca naquela boceta maravilhosa. Ali pude ver que a pele da xoxota estava mais enrugada e os lábios mais inchados. Fiquei imaginando a quantidade de picas que haviam entrado ali e fiquei cada vez mais excitado. Nisso toca o celular dela e ela atende. Era o Nilson, um negro muito bonito e bem dotado, eu já o tinha visto transar com a Lu. Enquanto eu a chupava ela falava com o amante. Falava que tinha saudades dele e que fazia tempo em que eles não se viam. Ela falava que tinha muita vontade de sentar na piroca dele novamente, e que tinha adorado sentir o pau dele esporrar no cuzinho dela ! Incentivei ela a convidar o Nilson para dar uma passada aqui, e ela adorou, o rosto dela se iluminou de felicidades e ela então fez o convite e desligou.

-O Nilson vai vir, e disse que ta trazendo um amigo, ohh amor, que legal você deixar, te amo. Ela correu para o banheiro e tomou um banho rápido e me chamou.

-Amor, passe o creme no meu corpo e me arrume para os meus machos !

Passei o creme no corpo todo dela, tendo cuidado de aparar os poucos pelos da xoxota dela. Misturei um pouco de áleo mineral com o creme para que a pele dela ficasse ainda mais reluzente. Fui para a cozinha e preparei uma surpresa para ela. Voltei ao quarto e pedi para ela deitar um instante na cama e abrir bem as pernas. Coloquei um pedaço de gengibre no cuzinho dela e molhei o grelo dela com um pouco de caldo de gengibre. Em dez segundos fez efeito. Tirei o broto e passei creme na xoxota dela.

Ela me sorriu e disse que já tava super tesuda e sentindo o cu pegando fogo, disse que o pau do Nilson já já resolveria esse problema. Colocou um vestido transparente e uma sandália de salto alto.

Nisso chega o Nilson e o amigo. A principio achava que o amigo seria alguém do mesmo tipo que o Nilson, mas não. O Paulo era moreno, baixinho e meio gordinho, absolutamente nada que chamasse a atenção da Lu. Nilson primeiro deu um beijo demorado na Lu para depois apresentar o rapaz a ela, e á mim. Quando a Lu desgrudou do Nilson era nítido ver os bicos do peito dela, durinhos e entumecidos. Fomos para a varanda onde a Lu e o Nilson sentaram coladinhos, parecendo um casal de namorados.

A Lu, não se aguentando mais, levantou e puxou o Nilson para o quarto dizendo que voltaria já. Me deixou sozinho com o rapaz.

O Paulo então começou a me questionar sobre a Lu e o porque de eu deixar ela transar com outros homens.

-Amigo, amo a minha namorada e se ela curte transar com outros homens, fico feliz por ela. Respondi. Nisso começamos a ouvir a Lu gemendo alto e até gritando com os orgasmos sucessivos que o Nilson lhe proporcionava.

-Ela é realmente muito gostosa, amigo. Disse o Paulo – Mas eu jamais deixaria uma namorada minha fuder assim com outros não.

Apenas ri da observação dele, mesmo porque era para disfarçar o meu constrangimento, afinal ser corno não tinha sido uma opção somente minha. A Lu tinha alma de puta e cabia a mim compactuar ou não. Fiz a opção em compactuar pois o amor falava mais alto que o ciúmes.

O Paulo desconversou e bebemos mais cervejas até que quase uma hora depois a Lu e o Nilson voltam para a varanda onde estávamos. A Lu tinha colcado o vestidinho transparente denovo e sentou entre o Paulo e o Nilson no sofá. O Nilson me olhou e disse:

-Amigo, eu trouxe o Paulo aqui hoje, porque ele não acreditava que a Lu fosse tão gostosa. Ele a viu há um mês atrás na praia e sá fala nela.

-Expliquei a ele que o namorado liberava ela e ele ficou doido quando soube que eu já tinha comido ela. Nisso a Lu levanta e vai para a cozinha pegar mais cerveja. Paramos os três para observar o desfile da putinha da minha namorada. O vestido transparente deixou a gente ver a mancha de porra no vestido e vimos ainda o leitinho que escorria perna a baixo. Engoli em seco, e imaginei o Nilson esporrando dentro daquele rabo maravilhoso. A Lu volta e senta novamente entre os dois, de frente para mim.

-Pois é. Disse o Nilson. – Sá que ao trazer o Paulo aqui não foi sá para ele constatar o que eu tinha falado. –Quero ver a Lu dar para ele.

A Lu deu uma risadinha e disse que achava o Paulo legal, mas que não havia nenhuma simpatia maior a não ser a amizade dela com o Nilson, dando a entender que não sentiu nenhum tesão pelo rapaz. O Nilson riu um pouco e explicou: - Paulo, mostra a sua “simpatia” para ela. O Paulo riu e levantou, se afastou um pouco do sofá e desceu o short. Surge então uma piroca imensa de grande, sem duvida a maior piroca que eu havia visto na minha vida, e com certeza a Lu se espantou.

-Minha nossa senhora, ela se espantou e deu uma risadinha meio nervosa. – É enorme heim? O pau do rapaz tinha no mínimo uns 22 cms, mole, e era muito, mas muito gordo.

-Simpatico o rapaz né? Disse o Nilson rindo. A Lu passava a mão pelo membro do Paulo, como se estivesse fazendo amizade com um brinquedo novo. Ela olha para mim e disse; - Amor vou tentar, nunca vi um desse tamanho. Será que vou aguentar?

Ela trouxe o rapaz para mais perto e começou a lamber a peça. Começou pela cabeça enorme e lambia a haste até chegar no saco. O pau do rapaz começou a endurecer e ai vimos o real tamanho. A Lu levou o Paulo para o sofá da sala e voltou a chupar aquele caralho imenso. Depois de um tempo ela levanta e ajeita as almofadas no chão e fica de quatro, de frente para mim e o Nilson. Se vira para o Paulo e diz: -Enfia, mas enfia devagar. Quero saborear cada centímetro e ver até aonde aguento. Paulo se ajeita e inicia a tortura da minha namorada. Nilson e eu ajeitamos as cadeiras para perto, para ver. Primeiro o Paulo ajeitou a cabeça, na porta da boceta da Lu, suavemente pincelava a cabeçona entre a entrada e o grelo e encaixou a cabeça já forçando um pouco a entrada. A Lu deu um passinho á frente, assustada com o tamanho mas voltou devagar ajudando a penetração. Pronto, a cabeça tava dentro, esticando o tecido da boceta ao maximo, a Lu olha para a gente com lagrimas nos olhos. –Puta que pariu, como dái. É muito grande. Nisso tiro o meu calção e fico pelado, com meu pau estourando de duro.

O Paulo inicia um vai-vem lento, para que a boceta da minha namorada possa acomodar melhor a piroca dele. Mais um pouco e parecia que já havia uns 19 cms dentro dela.

O Paulo enfia mais um pouco e a Lu dá um grito de desespero, -Caralho que dor. Meu deus, não sei se vou aguentar. O rapaz abaixa a mão e faz carinho no grelo dela. Parado com o pau retesado na xoxota da minha namorada espera o primeiro orgasmo dela que não demorou muito a chegar. A Lu olha para mim e começa a gozar. Da posição de quatro, ela coloca cabeça dela numa almofada descansando do gozo intenso. O Paulo manda ela aprumar denovo, para que possa enfiar mais nela. Por mais de 20 minutos ficam nessa quando finalmente o Paulo dá a ultima estocada, mostrando para a gente que todo o pau dele estava dentro da minha namorada. A Lu de quatro olha para mim e diz; - Ta todo dentro? Nossa agora não sinto mais dor, sá prazer. O Paulo reinicia o vai-vem lentamente e em pouco tempo a Lu goza denovo. Vocês não imaginam a minha felicidade em ver a minha namorada completamente penetrada pela aquela piroca enorme. O Paulo aumenta o ritmo onde tira e enfia praticamente todo o pau dele. Saindo, parece que puxa toda a boceta dela para fora, virando a Lu do avesso. A Lu começa a gozar novamente, os olhos reviram e já não consegue segurar a saliva na boca.

A pele toda arrepiada no corpo e suando em bicas ela grita: – Me fode seu filho da puta.

Nisso o Paulo começa a estocar com maior velocidade e talvez sentindo que a Lu tava para gozar denovo, ele aumenta mais ainda as estocadas, e dá umas duas ou três tapas na bunda da minha namorada. O segundo tapão pegou em cheio e fez ela gozar denovo. Aos berros a Lu, com os olhos cheios de lagrimas, a baba descendo pelo queixo, goza denovo, e muito forte. O Paulo segura as ancas com força e começa a esporrar a xoxota literalmente arrombada. Deixando uma quantidade enorme de porra dentro dela. O rapaz continua dentro dela e espera o pau amolecer para o tirar com calma. A Lu permanece de quatro, e parece que continua em transe. Nisso o Nilson não se aguenta e desce para o chão, e enfia o pau dele na boquinha da Lu; - Chupa gostosa !

A Lu parece que fez por automatismo, chupou o pau do amante com dedicação impar e o fez gozar rapidamente. O Nilson retesa o corpo e solta um jato de leite na garganta dela. Jato que ela engole rapidamente. A Lu olha para mim e me manda ficar no chão ao lado dela. – Não consigo me mexer. Disse ela. –Dá aqui. Pedindo para eu enfiar meu pau na boca dela. Novamente a Lu ta chupando pau, sá que dessa vez era o meu. Em pouco tempo eu gozo. Gozo fartamente na boca dela e ai ela desaba sobre as almofadas.

O Paulo me olha e disse: -Cara, é a primeira mulher que me aguenta assim. Essa é guerreira mesmo. Olha aqui. Fui olhar. A boceta completamente aberta ainda, um rombo! e porra saindo em profusão. A Lu ainda com a mão por debaixo do corpo esfregava porra no grelo. Um visual que nunca vou esquecer.

Devagarinho ela se levanta e cambaleando vai até a varanda e senta no sofá para o merecido descanso. –Puta merda, nem consigo fechar as pernas. Disse ela. Eu sentei de frente para ela não sem dar um beijo demorado na boca dela. O Paulo desabou ao lado dela e o Nilson do outro lado. A Lu estava sentada de pernas abertas, posição de ioga.

levava o dedo da boca á boceta melada e de volta, lambendo a porra do amante que acabara de lhe arrombar. Com a outra mão fazia carinho no pau do Paulo.

Lentamente o pau dele começou a reagir denovo. A Lu olhou para ele e riu; -Ta querendo mais hein, seu safado? Ela então se ajeitou e começou a chupar o pirocão do rapaz. Depois de 19 minutos de chupação o Paulo disse:-Levanta piranha, vamos agora tentar o seu cuzinho. Levei um susto e protestei. –Negativo, ta louco? Mas o Paulo riu e disse. -Você sá será corno de verdade se ela aguentar isso aqui no rabo. A Lu disse rindo; - Vou tentar. Amor pega o lubrificante. Fui ao banheiro pegar o gel e quando voltei a Lu e o Paulo se beijavam apaixionadamente. E Lu olhou para mim como se tivesse sido flagrada fazendo “arte”. Ela olhou para mim e piscou o olho. Virou e ficou de quatro com peito encostado no encosto do sofa e os dois joelhos em cima das almofadas. Abriu as pernas e nos brindou com o visual fantástico da boceta inchada e a bunda maravilhosa empinada. Olhou por cima do ombro e me pediu para lamber o cuzinho e depois passar o gel. Enquanto eu lambia aquele cu cheiroso, ela disse para o Paulo; - Bom ter marido corno para preparar a gente para uma foda de verdade né? O rapaz riu e apenas disse; - É, esse ai é corno mesmo. Passei o gel, tendo o cuidado de colocar um pouco dentro do anus dela. E falei para o Paulo; - Pronto amigo, come o cu da minha putinha.

O Paulo se posicionou e começou a mesma “dança” de antes, sá que dessa vez no cu da minha namorada. A Lu começou a gemer baixinho assim que a cabeça do pau do Paulo começou a forçar o esfíncter. De forma lenta e gradual e cabeça começou a desaparecer para dentro do cu da minha namorada. Novamente ela começou a chorar e xingava.

A mão esfregava frenéticamente o grelo na tentativa de aliviar a dor. Emocionado eu acompanhava a agonia dela. Quando a glande desapareceu para dentro do cu da minha namorada o Paulo deu um tempinho. A Lu novamente transpirava em bicas, o rosto cheio de dor e tesão. Ela dá uma empurradinha nervosa para trás e o pau do rapaz entra mais um pouco. Já estava na metade. Ai o Paulo inicia um lento vai-vem para melhor acomodar aquela piroca imensa no cu da minha namorada. Ela ainda dá uma rebolada safada e dá uma risadinha. –Caralho, meu cu ta completamente preenchido. Disse ela.

O Paulo então aumenta o ritmo das estocadas e aproveita para enfiar mais pica no rabo da gostosa da minha namoradinha.

Confesso que a cena era incrivelmente erática, a minha namaoarada dando o cu para um cara baixinho, meio gorducho mas dotado de uma pica descomunal. O Nilson estava no sofá e volta e meia afagava os peitões da Lu, e claro, tocava punheta, se forma suave e lenta. Eu fiquei estático, do outro lado e não sabia se olhava para o pau que sumia para dentro da cavala ou se olhava para o rosto da Lu. Toda vez que fazia contato com os olhos dela ela sussurava; -Tá gostando corno? Olha bem para aprender como é que se fode uma puta.

Um pouco mais e o Paulo já tinha enfiado a pica toda no rabão da minha namorada e já aumentava as estocadas no cu. Quando tirava o pau para fora, o anel vinha junto uns 3-4

cms parecendo que ia virar a puta do avesso. Paulo agora enfiava impiedosamente e fodia a puta com gosto. Vi de onde estava que umas duas ou três pessoas no prédio do outro lado da rua assistiam á tudo. Mas a essa altura nada mais importava.

Por uns bons 20 minutos a minha namorada foi submetida a uma foda no rabo que ela jamais iria esquecer. Onde no final o Paulo começou a urrar e avisar que estava gozando. esporrando fartamente dentro do cu da minha gostosa. A Lu já não aguentava mais de tanto gozar pelo cu e parou de se mexer. Quando o Paulo tirou o pau de dentro dela ela se virou e deitou de lado no sofá e riu para a gente: - Puta merda, aguentei aquilo tudo no rabo, devo ser muito vagabunda mesmo né? O Nilson pegou o rosto dela

e ofereceu o pau para ela chupar. Ela olhou para mim e riu; - Nossa, agora vou levar uma esporrada na cara, vocês são foda ! A Lu chupou o Nilson ate que esse começou a esporrar. O primeiro jato pegou no queixo e o segundo no pescoço. O ultimo foi direto para a boca da minha namorada que alem de engolir ainda lambeu os lábios. Ela tentou sentar e deu um gritinho. – Amor meu rabo ta pegando fogo, na consigo sentar, dái muito, disse ela.

Ela continuou de lado e descansando. Os rapazes levantaram, se vestiram e se despediram. O Paulo ainda me perguntou se poderia voltar para “repetir” a farra !

Nossa, me senti o ultimo dos homens, o cara tinha acabado de estourar a minha namorada, fudeu ela por mais de uma hora, alargou os buracos dela e ainda perguntou se podia voltar para comer ela denovo ! Mas falei que sim, era sá ligar.

Levei um copo de água para a Lu. Ela tentou sentar denovo e não conseguiu. Ela anda tinha porra escorrendo pelo pescoço e os peitos estavam encharcados com a porra do Nilson. Ela então voltou a ficar de quatro e pediu para que eu visse o “estrago”.

O cu dela ainda estava aberto e mandei ela contrair o esfincter. Nada, nada acontecia, o anel estava inchado mas aberto e não fechava. A genitália toda estava esfolada e melada. Minha puta tinha sido arrombada mesmo. Ela pediu para que eu a ajudasee a levantar para irmos para o quarto. Apoiei ela e no primeiro passo ela começou a rir.

-Amor, á cada passo vou lembrar aquela piroca enorme, dái quando eu ando. Meu cu ta em brasas. Fomos para a cama e ela deitou de barriga para cima. Meu pau estava duríssimo porque relembrava o que tinha acontecido. A Lu percebeu e começou a brincar com o meu pau. – Nossa, o meu corno está excitado heim? Gostou de ver outro me estourando? Acho que sim. – Mas olha, adorei dar daquele jeito, mas ainda prefiro dar para o Nilson. Esse sim me come gostoso e me sinto muito puta sentando naquela vara negra e grossa. Com isso ela se virou e sentou no meu pau como se tivesse cavalgando ele. De forma lenta ela subia e descia e me beijava a boca e falava para mim quanto ela tinha gostado de fuder com os dois rapazes. –Beija meu peito, me chupa seu corno. Comecei a chupar o peitão que estava coberto de porra, lambia e chupava, tanto que a minha boca ficou cheia de porra. –Me dá aqui, ela me beijou sugando o leitinho do amante para a boca dela. Não aguentei e acabei esporrando. Ela tombou para o lado e fez menção de levantar. –Aonde você vai?

-Vou tomar um banho, porque?

-Vai não putinha, hoje você vai dormir assim, suja de porra. Puta dorme assim. Ela sorriu e disse, então ta.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos comi minha irman de 06anosconto teens de pau duro no calcao de futebol para a primacomendo cunhada depois de sarrafudendo minha mae conto realContos eróticos menina com bucetinha lisinha e putinhaas novinha gostosinha dando a b******** sendo engravidado tomando vinhoGozou na minha buceta contos eroticoscontos eroticos de pai se faz de durmino pta faz sexo com filha novinhapornobuceta.com/homens so quer saber de mamar em peitoes das safadassogra contando como chorou na pica do genro contos eroticosConto dei o cu no cine repúblicaMeti.o.pal.no.cu.de.minha.filha.gravida.dormindo.contos eroticos papai fudendo a filhaxvideo pornozinho inpinadinha onlinecont erot recem casada um velho meimagem cuzinho irma contoshistoria dos k fizeram zoofila pela primeira vezContos fuderam minha boquinhacavalo mangalar goza na boca da coroa resen separadacontos minha amiga viu minha buçeta e pegou nelacontos gay bichinha boqueteira da escolabundonas de30anos no cuContos eróticos à força de negros brutosdei a buceta para o amigo do meu filho contos eroticos gratismae desfilando de calcinha fio dentalContoseroticosabusadaporno profissional com homens fodendo leitoa no cioconto erotico fui arrombada depois de casadaContos erotico amei a fantasia de meu marido mim fode com a pica dele e um penes de borachacontos eroticos passando cocaina vaginamulher sentada e retando calcinha para homen ver sua bucetameu viadinho querido gostoso novinho doze anos contos eroticoscontos eroticos humilhando podollatriaMe arrumei para meter com.outro e o corno sabendofudeno a amanda e nanda duas gostosinha mobilecontos primeira ves da minha namorada com um cavaloconto sou doida pra da pro meu sobrinhocotos heroticos gay me comeu no riocontos eroticos delicia de infancia com meus vizinhosConto erotico seios doloridoscontos zoo meu marido sem eu saber viciou o cao passando minhas calcinhas para ele cheirarcontos paguei pelo cuzinhocontos eroticos primeira vez infância incestocontos reas de sexo marta minha tiacontos reais eroticos na formatura casaisCu esporrado.com/sadomazoquismo.inseseto commforcaEncoxador contosgarotinho teen gemendo no pau e rebolando gostosoContos eroticos seios mautradosseduzido contoscontos punheta em calcinha da sobrinhapornô doido irmão f****** irmã fortemente com pau bem grandãocontos vendo o meu cunhado a fode minha irma betinhaConto Erotico: o macho se rendeu a minha rolacontos coroas terceira idadecontos eróticos chupando bucetasconto erótico -- brincando com os meninos na construçãorelatos comi a gorda na marraConto erótico qual é a cadela mais receptivaMadrinha putinha contoscontos eroticos real de marido chama pedreiro pra fazer reforma fas q vai trabalhar vouta e ver a mulher fydendo com ele e fica ecitadocomi meu aluno lercontos curtpsesposa crente relatando contos troca casais pornocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteadoro usar as calcinhas da minha esposaminha prima me deu conto eroticookinawa-ufa.ru chantageadaminha esposa fica toda molhada quando falo que sonhei que que ela chupava outra rolatomei no cu/contoscomtos erotico nao resisti passei a mao na rola do entregadorcolo do velho. conto