Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MARINA, UMA GRANDE AMIGA...

Sou casado, 50 anos e trabalho com auditoria e consultoria em São Paulo e por isso, há épocas em que tenho vários contatos profissionais e amizades. Numa dessas ocasiões, fiz amizade com uma mulher de cerca de 35 anos (nunca perguntei a idade para ela), que trabalha numa das empresas que atendo. Eu sentia que ela se insinuava um pouco, mas nunca me arrisquei a dar uma cantada, pois em ambiente de trabalho, se algo der errado, é sempre um caos.



Um dia, estava eu em visita a essa empresa e ao final do dia, trovejava forte e eu trabalhando perto da mesa que essa mulher (Marina) ficava, ficamos papeando amenidades e fatalmente, falando do azar, o temporal justo no momento que encerrava o expediente. Mas, resolvi abreviar o papo e disse que já iria embora, aguardando lá em baixo (estávamos no décimo andar) a chuva amenizar para tentar chegar até o estacionamento. Dito isso, me despedi e saí da sala.



Estava lá, na porta do prédio, sá vendo a grossa chuva e esperando... quando ouvi um "oi, ainda por aqui?" e me viro, vendo a Marina.



- Pelo jeito vou ter que esperar um bocado, com essa chuva danada... Não há nada mais a fazer ... (suspiros...)



- Marina, pra que lado, para qual bairro você vai? Do jeito que tá esse trânsito, te levo, pois tudo será mesmo demorado e já liguei para casa, avisando que vou dar um tempo por aqui .



- Tinha que ir para Moema ... mas deve ficar fora de mão pra você, né?



- Veja, Marina... a chuva ficou mais fraca. O estacionamento é aqui ao lado. Vamos? Te levo, tá?



E assim, fomos, entramos no carro, um pouco molhados da chuva naquela tarde de verão. Estávamos na região da Avenida Paulista e fui descendo pela Rua Pamplona, em direção ao Ibirapuera ... e a chuva voltou mais forte. Bem. o jeito era enfrentar a lentidão do trânsito, papeando e eu não pude evitar de dizer que a átima companhia me compensava todo o resto ... e ela retribuiu dizendo que ela também estava gostando muito, lamentando que aquela chuva atrapalhava muitas coisas ...



- É, Marina... tá certa. Com um trânsito assim, eu pararia em algum lugar para fazer hora com você. Tomar um sorvete, um chopp, até mesmo um refri ...



- Sabe, também pensei nisso, mas do jeito que está, nem tem onde parar ...



Já estávamos na Avenida Ibirapuera, quando me ocorreu dar uma sugestão um tanto atrevida...



- Marina, acho que sei ... isto aqui tá parado e o jeito é desviar porque nada temos a perder. Tive uma idéia... vamos tomar um trago aqui perto? Tem um jeito, acho que dará certo.



- Tá bem, Ricardo. Vamos, né? Deixo por sua conta.



Desviei para a direita e fui em direção à Avenida Santo Amaro e sem dizer nada, entrei com o carro num drive in. Ela ficou surpresa...



- Ricardo! ... não sei o que dizer, mas olha lá o que você pretende, heim? eu sou comprometida e você também ... (deu um sorriso lindo...)



Entramos num box (escolhi um, ao lado de outro que estava ocupado) e como estava calor, abaixei os 4 vidros antes de desligar o motor. Veio a garçonete e pedi duas taças de vinho. Ficamos papeando, rindo daquela situação inesperada. Logo, começamos a ouvir gemidos cada vez mais altos no box ao lado e notei que Marina parecia excitada... e ainda com algum recei, peguei na mão dela e senti que ela correspondia... trocamos um olhar que já dizia tudo. Comecei a beijá-la na boca e ela correspondia, queria também ... Ah ... beijando e passando a mão nos seios, por cima da blusinha... Logo desabotoei a blusa, puxei o soutien para baixo e comecei a chupar aqueles mamilos durinhos e arrepiados de tesão...



Do box ao lado, dava para ouvir os gemidos, uma voz rouca e toda tesuda de uma mulher:



- Aiiii ... aiii, mais... isso, aahhh... me chupa ... chupa mais... aaaiiiii que tesão.... tesão ... meu marido não faz assim ... ai aaii chuuuupa....



Isso nos excitava demais e então, eu já tinha aberto o zíper da calça dela e estava tirando .... e abaixando também a calcinha preta.... Em seguida, saímos do carro e entramos pela porta de trás, acomodando-nos no banco traseiro e eu comecei a chupar aquela bucetinha... e falava umas sacanagens murmurando enquanto chupava...



- Hummmmmmm tesão... ahhhhhhh, amor, como você é gostosinha.... que cheirinho de tesão ... hummmmmm sinto vc toda molhadinha... ahhh.... quero chupar esta buceta linda...



Marina se contorcia toda... pedia mais.... e estava começando a gozar. Gemia e esperneava deliciosamente. Parei de chupar e perguntei a ela, se tinha alguma camisinha, porque eu não carregava ... Ela disse que tinha 2 e me deu. Peguei uma delas, coloquei no pau e fiquei punhetando para endurecer mais um pouco. E em seguida, comecei a enfiar aos poucos naquela bucetinha melada ... e gemendo baixinho ... Hummmmmmmm ... que delícia... Enquanto isso, ouvíamos ao lado:



- Ahhhhhh.... chupe, chuuupe... ai ai... pare e me foda ... meta tudo que eu quero ... aai



- Pera... to pegando a camisinha...



- Aiii meta logo ... meta assim mesmo, sem camisinha, meu amor... sem camisinha, que meu tesão é ficar grávida de você, meu macho .... enfieeee....



O casal ao lado tava mesmo a mil e dava para ouvir tudo e era excitante demais.... demais.... então eu notei que Marina estava pegando a base do meu pau e apertava de leve os meus testículos, fazendo eu tirar tudo fora e meter de novo ... Ahhhhhhhhh ... e ela gemia cada vez mais... dizendo que o casal do lado deixava ela doida... Aí, teve um instante em que senti, a mãozinha dela estava arrancando fora a camisinha ... e ...



- Ai, Ricardo ... sem camisinha, sá esfregue ... não vá enfiar, por favor...



Ah ... fiquei esfregando naquela xota melada.... e Marina abria as pernas.... ela pegava meu pau e esfregava no grelo durinho e gemia... gemia.... De repente, sussurrou deliciosamente:



- Ricardo, meta... enfie, me coma, meu gostoso ...



E abriu a buceta, empurrando de uma vez fazendo meu pau entrar todinho ... Ai aaiiiiiiiiiii como foi delicioso .... Ficamos metendo um tempão, e ela gozou 2 vezes quase sem parar. Paramos um pouco e eu pedi que ela ficasse de 4...



- Atrás sá fiz duas vezes há muito tempo ... Ricardo, você vai querer colocar camisinha, né?



- Marina... camisinha? mas acabamos de fazer um monte pela frente sem ... Porque camisinha para meter atrás?



- Ah, querido... talvez você prefira, é mais higiênico, não acha?



- Ai, Marina... na verdade eu prefiro sem camisinha, para sentir sua carne... e não tem essa de higiênico, é tudo tão natural, nada em você vai me causar nojo... aliás, sá vai me dar prazer...



E assim, fiz ela ficar de 4 e agachando por trás, lambi de novo a buceta, separei aquela linda bundinha branca e lambi o cuzinho, até conseguir enfiar a pontinha da língua e sentir as preguinhas esticando. Passei cuspe na cabeça do pau e enfiei aos poucos, enquanto beijava e lambia a nuca dela...



- Ahhhhhh Ricardo, meu tesão ... isso .... me coma todinha, assim ... ai aaiiii meta mais... ai aiiii coma meu cu.... AAahhhh tesãoooo assim ....



Ela gozou deliciosamente e pedia que eu esporrasse logo, mas eu segurei e tirei do cuzinho dela aos poucos, dizendo que queria gozar dentro da buceta....



Peguei meu pau e punhetei diante do rosto dela... Peguei um pedaço de flanela que tinha no carro e dei na mão dela. Ela cuspiu em meu pau e passou a flanela, limpando ... e deu uma chupada .... chupou deliciosamente e aí pedi que parasse e que abrisse as pernas...



- Ahhhhh Marina... ai isso, abra a buceta... aiiiii aaiii meeeto ..aaiiii tesão... aahhhh GOOOOZOOO AAHHHH ESTOU GOZANDOOOOO AAHHHHHHHH .....



Tirei da buceta e pedi que ela me chupasse de novo. Ahhh que chupada .... chupou, limpando meu pau. E então nos abraçamos pelados e beijando na boca, sentindo o sabor do nosso pecado... Continuava chovendo forte...



- Marina, isto foi inesquecível... Sou casado, mas amei você e quero continuar amando, mesmo que seja sá em sonhos. Sei que talvez você não queira mais ou não possa, mas quando quiser, vamos nos ver, sempre vou te querer...



- Ricardo, também amei. Amo meu marido, mas quero que você me apareça sempre... Tudo será como este dia de chuva, para ser um segredinho sá nosso.



Esta foi uma linda histária de amor, apesar da sua imperfeição e talvez por isso, humana e excitante demais. Muitos outros encontros aconteceram depois... Hoje passados uns anos, sempre que passo diante daquele drive-in, sinto de novo a angústria e a felicidade daquela tarde chuvosa que ficou para sempre. Espero que tenham gostado. Escrevam-me. Rick

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


cu esfolada negao contosconto minha filharelatos sexo eu e minha filha novinhaRelato de esposas putas dando pra fumcionarios nacontos er apaga a luzrelatos reais eróticos - saciada em casacontos abusado pelo tiocontos vi pau enorme cheio de veiascontos eroticosirmazinhaxvidio minha mina sai para tranpa e eu como Minha sogra xvidioconto estagiaria virgemcontos nininha putanovinha sequestro contovideo porno mulhe negra nao aqueto pau no cu e arregalo o olhoContos eroticos no acampamentocontos eroticos pastorcontos eroticos arrombando a gordauma.gradi.rola gozano.nabuçetaminha prima malcriada contocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentefudendo o cú da mae de renan conto eroticoconto meu pai descabacou minha irmaconto eroticos de academiaconto casada iniciada no menagea primeira f*** com travesticontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentexvidio gay coroa 82contos eroticos de mulheres que aprotaram dos seus caseiroscontos erotico esposa propoe protia e sobrinha conto lesbicocontos eroticos arrombando a gordadei para meu genrocontos eroticos com sogro e sograminha esposa deixa a buceta cabeluda e da pra o meu melhor amigo em relatosContos Comendo A filha da amigacontos de mulheres ninfomaniaca por sexocontos de atiivo x passivo fodendofudeno cu da manu e ela gritando de dorcontos eroticos estuprosconto gay filho ve o pai com o pau duro e perguta o que a quinlomeu cao taradocontos eróticos, meu chefe exige a minha esposaEU TIRANDO FOTO MINHA BUNDA DI CALCINHA FETICHE OLHONDO ESELHO MINH BUNDAcnto mulher de ssia entra no cineporno pela primeira vez e deu para varioscontos eroticos na praiaPornodoido passistassogro saradoesposa de corno cheinha de porra contoconto pedi chifrecontos eroticos arrombando a gordapeguei minha sobrinha no colo e direi seu cabaço contosporno historias e contos eróticos irmao e irman amor e sexoconto da mulatacontos eroticos arrombando a gordasexo porno meninas branca fundedo com mendigoscontos meu marido da pica pequenaContos eróticos de comi a mae do meu colrcontos erótico de casada bi certinhacontos eróticos meu cunhado me ceduzio desde novinhcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de viciado cheira calcinha e sutiã jujor fededo abucetacontos eróticos dando a buceta a outro na frente do maridocontos eroticos troquei marido pela vizinhacontos de sexo fraguei minha enteada de dose anos dormindo nuacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crente  Marilia e Juliana estavam mais uma vez fr ente a frente para uma dolorosa batalha. Ambas traziam nos corpos as marcas feitas pela outra em combates violentos e sangrentos. Marilia vestia tão somente uma minúscula tanga branca fio dental. Juliana uma  Contos erotico de exibi a bunda muito grande de fio dentalconto o sarado e a gordinhaprimeiro conto de aline a loirinha mais puta e vadiaConto gay dei meu cu primeira vez depois da farracontos de atiivo x passivo fodendofoi fazer coisa errada e irmao chantageou pra fuder a gostosaporno brasileiro tia pasando u pano na casa e pega sobrinho na punhetaconto de sexo sobrinha galinha parte 2