Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

FIM DE SEMANA COM TITIA E EMPREGADAS

Fim de semana com minha tia e suas empregadas.



Olá, estou enviando um fato que realmente aconteceu comigo, é um conto longo, mas vale a pena lê-lo, você não irá acreditar, como eu não acreditei no dia em que aconteceu . Eu tenho uma tia muito gostosa, mas ela nunca deu trela para mim, quando eu era mais novo, batia tanta punheta as suas custas, mas depois de um tempo não ligava muito para ela mais, minha tia se chama Solange, ela tinha trinta e dois anos na época, tinha uma boca carnuda e um rosto lindo, um metro e setenta, mais ou menos sessenta kg, peitinhos médios do tamanho de uma laranja e uma bunda e coxas bem roliças, nossa sá de lembrar fico de pau duro. Eu moro em Florianápolis, me chamo André e sou um homem moreno, um metro e oitenta e cinco de altura e noventa quilos, pernas grossas, bem aparentado, hoje estou com vinte e sete anos. Um dia, numa Sexta feira, quando eu tinha mais ou menos vinte e um anos fui visitar ela e disse que iria ficar o final de semana na casa dela, fui de manhã, meu tio já tinha morrido fazia uns dois anos e minhas primas estavam na casa de outra tinha minha e iriam ficar lá até Terça feira. Ela me recebeu super bem, me deu um abraço roçando os peitos duros no meu peito me convidou para entrar, e falou:

- "Que bom que você veio ", festejou,

Eu aceitei o convite e ficamos conversando, ela estava com uma saia curta, que realçava mais ainda aquela bunda maravilhosa que ela tem e uma mini blusa transparente sem sutiã que aparecia bem os seus mamilos que eram maravilhosos, rosinhas e saltados. Ela já percebia que eu não tirava os olhos dela, nisso nos fomos para a sala, que ficava na parte de cima da casa e fomos subindo as escadas ela rebolando na minha frente, eu estava ficando a mil pois dava para ver sua bundona por baixo da saia, ela estava com uma calcinha azul clara de renda entalada no rego e ao chegarmos na sala ela sentou de frente comigo e começamos a conversar, ela não tinha mais nenhuma timidez comigo, sempre conversávamos sobre todos os assuntos com a maior naturalidade e sem o menor pudor, ela nunca se privou de andar com roupas curtas e transparentes, suas camisetinhas e suas saias curtinhas, me deixando sempre a vontade em sua casa, ela perguntou se eu estava namorando, eu falei que não, ela indagou dizendo como um garoto como eu não estava namorando, tão bonito, esbelto e simpático e estava sozinho, e eu disse que sá estava comendo uma vizinha de vinte e cinco anos que era um tesão, tinha a xoxota muito apertada pois era japonesa e tinha tirado o meu cabaço. Nisso ela se agitou e começou a desabafar dizendo que depois da morte de meu tio ela estava muito solitária, e desde então não sabia o que era uma boa trepada e que sua buceta estava até mais apertadinha, e para o meu espanto ela perguntou se eu achava se ela ainda era bonita, e se abaixou para juntar uma revista que estava no chão e os bicos de suas mamas ficaram bem na frente dos meus olhos, e quando sentou de volta abriu as pernas para eu, ver a calcinha de renda com a xoxota pentelhuda à mostra, fiquei assustado na hora disse que sim e sem pensar duas vezes falei para ela que achava ela super gostosa, muito linda, e ela sorriu e falou que iria tomar um banho e já voltava, que era para mim ficar a vontade. Ouvi água a correr, pareceu-me ser de chuveiro, então fiquei imaginando como seria a minha titia peladinha.

Ela então saiu do banho com uma toalha, sem nada por baixo quase mostrando os peitos, eu fiquei paralisado sá secando aqueles melões durinhos e então me disse que seu computador estava com um problema e me convidou para ir ao seu quarto onde ele estava localizado para que eu pudesse resolver tal problema, fomos até lá e comecei a mexer no computador e ela toda molhadinha atrás de mim com cheirinho de sabonete enrolada na toalha. Engoli seco quando ela falou que iria tirar a toalha para se enxugar, mas que não era para mim olhar para trás, mas mal sabia ela que eu estava vendo tudo pelo reflexo que a luz fazia na tela do computador, então ela começou a tirar a toalha bem devagar e seus peitos ficaram de fora, meu pau ficou duro na hora, e depois começou a esfregar a toalha na xaninha com uma cara de sacana, passava a língua nos lábios olhando para mim sem emitir qualquer som, percebi ela estava se masturbando, deitou na cama e continuou a se masturbar, fico tarado quando vejo uma mulher se masturbando, ela esfregava o grelinho, enfiava os dedos na xaninha cabeluda fazendo um barulho característico de um pau entrando e saindo de uma buceta e apertando os seios bem atrás de mim, o cheiro de sua vagina já tinha invadido o quarto e eu já estava ficando maluco com o pau quase rasgando a calça, louco para enfiar o pau naquela racha.

Depois de mais ou menos cinco minutos se masturbando na cama ela se levanta e pega uma calcinha rosa na gaveta e pede para mim olhar para ver se eu aprovava a peça, fiquei louco em ver minha tia peladinha e toda lambuzada na minha frente, então ela chegou do meu lado e colocou a calcinha esfregando o dedo no meio da racha por cima da calcinha e peguntou para mim se tinha ficado legal, então eu falei que ficava bem melhor sem, nisso ela tirou-a colocando no meu colo e então colocou uma bermuda branca de Lycra bem colada no corpo e separando sua vulva, permanecendo sem calcinha, e uma camiseta falando que já estava pronta e ia no supermercado para comprar algumas coisas para fazer uma almoço bem gostoso para nás e me deu um beijo bem molhado no rosto dizendo para mim ficar à vontade. Assim que eu ouvi o som do carro saindo me levantei e como eu sabia que quando ela saia do banho não lavava as calcinhas e as colocava no bidê de baixo de um tapete, abri a porta do banheiro e vi que ela não tinha lavado suas calcinhas e tinha duas calcinhas usadas dela eu peguei elas e fui para a cama dela e bati a punheta mais gostosa da minha vida sentindo o cheiro da buceta dela que estava na calcinha que ela tinha deixado no meu colo que estava toda melada e comecei a esfregar na cara e a lamber até gozar um pouco em cada calcinha e deixando-as molhadas de porra, principalmente a rosinha que deixei no mesmo lugar.

Apás esta gozada voltei para o computador e o arrumei, pois estava com um pequeno problema de configuração, e fui para a sala ver televisão e depois de uns quinze minutos ela chegou e fui ajudá-la a tirar as compras do carro, e no que eu cheguei no carro ela estava debruçada no porta-malas com sua bunda arregaçada e a vagina separada pelo tecido da bermudinha, não aguentei e como já estava com o pau duro de ver aquela cena cheguei e encaixei meu cacete bem no meio de sua xana e perguntei se ela queria ajuda, ela se arrepiou toda deu uma rebolada encaixando bem meu pau na sua buceta e falou sorrindo que sim, então segurei bem firme suas nádegas esfregando o cacete mais forte na xana dela e falei que estava doido para enterrar meu pau nela, ela se assustou e falou que não podia pois era minha tia levando as compras para dentro.

Ela fez o almoço, e a tarde ficamos assistindo televisão, ela estava com uma saia branca sem calcinha, conversamos e rimos a tarde toda e ela me provocava direto abrindo as pernas exibindo sua xoxota maravilhosa. à noite fomos jantar fora e ela saiu vestindo um vestidinho apertado com um decote generoso que mostrava parte dos seus seios.

Rimos muito e aproveitamos para passar em uma vídeo locadora e pegamos uns filmes, até um pornô. Chegando em casa ela estourou pipoca, eu peguei umas cervejas e ficamos assistindo vídeo e bebendo no sofá. Vendo filmes, conversando, bebendo cerveja e deitei no sofá, ela sentada e eu deitado em seu colo com a cabeça na sua perereca, e de uma hora para outra ela começou a fazer perguntas de minha intimidade, se eu já era um homem completo, se eu sabia como era amar bem gostoso, se meu pau era grande, coisas desse tipo. Eu como não esperava por essas perguntas, engasguei com vergonha fiquei sem saber o que responder e falei que nenhuma garota tinha reclamado até então. Ela então começou a me acariciar a cabeça perguntando se eu tinha gostado da vagina dela, respondi que sim e no ato ela levantou a saia deixando a mostra sua buceta, falando que era sá para mim ficar olhando, até dormir. Fiquei admirando aquela xana que no ato começou a ficar molhada, o cheiro que exalava daquela racha era incrível, fiquei hipnotizado por aquela xana e então resolvi fingir que estava dormindo para ver o que ela faria, de repente ela me chamou pelo nome e eu resolvi não atender para ver o que ela iria fazer, de repente sinto o elástico de minha cueca esticar, era Solange que estava sendo mais ousada colocando uma de suas mãos por dentro de minha cueca. A principio eu penso em acordar e dar um trato nela, mas vem em minha cabeça “Poxa, minha tia é uma mulher tão solitária e carente que deve estar precisando de sexo. Vou deixar ela a vontade e ver até onde ela vai com sua ousadia”. Minha tia precisava de minha ajuda e eu como um homem poderia ajuda-la, sinto então ela tentar deixar meu pau ereto coisa que não demora muito a acontecer, eu fingindo sempre estar dormindo fico imável, ela então não satisfeita em somente deixar minha pica dura por dentro da cueca, tira meu pau para fora e começa a tocar uma punheta para mim eu sendo um homem muit tarado é claro que gostei e abri mais minhas pernas para facilitar as coisas e deixei ela continuar a bolinar bem gostoso a minha tora dura, sempre tive um bom porte físico, também tenho um pau consideravelmente grande (20x7 cm), e cabeça parece um morangão. Como minha tia estava agarrada em minha pica e não queria mais largar, parecia muito contente em ter um árgão daquele tamanho em sua mão, eu sentia a respiração dela cada vez mais ofegante desejando muito meu pau em sua buceta, derrepente ela abre bem as pernas e começa esfregar minha cara na sua vagina que estava ensopada de tezão, deliciosa. Depois de muito me punhetar e esfregar sua racha melada na minha cara, e ela vê meu pau esporrar em sua mão, meu corpo treme e ela logo trata de limpar meu cacete pensando que eu estava dormindo e para que eu não percebesse o que ela tinha feito. Ela não querendo mais me “incomodar” levanta e vai p o quarto dormir me deixando “dormindo” na sala. Então fui atrás dela até o quarto e fiquei vendo titia se arrumar para dormir, ela sempre vestia umas camisolas transparentes, afinal estava acostumada a se vestir assim em sua casa, e seus seios ficavam parcialmente à mostra, me chamando para chupá-los. Me enchi de coragem, e lá pelas tres horas da manhã, quando estava dormindo, lentamente fiquei abaixado ao lado da cama de minha tia. Levantei o lençol que a cobria e com muito cuidado aproximei minha mão de suas coxas. Como ela não esboçou reação alguma fiquei alguns minutos ali, alisando aquelas obras de arte. De vez em quando eu me aventurava a passar a mão em sua bunda e na sua xoxota, era maravilhosa, carnuda, rosadinha por dentro, cabeluda com grandes lábios, e estava toda à mostra e já que ela gostava de dormir de bruços sem calcinha, e eu aproveitei. Fiquei assim durante uns dez minutos. Já perdendo o medo de que ela acordasse fui beijando e dando umas mordidas naquela bunda carnuda.

Afastei um pouco suas nádegas e minha mão começou a explorar mais sua vagina quentinha, aquilo me deixou temeroso mas o tesão falava mais alto e comecei a beijar aquele reguinho passando a língua pelo seu cuzinho e pela vagina. Passei a massagear seu clitáris, lubrifiquei o dedo com saliva e comecei a introduzir naquele ânus apertado. Quando o dedo começou a entrar ela se mexeu arrebitando a bunda. Gelei e parei na hora achando que ela estava acordando mas para minha surpresa ela continuou a dormir pois tinha um sono pesadíssimo, massageava seu clitáris com minha língua num movimento de vai e vem, de cima para baixo e de baixo para cima e em movimentos circulares, então tomei coragem e comecei a esfregar o cacete nos lábios de sua buceta em movimentos de vai e vem, encostei na entrada e forcei a cabeça no seu clitáris esfregando muito. Cuspi na mão, lubrifiquei aquele buraquinho traseiro e introduzi o polegar e de repente senti aquele anelzinho começar a piscar e morder meu dedo, não sei se voluntária ou involuntariamente e comecei um vai e vem, senti que já estava bem lubrificado e empurrei o resto do dedo de uma vez e resolvi bater uma punheta devagar e deliciosa com o dedo naquele cuzinho quente e virgem, pois era muito apertado. Cheguei a pegar a mão dela e colocar em meu pau, mas rapidamente ela se virou para outro lado com um movimento involuntário de quem ainda dorme. Fiquei de pé ao lado de sua cama e terminei minha punheta, gozando em minha mão e posteriormente, passando na parte interna de suas coxas e na xoxota molhadíssima e no seu cuzinho. Deixei ela completamente meladinha.

No dia seguinte, no sábado ela levanta toda eufárica e eu finjo não saber o que acontecia, e ela falou que tinha dormido muito bem e que fazia tempo que não dormia assim, se aproximou de mim e me deu um beijo bem no canto da boca, e disse “bom dia querido”, então tomamos o café da manhã, e saí para a rua com intenção de falar com alguns amigos que fazia tempo que não os via. Por algumas horas fico conversando e paquerando as garotas que passavam em frente de suas casas, e quando se aproxima o horário do almoço me despeço de meus camaradas e volto p casa na intenção de almoçar, chego na casa de Angela e abro a porta da sala de supetão, fui entrando, notei um silêncio na casa e imaginei que estava vazia, foi então que ouvi alguns gemidos, entrei casa adentro então vi minha tia com as pernas abertas enfiando os dedos em sua buceta peluda, fazendo caricias nela. Me escondi atrás da batente da porta e fiquei observando. Ela gemia, mexia e enfiava os dedos molhados. Não aguentei e comecei a me masturbar, meu pau nunca esteve tão duro. Então ela começou a escorregar o dedo para o cuzinho. Minha tia é muito gostosa, possui uma bunda e umas pernas que muita mulher mais nova que ela não tem. Quase para gozar tomei coragem e entrei na sala com meu pau balançando como um cavalo. Fiquei junto do sofá e ela continuava ali deitada com as pernas abertas com os olhos fechados gemendo ela não notou minha presença. Ela passava o dedo no cú e depois enfiava na buceta enquanto a outra mão massageava seus seios com mamilos ráseos. Eu estava ali, punhetando a menos de um metro da buceta da minha tia. Então ela abriu os olhos e me viu, ficou parada sem se mexer ou soltar um som, e eu continuei com minha punheta. Ela abaixou os olhos e olhou para o meu pau duro como uma pedra. Ela começou a apertar os seios e depois continuou a massagear a buceta. Logo estava eu punhetando olhando para a buceta da minha tia e ela se masturbando olhando para o meu pau como uma tarada. Eu não aguentei segurar e gozei sobre a minha tia. Eu a cobri de gozo e ela gemia alto ao sentir o líquido quente sobre seu corpo. Então guardei meu pau e disse: "Quando você quiser é sá me chamar" virei as costas e fui para cozinha ver o que ela havia preparado p o almoço, mas não encontrei nada pronto, voltei p a sala, ela assustada tentou se esconder, ajeitando sua saia, entro naturalmente e ela logo vem se explicar para mim, falando que tinha algo a incomodando e que estava com muito tesão. Eu falo para ela não se preocupar pois estava em sua casa, então ela disse que tinha pedido uma pizza, sentei ao lado de minha tia, ela por sua vez muito envergonhada, tentava esconder o rosto e eu perguntei se ela estava daquele jeito por eu ter visto ela se masturbando, ela respondeu positivamente e não falou mais nada. Então resolvi entrar em sua brincadeira, falando a respeito da noite passada, ela se fez de desentendida e para colocar mais pimenta no assunto falei que estava acordado e adorei o que ela havia feito, e que gostaria muito de retribuir o feito. Depois de ter dito isso ela se entregou a conversa, falando que estava precisando muito de um homem e que ao me ver deitado no sofá não resistiu vendo que meu cacete era enorme e resolveu tocar uma punheta e ver meu pinto crescer e esporrar. Eu comovido com a situação de minha tia, deito em seu colo na intenção de ela bater mais uma punheta para mim, ela logo percebe que também estou afim e começa a me acariciar passando a mão em meu peito, por cima de meu short, logo minha pica vem a tona ficando completamente dura, então pede para mim tirar meu short e ficar pelado, eu faço charme e exito, então coloquei ela no meu colo e suavemente baixei a alça do vestido, fui tirando o vestido e revelei um peito lindo, fiquei louco olhando os peitões dela e a calcinha delineando sua buceta toda molhada e entaladinha na bunda, passei a massagear e beijar aqueles seios rijos, fiquei de cara, mas ela estava tão tesuda que peguei nos peitos dela e ela começou a gemer alto, chupei muito os peitos dela e pus a mão sobre a buceta dela por cima da calcinha, e ela falou:



- Seu Tarado! Quer comer a prápria tia? Vem então, mas não fala nada pra sua mãe tá?



Minha mão passou a massagear sua coxas subindo até alcançar sua xoxota novamente. Senti um calor incrível na mão. A pele macia me deixava excitado demais e meu pênis parecia querer furar a calça. Me levantei pra ajeita-la no sofá e nesse movimento ela ficou deitada de barriga para baixo com sua bunda carnuda pra cima, então segurei firme suas nádegas falando que ela era um tesão e que iria chupar ela todinha, e ela falou:



- Vai, me deixa toda molhadinha, me chupa toda meu nenen.



Passei muito minha mão naquela bunda tirando seu vestido, e ela sá ria. Meu tesão foi a mil. Coloquei-a sentada no sofá, afastei suas pernas e coloquei suas coxas por sobre meus ombros e passei a chupar suas coxas, lambi toda extensão de suas coxas até chegar na sua vagina por cima da calcinha. Valorizei aquela buceta carnuda e cheirosa, puxei a calcinha para o lado e fui enfiando a língua naquela xota molhada de tanto tesão, a fúria foi tanta que acabei rasgando a calcinha com os dentes, seu clitáris estava muito inchado e eu mamava nele sem parar levando ela a loucura, a visão era maravilhosa. Ela gemia, ofegava e delirava quando introduzia minha língua dentro de sua xana e com minhas mãos massageava e apertava seus mamilos. De repente seu corpo enrijeceu, começou a estremecer e gritar:



- Assimmm, Vaiiiiiiiii, Aiiiiiiiiiiii, Aaiiiiiiiiii, Assimmm, Assimmmm, AAAAHHHHHHHH, seu puto tarado!!!!!



Seu corpo tremia e se contraia todo até que relaxou caindo de lado no sofá, e eu disse:



- Durante todo esse tempo você me provocava porque queria isso não é?

- Ah, André! Você não sabe o quanto!

- Tira ele pra fora e pega nele, eu disse.



Ela sentou no sofá, abriu o zíper e tirou meu pênis pra fora. Pegou e começou a masturba-lo devagar olhando pra mim. Peguei nos seus cabelos puxando sua cabeça práximo do pênis forçando-a a chupa-lo. Que boca macia, aquela língua estava me deixando maluco. então ela veio me deitou e deitou por cima de mim tirou totalmente minha bermuda, minha cueca e iniciou um meia nove delícioso, chupou meu pau que nem chupa um sorvete e eu fui chupando sua buceta que estava toda molhadinha e lambi seu cuzinho que até esse momento estava com todas as preguinhas ainda. Eu falei pra ela que estava quase pra gozar então acelerou mais o ritmo não queria deixar nem uma gota para o meio externo e foi isso que aconteceu gozei tudo dentro da boca dela e ela engoliu tudo como se faz uma refeição, estava enchendo aquela boca de esperma. Era tanto esperma que engasgou. Bebeu com gosto e o que escorreu lambeu gota por gota até limpa-lo todo. Puxei-a pra cima de mim e deitamos juntos fui beijando o seu pescoço até me recompor, ela então sem titubear, começa a massagear meu pau e com isso minha pica fica cada vez mais enorme e minha tia vai ficando impressionada com o tamanho e levanta do sofá pedindo para que eu encoste a cabeça no braço do sofá, é o que faço e fico vendo o que ela iria fazer, ela então se ajoelha no chão e com sua boca de lábios carnudos começa e me chupar de novo, ela a principio lambe apenas a cabeça, coisa que me deixou louco, e por partes ela foi engolindo o restante, chegando até os pentelhos do meu saco, por certa vez ela se engasga pelo fato de minha pica encostar em sua garganta. Mas ela chupa como se nunca tivesse chupado uma pica antes, sobe e desce com a cabeça em um movimento gostoso, eu fecho meus olhos e vou empurrando a cabeça de minha tia contra meu cacete ele baba em minha pica e engole ele com mais gosto, eu enxugo a baba de minha tia que escorre pelo o corpo de meu pinto e limpo no sofá. Enquanto ela vai engolindo meu cacete bem gostoso, eu tento alcançar a buceta dela com o dedo p poder fazer caricias nela também, mas não alcanço e então tiro minha pica de dentro da boca de minha tia para olhar seu rosto, vejo ela toda despenteada e com a boca toda lambuzada doida para retornar com a boca no meu pinto, ela não falava nada, sá respirava muito forte, eu então logo deixo ela retornar a chupar bem gostoso meu pau que estava muito molhado de sua saliva. Foi então que pedi para ela parar de chupar meu pau e resolvi deitar no tapete da sala, ela para não deixar meu pinto amolecer fica me punhetando com sua mão pequena logo então levo sua cabeça até meu cacete para que eu sinta sua boca aveludada chupa-lo novamente, até que então não aguentando ficar sem fazer nada e ficar somente sendo chupado, tento puxar a bundona de minha tia para perto de meu rosto, não consigo, então ela percebe minha vontade e vai se aconchegando passando uma de suas pernas sobre meu rosto e deixando sua bunda e sua xoxota peluda sobre meu rosto. Ela não parava de me chupar e minha pica já estava muito vermelha de tanto ser sugada, eu confesso ter me assustado quando vi aquela bucetona em frente ao meu rosto toda arregaçada, nunca ninguém tinha me chupado daquele jeito, ela começou esfregar a xotona no meu rosto e pedia :



- Chupa vai, sá um pouquinho pra eu sentir sua boca quente na minha bucetinha novamente !!! Eu comecei sugar seu grelinho bem gostoso, mordia de levinho e ela gemia gostoso, sem parar, então ela se virou, abriu a bundinha e começou a esfregar a buceta na minha cara, dizendo :

-

- - Sempre quis dar pra você, sempre quis sentir você dentro de mim. Sua xana tava que era um aguaceiro de tão melada, e eu tava me deliciando com aquele suco vaginal pra lá de gostoso, aí ela abriu suas pernas de repente e começou a esfregar a xoxota como uma louca na minha cara quase me sufocando, e então ela veio para cima de mim e nos começamos a nos beijar, até que enfim ia chegar a hora que eu tanto esperava, ficamos nos beijando, quando ela desceu sua mão e pegou no meu pau, e começou a esfregar na xoxota, eu pude então admirar de perto aquele corpo tão desejado, de repente toca a campainha e ela fala que deve ser a pizza, se levanta e vai até a porta peladona toda lambuzada, o entregador deve ter pirado vendo ela naquele estado, e então ela colocou a pizza na mesa e veio em minha direção, ela era maravilhosa, morena clara, cabelos lisos até os ombros, bunda arrebitada, peitos grandes e durinhos e a xoxota parecia um capo de fusca, ela se deitou no sofá e eu me deliciei chupando sua Buceta, seu grelo e seu anelzinho também, o sabor era magnifico, acho que fiquei chupando ela quase 5 minutos, ela gemia de prazer, tinha gozado umas três vezes, quando parei um momento ela falou que meu tio nunca tinha chupado ela, que era muito gostoso, ela tentou me ajudar abrindo sua buceta com a sua mão, até que então eu consegui encostar vorazmente de novo com minha língua em seus lábio vaginais vermelhos e peludos, percebi que seu corpo tremeu de tesão, onde fez com que ela agarrasse minha cabeça e empurrasse contra sua vagina fazendo com que chupasse com mais vontade e tesão, quando então eu finalmente consigo chegar com minha língua a fundo em sua xana e senti profundamente o seu gosto, ela falava para não parar, não estava mais aguentando ser chupada e prestes a gozar de novo, e escorria muito líquido decorrente de seus vários orgasmos, então coloquei suas pernas sobre meus ombros e tive uma visão completa de sua bunda e abri mais suas pernas dei uma linguada em seu cú deixando bastante saliva. Ela pedia que eu o chupasse também e que ele era virgem, e foi o que fiz, com vontade, liberando todo o meu tesão. Fiquei lambendo seu cuzinho, que piscava a cada vez que eu passava minha língua nele. Ela gozou novamente em minha boca, já devia ser o quinto orgasmo dela e foi delicioso sentir aquele mel escorrendo pelo meu queixo e peito, tamanho era o tesão de titia. Enquanto isso eu ficava esfregando seus seios com uma mão, e com a outra eu alisava sua bunda deixando que um dos dedos o penetrasse seu cuzinho alternando com lambidas. Foi uma delicia. Apás este orgasmo ela imediatamente levantou e me deu um beijo na boca sentindo seu práprio gosto e me disse que se eu não contasse a ninguém ela ia me mostrar uma coisa, eu sem saber o que era, disse que sim, ela correu e pegou um vibrador no seu quarto voltando correndo, me deu ele nas mãos abrindo seus lábios vaginais me mostrou seu grelo já saliente então veio pra cima de mim e me falou que como ele era menor que meu pau e falou que queria acostumar primeiro para depois sentar no meu cassete, fiquei perplexo com aquilo, e ela foi ficando de quatro no sofá, então enfiei o vibrador que entrou todo de uma sá vez, então ela começou a se mexer, a rebolar como uma louca e gritar que estava muito gostoso e eu fiquei meio nervoso em ver aquela xoxota grande e cabeluda engolindo aquele vibrador ferozmente, ai que de repente ela começou a se contorcer e dizer que estava gozando que era para mim enfiar com mais força e mais rápido, então em poucos segundos eu vi escorrer de dentro dela um leitinho claro enquanto sua buceta piscava, aí ela se deitou me chamando para fudê-la, para tentar mais ela fiquei esfregando meu caralho no grelo de Solange, ela gemia de prazer e gritava para eu colocar tudo para dentro, e falou:

- - Mete devagar.

-

- Sua intimidade tava lá toda arreganhada, pronta pser desflorada, foi aí que eu fui encostando até encaixar meu pau na sua grutinha e fui metendo devagar, metendo até me ver c o pau atolado naquela buceta com muito gosto ele entrou bem justo, pois fazia dois anos que não trepava, e mesmo com toda a preliminar ela estava apertada mesmo, e eu com muito orgulho fiz questão de acabar com esse jejum.

Então tirei novamente meu pau de sua xana, fiquei fazendo acaricias nos lábios de sua buceta com a cabeça do meu pau, e escutava ela gemer forte, como se estivesse implorando para enterrar meu pau de uma sá vez em sua buceta, que estava muito molhada. Não teria trabalho nenhum para penetrar a buceta da minha tia que estava molhada e bem dilatada, ela olhava para mim e dizia:



- Meu sobrinho gostoso, não judia de sua tia, fode logo minha buceta, não estou mais aguentando, fode logo!!!



Foi ai então que coloquei a cabeça de minha pica dentro da buceta de minha tia, mas rapidamente retirei, pois estava mesmo era querendo brincar com ela, quando fiz esse movimento, de colocar e retirar minha pica rapidamente de dentro dela, ela estranhou e perguntou se eu não queria mais fodê-la, foi então que dei um tapinha na bunda dela e falei p ela ficar quieta e sá gemer quando sentisse prazer. Com a buceta de minha tia encharcada, não resisti por muito tempo, e fui deslizando minha pica para dentro dela, e ela foi gemendo e pedindo para eu enfiar tudo sem deixar nenhum centímetro da minha pica para fora da sua buceta e prontamente atendi o pedido de minha tia. Ela então abriu mais a sua buceta e fui socando minha pica nela, o meu saco batia em seu clitáris e fazia um barulho gostoso, ela gemia muito forte e perguntava se a buceta dela estava gostosa, ela se preocupava muito com estado de sua buceta e pedia para não parar enquanto a buceta dela não ficasse toda larga, pedindo que eu gozasse dentro dela, eu então fui socando cada vez mais forte e perguntando se estava bom, minha tia, não respondia, sá balançava a cabeça positivamente e respirava forte fechando os olhos e passando o dedo do seu grelho com minha pica dentro e depois levava o dedo na boca. Foi então que novamente retirei minha pica de dentro da buceta de minha tia e ela pediu p não parar, pedi para ela deitar de barriga para baixo e abrisse as pernas como um sapo, foi então que eu abri a sua xana e coloquei meu pau novamente dentro dela. Mais que gostosura, meu pau ficou dentro da buceta dela e ralando em suas nádegas, ela gemia muito o tesão era enorme, foi então que veio a vontade de gozar. Comecei um vai e vem penetrando aos poucos pois ela já ofegava e gemia novamente.



- Vai André, arromba a pomba da sua tia vagabunda. Ouvindo isto fui colocando devagarzinho, entrando e saindo, pincelando por toda aquela xana maravilhosa e muito melada de tesão e saliva, ela rebolava e pedia mais, e eu gritava e xingava ela de puta, vadia, piranha, ela adorou essa minha iniciativa, pois disse que adorava ser xingada e também de levar tapas na bunda e na cara, na mesma hora dei-lhe um tapa bem forte na bunda e senti sua buceta apertar ainda mais minha pica, descobri assim que ela ficava mais excitada ainda e aproveitei pra também dar-lhe um tapa na cara, ela contraiu ainda mais sua xana e pediu:

-

- - Bate mais meu gostoso, que assim eu gozo melhor. Atendi seu pedido enfiando lhe porrada hora na cara, hora na bunda, fazendo-a gozar desesperadamente, tendo espasmos descontrolados me fazendo até ficar preocupado, pois achei que ela estava passando mal devido as porradas que lhe dei, mas que nada, era puro tesão que a puta sentiu. Avisei a ela, e ela ficou louca para sentir minha porra dentro de sua buceta, comecei então a bombar mais rápido e ela pedia para gozar tudinho dentro de buceta dela, apás algumas bombadas, falei a ela que estava gozando, e ela disse:

-

- Goza meu sobrinho, goza dentro da buceta da titia!!!!!!, E a cada socada que eu dava ela gritava, enchendo mais a buceta de minha tia de porra, melando todos os pêlos pubianos dela, tanto esperma que escorreu pra fora. Eu abraçado a ela pelos quadris caímos exaustos no tapete e depois de gozar e tirar minha pica toda melada de dentro de minha tia, ela deu uma chupada para limpá-lo e fomos tomar um banho, no banheiro peguei a mangueirinha do chuveiro e lavei-a tanto na vagina com no cuzinho enfiando dois dedos e nisso teve mais um orgasmo, então falei que iria comer seu cuzinho à noite, e ela sorriu falando que tinha medo pois era virgem e meu pau era muito grande que podia rasgar ela toda, e então fomos almoçar lá pelas cinco horas da tarde para recarregar as forças.

Enquanto estávamos comendo ela falou que eu era o máximo e que eu seria seu amante eterno, e eu claro fiquei muito feliz e falei que ela não tinha visto nada ainda. Titia então me falou que no outro dia, no Domingo, ela iria visitar uma amiga que morava em Camboriú, uma cidade práxima a Florianápolis e pediu para que eu ficasse na casa dela para receber uma faxineira que vinha limpar a casa dela, e falou que ela vinha no Domingo pois os outros dias da semana ela já estava ocupada e era a única em que ela tinha confiança, mas não queria deixar ela sozinha na casa, e ainda brincou:



- Vê se não vai faltar com o respeito com ela seu safadinho! Eu falei que estava tudo bem, pois sá iria embora na Segunda, mas que nesta noite teria que comer seu cuzinho para não aprontar para cima da empregada. Solange riu, se levantou da mesa e falou que iria subir para o quarto para dar um cochilo pois estava exausta. Quando já era aproximadamente umas nove horas da noite eu fui até o seu quarto sá pensando como eu iria convencê-la a dar o rabinho para mim, e chegando lá fiquei alucinado pois ela estava peladinha com as perna abertas, sá me esperando, mas ainda dormia. Então tirei toda a minha roupa e caí de boca na sua xoxota inchada de tanto foder, e ela acordou no ato, gemendo como uma gatinha. Meu pau já estava duro como uma tora. Não disse nada a única coisa que ela fez foi me dar um beijo muito gostoso e eu fui a loucura nos beijamos por muito tempo e meu pau já explodia na mão de Angela, que pegou com gosto nele, comecei a beija-la todinha e mamei naqueles peitos gostosos peguei ela e coloquei ela de quatro botei um travesseiro em baixo da sua barriga e ela ficou com aquele rabão todo arregaçado ali na minha frente comecei a chupar o cú dela, encostei a língua no seu cuzinho rosado, passeando de cima para baixo e de um lado para outro o mais rápido que podia fazendo-a se contorcer de prazer, e ela virou e disse que não adiantava alisar que seu cuzinho era virgem e iria continuar sendo, continuei até que ela implorava para eu enfiar minha língua o mais fundo que podia, apás lubrificar e relaxar aquele cuzinho deitei em cima dela e comecei a forçar a entrada, mas titia gritou de dor, e não insisti tudo bem peguei meu pau e esfreguei na sua buceta e de uma sá vez enterrei foi quando titia deu um grito mas eu não dei trégua comecei um vai e vem alucinado até sentir o gozo já chegando foi quando tirei meu pau da sua buceta e encostei a cabecinha no seu cuzinho que se contraiu toda naquela hora ela virou para trás e disse “nem pense nisso”, mas naquela posição que ela estava não tinha como escapar de mim, então encosto a glande em seu anelzinho rosinha, começo a pressionar, ela tenta escapar indo com o corpo para frente dou-lhe outro tapa na bunda, ela começa a chorar mas fica firme, entra a cabeça ela gritou de dor me xingando:

-

- Aiiiiiiiiii, seu filha da puta,

Aguardo ela se acostumar com a grossura do pau, por uns tres ou quatro minutos, passo a enfiar lentamente até a metade e ela chorando que está ardendo demais, pede por favor para parar, toma outro tapa mais forte na bunda e recebe por inteiro meu caralho no seu cú, paro e fico assim por alguns minutos, começo um vai e vem lento ela começa a empurrar o seu corpo contra o meu, começo a enfiar o dedo em sua boceta e a massagear seu grelo, ela começa a gemer de prazer e gritar:



-Aiiiiiiiiiiiiiiiiii, fode esse cú que você arrombou seu fiiiiiiilha da puuuuuuta, fode ele gostoso Aiiiiiiiiiiiii me faz gozar, mete tudo que eu acho que aguento,



Ela empurrava a bunda de encontro ao meu cacete, comecei a forçar e a bombar com muita força, sem dá, e ela não querendo que eu comece seu cuzinho daquele jeito, mas eu não iria deixar assim segurei na sua cintura e de uma sá vez enterrei meu pau naquele cuzinho até os côco e titia mais uma vez gritou e pedia que eu parasse porque estava rasgando todo o seu cú não dei trégua até que ela começou a gostar e ficar com mais tesão e me disse:

- "me come, me come todinha", huuuuummmmm, Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii, enterra esse cacetão no meu cú seu monstro, fode sua potranca!!!!!!!!

Ela estava gostando muito,

- Agora você pode desfrutar dele quando quiser Aiiiiiiiiiiiiiiiii, come meu rabo mete com mais força seu tarado, mais força, mais força que eu to gozando, Aiiiiiiiiiii que deliciaaaaaa!!!!!,

Ela chorava dizendo que era uma delícia ser enrrabada por uma pica tão gostosa fui então enfiando e encostando meus pentelhos na sua bunda, ela chorava de prazer e rebolava como se estivesse dançando um axé music, e foi ai que eu não aguentei e gozei tudo dentro do seu cuzinho e continuava a meter e titia ia a loucura enchendo o cuzinho de porra quente, caímos na cama eu sobre ela ficamos assim alguns momentos, quando tirei meu pau do seu cuzinho minha porra começou a escorrer pelas suas pernas e ela caiu de boca no meu pau e chupou o que restava. Ficamos fudendo a noite toda, nunca tinha comido tanto um cú como o da minha querida titia Solange.

No Domingo de manhã, titia acordou oito horas da manhã, falou que seu cú estava ardendo e esfregou a buceta na minha cara falando que queria que eu ficasse com seu aroma e que de noite ela estaria de volta para fodermos de novo me fazendo um boquete maravilhoso engolindo toda a porra, e me lembrou da empregada que chegaria às nove horas e eu nem dei bola e continuei a dormir. Fui acordar com a campainha tocando, e então fui abrir a porta sá de calção, no que abro a porta me deparo com uma coroa, morena, de mais ou menos quarenta anos e como estava muito calor ela estava com uma mini saia muito curta, tinhas uns peitos maravilhosos, grandes e empinados e estavam quase todos a mostra não pude deixar de olhar com uma cara de tarado passando a língua nos lábios, ela percebeu e pelo sorriso gostou, ela estava com uma ninfetinha de mais ou menos quinze anos e falou que era sua filha e que iria ajudar na limpeza da casa, nos cumprimentamos eu falei que era sobrinho de Angela e ela foi me perguntando onde estava minha tia, e eu falei que foi visitar uma amiga e sá voltava à noite, ela abriu um sorriso e eu disse para ela e sua filha entrarem elas foram pela escada e ajudei a levar algumas sacolas mas quando fui subir as escadas tive uma surpresa ela foi na minha frente, e parece que estava querendo que eu visse alguma coisa quando ela começou a subir fui obrigado a dar uma olhada por baixo de sua saia e imaginem o que vi ? A coroa tava com uma calcinha branca tão pequena que quase nem dava para ver direito, sua bunda aparecia toda e sua calcinha sumia no meio daquele cú gostoso, ela percebeu que eu estava olhando e não disse nada continuou a subir e deixou as coisas num quartinho. Tomei um banho e fiquei sá imaginando como seria bom trepar com aquela coroa gostosa, eu nem estava acreditando que aquela mulher maravilhosa podia ser uma simples empregada, claro bati uma punheta pensando nela, me arrumei e cheguei no quarto e lá estava minha empregada linda com um vestidinho vermelho e nem acreditei que ela iria fazer faxina com aquele vestido, muito apertado ressaltando suas curvas maravilhosas e começamos a conversar ela me disse que era separada e que sua filhinha tinha apenas quinze anos e que era muito tímida, conversamos mais um pouco e ela sentada na minha frente não parava de cruzar as pernas para que eu olhasse sua calcinha branquinha, um tesão, foi ai então que tive a maior surpresa, sua filhinha saiu do quarto sá de regatinha meia transparente e um shortinho bem colado e minúsculo com um corpo maravilhoso e um rabinho arrebitado e durinho sem falar nos peitinhos muito gostosos, foi ai que dona Teresa, era o nome dela, disse:

- Olha Carol, venha conhecer o sobrinho da dona Solange, ele não é uma gracinha?

Eu fiquei todo sem jeito e dei dois beijinhos no rostinho lindo daquela ninfeta e tenho que confessar que fiquei louco para agarrar aquela garotinha e cair de boca naquela xoxotinha que devia ser virgem, continuamos a conversar quando vimos já era quase dez da manhã, e elas começaram a fazer a faxina.

Mais tarde vou ao banheiro e quando entro me deparo com uma calcinha branca pendurada no box do banheiro, aquela que a coroa estava usando de manhã, ela queria me enlouquecer, era muito pequenina, então fui obrigado a dar uma cheirada, estava com um aroma maravilhoso de mulher no cio, e então tirei minha cueca e fiquei sá de calção, e resolvi fazer uma surpresa para a coroa, sai do banheiro e Teresa se espantou com meu cacete estava duro dentro da bermuda, eu estava explodindo de tesão, ela ficou meio sem jeito, estava com o mesmo vestidinho curto vermelho que estava antes, então logo presumi que como a calcinha que estava usando estava no banheiro, que ela estaria sem calcinha, ela sorriu e se abaixou para limpar o chão ficando de quatro e empinando aquela bundona gostosa que chegou a levantar seu vestido até a metade da bunda exibindo uma das xoxotas mais bonitas e carnudas que eu já tinha visto em minha vida, era rosinha por dentro e com os pentelhinhos negros, parecia uma manga rosa, sem falar no cuzinho rosadinho e fechadinho, parecia um botão de rosa fechado, ela queria me deixar louco, então falei:



- A senhora sabia que é muito bonita, gostosa e “cheirosa”?



Ela olhou para trás agradecendo com uma cara de safada, então desci para a cozinha para me refrescar e para não estuprar aquela coroa ali mesmo. Ao chegar na cozinha e vi ela, a “empregadinha” loirinha estava terminando de fazer a faxina na cozinha e o piso estava molhado, com cuidado entrei e vi ela passando pano no chão, ela vestia uma camisetinha regata de alças bem folgada, como eu já havia dito, ao se agachar dava para mim ver aqueles peitinhos do tamanho de uma laranja, duríssimos, então pedi licença para ela e fui até a geladeira, tomei um suco e disse a ela que iria deitar um pouco, ela percebeu que eu estava sá com uma bermuda sem mais nada por baixo e meu tesão já aparecia devido as cenas que acabava de presenciar, meu pau estava quase saindo de dentro da bermuda, ela não tirava os olhos dele e falou:



- Se precisar de alguma coisa é sá pedir que eu faço.



Então ela virou de costas para mim e se abaixou para pegar o pano no chão ficando de quatro na minha frente com as papas daquela bundinha carnuda e empinada aparecendo e com a xaninha inchadinha e rachada pelo tecido, não aguentei mais e peguei meu cassete duro e coloquei-o para fora chamando ela, ela olhou e ficou pasma com o tamanho do meu caralho apontado para ela, foi aí que perguntei para ela:



- Você já tinha visto um pinto deste tamanho gatinha?

E ela falou:

- Eu nunca tinha visto um pinto, sá em uma revista uma vez, mas o seu é muito maior e mais grosso. Então falei:

- Quer pegar nele?

Ela ficou com medo de sua mãe pegar nás dois ali naquela situação mas deu uma segurada no meu pau e sorriu com satisfação e logo largou dizendo que tinha que limpar a casa, então guardei o cassete e como ela já estava de quatro de novo limpando o chão, passei a mão em sua xoxota até chegar no cuzinho e dei um beijinho na sua bundinha carnuda e falei que ela era muito gostosinha e que qualquer coisa eu estaria no meu quarto. Voltei para meu quarto; deitado não podia deixar de pensar naquelas duas bucetas, ficando totalmente excitado, quase na penumbra do quarto, comecei a acariciar meu cassete duro, percebi que a garotinha se aproximou do quarto olhando para mim, na hora em que percebi a presença dela comecei a me acariciar bem devagar e esta situação me deixava cada vez mais excitado, ela então começou a acariciar sua xaninha por cima do shortinho e por algum tempo ela ficou parada rente a porta olhando e se siriricando, quando ela saiu, eu levantei e a segui, vendo que foi para o banheiro, com certeza ia acabar de se masturbar, eu com cuidado voltei, fui para a cozinha já limpa e arrumada, mas dona Teresa estava em cima de uma escada limpando as vidraças da cozinha e como eu sabia que estava com a xana de fora e como não sou nada burro fui embaixo da escada e perguntei se estava precisando de alguma coisa, a coroa que de santa não tinha nada abriu um pouco mais as pernas exibindo sua vagina carnuda e seu rabão e falou que não, então eu falei que estava ali para ajudá-la em qualquer coisa e então ela soltou um sorriso e pediu para mim segurar a escada pois estava com medo de cair, então fiquei alí embaixo sá secando aquele bucetão, ela rebolava muito limpando aquela janela, eu nem estava acreditando naquilo, eu não podia tirar os olhos daquela buceta gostosa que já estava molhada de tesão e daquela bunda arrebitada e grande, até que ela se abaixou na escada colocando a vagina e a bunda aberta bem na minha cara para molhar a toalha em um balde que estava pendurado na escada, eu pude sentir o cheiro daquela xoxota no cio toda molhadinha e fiquei louco com o pau estourando, então eu não quis nem saber, larguei a escada e segurei ela pela cintura e caí de boca na sua vagina, ela deu um gemido na hora e se levantou continuando a limpar a janela, com a saia quase na cintura, com a bunda e a xoxota de fora, então resolvi botar o mastro para fora. Assim que ela acabou ajudei ela a descer da escada, peguei ela pela cintura e coloquei ela no chão esfregando a língua em seu clitáris e fui descendo ela passando sua xoxota no meu cassete que estava em ponto de bala e segurei firme seus peitões e beliscando de leve os mamilos que estavam durinhos, ela me chamou de tarado, deu uma pequena punhetada no meu cassete, arrumou o vestido e me agradeceu pela ajuda e soltou um lindo sorriso e me deu um beijo de língua bem molhado, e foi para a parte de cima da casa, então eu saí com o pau duríssimo para fora, e quando encontrei Carol que estava em um quarto na parte de baixo da casa ela tomou um baita susto mas me chamou mesmo assim, pedindo que segurasse uma cadeira para ela para que tirasse uma mala que estava no alto do guarda-roupas, se esticando toda para alcançar, com uma mão eu segurava a cadeira e com a outra acariciava sua xoxota, ela não falou nada, então pedi a ela que me deixasse pegar a mala, pois estava muito alta e ela não daria conta, ela desceu e eu a ajudei segurando na sua bundinha firme de garotinha e eu subi, assim que me estiquei, deixei meu cassete duro quase no rosto dela, ela olhou e falou baixinho:

- Nossa, que pintão, como é grande!!!!.

Carol já sabia que me despertava desejo, estava sempre alisando os seios e retirando a calcinha, que insistia em entrar em suas partes íntimas, então perguntei se ela queria pegar nele de novo e ela me falou que tinha medo que sua mãe visse, então vendo aqueles peitinhos durinhos não resisti e dei-lhe um beijo na boca, passei minha mão boba nos seu biquinhos e ela resmungou alguma coisa, me fez prometer que ficaríamos sá nos amassos, concordei e ela acabou indo para meu quarto comigo sem que a mãe dela visse, chegando no quarto, sentei-a no meu colo com as pernas abertas e de frente para mim encaixando a xoxota no meu cassete que quase furava o tecido de sua bermudinha a comecei a beijá-la, quando ela menos percebeu estava sem camisa e eu mamava feito um bebê naqueles peitinhos, a essa altura já estava com a mão por dentro da bermudinha dela, dentro da calcinha, enfiando o dedo na bucetinha, que tava meladíssima, ela começou a se debater, pedi então pra que ela se levantasse um pouco e baixei sua bermuda junto com a calcinha, ela não gostou, quase gritou que tapei-lhe a boca com um beijo enfiando a língua na sua boquinha e comecei a esfregar o pau na sua xoxotinha linda, ela fechou as pernas, disse que estávamos indo muito longe e disse que queria ir embora, e saiu correndo do quarto. Depois de alguns minutos ela volta toda sorridente me fala que sua mãe tinha ido ao mercado que ficava a uns cinco quarteirões e iria demorar uma hora no mínimo e que precisava de um favor para apertar alguns parafusos do box, no banheiro, e então fui na garagem, peguei uma chave de fenda e alguns parafusos e quando eu comecei o serviço ela veio e sentou em cima vaso sanitário e começamos a conversar... nesse momento percebi que ela estava inquieta, apertando as pernas, um indício de vontade de fazer xixi... perguntei se queria fazer xixi, e com a cabeça respondeu que sim, ai larguei o que estava fazendo e fui saindo, nesse momento ela falou que eu não precisava sair, era sá eu não olhar... mas não consegui, quando ela levantou e baixou a calcinha até o meio das pernas quase desmaiei, meu pau estava muito duro, ouvi o som do xixi saindo, acho que ela percebeu que estava louco, quando acabou e pegou o papel higiênico, eu estava tão tenso que deixei cair as ferramentas, ela percebendo perguntou porque estava tão nervoso, será que nunca tinha visto uma mulher fazendo xixi, respondi que sim, sá que ela estava me deixando excitado demais pois eu adoro ver minha vizinha fazendo xixi e até enxugo sua xaninha... ela olhou com cara de espanto e ainda com o papel na mão, ficou parada por uns instantes até que ela esticou o braço em minha direção oferecendo o papel sem falar uma palavra, eu não sabia o que fazer, sá que morria de tesão por Carol, agora ela ali sentada no vaso me oferendo sua xaninha... cada segundo parecia uma eternidade... mas arrisquei, afinal não podia fazer outra coisa, por mais sério que fosse (o que não sou) não podia recusar aquilo. Eu peguei o papel e ajoelhei na sua frente, inicialmente suas pernas estavam fechadas, aos pouco foi abrindo lentamente, a visão era maravilhosa, ela tinha sá uma trilha bem fina e curta de pêlos, dava para ver os lábios da sua vagina. Quando fui passar o papel em sua xana eu tremia de tanto tesão mas enxuguei direitinho até que deixei o papel cair dentro do vaso, mesmo assim coloquei a mão em sua xaninha, estava muito quente, nesse momento ela fechou os olhos e eu comecei a passar a mão e massagear seu clitáris que começou a ficar rígido, introduzi o dedo na sua grutinha, ela começou a gemer e a passar a mão em minha cabeça.

Fiquei nessa massagem quase dez minutos e meu pau estava quase explodindo até que ela me apertou forte contra seu peito e gozou, foi a primeira vez que vi uma garota gozar tão rápido, posso dizer que é uma maravilha, saiu um líquido meio transparente em grande quantidade, eu quase gozei também. Ela gozou em minha mão e posteriormente, passei na parte interna de suas coxas e no início de sua bunda. Deixei ela completamente meladinha. Ela se levantou, então tirei a sua regata, que visão linda, ela tem peitos pequenos com uns bicos durinhos e salientes... deixei ela peladinha e mandei ela entrar no boxe, eu estava vestido ainda, ai ela começou a me beijar, tirou minha bermuda, nisso ela pegou meu pau se ajoelhou e e começou a me masturbar toda sem jeito, estava realmente muito excitada, mas sem poder cuidar adequadamente de mim, então levantei ela segurei em sua cintura a “abocanhei” aquelas tetinhas maravilhosas, rosadas, empinadas e duras chupando de todas as formas e jeitos possíveis e imaginários...eu estava completamente fora de mim...ela ficou apavorada pois estava até doendo e começou a chorar....eu estava “dominado”... fiquei durante muito tempo apenas chupando, lambendo, mordendo, alisando, me esfregando, falando putarias e sacanagens em seu ouvido e ela foi “entrando” no clima e foi cada vez mais substituindo o choro por gemidos....até que eu liberei seus peitinhos, ela continuou gemendo, gemendo, gemendo e de repente ela começou a gritar,....fiquei puto da vida....tampei sua boca de...sá que agora, como ela já estava pelada... deitei ela no chão e minha rola estava bem parecido com um pedaço de “cano”, abri suas pernas, bem abertas...encostei meu cassete na “entradinha” da sua buceta e fui enfiando bem davagar...cada vez mais um pouquinho...cada vez mais um pouquinho...cada vez mais um pouquinho... até que pude perceber que sua buceta estava totalmente lubrificada (aliás...parecia um lago) comecei a “bombar” freneticamente a bucetinha da minha empregadinha virgem....percebi que ela começou a me alisar cada vez com mais amor...cada vez com mais prazer...cada vez com mais vontade...resolvi arriscar, tirei a mão de sua boca, assim que tirei a primeira coisa que ela me disse e nunca mais esqueci foi:

- Posso te chamar de titio?

E eu disse “claro querida”, não pude acreditar....estava sonhando....sá podia ser...aquilo não estava acontecendo comigo, pensei...e começamos a nos beijar ali, no chão do banheiro mesmo, ficamos nos beijando durante muito e muito tempo... tirei meu pinto de sua buceta e fui enfiando em sua pequenina boquinha e ela na medida do possível ia tentando “agasalhar” toda aquela rola dentro de sua boca....em nenhum momento senti seus dentes encostarem em meu pênis...sá sentia seus lábios, sua língua e principalmente sua saliva...percebi em seus olhos que ela nasceu com o dom de acariciar, com sua boca, um pinto...tamanho o profissionalismo com que ela desempenhava aquela “arte”...então eu fiquei de pé e ela de joelhos, ela me olhou e disse:

- " Estou rezando, né titio". Ela chupou como uma puta velha, quando estava para gozar, ela queria tirar, mas lhe falei "você tem que engolir meu gozo todinho", ela prontamente obedeceu:

- - “Estou esperando....quero beber toda essa sua porra....goza vai?”

Feita uma putinha como estava muito excitado não aguentei muito e gozei, ela não deixou escapar nada, engoliu tudo... ligou o chuveiro, tomamos banho e fomos para o quarto, isso sem trocar-mos nenhuma palavra... ela deitou na cama e com o dedo me chamou para deitar ao seu lado... abriu suas pernas e começou uma maravilhosa siririca enquanto chupava meu pau, ela gozou novamente, sá que desta vez a sua ejaculação foi tão forte que espirrou no chão do quarto, pude então adimirar a beleza da menina, com quinze anos, é muito desenvolvida pra idade, corpo bem definido, seios em formação, cintura fina e um bumbum lindo, pernas longas e bem torneadas, loira, olhos grandes e lábios carnudos, uma tetéia, a abracei e beijei-a e meus olhos viram uma bucetinha bem linda, inchada com lábios carnudos e bem fechadinhos, não tinha pêlos mas sim uma penugem quase transparente, achei que coisa linda, posso ficar olhando,

- Posso tocar de novo nela? você deixa amor?

- Eu deixo titio, pode pegar .

Sem desgrudar os olhos daquela rachinha linda, levei o dedo indicador e o passei entre os beicinhos ela abriu um pouco mais as pernas facilitando minha investida, fui passando o dedo e ela foi ficando mais molhadinha ainda e como não tenho unha grande fui enfiando o dedo e foi indo, ela gemendo baixinho, faz mais faz querido eu gosto. fui direto para meio das coxinhas abertas da garota chegando ao ponto de meter a língua naquela xoxotinha rosada, ela não falou nada, abriu as pernas e depois de gozar na minha boca, ela disse :

-" Gostoso, desde que te ví tive vontade de que você tirasse meu cabaço, mas fiquei com medo de minha mãe!"

Comecei a passar a língua na sua grutinha já muito vermelha, ela gemia e levantava a bundinha para colocar a bucetinha na minha boca, chupei, enfiei a língua tive até medo de num ímpeto de tesão morder aquela bucetinha, não era a primeira vez que comia uma ninfetinha, mas aquela realmente era um tesão, com medo de fazê-la gozar assim e não poder come-la com todo tesão. ela exclamou:

- ai como é grande titio, nunca vi um assim, não sei como ele cabe na minha bucetinha, ela é tão pequena?

- cabe sim meu amor, com cuidado e muito carinho ela engole tudo, você quer ver de novo?

Ela o colocou na boquinha e começou a chupar de novo, não era mais nenhuma inocente, não a deixei chupar muito, pois também já estava louco de tesão, tirei-o da boquinha e disse pra ela se preparar que queria fudê-la, comecei então com um linguajar carregado pois isto me dá muito tesão:

- abre bem as pernas sua safada, quero enfiar ele todinho nesta bucetinha gulosa novamente.

Ela abriu o máximo que pode as pernas e eu ainda admirei aquela rachinha agora com os lábios um pouco afastados, sua bucetinha brilhava em consequência do seus líquidos depois que eu a chupei, peguei meu pau e o dirigi para aquela boquinha faminta, encostei nos beicinho e comecei a pressionar, e foi entrando, apertada quente, ela gemia ai titio está doendo, vai bem devagarinho é muito grosso, deixei entrar um pouco e parei, e ela falou:



- me fode meu lobo mau, me rasga, alarga minha xoxotinha que você tirou o cabaço.



Fiquei pasmo, ela estava com as mãos apoiadas no colchão ao lado do seu corpo e olhei sua bucetinha que já havia engolido uns dez cm de pica, ai coloquei minhas mãos em volta do seu rostinho lindo dei-lhe um tremendo beijo na boca carnuda e fui fazendo pressão para baixo enquanto a beijava, senti seu grito abafado dentro da minha boca, ela havia engolido todo meu pau, olhei seu rostinho, sua respiração estava bastante acelerada, perguntei:



- tudo bem com você? entrou tudo amor, que mulherzinha maravilhosa que você é,

- tudo bem titio, ai, não acredito que entrou todo, deixa eu ver!!!!!!

Me levantei de cima dela e ela levantando a cabecinha olhou e viu meu pau todo enterrada em sua bucetinha, olhou um bom tempo, depois se atirando pra trás disse:

- agora faz gostoso que eu quero.

Comecei a mexer, primeiro puxando o pau bem devagar, sentindo a pressão das paredes vaginais da menina apertarem meu pau como se não quisessem deixar ele sair, puxei até quase a cabeça e ai enterrei novamente, ela gemia gostoso:

- aiiiiiii aiiiiiiiii aiiiiiiii aiiiiiiiiii porraaaa aiiiiiiii tesãoooo mete e mete seu gostoso aiiiiiii que bom, pode meter, não dái mais.

E comecei a aumentar o ritmo das estocadas num vai e vem louco, comecei e lhe comer como um cachorro fode uma cadela, e que cadelinha, de vez enquando me desgrudava dela para ficar olhando meu pau entrar e sair era um espetáculo lindo, a garota era muito apertada a ponto de machucar meu pau que é muito grosso, eu sentia muito prazer, me movimentava como um possesso dentro daquela gruta quente, ela gemia e pedia pica:

- fode, fode minha bucetinha, ai nunca fui fudida, é tão gostoso, eu quero gozar eu quero gozar.

Não dei trégua a garota, com estocadas cada vez mais violentas, sentia que chegava ao fundo, segurava seu corpo, e metia sem dá nem piedade, perguntei:

- você consegue mexer amor?

- Não sei se consigo, teu pau é muito grande.

- tenta sua cachorra, eu gosto, dá uma reboladinha.

Ela tentou mas a estaca cravada bem fundo dentro dela não deixou, não demorou muito e começou a gritar dizendo que iria gozar.

- mete mete aiiiii, que bom, aiiiiii que bom, estou gozando aiiiiiiiiii, e me apertou num frenesi louco, também não aguentei mais e comecei a gozar, era lindo ainda pude ver seus olhinhos ficarem totalmente brancos, isto me levou a loucura, soquei forte o pau dentro dela e comecei a esguichar minha porra quente lá no fundo do seu útero perdi a conta de quantas golfadas dei na garota, quando terminei de gozar vi que ela ainda gozava, dei mais algumas fincadas bem fundas até que ela teve um estremecimento no corpo, ficou quietinha, ela tinha desmaiado e estava com os olhinhos fechados, cai em cima dela e assim ficamos um bom tempo, o pau ainda duro todo enterrado nela. depois de alguns minutos retirei o pau devagarinho gozando, aquela visão era linda, me deitei com o rosto práximo a sua rachinha agora bastante inchada e vermelha, estava ali a rodinha vermelha que num instante sumira. podia até sentir o cheiro gostoso da bucetinha jovem e do meu esperma que estava nela, fiquei olhando bem entre os beicinhos e de repente começou uma verdadeira cascata de leite a sair da vagina satisfeita, a racha ficou branca e começou a escorrer em direção ao seu cuzinho, eu gosto de ver o leitinho saindo, tentei colocar todo pra fora, ela deitada desmaiada dobrei os seus joelhos deixando a bucetinha bem aberta como eu adoro, quando vi que devolvera todo o néctar que eu depositara dentro da sua buceta, levantei, e fiquei ali olhando aquela ninfeta desmaiada na minha frente, toda arregaçada, então aproveitei que estava desmaiada e passei vaselina no meu pau e coloquei ela de quatro na cama com o cuzinho bem aberto, e fui enfiando o pau naquele buraquinho quente, parecia que ia rasgar ela ao meio, então comecei a bombar como um maluco aproveitando a situação, nisso ela acordou e perguntou o que eu estava fazendo, falou que estava ardendo muito seu cuzinho, mas eu não quis nem saber e gozei dentro dela de novo. Carol relaxou e começamos a conversar e ela perguntou se eu achava a mãe dela gostosa e se eu sentia tesão por ela..... eu tentei disfarçar falando que eu achava o que qualquer homem acharia....... na hora ela fingiu que acreditou, eu fiquei indignado, mais conforme ela foi falando eu fui ficando cada vez mais excitado. Ela disse que notou um interesse muito grande na minha mãe, e ainda pediu pra que eu fizesse um favor pra ela. Ela queria muito que eu trepasse com a mãe dela pra que ela voltasse a sentir tesão pelo sexo, e acabassem as brigas...... fora que ela deixou escapar que isso a deixava muito excitada, e então falou que iria tirar um cochilo pois estava muito cansada.

Eu então fiquei maluco com a proposta dela e fiquei esperando Teresa voltar do mercado, desci até a sala e coloquei um filme pornô no videocassete, que titia tinha alugado na Sexta, e começo a me masturbar. Então ela chega, senta-se na poltrona em minha frente com as pernas abertas, e eu com o pau de fora me exibindo para ela. Ela vestia um shortinho de lycra coladinho que me deixava louco. Estava passando uma cena em que a atriz cavalgava no pau do ator e gemia como uma louca. Ela me perguntou que filme era esse, e eu disse que não sabia o nome, tinha alugado com minha tia na sexta, então ela disse:

- desligue isso já!

Então desliguei, Então ela me perguntou onde estava a filha dela, com um ar de desaprovação, então eu disse que estava dormindo lá em cima e continuamos conversando e ela estava sá com este short branco sem calcinha, pois dava pra ver perfeitamente o contorno de sua buceta carnuda e seus pentelhos loiros; eu estava louco sá de olhar, foi quando ela percebeu minha excitação, aí ela olhou para o meu pau e disse:



- o que é isso? está com tesão seu tarado, é por causa do filme?



E sorriu, quando ví que ela também estava com tesão, disse-lhe:



- “Não, é essa tua bucetona gostosa que você tem que me deixa louco, com essas pernas abertas assim na minha frente, fico imaginando que linda xoxota tem debaixo deste pano" .



Ela assustou-se, se levantou e tirou o shortinho sentando com as pernas bem abertas, e perguntou:



- Você gostou da minha vagina carnuda?



Abrindo ainda mais as pernas e passando o dedo bem no meio da racha, eu falei que sim e ela diz que eu iria ficar sá na vontade, se levantando indo para o banheiro rebolando aquele bundão que eu estava tarado para comer, e falou que iria tomar um banho morno, e que a água morna a deixava relaxada e com vontade de fazer sacanagem. Então eu não entendi nada e o tesão tomou conta de mim e esperei ela entrar no banheiro, fui atrás e notei que ela sá tinha encostado a porta, então resolvi dar uma espiada. Quando olhei, consegui vê-la de lado, ela estava já sem roupa pude notar quando ela passou a mão no meio das pernas, não sei se estava coçando ou acariciando a vagina. Até que de repente ela entrou no box e então pude ver melhor suas formas sensuais, que enlouqueceriam qualquer homem: seios empinados e grandes, cintura fina, bunda arrebitada e empinada, nádegas bem redondas e um par de pernas bem torneadas e grossas, e uma xoxota recoberta por uma grossa penugem loira, que coroa maravilhosa. Meu primeiro impulso foi agarrar aquela mulher, que já tinha me deixado de pau duro várias vezes, então ela começou a se masturbar e eu estava vendo tudo pela fresta da porta, me deixando contemplar seu enorme bucetão com pêlos loiros, uma verdadeira mata pegando fogo. Esse era o sinal que eu esperava, aquilo foi a gota d"água! Fiquei inebriado pelo cheiro de fêmea no cio que exalava do banheiro e fiquei muito excitado, ela esfregou o sabonete na xoxota e a deixou bem ensaboada, depois disso ela enfiava dois dedos na xoxota dava umas estocadas muito fortes e com a outra mão ela esfregava o clitáris, gemendo muito, e fiquei assistindo ao show, observava e tocava uma super punheta enquanto ela de repente ela abriu os olhos, e no susto tirei a cabeça da fresta, mas ela me viu, pois fechou a porta com raiva, tamanha foi a força com que o fez. Na hora eu não sabia onde enfiar a cabeça, fiquei morrendo de vergonha e não sabia o que fazer. Fui para o quarto e fiquei lá pensando o que iria dizer. A coroa saiu do banheiro e passou direto pro quarto dela com a maior cara feia. Pouco tempo depois ela veio até mim e começou a me dar a maior bronca! Falou que eu era um safado, que ia contar para minha tia pra ela me botar pra fora, e mais um monte de besteiras... Eu ia tentando me desculpar dizendo que não consegui ver praticamente nada, mas ela estava realmente muito irada. Depois de gritar muito comigo e estando um pouco mais calma, eu disse:

- "Olha dona, desculpa, mas você bem que me provocou com essa xoxotona de fora me deixaram louco e ainda por cima tive a curiosidade de saber como é o corpo de uma mulher madura, ainda mais gostosa

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos gay com a mulher em casaCasada narra conto dando o cuvoyeur de esposa conto eroticocontos de coroa com novinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentesadina levano rola na bucetacomendo a tia de pois de beber um vinhocontos eroticos flagrei minha mae fudendo com travestiContos eroticos com cavalosminha esposa deixa a buceta cabeluda e da pra o meu melhor amigo em relatoschupando pintaoooproctologista me comeu gaydiana sentindo pica pela primeira vezconto casada levar rola de negão no assaltoeroticos sinto uma tesao enorme por ti maecontos de anjinha safadadei pra um dog bem dotado me arromboa namorada do meu enteado com minha.esposa e eu contocontos eroticos enganada e oferecida pelo maridotirou as pregas dela contosContos eroticos : a amiga japonesa da minha maeconto de irmafui cagar gostoso mulher contos eroticosirmao com ciumes contos eroticosfinalmente contou quando chupar pau do ex delazoofili negao magro com umaacontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos em ferias em casa de tia gostosa na piscina e marido nao vermulatas do bundao e pitos caido gostosa.conto erotico surpresa na siricabucetinha contosMinha filha Caçula contos eroticoscontos eróticos se esfregando em coisascontos eroticos primeira vez no cuzinho da esposaConto erotico pagandoContos crossdresserContos eroticos de travetis negra do pau grande e gostosos.sou a cris, e esses fatos aconteceram quando eu tinha 20 anosdividindo a cama conto bicontos das bordas da conacontos de coroa com novinhoContos eróticos comendo um garotinho de 08aninhosConto de puta metendo com todos no posto de gasolinaLer uma istoria erotica de sexo de cumadre dando o cu pro cunpadreconto erotico paraliticocontos eroticos atrizes chupando pau receberbunda grandíssima contos eroticos incesto fis minha nora chupar na maracontos betinha vendo irma fodendocache:iOh7vGcQjJIJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=151 contos eroticos gay aposta de video game na infanciaposisoes para transa no acanpamento conto eróticocontos eroticos solteira vendidacontos minha tem buceta gostosa ela ta dando pra outro picudocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos fui cornoconto.erotico..casada.18..anos.santinhacontos eróticos meu aluno preferidomulheres de vitória es que praticam zôofilialer contos eroticos fortesSobrinhas safadas relatos eroticos reais novosContos eróticos eu e minha mãe adoramos o Marcos o novo marido da minha tiacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto erotico virei menina por ter cabelo compridoconto erotico/12aninhosporno conto mae gravedacontos eróticos forçada a fuddercontos eroticos meu professor me deu uns amassos e colocou pra mim chupar seu pau em sala de aulaIncesto com meu irmao casado eu confessocontos eróticos de comi a mãe do meu amigobranca gordinha casada estrupada por maniaco no cucantos historias transei com minha sobrinha de 11aninhosPorno conto casada no velorioConto erotico.no cuzinho da caderanteConto erótico com foto no interior vizinha peludavideo safadecaPau gostoso na xana na prima conto erótico